Viagens bate e volta


Dunas de Mangue Seco, Bahia
As incríveis dunas de Mangue Seco (BA) e uma praia quase selvagem podem ser curtidas facilmente em um bate e volta partindo de Aracaju

Quem é que não gosta de viajar para ver coisas lindas sem ter que se preocupar em carregar a bagagem e fazer check in em hotel, antes de mergulhar nas atrações do lugar? Todo mundo curte viagens bate e volta, aquelas escapadinhas do destino principal que temperam a jornada com novas cores e — admitamos — nos autorizam a colocar mais uma estrelinha no nosso mapa sem a parte chata de mudar de cidade no meio da viagem.

A Fragata Surprise também adora viagens bate e volta — mesmo que seja para ir embora com o coração apertado, querendo ficar mais um pouquinho no destino visitado em algumas horas.

Praça São Francisco, São Cristóvão, Sergipe, Patrimônio da Unesco
Igreja e Convento de São Francisco, em São Cristóvão (SE): Patrimônio da Humanidade a 35 km de Aracaju

Foi por isso que decidi organizar esse índice, para ajudar você a planejar suas escapadinhas.

Parte dos destinos citados aqui eu visitei por períodos mais longos que um bate e volta — eu sou grudenta mesmo e acho que, quanto mais a gente fica, mais atrações descobre — mas são perfeitamente visitáveis em viagens de um dia.

O tempo de permanência, você é quem decide. Mas aproveite as dicas para ir além em suas descobertas. Boas viagens J

Brasil

Cânion de Xingó, Sergipe
A 200 km de Aracaju, o Cânion de Xingó tem uma bela paisagem e as águas deliciosas do Rio São Francisco

Viagens bate e volta saindo de Aracaju
Uma viagem de 200 km  para navegar entre os belos paredões de pedra de Xingó e tomar banho no Rio São Francisco.

Laranjeiras, cidade colonial de Sergipe
Laranjeiras, cidade colonial a 23 km de Aracaju

(23 km) Laranjeiras é uma linda cidade colonial restaurada pela Unesco.

(135 km). Embora Mangue Seco fique na Bahia, o bate e volta partindo de Aracaju é mais viável, considerando as distâncias.

(35 km) São Cristóvão foi a primeira capital de Sergipe, um primor arquitetônico com casario e igrejas do Século 18 e a linda Praça de São Francisco, Patrimônio da Humanidade.

Viagem de trem de Belo Horizonte ao Caraça, Minas Gerais

As montanhas de Minas aconchegam lindas cidades coloniais que você pode visitar em viagens curtas, partindo de BH. Esta foto eu fiz a bordo do trem, a caminho do Santuário do Caraça


Viagens bate e volta saindo de Belo Horizonte

(81 km) Na Basílica de Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, estão os 12 Profetas de Aleijadinho, conjunto considerado a obra-prima desse gênio do Barroco brasileiro.

(124 km) A cidade de Mariana, a irmãzinha linda de Ouro Preto, guarda preciosidades da arquitetura colonial mineira.

Cidades coloniais mineiras: Sabará e Congonhas

Os Profetas do Aleijadinho, em Congonhas, a 80 km de Belo Horizonte. À direita, a Capela de Nossa Senhora do Ó, em Sabará, a 20 km da capital mineira

(94 km) Ouro Preto merece mais do que um bate volta, mas a esticadinha de Belo Horizonte até lá é fácil e confortável e compensa ir e voltar no mesmo dia, pra quem tem pouco tempo. Uma viagem para ver o Século 18 ao vivo.

(20 km) Sabará é tão pertinho de Belo Horizonte que a gente nem percebe que saiu da capital. Essa cidade encantadora está repleta de preciosidades do Século 18.

Cidades coloniais mineiras: Ouro Preto e Mariana
Ouro Preto (esq) e Mariana, duas lindezas a cerca de uma hora e meia de viagem de BH

Santuário do Caraça 
(146 km) O famoso colégio interno fica em uma área de preservação, cercada de montanhas. A reserva ambiental é lar de lobos guarás.

Tiradentes, Minas Gerais
A distância de BH não recomenda o bate e volta a Tiradentes partindo da capital. Mas, se você estiver em São João del Rey, não tem desculpas pra perder essa esticada

Viagem bate e volta saindo de São João del Rey

Tiradentes
(12 km). Seguindo pela Estrada Real ou em um passeio de Maria Fumaça, a escapada a Tiradentes partindo de São João del Rey é uma ótima opção de bate e volta entre duas preciosidades coloniais de Minas.

Pirenópolis, Goiás
Matriz do Rosário, em Pirenópolis (GO), a 190 km de Brasília

Viagem bate e volta saindo de Brasília
Pirenópolis 
(190 km)
. Uma viagem confortável, por estrada boa, é uma das grandes escapadas de Brasília. Pirenópolis tem encantos do Século 18, cachoeiras e muitas atividades de turismo de natureza.

