24 de janeiro de 2023

Como organizar uma viagem a Santiago do Chile

Santiago do Chile vista do Sky Costanera
O que eu acho mais charmoso em Santiago é a moldura das montanhas. Esta foto foi clicada no famoso terraço panorâmico Sky Costanera

Uma década depois da minha última viagem a Santiago, voltei à capital chilena em setembro de 2022, para uma estadia de cinco noites — três na chegada e mais duas no retorno da querida Valparaíso.

Eu esperava encontrar a cidade bem diferente, mas, mesmo assim, tomei um susto: como Santiago mudou!!

A capital chilena já não tem aquele ar asséptico quase obsessivo que encantava muitos turistas brasileiros. Tem pichações e grafite por toda parte e, especialmente em Providencia, muitos tapumes cercando espaços em obras. São as marcas dos imensos protestos conhecidos como estallido social, mobilizações de cunho progressista que deram uma bela espanada na política chilena.

Rio Mapocho, Santiago do Chile
Pichações nas margens do Rio Mapocho: Santiago está menos arrumadinha, mas muito mais interessante

Eu, que prefiro lugares vivos e sem maquiagem, gostei demais do que vi: nesta viagem a Santiago, ela me pareceu muito mais diversa e arejada. Tive uma estadia divertida, instigante e muito saborosa. A cidade exibe uma vivacidade encantadora.

O que não mudou foi aquele conjunto de eternos bons motivos para visitar Santiago do Chile: a beleza das montanhas emoldurando a cidade, a excelente gastronomia local, a rara cordialidade de uma metrópole geralmente segura, bem organizada, fácil de explorar a pé e com transporte público e suas ótimas atrações.

Parque Balmaceda, Santiago do Chile
Parque Balmaceda, em Providencia: não é preciso ir longe para chegar a uma das várias áreas verdes de Santiago

Neste post tem dicas de como chegar, onde se hospedar, como circular pela cidade, clima — o que colocar na mala para uma viagem a Santiago — preços, cambio e muito mais.

Veja minhas dicas para organizar sua viagem a Santiago:

17 de janeiro de 2023

8 museus e centros culturais de Santiago do Chile

Grafites produzidos durante a mobilização social no Chile

Exposição de fotografias de grafites feitos durante as mobilizações sociais no Chile (2019-2021) no Centro Gabriela Mistral


Minhas duas primeiras visitas à capital chilena tiveram uma lacuna imperdoável: aproveitei muito pouco os museus e centros culturais de Santiago. Falha que tratei de corrigir na viagem mais recente, agora em setembro de 2022.

Tive agora a chance de conhecer lugares "clássicos" sensacionais, como o Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana e La Chascona, a casa museu de Pablo Neruda e Matilde Urrutia. 

E enfrentei meu coração apertado durante uma visita dolorosa, mas essencial, aos registros de horror da ditadura chilena, lembradas no excelente Museu da memória e dos Direitos Humanos.

Museu da Memória e dos Direitos Humanos, Chile
Museu da Memória e dos Direitos Humanos: quanto mais eu envelheço, mais gratidão eu sinto pelos jovens latino-americanos que lutaram contra ditaduras e não viveram para chegar à minha idade

O Chile é muito mais conhecido por seus poetas e escritores — como Neruda e Gabriela Mistral, dois ganhadores do Prêmio Nobel de Literatura, Roberto Bolaño e Isabel Allende. Talvez por isso eu não tenha tido, nas viagens anteriores, a curiosidade de percorrer museus e centros culturais de Santiago dedicados às artes visuais.

Mas agora eu recomendo fortemente um roteiro por lugares como o Museu Nacional de Belas Artes, com seu acervo mais acadêmico, ou pelos ventos contemporâneos que sopram no Centro Gabriela Mistral e no Centro Cultural La Moneda.

