sábado, 25 de junho de 2016

20 dias em Portugal - roteiro de carro

Lisboa vista do Miradouro de São Pedro de Alcântara, no Bairro Alto
Acabei de chegar de Portugal, depois de 20 dias passeando pela terrinha em uma road trip com a família. Foi minha terceira viagem grande ao país, oportunidade para explorar cenários novos, cidades menores e paisagens rurais — além, é claro, de rever alguns xodós, como Lisboa, Porto e Coimbra.

Junho em Portugal é uma época especial, graças às celebrações dos santos do mês. Além de nossos conhecidos Antônio, João e Pedro, os portugueses também celebram com entusiasmo a São Gonçalo, que viveu em Amarante, na Região do Douro, no Século 13. É claro que a cidade (e a Festa de São Gonçalo) entrou no nosso roteiro, que terminou com a Festa de Santo Antônio, em 12 e 13 de junho, em Lisboa.

Cravos e manjericos (um primo do manjericão) são típicos da festa de Santo Antônio em Lisboa. Os cravos são para o santo, os manjericos para a pessoa amada. À direita, o baldaquino que enfeita o altar da Igreja de São Gonçalo, em Amarante, na festa que abre o calendário junino português
Também fazia tempo que eu queria explorar um pouco os cenários rurais portugueses. e nosso roteiro foi pensado para isso. Do jeito que foi desenhado, é um roteiro para ser feito de carro. Não digo que seja impossível seguir essa rota usando transporte público, mas não recomendo, pois os deslocamentos tomariam muito tempo.

A paisagem do Vale do Rio Douro, entre Peso da Régua e Pinhão, roteiro de um concorrido passeio de barco
Pôr do sol no Alentejo: vale a pena estar viva pra ver um espetáculo assim
AlcobaçaBatalhaAveiroBragaPeso da RéguaSeiaPiódãoÉvora e Montemor-o-Novo completaram esse nosso roteiro de 1.500 quilômetros, paisagens incríveis, como a Serra da Estela, o Vale do Douro, o Alentejo. Sem contar, é claro, que nos esbaldamos na maravilhosa gastronomia de Portugal — um país onde parece impossível descobrir alguém que cozinhe mal.

Vou escrever posts bem detalhadinhos sobre todas as etapas da viagem, com dicas práticas e das atrações, avaliação dos hotéis, restaurantes e das delícias que comemos por lá. (Enquanto as novas dicas gastronômicas não saem do forno, tem um aperitivo da viagem anterior: A mesa portuguesa).

E já saíram posts com dicas de comilança:
Por enquanto, vá dando uma olhadinha no roteiro e comece e se inspirar. Portugal vai bombar na Fragata!

Como chegamos a Portugal
Castelo de Montemor-o-Novo, no Alentejo
Fomos de Salvador a Lisboa, com conexão em Madri, pela Air Europa. Já comentei aqui na Fragata que adoro os voos diretos que saem de Salvador para Lisboa (TAP) e Madri (Air Europa), um jeito bem mais rápido de chegar à Europa do que partindo do Galeão ou de Guarulhos (são menos de 8 horas de voo). Escolhi a companhia espanhola porque a passagem da TAP estava bem mais cara no período da nossa viagem.

Como foi o percurso

Essa foi minha segunda viagem de carro por Portugal e continuo fã de dirigir pela terrinha, com suas excelentes rodovias, trânsito civilizado e distâncias confortáveis. Desta vez, me aventurei mais além das autoestradas e descobri que mesmo as estradinhas mais cascudas, como as da Serra da Estrela e da região do Douro, são bem cuidadas e sinalizadas — já as curvas ensandecidas e o sobe e desce delas são para motoristas corajosos.

Portugal: 8 razões pra voltar (sempre e muito)

Pra ver como foi minha primeira road trip em Portugal, leia estes posts:
Roteiro de carro redondinho: de Lisboa a Santiago de Compostela

Santuário de Bom Jesus do Monte, em Braga
Vocês já sabem que acho uma abominação usar automóvel nas cidades, mas, modéstia à parte, sou boa motorista e curto muito dirigir em estradas. Como era a única do grupo a encarar o volante, ficou um pouquinho cansativo — 1.500 quilômetros não são brincadeira. Se você quiser repetir esse roteiro, recomendo que tenha alguém pra revezar na direção.

Meu roteiro de 20 dias em Portugal
Alcobaça - uma noite
O Mosteiro de Alcobaça, do Século 12, perpetua a memória de uma trágica história de amor

A grande atração de Alcobaça é o lindo mosteiro medieval (Século 12), famoso por abrigar os túmulos do rei Pedro I de Portugal e sua amada Inês de Castro (simplesmente imperdível!). A apenas 120 km de Lisboa, Alcobaça pode ser visitada também em um bate e volta.

Para saber mais sobre essa visita:
Mosteiro de Alcobaça, um capítulo da História de Portugal

Hospedagem impecável: Solar Cerca do Mosteiro

Se você escolher o bate e volta — e se estiver de carro —, saia cedo de Lisboa para combinar a visita ao Mosteiro de Alcobaça com uma passada por Batalha, a 20 km, para ver outro mosteiro espetacular, o de Santa Maria da Vitória, construção iniciada no Século 14 para comemorar a consolidação da independência de Portugal, conquistada na Batalha de Aljubarrota, contra o Reino de Castela.

Veja como foi essa visita:
O que ver no Mosteiro da Batalha

O Mosteiro de Batalha celebra a consolidação da independência de Portugal, no Século 14
As Capelas Imperfeitas (inacabadas) do Mosteiro de Batalha
Nós optamos por seguir do aeroporto de Lisboa direto para Alcobaça, aproveitar o fim do dia por lá, pernoitar (ficamos uma noite) e ver o mosteiro na manhã seguinte, seguindo para Batalha na hora do almoço. O super bônus dessa opção foi a hospedagem no Solar Cerca do Mosteiro, hotel instalado em um casarão histórico cercado de belos jardins, bem ao lado (e com uma vista privilegiada para) do Mosteiro de Alcobaça. Sabe quando um hotel já justifica a viagem? Foi o caso.

Saiba mais sobre esse hotel:
Hospedagem em Alcobaça - Solar Cerca do Mosteiro

Minha avaliação dos hotéis dessa viagem:
Onde me hospedei em Portugal

Aveiro - uma noite

Moliceiros na Ria de Aveiro
Da visita ao Mosteiro de Batalha, seguimos para a fofíssima Aveiro (a 130 km), onde nos hospedamos no bom, bonito e barato Welcome In, um misto de hotel e hostel super bem localizado, a um pulo de todas as atrações da cidade.

Aveiro é um encanto. Cortada por uma ria (braço de mar), um jeito ótimo de ver a cidade é passeando de barco — os moliceiros, embarcações tradicionais que lembram as gôndolas de Veneza e eram usadas no transporte de algas marinhas para fertilizar as lavouras, ou os batéis, barcos mais robustos, usados no transporte do sal, produto importante na economia da cidade.

Aveiro é famosa pela arquitetura Art-Nouveau e por seus azulejos — além dos doces, é claro. Abaixo, os famosos ovos moles e outros mimos em uma vitrine da cidade
Doces irresistíveis nas vitrines de Aveiro, a terra dos famosos ovos moles
Ficamos apenas uma noite em Aveiro, tempo para ver seu belíssimo acervo arquitetônico Art-Nouveau, considerado um dos mais importantes da Europa. Eu, que sou apaixonadíssima por essa escola de arte e arquitetura, fiquei saltitante.

Outro passeio legal em Aveiro é uma esticada à Praia da Costa Nova, no município vizinho de Ílhavo, famosa pelas fachadas listradas das casas de pescadores e pelos frutos do mar. Só adianto o seguinte: as sapateiras (caranguejões criados com toddy) valem a travessia do Atlântico.

Veja o post - Aveiro, capital da Arte Nova


Porto - quatro noites
O Porto e Gaia vistos do alto da Torre dos Clérigos
Bendita Vila Nova de Gaia, que oferece essa vista magnífica para a Cidade do Porto 
Sabe uma cidade que é "pra casar"? Sou louca pelo Porto e vivia me prometendo passar uma temporada mais comprida por lá. Patrimônio histórico, agitação cultural, paisagem, gastronomia... o Porto tem tudo, além do famoso vinho. De Aveiro ao Porto é um pulo, 78 km.

Uma encarnação é pouco pra aproveitar os encantos do Porto, mas uma estada de quatro noites (no HF Fênix Porto, ótimo hotel, muito bem localizado) já permitiu saborear a cidade, explorar Vila Nova de Gaia, do outro lado do Rio Douro, e até um bate e volta a Braga (54 km), a Bracara Augusta dos romanos, linda, cheia de história e dona de uma famosa catedral do Século 11, a Sé de Braga.

Veja como foi:

As informações sobre o Porto estão nestes posts:
Porto - dicas práticas
O que fazer no Porto
Porto: os cafés históricos Majestic e Guarany
Viajando com os cinco sentidos: o Mercado do Bolhão, no Porto

Atravesse o Rio Douro e descubra outra cidade interessante:
O que fazer em Vila Nova de Gaia

Pra ver o que escrevi sobre o Porto em viagens anteriores, leia estes posts:
Cidade do Porto, terra de navegadores
Como aproveitar uma conexão: 8 horas na Cidade do Porto
Hospedagem na Cidade do Porto: Hotel Aliados
Cidade do Porto: aos pouquinhos, eu vou ficando...
Perdida na tradução: o Português de Portugal

Amarante - quatro noites

A ponte medieval de Amarante, sobre o Rio Tâmega, devidamente ornamentada para a festa. À direita, uma Pietá que adorna uma janela da Igreja de São Gonçalo
Pequenininha (11 mil habitantes, contando os distritos rurais) e fofa, a cidade de Amarante tem importância política, cultural e religiosa desde o Século 13, quando o frade dominicano que seria canonizado como São Gonçalo se estabeleceu por lá.

A festa dedicada ao santo, no primeiro fim de semana de junho, traz gente de todas as partes de Portugal para as celebrações, que misturam o sagrado e o profano, com muita dança, comilança e desfiles de ternos pelas ruas íngremes e estreitas da cidade.

Amarante, lindinha...
... e a paisagem do Douro, em Peso da Régua
Ficamos quatro noites lá exatamente por causa da festa — fora desta temporada, dá para ver as atrações de Amarante em um dia de visita. Nos hospedamos em uma quinta nos arredores da cidade, a Casa São Faustino, no Distrito de Fridão. O lugar, uma casa com origens no Século 17, cercada de vinhedos, é simplesmente encantador.

Minha ótima experiência com a hospedagem rural em Amarante está neste post:

Amarante está a 60 km do Porto e a um pulinho do Vale do Rio Douro, o que a torna, também, uma boa base para explorar essa bela região vinícola cortada por estradinhas serpenteantes que sobem e descem as encostas verdejantes. Aproveitamos a deixa para um bate e volta a Peso da Régua (a 60 km), de onde fizemos o já clássico passeio de barco pelo Douro até Pinhão. Lindo!

Veja como foi:
Peso da Régua - um passeio pelo Rio Douro

.Coimbra - três noites

Coimbra vista do mirante do Convento de Santa Clara
De Amarante, partimos para outro dos meus xodós portugueses. Coimbra (a 168 km) tem uma beleza arrebatadora, com seu Centro Histórico encarapitado nas alturas e dominado pela imponente sede de uma das universidades mais antigas da Europa. Desta vez, pude explorar com mais calma as belezas de Coimbra, mas acho que ainda cabe voltar lá muitas vezes :)

Ficamos três noites em Coimbra e não fui muito feliz na escolha do hotel. O tradicionalíssimo Astoria, às margens do Rio Mondego, é muito bem localizado, mas está caindo de velho e mal conservado. Valeu como curiosidade histórica, rsss.

E já tem posts sobre a visita a Coimbra:


O claustro do Convento de Santa Clara-A-Nova, do Século 17, e um detalhe de um painel de azulejos da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra
Coimbra está a 100 km da Serra da Estrela e aproveitamos para fazer um bate e volta até Seia, cidadezinha de 5 mil habitantes (uma das maiores da área!!), nos limites do Parque Nacional. Seia foi cidade romana e, séculos mais tarde, base importante da Reconquista Cristã da região. De seu antigo castelo restam trechos de muralhas e fortificações, mas a grande sua grande atração é o Museu do Pão, com um restaurante bacana e vista espetacular.

Aproveitamos o bate e volta para visitar a pequenina e encantadora Piódão, na Serra do Açor, uma das famosas "aldeias de xisto" da região, com casinhas construídas com esse tipo de rocha e telhados de ardósia, cercadas de montanhas muito altas e muito verdes.

Veja como foi esse bate e volta:
Um passeio pela Serra da Estrela


Évora - duas noites
O Templo Romano de Évora e o cair da tarde nessa cidade apaixonante

De Coimbra a Évora, no Alentejo, foi um esticão de 300 km, o trecho mais longo do roteiro, um cansaço compensado pela travessia do Tejo, na altura de Santarém, e pela paisagem do Alentejo, bem mais plana e árida, mas cheia de poesia nos campos de oliveiras e sobreiros, as árvores da cortiça, e velhos castelos que nos olham passar.

Poucas cidades que vi na vida conseguem competir com Évora em encanto. Totalmente cercada de muralhas medievais, suas ruas estreitas e íngremes levam a uma antiga acrópole romana onde hoje convivem um templo do Século 1º e uma catedral do Século 12.

Vasco da Gama nos Jardins Públicos de Évora
Em Évora, também optamos por uma hospedagem rural, no Hotel Quinta dos Bastos, em meio às oliveiras. Ficamos duas noites, tempo suficiente para ver as principais atrações da cidade e dar uma escapadinha à vizinha Montemor-o-Novo, que tem um belo castelo do Século 13 e uma praça de touros.

Veja como foi a visita ao Castelo de Montemor-o-Novo

Minha primeira passagem por Évora está neste post:
Bate e volta a Évora

E os posts desta etapa:
Évora - dicas práticas
O que fazer em Évora

Lisboa - quatro noites
Lisboa estava toda enfeitada para a festa de Santo Antônio
Mais 130 km e lá fomos nós encerrar a viagem em Lisboa, que estava simplesmente deslumbrante nesse final de primavera, com os jacarandás em flor por toda parte, e no maior clima de festa e feriado, em função do Dia de Portugal, que caiu numa sexta (10 de junho, data da morte de Camões — não é lindo um país celebrar sua nacionalidade em alusão a um poeta?) e o Dia de Santo Antônio (13 de junho, que caiu na segunda), celebrado com bandeirolas, fogueiras (sardinhas na brasa, hummm) e música muito parecida com o nosso forró.

Dispensei o carro (voltei à minha querida condição de pedestre) e ficamos quatro noites na cidade, uma no Hotel Turim e três no HF Fênix Lisboa, ambos na Praça Marquês de Pombal. Pra quem já conhece Lisboa, quatro dias é um tempinho razoável para matar as saudades. Se for sua primeira visita, porém, recomendo uma esticadinha na estadia, porque a cidade tem muito pra ver.

Jacarandás em flor: encanto junino em Lisboa
E já tem posts sobre Lisboa:
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra ver a cidade do alto e se apaixonar
Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém
Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Bertrand: a livraria mais antiga do mundo, no bairro do Chiado
O Mosteiro dos Jerónimos e as grandes aventuras marítimas

Veja o que escrevi sobre a cidade em visitas anteriores:
Lisboa: como aproveitar uma conexão
Tesouro de Portugal: o Convento do Carmo, em Lisboa
Minhas melhores memórias de Lisboa
Lisboa: duas dicas de hospedagem


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

11 comentários:

  1. Oi, Cyntia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    ResponderExcluir
  2. Olá Cyntia,
    Você deve ser a primeira pessoa que conheço que ficou quatro noites em Amarante... rsrsrs... essa região é muito bonita! :)
    Bom, queria dizer que fico sempre muito feliz quando alguém vem ao meu país e faz mais do que o habitual roteiro de 7 dias em Portugal (de Lisboa a Porto), que eu próprio recomendo nessa página a quem tem pouco tempo. Parabéns por isso. E seja sempre bem-vinda ao meu país!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A região de Amarante é linda, mesmo, e a cidade é muito fofa. Achei a festa de São Gonçalo bem interessante, também

      Excluir
  3. Que lindo esse roteiro. Não tenho planos para Portugal ainda, mas fiquei com muita vontade!!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Portugal é um mundo Douglas. Tá na hora de botar o país nos seus planos. Garanto que vc vai adorar :)

      Excluir
  4. Cyntia, parabéns pelo blog, uma delícia!
    Vou ficar 15 dias no norte de Portugal para explorar aquela região maravilhosa.
    Gostaria da sua ajuda porque farei a viagem em fevereiro do ano que vem, e não sei se alugar carro seria o mais indicado, tenho receio das chuvas e do mal tempo.
    O que é imperdível naquela região, fora o Porto, claro?
    Continue viajando e nos brindando com suas postagens.
    Um grande abraço.
    Rejane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rejane. Que bom que você está curtindo navegar com a Fragata :)
      Olha, as chuvas em Portugal se concentram mesmo no período de outono/inverno e janeiro e fevereiro são os meses mais chuvosos.
      No Norte de Portugal eu já visitei Braga, Porto, Amarante e Peso da Régua/Pinhão. Morro de vontade de ir a Guimarães, Barcelos, Pontes de Lima e outros encantos famosos por lá.

      O bacana de Portugal é que esse país tão pequeno concentra muitas atrações.

      Abs

      Excluir
  5. Sr. Viajante, sua última viagem para a Terrinha foi em junho. É verão no hemisfério norte. Como estava as temperaturas e os preços?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As temperaturas estavam bem agradáveis. Ainda não tinha começado o calorão e até usei casaquinho leve à noite. Os preços em Portugal são bem camaradas.

      Excluir
  6. estou com viagem marcada para 3/10 chegando em lisboa e voltando 30/10 por porto, poderia me orientar em qauis cidades passar? mas estou afim de conhecer santiago de compostela e uma aldeia onde meus av;os nasceram tras os montes. obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que não falta é cidade bonita pra ver entre Lisboa e o Porto. Vc tem 25 dias "líquidos", descontando a chegada e a saída, então, pode até ir além. Se vai de carro, fica mais fácil. Óbidos, Alcobaça (pra ver o mosteiro), Batalha (outro mosteiro magnífico), Aveiro e Coimbra são grandes apostas. Do Porto a Compostela é uma viagem tranquila, dá pra fazer de ônibus.

      Aproveite o maravilhoso Portugal

      Excluir