Atrações turísticas próximas a Curitiba
No Parque Histórico de Carambeí os visitantes podem experimentar a rotina dos imigrantes holandeses. No alto, a direita, uma fachada colonial na Lapa. Acima, o Museu Histórico de Witmarsum, colônia menonita e A Taça, formação arenítica mais famosa de Vila Velha. Quatro viagens bate e volta a partir de Curitiba

Viagens bate e volta saindo de Curitiba
(50 km) Fundada na segunda metade do Século 18, a Lapa é uma das cidades mais antigas do Paraná e preserva um interessante patrimônio colonial e as tradições dos tropeiros que deram origem à povoação.
(90 km) O impressionante parque de formações areníticas tem um esquema de visitação bem organizado e didático.

(64 km) Célebre por sua produção de queijos finos, Witmarsum é um bom lugar para provar delícias artesanais em um café colonial. Aproveite e conheça as tradições da colônia menonita, imigrantes que seguem regras similares aos amish norte-americanos.

Praia do Rosa, Santa Catarina
Praia do Rosa, sossego pertinho de Floripa

Viagem bate e volta saindo de Florianópolis
(90 km) Famoso destino de surfista, a Praia do Rosa também é um destino para ver baleias jubarte e para quem curte boa gastronomia. Merece mais que o bate e volta, mas um dia de viagem já nos  apresenta os encantos locais. 

Casa natal de Che Guevara, Caraguatay, Argentina
Na província de Misiones, um pequeno museu lembra Che Guevara

Viagens bate e volta saindo de Foz do Iguaçu
(Na Argentina, 143 km) Na beira do Rio Paraná, na área rural da vila de Caraguatay, o sítio onde o Che morou nos primeiros dois anos de vida é agora um parque histórico, com um pequeno museu. Uma visita emocionante.

Missão Jesuítica de San Ignacio Miní, Argentina
As ruínas de San Ignacio são um espetáculo pra deixar a gente sem fala
(Argentina, 254 km) As belíssimas ruínas da redução de San Ignacio Miní, implantada no Século 17, são consideradas o melhor exemplo da arte e arquitetura Barroco-Guarani. Super recomendo essa visita.

Praia do Coqueirinho, Paraíba
Praia do Coqueirinho: mar gostoso e lindas falésias

Viagem bate e volta saindo de João Pessoa
(25 km) Do ladinho de João Pessoa, no Litoral Sul da Paraíba, o que não falta é praia bonita. Na Praia do Coqueirinho, você vai tomar um super banho de mar diante de belas falésias

Caminhos de Pedra, Serra Gaúcha
Os Caminhos de Pedra rendem um baita passeio na Serra Gaúcha

Viagem bate e volta saindo de Porto Alegre
Caminhos de Pedra, em Bento Gonçalves 
(120 km) Sou fã de carteirinha dos Caminhos de Pedra, uma rota turística pela culinária, vinho e tradições dos imigrantes italianos que colonizaram a região parte da Serra Gaúcha.

Ilha da Madeira, Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro
Traineiras atracadas na Ilha da Madeira, Baía de Sepetiba

Viagens bate e volta saindo do Rio de Janeiro
(78 km) Uma escapadinha para comer um camarão de responsa, vendo as garças e as traineiras na Baía de Sepetiba.

Mangaratiba, Rio de Janeiro
Mangaratiba, entre o mar e a montanha
(104 km) A Rodovia Rio-Santos é a nossa Costiera Amalfitana. Qualquer passeio por essa estrada entre o mar e as montanhas da Serra do Mar é deslumbrante. Mangaratiba tem hotéis à beira-mar e é o ponto de embarque para a Ilha Grande. 

Barra do Itariri, Bahia
Banho salgado ou banho doce? Esse é o gostoso dilema na Barra do Itariri (no alto) e no Imbassaí (abaixo), duas ótimas opções de bate e volta no Litoral Norte da Bahia

Praia do Imbassaí, Bahia

Viagens bate e volta saindo de Salvador
(166 km).  Uma vila de pescadores muito simples, dona de uma das paisagens mais bonitas do Litoral Norte da Bahia.
(90 km). Com opções mais econômicas do que a vizinha e badalada Praia do Forte, o Imbassaí é um grande lugar para viver o doce dilema de escolher entre o banho de mar e o banho de rio.

Itaparica, Bahia
A 45 minutos de Salvador numa travessia pela Baía de Todos os Santos, Itaparica ainda é um dos locais favoritos para o veraneio dos baianos

(45 minutos de ferry boat). Entra década, sai década, Itaparica continua a oferecer o gostinho de um veraneio de antigamente.
 
Atrações próximas a Salvador: Recôncavo Baiano e Vila do Diogo
Uma escapada às cidades do Recôncavo revela belezas coloniais como Maragogipe (esq). À direita, o coqueiral quase intocado da Vila do Diogo, no Litoral Norte
 Cachoeira (110 km), São Félix (120 km), Maragogipe (140 km), Nazaré (78 km), Santo Amaro (87 km), Jaguaripe (113 km)... as lindas cidades coloniais no entorno da Baía de todos os Santos, todas a um pulinho da capital.
(95 km) Antiga aldeia de pescadores muito sossegada, a Vila do Diogolembra a Arembepe dos bons tempos.
Arquipélago de San Blas, Panamá
O mar cristalino de San Blas está ao alcance de um bate e volta, partindo da Cidade do Panamá - mas, se eu fosse você, ficava mais tempo 😉

América Central

Da Cidade do Panamá a San Blas 
(1h30 de carro, mais travessia de barco) O ideal é ir a San Blas com mais tempo, mas é perfeitamente possível o bate e volta, pra quem está com o roteiro mais apertado. Eu fui e voltei no mesmo dia e amei mergulhar em águas cristalinas do arquipélago governado pelo povo Kuna.

Tikal, Guatemala
Foi um bate e volta pedreira, mas ficar cara a cara com a grande metrópole maia de Tikal valeu o sono interrompido às 4 da manhã

Da Cidade da Guatemala ao Sítio Arqueológico de Tikal 
Novamente, o ideal é pernoitar uma noite em Flores, para a viagem ficar menos corrida. Mas, se seu tempo é curto, como era o meu, dá para organizar a viagem bate e volta a Tikal e aproveitar muito esse espetacular sítio arqueológico da cultura maia. 

Mercado de Chichicastenango, Guatemala
No Mercado de Chichicastenango você vai ver a cultura maia muito viva e vibrante

De Antigua Guatemala ao Mercado de Chichicastenango
(100 km) A distância não é grande, mas lembre-se que o trajeto é pelas intrincadas estradas de montanha da Guatemala. O bate e volta de Antigua a Chichicastenango, porém, é imperdível. É fascinante ver a cultura maia viva e vibrante em dia de mercado, com rituais religiosos, muitas cores e comidas típicas.

América no Norte

Estados Unidos

Passeio de barco no pântano da Luisiana, Estados Unidos
Os pântanos da Luisiana são o lar da cultura Cajun

Viagens bate e volta saindo de Nova Orleans 
(a cerca de 1 hora de carro) Uma jornada pelo Bayou, lar da cultura Cajun, para ver jacarés, muitas aves e os famosos ciprestes.

fazenda histórica Oak Alley Plantation, Luisiana, Estados Unidos
Oak Alley Plantation, o lugar mais fotografado da Luisiana

Visita às plantations próximas a Nova Orleans
(80 km) 
Fazendas históricas como a Oak Alley Plantation e a Laura Plantation contam a história da colonização da Luisiana e colocam o visitante cara a cara com a vida no Velho Sul dos EUA. A imperdível Whitney Plantation vai além: é um museu comovente, construído sobre as memórias das crianças que viveram escravizadas nas fazendas.

Pirâmides de Teotihuacán, México
A espetacular Teotihuacán está a apenas 50 km da Cidade do México

México
Viagem bate e volta saindo da Cidade do México
(50 km) Apontado como o sítio arqueológico mais importante do México, Teotihuacán foi o centro de uma avançada civilização que floresceu 1.000 anos antes dos Astecas. Contemplar (e subir) as impressionantes pirâmides de Teotihuacán é daquelas coisas que fazem a vida valer a pena.

Colonia del Sacramento, Uruguai

Colonia del Sacramento, no Uruguai, merece muito mais que um bate e volta. Mas se seu tempo for curto, ela está a apenas 150 km de Montevidéu, ou uma a horinha de catamarã de Buenos Aires


América do Sul 

Argentina
Viagem bate e volta saindo de Buenos Aires
Colonia del Sacramento 
(1 hora de catamarã) Colonia é uma perolazinha colonial que justifica o uso do lugar comum: parece que lá o tempo parou. Já visitei Colonia três vezes: num bate e volta desde Montevidéu, outro bate e volta saindo de Buenos Aires e uma parada de dois dias (uma noite) em uma viagem entre as duas capitais. Essa fofura de cidade merece. 

O bate e volta de Buenos Aires a Colonia é bem confortável e fácil de organizar.  

Ilha do Sol, Lago Titicaca, Bolívia
Para se sentir no topo do mundo: Ilha do Sol, a 3.800 metros de altitude, a duas horas de barco de Copacabana, Bolívia

Bolívia

Viagem bate e volta saindo de Copacabana
Ilha do Sol 
(Duas horas de barco)
. Embora eu recomende enfaticamente que você durma ao menos uma noite na Ilha do Sol (pra ver o pôr do sol, os milhões de estrelas da noite quase sem luz elétrica e uma alvorada de rasgar a roupa), é perfeitamente possível fazer um bate e volta entre Copacabana e esse pedaço de paraíso no Lago Titicaca. As paisagens são arrebatadoras e as pessoas são encantadoras.

Tiwanaku, Bolívia
Tiwanaku: simplesmente imperdível

Viagem bate e volta saindo de La Paz
(64 km) Antiga capital de uma poderosa civilização — que dominou o Altiplano Andino e deixou vestígios até no Brasil — Tiwanaku é imperdível. Fiquei boquiaberta com as ruínas dos templos e demais construções, com o museu onde está a estátua de Pachamama (principal divindade do povo Aimará) e com a paisagem ao redor. 

Praia de Anakena, Ilha de Páscoa
Praia gostosa tem no mundo inteiro. Praia gostosa com moais, só em Anakena
Chile
Bate e volta saindo de Hanga Roa (Ilha de Páscoa)
Anakena 
(18 km) Obviamente, mar é o que não falta na Ilha de Páscoa. Mas praia, praia mesmo, só em Anakena. Cercada por um vasto coqueiral, com a areia branquinha e águas muito cristalinas, a melhor praia da ilha só destoa do Nordeste Brasileiro ou do Caribe pela temperatura geladinha do banho de mar. Mas onde mais é possível ir à praia na companhia dos moais do magnífico Ahu Nau Nau?

Viagens bate e volta saindo de Santiago

Valparaiso, Chile
Valparaíso é minha paixão chilena

(125 km) Pra começar, Valparaíso é um cenário recorrente nas aventuras da Fragata Surprise de Patrick O'Brian, a embarcação da literatura que inspirou este blog. A alma da cidade é profundamente ligada ao mar: muito antes dos europeus atracarem nas Américas, o povo Chango, em suas canoas, praticava o "nomadismo naval" naquele pedaço de mundo que depois se tornaria um dos portos mais importantes do continente. 

Mas ainda que você não seja apaixonada por histórias do mar, aposto que vai ficar encantada com as casinhas coloridas penduradas nas montanhas que se debruçam sobre o Pacífico e com o astral boêmio de Valparaíso, um bate e volta muito confortável para quem está em Santigo do Chile.

Vinícola Concha y Toro, Chile
Vinícola Concha y Toro: um bate e volta de metrô

(21 km) Em Santiago, você vai encontrar um fato cardápio de excursões bate a volta a vinícolas próximas à capital. Mas, se quiser economizar e fazer o passeio por conta própria e no seu próprio ritmo, experimente a visita à Vinícola Concha y Toro, uma viagem de 30 km que você faz confortavelmente de metrô.

Colômbia
Bate e volta saindo de Bogotá

Villa de Leyva, Colômbia
Se você curte cidades coloniais, vai se apaixonar por Villa de Leyva

(160 km) Pra uma fã das cidades coloniais das Américas, tipo eu, visitar Villa de Leyva foi uma festa. Que cidade linda, gente! Acho que ela vale muito mais do que o bate e volta, esquema preferido por muitos viajantes que passam por Bogotá. Mas só recomendo essa opção se o seu tempo for muito curto.

Por dois motivos: a viagem entre Bogotá e Villa de Leyva leva pelo menos três horas e você vai perceber que tem muita coisa bacana pra ver nessa preciosidade colonial colombiana e seus arredores. Fiquei duas noites e acho que foi a conta justa. 
   
Bate e volta saindo de Cartagena

Ilhas do Rosário, Colômbia

Ilhas do Rosário: a maioria dos visitantes vai em esquema bate e volta. Mas, se puder, fique mais tempo


Ilhas do Rosário 
(1 hora de lancha) Cartagena é maravilhosa, mas se você quiser mergulhar no Caribão legítimo, as praias da cidade deixam um pouquinho a desejar. O jeito é embarcar em um passeio bem popular entre os turistas: um bate e volta às Ilhas do Rosário, arquipélago com uma miríade de ilhotas transformado em parque nacional e santuário da vida marinha. 

Mas vou logo avisando que eu fiquei três noites em San Pedro de Majágua, em uma das Ilhas do Rosário, com praia na porta, e achei pouco 😊.

Equador
Viagens bate e volta saindo de Quito

Cotacachi, Equador
Cotacachi é famosa pelo comércio de artefatos de couro, mas eu adorei mesmo foi ver as tradições indígenas plenamente incorporadas ao cotidiano da cidade
(118 km) Essa pequena cidade (9 mil habitantes) da Província de Imbabura recebe muitas excursões de compras, pois é um importante polo de comércio de artigos de couro — até eu, que morro de preguiça, fiz minhas comprinhas por lá. Mas o que mais me interessou em Cotacachi foi ver como os costumes indígenas sobrevivem por lá, perfeitamente integrados ao dia a dia contemporâneo

A visita a Cotacachi costuma ser uma escala dos passeios a Otavalo.

Mercado Indígena de Otavalo, Equador
Otavalo oferece muito mais do que artesanato: experimente esse encontro com as tradições dos primeiros equatorianos
(90 km) O passeio bate e volta de Quito a Otavalo é um “campeão de bilheteria” entre os turistas que visitam a capital equatoriana. Não é pra menos: uma viagem de 90 quilômetros por uma estrada bem conservada—mas cheia de curvas, subidas e descidas, como ocorre em qualquer estrada andina legítima — nos leva a um fascinante mercado de rua com mais de 600 postos de venda de artesanato, roupas utensílios, tapetes, bolsas, mantas...

As peças, em geral são confeccionadas manualmente, por comunidades da região — mas pesquise, porque, como acontece no Peru e em outras áreas andinas, já dá pra perceber a presença de peças industrializadas pega-turistas.

E ainda que a oferta de produtos seja uma tentação, ela é o que importa menos em Otavalo. A grande atração, mesmo, é ver bem vivas as tradições indígenas, preservadas nos trajes, na culinária e no idioma.

Vulcão Cotopaxi, Equador
O majestoso Cotopaxi visto de sua base, 4.500 metros acima do nível do mar
(101 km) Se tem uma coisa que me deixa hipnotizada é um vulcão. E esse tal de Cotopaxi, um vulcão ainda ativo e alvoroçado, é um espetáculo de deixar a gente sem fala.

Sozinho, o passeio bate e volta de Quito até a base do Cotopaxi, a 4.500 metros de altitude, já teria valido minha viagem ao Equador.

Dá pra ir por conta própria, mas achei mais prático e barato ir com uma agência de viagens, que organiza direitinho o transporte, ingressos, refeição e guia — só é permitido visitar o parque nacional do Cotopaxi com acompanhamento de um guia nativo.

Quando for a Quito, não perca a visita a Sua Majestade, o Cotopaxi, por nada!

Sítio Arqueológico de Písac, Vale do Urubamba, Peru
Sítio arqueológico de Pisac, no Vale do Urubamba, área sagrada para os Incas
Peru
Viagens bate e volta saindo de Cusco

Machu Picchu 
(4 horas de trem) Bom, Machu Picchu dispensa apresentações, né? Mas por mais que você já tenha lido sobre a cidade-santuário dos incas, só indo lá ver, pessoalmente, pra entender o encanto que ela exerce sobre qualquer um que já a tenha visto aquele cenário cercado de nuvens e montanhas.

Já foi mais fácil fazer o bate e volta de Cusco a Machu Picchu. Com os horários dos trens, agora, ir e voltar no mesmo dia ficou mais cansativo. Mas se seu tempo é curto, não pense duas vezes.

Visitei Machu Picchu nada menos do que quatro vezes, em diversas modalidades—com pernoite em Águas Calientes, pernoite em Ollantaytambo e em bate e volta. Siga o link e você vai encontrar muitas dicas pra organizar sua visita.

Os passeios ao Vale do Urubamaba, ou Vale Sagrado dos Incas, são um super hit para quem visita Cusco. E essa é uma esticada que vale muito a pena. 

Com o fortalecimento da infraestrutura turística na área, muita gente já opta por passar mais tempo no vale, hospedada na simpática Ollantaytambo, conectada com trem direto para Machu Picchu/Águas Calientes, ou na cidade de Urubamba, que agora tem hotéis bacanas e também tem ligação ferroviária com Águas Calientes.

Mas o bate e volta ao Vale Sagrado dos Incas ainda é uma ótima opção para quem quer ver sítios arqueológicos maravilhosos (Písac e Ollantaytambo), comprar artesanato (no Mercado de Písac e na vila de Chinchero) e ver as de perto as tradições do povo quéchua.

Machu Picchu, Peru
Machu Picchu não cansa: já visitei a cidade sagrada dos incas quatro vezes e ainda quero voltar

Pachacamac, Peru
Do ladinho de Lima, Pachacamac foi centro religioso do povo Wari. Além das ruínas, tem um museu bem interessante
Passeio bate e volta saindo de Lima
Pachacamac 
(30 km) Pachacamac foi uma importante cidade da civilização Wari, que dominou boa parte do atual Peru entre os anos 500 d.C. e 1.100 d.C. , antes da ascensão do Império Inca. O local também foi uma espécie de centro espiritual dos waris, abrigando um oráculo de grande reputação. 

O Sítio Arqueológico de Pachacamac fica do ladinho de Lima e foi uma visita que eu adorei. No museu local, preste atenção à coleção de quipos, instrumento de comunicação e registro contábil usado pelos incas, que consistia em um conjunto de cordões e um sistema de nós, em substituição à escrita.

Uruguai
Viagens bate e volta saindo de Montevidéu

Colonia del Sacramento
(179 km) Colonia não é só fofíssima, mas também muito amigável às viagens bate e volta. Mais acima, linquei as dicas para quem está em Buenos Aires e quer esticar até essa linda cidade colonial. Mas é preciso lembrar que também é muito fácil chegar lá para quem está em Montevidéu.

Punta del Este, Uruguai
A 134 km de Montevidéu, Punta del Este é um fervidíssimo destino, no verão
Punta del Este 
(134 km) Punta del Este é um caso interessante: um balneário fervidíssimo instalado em um habitat mais apropriado aos pinguins 😁. Sim, eu sou chata com água fria (quem mandou nascer e crescer no cálido Nordeste), mas reconheço que, se não for para tomar banho de mar (na verdade, banho de Rio da Prata), Punta tem seu charme. 

O bate e volta de Montevidéu até lá é fácil e confortável — mas os fãs de Punta del Este certamente vão recomendar uma estadia mais esticada.


Ásia

Sítio arqueológico de Troia, Turquia
Troia é um bate e volta cansativo, mas foi uma das viagens mais emocionantes da minha vida

Turquia
Viagem bate e volta saindo de Istambul

Troia
(350 km) Meu bate e volta de Istambul a Troia foi uma maratona que só mesmo uma apaixonada por história encara sem reclamar. Mas, cá pra nós, pisar a mesma terra onde lutaram os heróis de Homero foi uma das grandes emoções que já vivi em uma viagem — a parte mais difícil não foi o longo tempo na estrada, mas o esforço pra conter as lágrimas.

Caribe

Praia de Maracas Bay, Trinidad e Tobago
Maracas Bay, uma praia bacana em Trinidad Tobago

Trinidad e Tobago
Passeio bate e volta saindo de Port of Spain
Maracas Bay 
(21 km) Formado pelas ilhas de Trinidad e de Tobago, esse pequeno país caribenho é mais famoso por seu Carnaval do que pelas praias (embora Tobago seja um destino bem reputado entre os amantes de mergulho e natureza).

Para quem visita a interessante cidade de Port of Spain, a melhor opção de banho de mar é atravessar as montanhas para curtir a areia branquinha e a tranquilidade de Maracas Bay. A viagem até lá, margeando precipícios sobre o azul do Caribe, é linda. A praia é bem gostosa. E você ainda tem a chance de se deliciar com um típico sanduíche de tubarão. Vai perder?

Melk e Dürnstein, Wachau, Áustria
Dois encantos da Wachau austríaca: a Abadia de Melk, que teria inspirado O Nome da Rosa (esq) e o portal da Abadia de Dürnstein

Europa

Áustria
Viagens bate e volta saindo de Viena
Wachau 
(86 km até Melk) Quando for a Viena, faça o possível para incluir uma esticada à Wachau no seu roteiro. Esse trecho do Rio Danúbio, que se estende por cerca de 40 km, é encantado por uma sucessão de castelos, mosteiros, vinhedos e cidadezinhas de sonho, como Melk e Dürnstein e é um roteiro muito popular para passeios de barco.

A visita à Wachau pode ser feita em um esquema bate e volta — as excursões atualmente estão na casa dos € 80 —, mas, se você se dispuser a acordar cedo, consegue fazer tudo por conta própria. De Viena a Melk de trem, seguindo de barco até Dürnstein ou Krems an der Donau.

Eu optei por pernoitar em Melk, pra curtir melhor a bela Wachau, uma região que certamente rende alguns diazinhos de puro deleite.

Bratislava, Eslováquia
A apenas 70 km de Viena, a capital da Eslováquia, Bratislava, é uma interessante opção de bate e volta

De Viena a Bratislava (Eslováquia)
(70 km) Até mais perto que a Wachau, o bate e volta a Bratislava partindo de Viena é outro grande sucesso, também com direito a navegação no Rio Danúbio — e a cruzar uma fronteira e acrescentar a Eslováquia a sua lista de países visitados.

Eu fiz esse passeio no verão europeu de 2005, mas com uma pequena frustração: comprei a passagem no barco Viena-Bratislava, mas acabei tendo que me contentar em ir de busão, pois as chuvas torrenciais que caíram nos dois dias antes da viagem levaram à suspensão da rota fluvial.

Bratislava, plantadinha na margem do Rio Danúbio, fica praticamente na fronteira Áustria-Eslováquia. É uma fofura de cidade barroca, com um castelo medieval olhando tudo lá do alto. Seu compacto e fotogênico Centro Histórico pode ser percorrido a pé e rende algumas boas horas de exploração.

Bruges, Bélgica
Bruges é uma fofura a apenas 100 km de Bruxelas

Bélgica
Bate e volta saindo de Bruxelas
Bruges 
(100 km, uma hora de trem), para ver uma cidade encantadora, cortada por canais e com uma arquitetura do Século 15 muito bem preservada

Espanha
Viagens bate e volta saindo de Barcelona

Girona, Espanha
A Catedral de Girona, que serviu de cenário para Game of Thrones
(100 km) Se você gosta de caminhar por muralhas medievais, de catedrais deslumbrantes e de se perder por ruelas estreitas e misteriosas, vai amar a bela Girona.

O casario com cara de Ponte Vecchio às margens do Rio Onyar, o encanto de El Call, um dos bairros judeus medievais mais preservados da Europa e a majestosa Catedral de Girona, com seu Trono de Carlos Magno e a fachada usada como cenário de Game of Thrones já valem o passeio. Mas tem muito mais pra descobrir.

Tarragona, Espanha
O teatro romano de Tarragona, a 100 km de Barcelona
(100 km) Garanto que você vai se apaixonar por esta cidade que reúne ruínas romanas e preciosidades góticas diante de um mar muito azul. 

Tarragona, então chamada Tarraco, teve grande importância durante o Império Romano, quando era a capital da Hispânia Citerior — a província que se estendia dos Pirineus à atual Cartagena, acompanhando a costa do Mediterrâneo.

Dessa época, ainda podem ser vistos as muralhas (o Paseo Arqueologico),o Fórum, o Circo Romano (um dos mais preservados da Europa), o Anfiteatro, á beira mar e, nos arredores da cidade, um bem preservado Aqueduto

E não perca a visita à linda Catedral de Tarragona, do Século 12. 

Viagens bate e volta saindo de Madri
Toledo

Toledo, Espanha
Que coisa linda é Toledo!

(72 km) Meia horinha de viagem, saindo de Madri, é o tempo que você precisa para ficar de cara com uma das coisas mais lindas que eu já vi na vida, a preciosa Toledo, pairando sobre a terra ocre de La Mancha.

Se eu for fazer uma lista dos motivos pra você programar essa viagem bate e volta a Toledo, acho que não paro nunca mais 😀 (é melhor você ler os posts sobre a cidade). Mas posso adiantar que o cenário é lindo, a Catedral de Toledo é arrebatadora, as heranças judia e moura, preservada em antigas sinagogas e mesquitas, são deslumbrantes... e pra completar, Toledo foi a cidade que o pintor El Greco adotou como lar — e muitas das obras dele ainda podem ser vistas por lá.

Apenas vá e depois me diga se não tenho razão 😊.

Aqueduto de Segóvia, Espanha
A imagem é poderosa, mas preciso te avisar que Segóvia é muito mais do que esse magnífico aqueduto
(90 km) Mais uma preciosidade arrebatadora distante apenas 30 minutos de trem de Madri. Segóvia, a cidade do Alcázar (castelo) que parece um navio singrando a paisagem e da Serra da Guadarrama, do aqueduto mais famoso da Espanha e das fachadas em esgrafiado também está entre os cenários mais bonitos que já contemplei.

O bate e volta de Madri a Segóvia é rápido, fácil e barato. Difícil, mesmo, é ir embora depois de apenas um dia de encantamento.

Grécia
Viagens bate e volta saindo de Atenas
Cabo Sounio 
(78 km), para ver o pôr do sol no Templo de Poseidon.

Termópilas, monumento aos 300 de Esparta, Grécia
Homenagem a Leônidas e aos 300 de Esparta nas Termópilas

(195 km), cenário da famosa batalha dos 300 de Esparta

Viagens bate e volta saindo de Nafplio ou Atenas

Ilha de Hidra, Grécia
É fácil e confortável montar uma escapadinha de Atenas a ilhas como Hidra (acima) e Spétses (abaixo), no Arquipélago Argo-Sarônico

Ilha de Spétses, Grécia

(1 hora de barco), uma ilha grega de mar transparente e casinhas brancas encarapitadas nas encostas
(1 hora de barco), ilha que é dona das melhores praias do Arquipélago Argo-Sarônico

Teatro de Epidauros, Grécia
O Teatro de Epidauros, a 35 km de Nafplio e a 140 km de Atenas

(35 km), para ver o famoso tetro e as ruínas do centro de cura dedicado a Apolo

Micenas, Grécia
Micenas, capital de um poderoso império da Idade do Bronze

(20 km), sede do antigo poderio de Agamenon

Panormitis, Grécia
Entrada da Enseada de Panormitis, na Ilha de Sými

Viagens bate e volta saindo da Cidade de Rodes
Lindos 
(47 km), para enlouquecer de paixão por uma linda Acrópole dórica debruçada sobre o azul do Egeu – e tomar um super banho de mar, que ninguém é de ferro

(1 hora de barco), para fazer um pedido ao ícone milagroso do Arcanjo Miguel

Ilha de Sými (1 hora de barco), uma típica vila de ilha grega, dona de uma praia inesquecível

Holanda
Viagem bate e volta saindo de Amsterdã

Haarlem, Holanda
O mercado de peixe de Haarlem pintado por Gerrit Berckheyde no Século 17 é uma das obras no acervo do Museu Frans Hals. À direita, uma rua do Centro Histórico da cidade

(21 km), para ver uma cidade fofa e o museu de Frans Hals

Detalhe da Catedral de Winchester,
considerada uma das mais bonitas da Europa
Inglaterra
Passeio bate e volta saindo de Bath
Stonehenge 
(58 km), o famoso círculo de pedras frequentado por druidas, sítio arqueológico mais visitado da Inglaterra

Viagens bate e volta saindo de Londres
Bath 
(190 km), para ver a arquitetura georgiana mais preservada da Inglaterra e percorrer cenários dos romances de Jane Austen.
(120 km), para ver um fantástico museu naval onde estão os históricos navios Warrior, Victory e os restos do Mary Rose, naufragado no Século 15.
(144 km), o sítio arqueológico mais famoso do país.

(109 km), a belíssima cidade que foi a primeira capital da Inglaterra

Viagens bate e volta saindo de Winchester
Chawton 
(25 km), uma típica vila rural inglesa que abriga o Museu Casa de Jane Austen

(48 km)

Burano, uma venezinha sem palácios

Irlanda
Viagens bate e volta saindo de Dublin
Cliffs of Moher 
(260 km), os arrebatadores penhascos à beira mar
Giant's Causeway 
(a Calçada do Gigante) (265 km), na Irlanda do Norte, atração mais visitada da ilha

Itália
Viagens bate e volta saindo de Amalfi
Ravello 
(7 km), no alto da montanha, debruçada sobre o mar, a cidade que encantou escritores
Sorrento 
(30 km), de cara para o Golfo de Nápoles, a cidade tem uma vista espetacular para o Vesúvio e não perdeu o jeitinho de balneário refinado

Viagem bate e volta saindo de Bolonha
Ravena 
(86 km), para ver a impressionante coleção de mosaicos bizantinos da última capital do Império Romano.

Viagens bate e volta saindo de Florença
Fiésole 
(9 km), que, não contente em ser linda, ainda tem uma vista para Florença de rasgar a roupa
Luca 
(80 km), para passear pela muralha mais romântica da Toscana e se perder em ruelas medievais

Viagens bate e volta saindo de Nápoles
Herculano 
(14 km), a irmã menos famosa de Pompeia está muito bem preservada e merece muito a visita.
(28 km), destruída pelo Vesúvio em 79 d.C., ela oferece um instantâneo da vida em uma cidade romana.
(50 km), o balneário queridinho desde o Império Romano oferece belos passeios à beira mar e algumas preciosidades históricas

Viagem bate e volta saindo de Siena 
San Gimignano 
(47 km), uma preciosidade medieval que parece pairar sobre os campos da Toscana

Passeio bate e volta saindo de Taormina
Castelmola 
(7 km), a pequena vila pendurada na montanha e de cara para o Etna

Passeio bate e volta saindo de Veneza
Burano 
(40 minutos de vaporetto), a ilha das casinhas multicores


Ah, os ladeirões de Coimbra...
Portugal
Passeio bate e volta saindo de Évora
Montemor-o-Novo 
(30 km), para ver um importante castelo medieval

Viagem bate e volta saindo de Coimbra
Serra da Estrela 
(130 km), para provar o famoso queijo e ver uma paisagem espetacular

Viagens bate e volta saindo de Lisboa
Coimbra 
(200 km), sede de uma das universidades mais antigas da Europa

(134 km), uma preciosidade medieval do Alentejo

(130 km), o santuário católico mais importante do país
(120 km), uma crônica da formação do país e lembrança de uma trágica história de amor

(122 km), terceiro monumento mais visitado de Portugal, considerado a obra gótica mais importante do país

(80 km), tão linda que era dada como dote às rainhas de Portugal
(48 km), para comer frutos do mar e visitar um lindo castelo sobre a foz do Rio Sado.

Viagens bate e volta saindo do Porto
Amarante 
(60 km), um lugar para encontrar o coração de Portugal
(50 km), pra ver uma cidade linda e a catedral mais antiga do país,a famosa Sé de Braga, com mais de mil anos de história.
(120 km), para fazer um lindo passeio de barco pelo Douro e conhecer o coração da primeira região vinícola demarcada no planeta.

Setúbal, vista do alto da Fortaleza de São Filipe
Outros índices da Fragata
Hospedagem comentada - todos os posts sobre hotéis e pousadas
Come&Bebes - os sabores que fizeram a alegria desta blogueira

Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Um comentário:

  1. Oiii Cyntia, lembrei de você falar a respeito desta TAG lá no Rosa e vim conferir, muito bacana mesmo, ótimas dicas e fotos! Abraçosss

    ResponderExcluir