Centro Cultural La Moneda, Santiago do Chile

O Centro Cultural La Moneda é bonito até dizer chega e tem sempre atrações interessantes


Quem gosta de história (o/) vai curtir o Museu Histórico Nacional do Chile e o Museu do Estallido Social, dedicado a registrar a memória das recentes mobilizações sociais que sacudiram o Chile, a partir de 2019.

Veja que bacanas os museus e centros culturais de Santiago que eu mostro neste post (e cinco deles têm entrada gratuita):

12 de janeiro de 2023

Notícias do Litoral Norte da Bahia

Rio Imbassaí, Bahia
O Imbassaí continua delicioso

Faz uma década que escrevi aqui na Fragata sobre o Litoral Norte da Bahia, onde estão destinos famosos como a Praia do Forte, Guarajuba e Sauípe, mas também refúgios como a Vila do Diogo e segredinhos bem guardados como a Barra do Itariri.

Nesses mais de 10 anos, voltei com alguma frequência a localidades do Litoral Norte da Bahia, mas falhei com os leitores da Fragata em dar notícia desses 240 quilômetros de praias que eu adoro e que rendem deliciosas escapadas de banho de mar, banho de rio e balanço de rede na brisa suave.

Pôr do sol na Praia do Forte, Bahia
O pôr do sol na Praia do Forte é lindo
 
Neste janeiro, durante o recesso de Natal e Ano Novo, fiz um bate e volta de Salvador ao Imbassaí e à Praia do Forte e garanto que o Litoral Norte da Bahia continua uma delícia — e com opções para todos os orçamentos.

Veja as dicas:

26 de dezembro de 2022

Bairro Lastarria, Santiago Belle Époque


Bairro Lastarria, Santiago do Chile

O Bairro Lastarria tem um arzinho Belle Époque que eu acho o traço mais sedutor de Santiago


Os terremotos não permitiram que a capital chilena preservasse em seu Centro Histórico um conjunto arquitetônico com tantos séculos de idade como os de Salvador, de Quito ou de Cusco. Mas no adorável Bairro Lastarria, Santiago faz a gente viajar tão bem para a Belle Époque que nem dá pra sentir falta do patrimônio que costumamos associar às cidades coloniais das américas.

A dois passos da movimentadíssima Avenida Libertador Bernardo O’Higgins, a principal via do Centro de Santiago, o Bairro Lastarria é um recanto de charme arquitetônico, boa gastronomia, ótima opção de passeios e de hospedagem.

Claraboia art nouveau em um casarão do Bairro Lastarria, Santiago do Chile

Claraboia de um casarão do Bairro Lastarria transformado em centro de lojas de design e moda

Na arquitetura, Lastarria preserva muitos edifícios em estilo eclético, art nouveau e algumas pinceladas de art-déco. Para fazer companhia — e contraponto — à pedra e à cal, o bairro é dono de algumas das áreas verdes mais queridas de Santiago, como o histórico Cerro Santa Lucia e o agradabilíssimo Parque Florestal, limite Norte do bairro.

O trânsito e as buzinas podem estar pegando fogo na Alameda (como os santiaguinos chamam a Avenida Libertador O'Higgins), que Lastarria não se abala.

Parque Florestal de Santiago do Chile
O agradável Parque Florestal marca o limite Norte do Bairro Lastarria

Lastarria é de uma cordialidade rara em regiões centrais de grandes metrópoles, mesmo as que tratam bem de seus centros antigos, e é uma das minhas áreas favoritas em Santiago. Veja que delícia de bairro e o que fazer por lá:

23 de dezembro de 2022

Bairro Itália: onde Santiago é mais charmosa


Barrio Itália, Santiago do Chile
Barrio Itália hoje (acima) e há dez anos (foto abaixo): a área ganhou mais cor, mais diversidade e mais opções gastronômicas — e continua deliciosa

Barrio Itália, Santiago do Chile

Atualizado em dezembro de 2022

Ruas arborizadas, fachadas e vitrines caindo de charme, calçadas largas, pontilhadas por banquinhos de jardim que convidam a muitas pausas para um people watching bem relaxado. Esse é o Barrio Itália, Santiago, pedacinho especialíssimo da capital chilena que virou recanto de designers de moda, tentadoras lojas de objetos vintage e galerias de arte descoladas.

Tudo isso reunido numa vizinhança com cara de lugar onde mora gente, com construções antiguinhas e bem atentas à escala humana e um público pra lá de interessante.

Loja no Barrio Itália, Santiago do Chile
As lojinhas de roupas e acessórios charmosos ainda estão por lá e a esquina de Itália com Caupolicán ainda é a "capital" dos móveis e antiquários

Antiquários no Barrio Itália, Santiago do Chile

Eu já tinha amado o Barrio Itália na primeira visita, há uma década. Agora, em setembro/22, confirmei o xodó e posso dizer que ele está ainda mais diverso, interessante e movimentado.

Especialmente aos sábados, quando o Barrio Itália fervilha de gente passeando, fazendo compras e curtindo longos cafés da manhã ou almoços tardios. 

Bares e cafés do Barrio Itália, Santiago do Chile
Café da manhã com uma excelente empanada de pino na Confeitaria La Tranquera e tapas do mar no Winnipeg: o Barrio Itália é um ótimo lugar para comer em Santiago

Se Buenos Aires tem os sábados de Palermo Soho, Santiago pode arrebitar o nariz e retrucar que ela tem os sábados do Barrio Itália.

Veja o que você vai encontrar em um passeio por esse agradável enclave de Providencia, onde eu acho que Santiago fica mais charmosa: 

22 de dezembro de 2022

O que fazer em Mendoza — além das vinícolas

Vinhedos e montanhas em Mendoza, Argentina
Os vinhedos cultivados à sombra das montanhas colocaram Mendoza no mapa turístico

O que colocou Mendoza no mapa dos viajantes foi a famosa produção vinícola da região. Mas tem mais o que fazer em Mendoza além de visitar bodegas e experimentar os vinhos mendozinos.

Eu, por exemplo, fui a Mendoza pra ver a beleza estonteante da Cordilheira dos Andes, aos pés da qual estão plantados os vinhedos que fizeram a fama da região e a agradável cidade de 150 mil habitantes —centro de uma região metropolitana que reúne cerca de 1,2 milhão de pessoas.
 
Plaza Chile, Mendoza, Argentina
Como é que uma cidade no meio do deserto consegue ser tão verde?

Centro de Mendoza, Argentina
Quem curte garimpar detalhes também não se decepciona com Mendoza

As paisagens andinas são uma das minhas grandes paixões de viajante. Já tive o prazer de ver muitos ângulos da Cordilheira — de Caracas, Venezuela, lá no Norte, até Puerto Montt, no Sul do Chile. A região de Mendoza, decantadíssimo camarote para as montanhas, não poderia ficar fora do meu mapa, ainda mais com seu ilustríssimo “presidente”, o Monte Aconcágua, maior montanha do planeta fora da Ásia.

Passagem San Martín, Mendoza, Argentina

Na esquina da Avenida San Martín com a Peatonal Sarmiento, a Passagem San Martín foi construída em 1926, no primeiro “arranha céu” de Mendoza, com sete andares

 
E a capital argentina dos vinhos cultivada à sombra das montanhas não decepciona. Passei três dias e meio em Mendoza (quatro noites) e passeei bastante pela cidade bem cuidada, muito arborizada e tremendamente amigável a caminhadas. Foi uma pausa bem-vinda entre as trepidantes Buenos Aires e Santiago, estrelas do meu roteiro pela Argentina e pelo Chile.

