segunda-feira, 11 de março de 2013

Micenas, terra de gigantes

A Porta dos Leões, 
entrada principal da cidade de Micenas
Conta a lenda que as muralhas de Micenas foram erguidas pelos Ciclopes. Quando me vi diante da imponência daquelas pedras, tão graciosamente justapostas, eu quase consegui enxergar os gigantes mitológicos em sua tarefa. Três mil anos após seu apogeu, a cidade ainda traz a assinatura de seres colossais.

Foi numa manhã de setembro, fazia um calor quase insuportável, mas não tinha a menor importância. Eu estava em Micenas, fundada por Perseu, o matador da Medusa. A cidade de onde Héracles partiu para realizar seus 12 trabalhos — Neméia, onde o herói matou o leão, e Lerna, onde ele deu cabo da Hidra, ficam bem pertinho daqui. Micenas de Agamenon, da Casa dos Átridas, que  reinou sobre o Peloponeso e reuniu os povos helênicos para a perdição de Troia. Uma terra de gigantes épicos, pairando sobre o extenso vale até alcançar o mar.
As muralhas de Micenas, obra de ciclopes
Era natural, portanto, aquele nó na minha garganta, quando atravessei a Porta dos Leões e entrei em Micenas. A Grécia tem dessas mágicas. Aqui, mais do que em qualquer outro lugar, encontrei maravilhas que são velhas amigas. Imagens e referências que me trouxeram pela mão ao longo da vida. Micenas é feita da mesma essência da Ítaca de Kaváfis:

"Faz votos de que o caminho seja longo. 
Numerosas serão as manhãs de verão 
nas quais, com que prazer, com que alegria, 
tu hás de entrar pela primeira vez um porto" 

Para aquém do mito, a história e arqueologia nos contam que civilização micênica dominou o Peloponeso antes da ascensão de Esparta e foi essencial na construção do que viria a ser a "Grécia Clássica". A região começou a ser povoada 2.500 anos antes de Cristo e viveu seu apogeu entre os séculos 1.600 a.C. e 1.100 a.C.

No alto da cidadela ficavam o Megaron (Palácio Real)
 e os templos
A antiga cidadela, no alto de uma montanha, era a sede do poderio militar sustentado pelas rotas comerciais que se estenderam até o Egito (a bordo das mesmas "negras naus" que desembarcaram em Troia). Tudo isso controlado do alto da Acrópole onde ficava o Megaron, o Palácio Real e seu complexo de templos, povoado pela memória de Clitemnestra, Ifigênia, Orestes... (esses Átridas podiam ser uma família pra lá de desfuncional, mas nos legaram enredos poderosos).

A melhor maneira de começar a visita é controlar a ansiedade e ver primeiro o museu, que funciona dentro do sítio arqueológico. É lá que estão reunidos os vestígios do esplendor da civilização micênica. Utensílios, armas, mosaicos, afrescos e objetos decorativos estão dispostos de maneira bastante didática.

Tumbas reais próximas à Porta dos Leões

Reserve pelo menos uma hora e meia para fazer a lição de casa no museu (que é delicioso) e outro tanto para percorrer sem pressa as ruínas da cidade. Não há uma árvore sequer, portanto, todo cuidado com o sol é pouco, nessa subida até o Megaron.

A impressionante tumba real 
conhecida como o Tesouro de Atreu
E quando você estiver prestes a levitar com a beleza da paisagem e a memória do lugar, o mais espetacular acontece.

Saindo do sítio arqueológico e descendo cerca de um quilômetro na direção do povoado de Micenas está o Tesouro de Atreu. Essa tumba monumental, destinada à realeza micênica, estava escondida pelo que parecia ser um morro coberto de vegetação rala, até ser escavada pelo arqueólogo alemão Heinrich Schliemann, o mesmo que descobriu (e fez sérios estragos) os vestígios de Troia

As joias e as máscaras funerárias em ouro encontradas na tumba, entre elas a famosa “Máscara de Agamenon , estão no Museu Nacional de Arqueologia de Atenas. No museu de Micenas estão expostas as réplicas desses objetos. 

A entrada do Tesouro de Atreu
Como chegar
Micenas está a 150 quilômetros de Atenas, de onde partem ônibus em diversos horários, do Terminal A (são os mesmos que vão para Argos e Nafplio). As passagens custam €10,80 e a viagem leva cerca de duas horas. Cuidado para não pegar o ônibus para Fichti, também identificado com a plaquinha "Mikines", pois este para a cerca de cinco quilômetros do sítio arqueológico.

De carro, siga a Rodovia Atenas-Tripoli, prestando atenção nas placas que indicam a saída para Argos (Άργος) e Nafplio (Ναύπλιο).

A paisagem da Argólida vista do alto do Megaron
O melhor jeito de visitar Micenas, porém, é num bate e volta a partir de minha linda e querida Nafplio, que está a 30 quilômetros de distância do sítio arqueológico. Os ônibus da KTEL saem da praça principal da cidade. A passagem custa € 2,90 e a viagem leva cerca de uma hora, com uma parada em Argos (aproveite para admirar o Castelo de Larissa, sobre a antiga Acrópole).

Os horários do ônibus não são dos mais camaradas (10h, 12h e 14h, com retorno às 11h, 13h e 15h), portanto, saiba que você vai visitar as ruínas com o sol bem alto, a não ser que negocie um táxi (na parada que fica em frente ao escritório da KTEL também na praça) ou alugue um carro.

O Portão Norte era, provavelmente, o único acesso alternativo
 à cidade, 
além da Porta dos Leões
Estrutura
A essa altura do post, acho que você já percebeu
que precisa levar um chapéu, protetor solar e um suprimento
 de água quando for visitar Micenas, né?
Tão poderosa no passado, Micenas é hoje um vilarejo no vale, com cerca de 500 habitantes, a cerca de três quilômetros da antiga cidadela (aonde se chega subindo a montanha pela estrada asfaltada). A vila tem alguns hotéis pequenos, tocados por moradores, e restaurantes simples. Pela distância do sítio arqueológico  não conte com essa estrutura para um lanchinho ou para repor a provisão de água. Do lado de fora das ruínas, onde param os ônibus, há um trailer que vende refrigerantes e sanduíches, mas previna-se levando um pequeno farnel.

Visitação

O Sítio Arqueológico de Micenas funciona das 8h às 18h (mas confira antes de ir, pois a crise grega tem levado o Ministério da Cultura a reduzir o horário de visitas em diversas atrações). A entrada custa €8 e dá direito à visita ao museu e ao Tesouro de Atreu. 

Para ver essa tumba monumental, uma estrutura com cerca de 14 metros de altura e 13 metros de diâmetro, você terá que sair do sítio arqueológico e descer a estrada, na direção da vila, por cerca de 1,5 km (guarde as energias, pois terá que subir tudo outra vez para pegar o ônibus de volta, já que ele para na portaria do sítio).

O esforço vale a pena. O Tesouro de Atreu é daqueles monumentos que chegam a dar frio na barriga, de tão espetaculares.

Dicas para organizar uma viagem à Grécia


A Grécia na Fragata Surprise


Meu roteiro na Grécia

A Europa na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

10 comentários:

  1. Existe o no “la inscripción de Micenas”, que circula en la Internet?

    http://www.unexplained-mysteries.com/gallery/images/10379/the-inscription-of-mycenae-lions-gate

    http://argolida-net.blogspot.gr/2013/09/blog-post_7172.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi essa inscrição nem tinha ouvido falar dela...

      Excluir
  2. La pregunta es si una fotografía es... pura
    y después, si una fotografía "pura",es la evidencia científica para el reconocimiento de tener un inscripción.

    ResponderExcluir
  3. La foto de arriba es la original, del libro de la historia - hace 40 años - la foto inferior es exactamente como parece que era!

    https://skydrive.live.com/?mkt=el-GR#!/view.aspx?cid=E39B50D7D9EA3235&resid=E39B50D7D9EA3235!132&app=WordPdf

    ResponderExcluir
  4. Olá, iremos em março para a Grécia. Com relação a roupas, o que devo usar? Obrigada, estou amando suas dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elis, vai depender da região. O sul da Grécia é muito quente, a partir da primavera e até o outono. No Norte faz muito frio no inverno. Pelo que pesquisei para a minha viagem, março é bem fresquinho, tipo 16 graus.
      Como o planeta anda doido, combine bons agasalhos com algumas peças mais leves. Não esqueça de ter um bom calçado, tipo uma bota de trekking, para caminhar em terrenos irregulares. E eu seria otimista e levaria o meu traje de banho. Vai que o clima colabora e você consegue pegar uma praia :)

      Excluir
  5. Olá Cyntia, Estou adorando as dicas. Pretendo ir em abril e pretendo fazer minha base em Atenas mesmo para não carregar bagagem sozinha. Já vi que são mais de 2 horas de ônibus, mas quanto tempo visitando Micenas mesmo( andando com calma)? Dá para combinar com algo perto?(não esqueça que estarei de ônibus)? Que roupas no início de abril?Meu nome é Helen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helen, depende do seu ritmo, mas eu não reservaria menos de quatro horas para ver Micenas. Tem o museu, que é muito bacana e essencial para a gente entender o resto. Tem as ruínas da cidade, com a subida até o Megaron, depois tem o Tesouro de Atreu, que fica fora das ruínas...

      De ônibus, você pode combinar Micenas com Argos. Mas, como falei na resposta lá sobre Nafplio, acho que vale mais a pena dormir em Nafplio (já que você quer visitar a cidade) para economizar tantos deslocamentos entre Atenas e o Peloponeso.
      A outra resposta está aqui: http://www.fragatasurprise.com/2012/11/palamidi-soberana-de-nafplio.html

      Excluir
    2. Ah, sobre as roupas, eu apostaria em vestidos leves, um casaquinho para a noite (e para quando for entrar em igrejas e mosteiros, para não ficar com braços e ombros à mostra), calçados confortáveis (acho tênis muito quente). Sempre levo uma pashmina para o caso de esfriar. Evite shorts curtos, mas bermuda é OK.

      Excluir