quarta-feira, 13 de julho de 2016

Mosteiro de Alcobaça,
um capítulo da História de Portugal

O Claustro de D. Dinis, no Mosteiro de Alcobaça
Como pode a pedra ser tão leve? O Mosteiro de Alcobaça, a 120 km de Lisboa, parece feito de outra matéria, tal a graça com que pousa sobre a esplanada convertida em praça principal da cidade que cresceu a seu redor. É a combinação exata de delicadeza e imponência.

A primeira vez que eu vi esse mosteiro, com o sol de inverno se esparramando sobre ele, eu quase levitei.

Perto de Lisboa (120 km) e fácil de chegar, o Mosteiro de Alcobaça tem muito mais que beleza para oferecer ao visitante. Ele é uma crônica eloquente — e de deliciosa leitura — de um capítulo decisivo da História de Portugal, a “primeira independência do país”, quando Afonso Henriques decidiu transformar sua herança, o Condado Portucalense, em uma nação independente.

E tem, claro, a memória de uma legendária história de amor, o trágico romance entre o rei Pedro I e Inês de Castro, sepultados na igreja do mosteiro.

Não se engane com os elementos barrocos na fachada da igreja: Mosteiro de Alcobaça é gótico da gema, primeiro exemplar neste estilo construído em Portugal

O que ver no Mosteiro de Alcobaça
Ainda na porta da igreja, o imenso vão gótico chega a intimidar
À primeira visão, o mosteiro impacta por sua altivez, dominando completamente a vasta esplanada que se estende a seus pés, e por suas dimensões. De uma ponta a outra, são mais de 200 metros de fachada de linhas puras, uma simetria que faz poucas — e precisas — concessões: só a igreja, no centro do conjunto, exibe adornos marcantes, talhados em pedra clara, uma herança de alterações barrocas realizadas no Século 18.

Iniciado na segunda metade do Século 12, o Mosteiro de Alcobaça é considerado o primeiro exemplar da arte gótica em Portugal e basta entrar na igreja para reconhecer o sotaque: o interior do templo — um vão que avança 100 metros porta adentro, sob uma nave central de 20 metros de altura — vai direto ao ponto, deixando para as colunas muito esguias e sem rebuscamentos a função de embasbacar o visitante.

As rosáceas enchem a igreja de luz
É no interior do mosteiro, especialmente no lindo Claustro de D. Dinis, que os detalhes afloram em um precioso rendilhado talhado em pedra, já sugerindo as marcas do gótico-tardio português, o Estilo Manuelino, que responde pelo encanto de dois outros mosteiros de grande significado histórico — Batalha e Jerónimos (Lisboa), também narradores de capítulos essenciais da epopeia portuguesa.

Na Igreja, o amplo espaço vazio talvez seja o adorno mais eloquente, chamando a atenção para a monumentalidade da construção e servindo de antessala para os dois túmulos ricamente esculpidos onde estão os restos mortais de Inês de Castro e Pedro I, sozinhos na vastidão do transepto. Um altar totalmente talhado em pedra, em frente à entrada da cripta, é a única nota de cor e detalhes nesse imenso salão.

Os túmulos de Pedro e Inês estão no transepto da igreja

O túmulo de Inês
É uma visão tocante, mas não esqueça de prestar atenção também no Panteão dos Reis, uma pequena cripta onde estão os túmulos de outros membros da Casa de Borgonha, e na belíssima sacristia medieval por trás do altar.

A entrada no mosteiro é pela Sala dos Reis, onde estão as estátuas de duas dezenas de monarcas portugueses. De lá, chega-se ao térreo do Claustro de D. Dinis (o rei português fundador da Universidade de Coimbra), uma daquelas belezas que fazem o coração da gente dar uma paradinha.

O Panteão dos Reis. Ao fundo, um altar 
Em torno do claustro estão a Sala do Capítulo, o Refeitório, a Sala dos Monges (um espaço para orações e também alojamento dos religiosos) e a interessante Cozinha Nova, do Século 15, com sua gigantesca chaminé e o luxo da água encanada, sistema construído a partir de uma série de canais ligados aos rios Alcoa e Baça, que dão o nome à cidade. 

O Panteão dos Reis e a sacristia medieval
No andar superior, o vasto dormitório servia de apartamento ao Abade de Alcobaça e se comunicava diretamente com a igreja, por uma escada que já não existe mais. A abertura envidraçada que ficou no lugar oferece uma visão do alto para os túmulos de Inês e Pedro. Das janelas desse dormitório, repare no bonito jardim do Claustro da Hospedaria, que se comunica com o antigo alojamento dos noviços.

Do Dormitório, uma escadinha periclitante leva ao andar superior do Claustro de D. Dinis, um bom lugar para ver as gárgulas de pertinho e entender que, muito mais que assustar bons e maus espíritos, essas formas mitológicas tinham a prosaica função de ajudar no escoamento da água da chuva.

A Sala dos Reis
A Cozinha Nova. Repare na imensa chaminé (centro) e no tanque de água, abastecido até hoje pelos rios Alcoa e Baça
Um pouquinho de história
Diz a crônica oficial que o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, doou as terras para a construção do mosteiro como agradecimento por vitórias alcançadas contra os mouros. O fato é que Afonso — neto do rei de Castela por parte de mãe e descendente dos duques da Borgonha por parte de pai — precisava de aliados após a ousada manobra de declarar o Condado Portucalense, vassalo da coroa castelhana, um novo país, em 1139.

E o apoio decisivo veio dos monges beneditinos borgonheses da Abadia de Clairvaux, da Ordem de Cister — que estavam na crista da onda na época, com sua pregação de austeridade. O Abade Bernard de Clairvaux, o futuro São Bernardo, era descrito como “o que não era papa, mas fazia papas”. E ele foi fundamental para convencer o papa de então a reconhecer Portugal como país independente, em 1179, declaração que naquele tempo valia mais que uma boa vitória no campo de batalha.

O Claustro de D. Dinis é o coração do mosteiro. Tem um jardim central e a seu redor estão dispostas as principais instalações usadas no dia a dia da vida monástica. À direita, o lavatório, fonte onde os monges faziam suas abluções antes das preces e refeições
Pavimento térreo do Claustro de D. Dinis
(Só para a gente ter uma ideia do poder de Bernado de Clairvaux, ele é o autor das Regras Monásticas que regeram a Ordem dos Templários, além de ter sido o cérebro por trás da Segunda Cruzada — que pode ter sido um fracasso retumbante, em termos militares, mas provocou tanta mobilização na Europa que levou pessoalmente ao Oriente o rei da França, Luiz VII, sua rainha na época, Leonor, duquesa da Aquitânia (futura mãe de Ricardo Coração de Leão) e o sacro-imperador germânico Conrado III).

O Dormitório
Os monges cistercienses chegaram a Alcobaça — uma antiga povoação romana e árabe — em 1153, no mesmo ano da morte de Bernardo, e começaram a trabalhar. Fundaram uma escola pública, cultivaram os campos com técnicas avançadas, plantando frutas, olivais e vinhedos.

Implantaram oficinas dedicadas à arte sacra, cuidaram da saúde dos camponeses da região e construíram seu lindo mosteiro, considerado o primeiro exemplar da arquitetura gótica em terras portuguesas e o grande símbolo da primeira dinastia a reinar em Portugal, a Casa de Borgonha, que comandou Portugal por 244 anos.

O Claustro da Hospedaria
Afonso Henriques governou e guerreou por 46 anos, período no qual dedicou-se a expandir o território sob seu domínio.

Do Condado Portucalense, cujos limites se compreendiam entre o Rio Lima (em cujas margens estão as cidades de Viana do Castelo e Pontes de Lima) até um pouquinho ao Sul de Coimbra, seu reino avançou na conquista de Leiria, Santarém, Lisboa, até o Alentejo, antes sob controle mouro, parte do processo que em toda a Península Ibérica foi chamado de Reconquista Cristã.

Refeitório
Alcobaça tem um significado muito maior que o meramente religioso. Foi uma força econômica, política e cultural no novo Reino de Portugal.

A Abadia desenvolveu largamente a atividade agrícola, se dedicou à mineração do ferro e é apontada como responsável pelas primeiras indústrias surgidas no país. Tinha o poder de emitir Cartas de Povoação, atuando como um autêntico instituto de colonização, já que definiam o número de famílias, o tamanho das glebas distribuídas e até as culturas que seriam desenvolvidas em seus vastos domínios.


Detalhes da decoração do Claustro de D. Dinis
O caso de amor
Pedro I foi o penúltimo rei português da Casa de Borgonha. Antes de subir ao trono, casou-se com uma princesa castelhana, Manuela. Quando a esposa chegou a Portugal, porém, ele só teve olhos para Inês de Castro, uma das damas de companhia da futura rainha.

Em 1345, Manuela morreu de parto e deixou um herdeiro para a coroa, Fernando. Pedro passou a viver publicamente com Inês — imaginem o escândalo! — com quem teve três filhos, deixando seu pai, o ainda rei Afonso IV, de cabelo em pé.

Da antiga passagem do Dormitório para a Igreja o visitante tem uma visão dos túmulos
Diz a lenda que Afonso IV era gato escaldado: seu próprio pai, o rei Dinis I, pretendeu afastá-lo da sucessão para favorecer a um de seus filhos bastardos. Essa teria sido a razão de sua implacável perseguição a Inês de Castro e a sua prole: assegurar o trono para o neto, o futuro Fernando I.

Seja como for, em 1355 ele ordenou o assassinato de Inês — executado na Quinta das Lágrima, em Coimbra, onde ela vivia (Tirar Inês ao mundo determina/ Por lhe tirar o filho que tem preso. Camões, os Lusíadas, Canto III).

Túmulo de Pedro I
Dois anos depois, ao subir ao trono, Pedro fez questão de que a defunta fosse exumada de seu túmulo e promoveu um ritual de beija-mão à rainha morta (ele alegava ter casado com ela em segredo) que deve ter sido uma cena de rara bizarrice, mesmo na Idade Média (Game of Thrones é para os fracos, crianças...). Quanto aos assassinos de Inês, reza a lenda que tiveram seus corações arrancados do peito na presença de Pedro — relatos mais radicais dão conta de que o rei teria comido esses corações...

O corpo de Inês finalmente descansaria em um dos suntuosos túmulos que Pedro mandou talhar e instalar na nave da igreja do Mosteiro de Alcobaça, onde também foi sepultado, em 1367.
O enredo trágico do amor de Pedro I e Inês de Castro é inspiração frequente na literatura portuguesa, passando por Camões — que o incluiu em os Lusíadas, sua narrativa épica da formação da identidade portuguesa — Bocage e Alexandre Herculano. 

Inês
Casais apaixonados ainda visitam os túmulos do casal para fazerem suas juras de amor (melhor que prender cadeado em pontes, né?). Eu, sinceramente, jamais consegui dissociar a história de seu epílogo grotesco, mas adoro os versos de Camões, que li no início da adolescência e não canso de reler.

"Tu, só tu, puro amor, com força crua, 
Que os corações humanos tanto obriga, 
Deste causa à molesta morte sua, 
Como se fora pérfida inimiga." 

Segundo instruções deixadas em testamento por Pedro, os dois sarcófagos foram dispostos frente a frente, em cada lado da nave da igreja, para que quando ambos ressuscitassem, no dia do Juízo Final, pudessem "se olhar nos olhos". O sossego do casal não foi completo: durante a invasão das tropas de Napoleão, os túmulos foram profanados e bastante danificados. As marcas dos estragos estão lá até hoje e também fazem parte da história.

Jardim do Claustro da Hospedaria
Dicas práticas
Se você gosta de acordar cedo e for objetiva, dá pra ir a Alcobaça e Batalha (onde está outro mosteiro imperdível) em um bate e volta a partir de Lisboa. São só 122 km de distância, percurso que vai consumir no máximo uma hora e meia, a maior parte dele feito pela Rodovia A-8, um tapete de estrada. Mas não acho que o ritmo dessa viagem deva ser o de um videoclipe.

A cadência dos decassílabos de Os Lusíadas cai muito melhor nesse mergulho histórico — aliás, se o poema épico de Camões acompanhar você na viagem, vai enriquecê-la lindamente. Programe umas três horas para ver o mosteiro com calma, pois ele é bem grande, tem muitos detalhes e ambientes.

Desafio seu coração a ficar imune a essa visão
Além disso, vai valer muito a pena ficar em Alcobaça para ver o cair da tarde: desafio seu coração a não dar uma paradinha diante da visão do mosteiro dourado pela luz do poente.

Pequenininha (7 mil habitantes), Alcobaça não tem muito mais para ser visto além do mosteiro e das ruínas de um castelo visigodo muito antigo, anterior ao domínio mouro, no Século 7. Mesmo assim, pode ser boa ideia passar a noite lá para experimentar os frutos do mar — como os famosos percebes — e os doces locais, especialmente as queijadas. 

Detalhe do exterior do mosteiro e a esplanada em frente ao monumento (pequenininho, no centro da foto, o castelo de Alcobaça)

Historiadores ainda não conseguiram estabelecer uma data de construção do castelinho visigodo de Alcobaça, mas ele tem pelo menos 14 séculos de idade
Em frente ao mosteiro, uma série de restaurantes, bares e confeitarias oferecem "mesa de pista", de cara para o lindão. Bons camarotes para admirar o mosteiro, bebericando sossegada, sem a preocupação de pegar a estrada.

Onde ficar
Solar Cerca do Mosteiro, um hotel adorável
Experimentei, amei e recomendo o bonito confortável e romântico Solar Cerca do Mosteiro, um hotel que complementa lindamente o passeio.  Ele está instalado em uma antiga casa de campo cuidadosamente restaurada, do ladinho do mosteiro e com uma vista espetacular. 