Plaza Independencia, Mendoza, Argentina
Além de comer bem e beber bem, Mendoza é um lugar pra se aproveitar a vida ao ar livre. Esta é a  agradável Plaza Independencia, coração da cidade

Mendoza é lugar para se comer bem e beber bem. Fiz belas farrinhas regadas a vinho na cidade, ainda que tenha abdicado de visitar as vinícolas (bodegas) da região. Se você curte enoturismo, vai encontrar na internet muitas dicas para organizar seu roteiro. Aqui você encontra dicas sobre o que fazer em Mendoza além das vinícolas:

8 de dezembro de 2022

Onde comer em Mendoza, Argentina

Barraca de cereais no Mercado Central de Mendoza, Argentina
Um passeio pelo Mercado Central de Mendoza é um bom trailer das refeições que virão depois

Muito antes de colocar meus pezinhos na capital argentina do vinho, eu já vinha ansiosa por uma badalada atração da cidade: comer em Mendoza, já tinham me avisado, é coisa pra ser levada a sério.

Nos quatro dias que passei em Mendoza, experimentei um pouquinho de tudo: cafés moderninhos, casas tradicionais, comida de rua (ah, o choripán...) e beliscos no Mercado Central.

Choripán, sanduíche típico da Argentina
Choripán é o Messi dos sanduíches. Este foi devidamente devorado numa barraquinha no Parque General San Martín

O que não faltaram foram opções pra combinar com (ou justificar) mais aquela taça de vinho que eu fazia questão de experimentar.

Mas não tratei o comer em Mendoza só como pretexto para meter o pé na jaca da enologia — até porque um bom vermutinho também faz um bem danado para a alma 😁. A caprichada mesa mendozina é capaz de seduzir também os abstêmios.

Provoleta, tira-gosto típico da Argentina
Provoleta é uma boa de adquirir: o queijo provolone temperadinho com orégano e azeite e derretido no braseiro acompanha divinamente uma taça de vinho ou, no caso, una copita de vermute. Viciei

Veja como foram minhas aventuras de garfo e faca na cidade:


6 de dezembro de 2022

Dica de hospedagem em Mendoza, Argentina

Fonte dos Quatro Continentes no Parque General San Martín, Mendoza, Argentina

Minha hospedagem em Mendoza era praticamente vizinha do Parque General San Martín, onde está a fotogênica Fonte dos Quatro Continentes


Minha grande dúvida na hora de escolher a hospedagem em Mendoza era entre ficar na cidade ou em uma das vinícolas da região.

Ficar na cidade significa acesso mais fácil aos bons restaurantes de Mendoza e a uma variedade maior de atrações, além de possibilitar a escolha de uma acomodação mais econômica.

Já a hospedagem em uma vinícola — com todo o charme e conforto que essa opção proporciona — era uma alternativa mais cara e que acarretava o risco de deixar minha viagem mais, digamos, monotemática. E me obrigaria a alugar um carro, também.
 
Praça Independencia, Mendoza, Argentina
A Praça Independencia, a principal de Mendoza, também fica pertinho da Casa Camilo

Praça Independencia, Mendoza, Argentina

Foi assim que defini minha hospedagem em Mendoza: escolhi um Airbnb (mas fiz reserva pelo Booking) em uma área muito simpática da cidade, a Avenida Emílio Civit, a meio caminho entre a Plaza Independencia e o Parque General San Martín.

Foi uma ótima escolha, pois permitiu que eu me conectasse com a cidade, circulasse bastante a pé e com transporte público e pudesse variar bastante as atrações visitadas. O grande motivo da minha ida a Mendoza era ver montanhas e aproveitar os vinhos e a culinária locais. Aproveitei bastante tudo isso e ainda descobri outros interesses por lá.

Avenida Emílio Civit, Mendoza, Argentina
A Avenida Emílio Civit, meu "pedaço" em Mendoza, é super bem servida de comércio e transportes, mas preserva uma pegada residencial

A Casa Camilo, onde me hospedei, oferece acomodações simples, com excelente localização e tem anfitriões super prestativos, que me ajudaram com dicas e providências práticas que facilitaram a minha vida durante toda a estadia.

Veja como foi minha experiência: