quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Óbidos: paixão instantânea

Um cantinho da Praça de Santa Maria, o coração da vila
Pense numa coisa linda. É Óbidos, avistada ainda da estrada, com uma luz de inverno caindo no ângulo exato sobre suas muralhas, casinhas brancas, torres e campanários. Essa paixão instantânea fica a 80 quilômetros de Lisboa pela ótima Rodovia A8. Uma perolazinha medieval, antiga praça forte moura (seu nome deriva de oppidum, “cidadela” em latim), tão bela que, desde o Século 12, era o dote oferecido às rainhas de Portugal.
Do alto das muralhas, dá para ver a paisagem e ainda bisbilhotar um pouquinho da vida cotidiana
Pouco mais de três mil felizardos vivem dentro das muralhas, mas quando chegamos à vila, no comecinho de uma linda tarde de inverno, quase caímos de costas: o lugar estava até a tampa de gente. Foi um sufoco conseguir uma vaguinha no estacionamento limitado pelo Aqueduto das Águas Livres, do Século 16. Atravessamos a muralha pela Porta da Vila, com o interior recoberto de azulejos, e caímos na muvuca na Rua Direita, a principal.

A Porta da Vila, um senhor cartão de visitas
Foi preciso paciência para seguir o corso humano, que se deslocava lentamente pelo calçamento irregular. Quando o engarrafamento de gente deu um nó é que entendi o motivo de tanta afluência: estava todo mundo na interminável fila para visitar a Vila de Natal, um parque temático montado nas dependências do Castelo, com Planetário, encenações teatrais e um mercado.

O jeito foi fugir para o alto das muralhas. O cinturão, com cerca de 1,5 quilômetro de perímetro, é um senhor camarote para se admirar a beleza de Óbidos. É um passeio por séculos distantes, pela memória da Reconquista e da luta contra os mouros. As fachadas caiadas, ornamentadas por vasos de flores, permanecem quase que as mesmas, desde o Século 14.

Mesmo no inverno, as fachadas de Óbidos
 têm sempre vasinhos de flores

O Castelo, a Porta da Vila e a Igreja de Santa Maria, com um belo interior decorado por azulejos, são os monumentos mais famosos de Óbidos. A principal atração, porém, é  namorar as fachadas, se perder pelas ruas estreitas, longe da multidão, ou aproveitar o ponto de vista privilegiado das muralhas para descobrir um pouco de vida cotidiana nos quintais,  por cima dos muros.

A Igreja de São Pedro (à esquerda), reconstruída após o terremoto de 1755, e a Matriz de Santa Maria
A Virgem com o Menino, imagem em cerâmica vitrificada do Século 17, adorna o portal da Igreja da Misericórdia
 Óbidos é uma grande pedida para um bate e volta, para quem está baseado em Lisboa, e é parada obrigatória para quem segue para o Norte, a partir da capital. Confesso, porém,  que fiquei sentindo aquele gostinho de quero mais depois das nossas poucas horinhas na vila.

Muito bem estruturada para o turismo, Óbidos merece uma estadia um pouquinho mais longa, com tempo para explorar os arredores, como o famoso Mosteiro de Alcobaça, a 40 quilômetros de distância, onde estão os túmulos de Inês de Castro e de D. Pedro I de Portugal.

Se precisar de um incentivo a mais para esticar a estadia, o preço das diárias do hotel que funciona no Castelo de Óbidos, da rede Pousadas de Portugal, está na casa dos €130, nos apartamentos duplos. A oferta de hospedagem, porém, é bem mais ampla e cabe em orçamentos mais apertados.

É possível dar a volta em todo o núcleo medieval da cidade, caminhando cerca de 1,5 km sobre a antiga muralha, que tem vários pontos de acesso
A Praça de Santa Maria (esquerda) e algumas das muitas lojinhas da cidade. Dá para passar dias vendo o artesanato, provando os doces, tomando uma ginginha...
Dicas práticas
Dá vontade de atravessar cada uma dessas passagens em arco
Como chegar 
De carro -  de Lisboa, pela Rodovia A8, são 80 quilômetros. Quando avistar a cidade, ainda na estrada, resista à tentação de parar no acostamento para fotografar a vila (pra mim, foi bem difícil, mas a segurança vem em primeiro lugar). Os automóveis não têm acesso à cidade medieval. Há um grande estacionamento do lado de fora das muralhas, aos pés do aqueduto.

De ônibus -  a Rodotejo tem várias frequências diárias, partindo da Estação de Campo Grande, em Lisboa. Confira os horários no site da empresa (é meio confuso. Na caixinha que pede para você indicar a opção de serviços (linhas), escolha “rápidas”). A passagem custa €8 (cada perna) e a viagem dura pouco menos de uma hora.

De trem - são quase duas horas de viagem, nas linhas regionais, partindo de Entrecampos. O bilhete custa os mesmos €8 do ônibus, mas a estação ferroviária fica muito longe da vila. Se quiser arriscar, consulte o site da CP para ver os horários.



Para planejar sua ida, confira o site de turismo da vila de Óbidos.

Visitas
O acesso à muralha é livre e há vários pontos da cidade para chegar ao alto dessa fortificação, que tem cerca de 1,5 km e dá a volta no núcleo medieval da cidade. O Castelo hoje abriga um hotel e só pode ser visto por fora, a não ser, é claro, que você esteja hospedado lá.



Igreja de Santa Maria
 É a Matriz de Óbidos, fundada pelos visigodos e transformada em mesquita durante a ocupação moura e reconstruída após a Reconquista. As feições atuais da igreja são barrocas, a partir de uma reforma do Século 17. Visitas diárias, de 9:30h às 12:30h e das 14:30h às 17h (outubro a março). De abril a setembro, fecha às 19 horas.

Igreja e Hospital da Misericórdia
Fundados no Século 15. O templo tem o interior revestido de azulejos e a decoração barroca do hospital é uma das grandes atrações de Óbidos. Visitas de terça a domingo, das 9:30h às 12:30h e das 14:30h às 17 (de (outubro a março). De abril a setembro, fecham às 19 horas.

Igreja de S. Pedro
Construção medieval que sofreu diversas alterações, conservando hoje as feições que ganhou em uma reforma do Século 16. Visitas diárias, de 9:30h às 12:30h e das 14:30h às 17h (outubro a março). De abril a setembro, fecha às 19 horas.





Portugal na Fragata Surprise
Roteiros
20 dias em Portugal - roteiro de carro
Roteiro de carro redondinho: de Lisboa a Santiago de Compostela

Dicas gerais
De carro em Portugal: como organizar sua viagem
Portugal: 8 razões pra voltar (sempre e muito)
Dicas práticas: de carro entre Lisboa e Santiago de Compostela
Os viajantes, as crises e a vida real
Perdida na tradução: o Português de Portugal

Comer/beber/petiscar
Muito além do Bacalhau: o que comer - e onde comer - em Portugal
A mesa portuguesa ou Pantagruela rides again
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Doces portugueses: tentações com origem divina
Surpresa: hambúrguer português bate um bolão. Três lugares para praticar o sacrilégio
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Hospedagem

Onde me hospedei em Portugal (Aveiro, Porto, Coimbra, Évora e Lisboa)
Amarante: o charme da hospedagem rural
Hospedagem em Alcobaça: Solar Cerca do Mosteiro
Lisboa: duas dicas de hospedagem
Hospedagem na Cidade do Porto: Hotel Aliados

Destinos
Lisboa

Fim de ano na Europa: vale a pena? Como foi meu Natal em Lisboa
Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém
Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra ver a cidade do alto e se apaixonar
Tesouro de Portugal: o Convento do Carmo, em Lisboa
Lisboa: como aproveitar uma conexão (dicas práticas e passeios)
Minhas melhores memórias de Lisboa
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Bertrand, a livraria mais antiga do planeta


Alcobaça
O que ver no Mosteiro de Alcobaça

Hospedagem impecável: Solar Cerca do Mosteiro


Aveiro

Batalha

O que ver no Mosteiro da Batalha

Braga
O que ver em Braga em um bate e volta a partir do Porto

Coimbra 
Coimbra: simpatia prévia e encanto para toda a vida
Onde ouvir o Fado de Coimbra
Coimbra: dicas práticas
Uma visita à Universidade de Coimbra
O Convento de Santa Clara
Museu Nacional Machado de Castro: lindo, surpreendente, imperdível

Évora
O que fazer em Évora
Évora - dicas práticas
Como organizar um bate e volta a Évora a partir de Lisboa

Passeio lindo nos arredores de Évora: o Castelo de Montemor-o-Novo

Fátima
Dicas práticas

Peso da Régua 

Um passeio pelo Rio Douro

Porto

Dicas práticas
O que fazer no Porto
Lello, a livraria mais bonita do mundo
Cidade do Porto: aos pouquinhos, eu vou ficando...
Como aproveitar uma conexão: 8 horas na Cidade do Porto
Cidade do Porto, terra de navegadores
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Serra da Estrela
Um passeio por Seia, Piódão e outros encantos



Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Acompanhe a Fragata Surprise 
                           Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Óbidos é lindo mesmo, pelo que vejo não visitou o castelo mesmo pois é nesse recintoq ue fazem a vila Natal, tem de voltar e conhecer mais profundamente esta beleza. `edos meus locais favoritos no país. Adorei as fotos muito boas

    ResponderExcluir
  2. Vou voltar, com certeza, Luffi. Numa primavera, de preferência, para ver as flores das fachadas no auge da beleza.

    ResponderExcluir