Apesar das instalações, atendimento e café da manhã cinco estrelas, o hotel tem preços bem pagáveis: a diária na nossa suíte, para três pessoas, custou €120.

A Igreja do mosteiro é dedicada a Santa Maria
Como chegar
Eu fui a Alcobaça de carro, primeira etapa da minha road trip junina em Portugal. Fui direto do aeroporto de Lisboa e levei cerca de uma hora e meia no trajeto.

Também é possível ir de ônibus. A Rede Expressos tem seis frequências diárias entre Lisboa e Alcobaça. Entre o Porto e Alcobaça são dois horários. Para maiores informações, horários e preços, consulte o site da empresa.

A cidade cresceu em torno do mosteiro
Mosteiro de Alcobaça
Horários: de outubro a março, das 9h às 18h. De abril a setembro, das 9h às 19h. Fechado em 1º de Janeiro, Domingo de Páscoa, 1º de Maio, 20 de Agosto e 25 de Dezembro.

Ingresso: adultos pagam €6. Maiores de 65 e estudantes pagam meia entrada. Há um passe de €15 que dá acesso aos mosteiros de Alcobaça, Batalha e Tomar, mas só vai valer a pena se você for visitar os três. Gratuito no primeiro domingo do mês. 

A bilheteria aceita cartões de crédito e também é possível comprar os bilhetes com antecedência pela internet, neste link: https://bilhetes.igespar.pt. Site oficial: http://www.mosteiroalcobaca.pt/pt/index.php

A Sala dos Monges
Portugal na Fragata Surprise
Roteiros
20 dias em Portugal - roteiro de carro
Roteiro de carro redondinho: de Lisboa a Santiago de Compostela

Dicas gerais
De carro em Portugal: como organizar sua viagem
Portugal: 8 razões pra voltar (sempre e muito)
Dicas práticas: de carro entre Lisboa e Santiago de Compostela
Os viajantes, as crises e a vida real
Perdida na tradução: o Português de Portugal

Comer/beber/petiscar
Muito além do Bacalhau: o que comer - e onde comer - em Portugal
A mesa portuguesa ou Pantagruela rides again
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Doces portugueses: tentações com origem divina
Surpresa: hambúrguer português bate um bolão. Três lugares para praticar o sacrilégio
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Hospedagem

Onde me hospedei em Portugal (Aveiro, Porto, Coimbra, Évora e Lisboa)
Amarante: o charme da hospedagem rural
Hospedagem em Alcobaça: Solar Cerca do Mosteiro
Lisboa: duas dicas de hospedagem
Hospedagem na Cidade do Porto: Hotel Aliados

Destinos
Lisboa

Fim de ano na Europa: vale a pena? Como foi meu Natal em Lisboa
Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém
Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra ver a cidade do alto e se apaixonar
Tesouro de Portugal: o Convento do Carmo, em Lisboa
Lisboa: como aproveitar uma conexão (dicas práticas e passeios)
Minhas melhores memórias de Lisboa
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Bertrand, a livraria mais antiga do planeta


Amarante
Um lugar para encontrar o coração de Portugal

O charme da hospedagem rural


Aveiro
Capital da Arte Nova

Batalha

O que ver no Mosteiro da Batalha

Braga
O que ver em Braga em um bate e volta a partir do Porto

Coimbra 
Coimbra: simpatia prévia e encanto para toda a vida
Onde ouvir o Fado de Coimbra
Coimbra: dicas práticas
Uma visita à Universidade de Coimbra
O Convento de Santa Clara
Museu Nacional Machado de Castro: lindo, surpreendente, imperdível

Évora
O que fazer em Évora
Évora - dicas práticas
Como organizar um bate e volta a Évora a partir de Lisboa

Passeio lindo nos arredores de Évora: o Castelo de Montemor-o-Novo

Fátima
Dicas práticas

Óbidos
Paixão instantânea

Peso da Régua 

Um passeio pelo Rio Douro

Porto

Dicas práticas
O que fazer no Porto
Lello, a livraria mais bonita do mundo
Cidade do Porto: aos pouquinhos, eu vou ficando...
Como aproveitar uma conexão: 8 horas na Cidade do Porto
Cidade do Porto, terra de navegadores
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Serra da Estrela
Um passeio por Seia, Piódão e outros encantos


Setúbal
Dicas práticas
Setúbal: boa surpresa portuguesa

Vila Nova de Gaia
O que fazer em Vila Nova de Gaia


Caminho Português a Santiago de Compostela
Valença do Minho
Caminho de Santiago: começando a jornada

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário