segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Comer em Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas


Se você anda lendo este blog, já deve ter percebido que eu sou louquinha pela culinária portuguesa. Agora, imagine a minha alegria ao encontrar um mooooonte de pratos que adoro (e outros que eu desconhecia e tão bons quanto) no mesmo lugar. Pois é, o Mercado da Ribeira, em Lisboa, é perfeito pra uma maratona de beliscos (fiz duas) ou para uma refeição mais disciplinada, em um ambiente animado, agradável e sem frescura. As receitas nem sempre são portuguesas, mas os ingredientes são da gema.

São 30 boxes que reúnem o que a revista Time Out, curadora do espaço, considera o melhor de Lisboa em termos de pratos e petiscos. Tem chefs renomados oferecendo sua versão de cozinha descomplicada, sandubas e beliscos celestiais, sobremesas deliciosas... Tudo isso para degustar em mesas coletivas, bebericando uma cerveja artesanal ou um drink mais elaborado. Uma farra.

No capítulo entradinhas, tem os pastéis de bacalhau do Olhó Bacalhau e ostrinhas fresquíssimas do Sea Me...
... e croquetes de pato com compota de laranja do Alentejo, do Cozinha da Felicidade. Pra variar do vinho, uma tacinha de limoncello (esq)
O Mercado da Ribeira funciona desde o final do Século 19, no Cais do Sodré, e era ponto tradicional de venda hortaliças, frutas e flores. Há cerca de 15 anos, ele começou a ser abandonado, com a migração dos comerciantes para um espaço mais moderno, fora do centro da cidade. O edifício histórico, porém, não ficou muito tempo sem uso: a Câmara Municipal de Lisboa lançou um concurso para definir a nova ocupação do espaço e a revista Time Out Portugal (da franquia especializada em lazer editada nas principais cidades do mundo) ganhou a parada, assumindo a curadoria do mercado.

Asian Lab: comidinhas orientais como essa inacreditável sopa tailandesa de camarões (abaixo)

Já fazia um tempinho que eu queria experimentar o novo Mercado da Ribeira, reinaugurado em 2014. A área é bem generosa, a chamada “praça de alimentação” ocupa mais de três mil metros quadrados que ganharam uma decoração numa pegada meio industrial, com uma profusão de luminárias de alumínio e vigas metálicas à mostra. Segundo a internet, as mesas coletivas (umas mais altas, outras convencionais) têm lugar para 500 pessoas, mas sinceramente, nas duas vezes em que estive lá, tive a sensação que de que tinha muito mais gente.

Manteigaria Silva: está sonhando com uma tábua de queijos e frios? É lá
Você compra a comida no balcão e procura um lugarzinho nas mesas coletivas
O esquema é simples, estilo mercado, mesmo: você compra seu prato/petisco/bebida nos balcões e senta onde conseguir lugar. Como as opções são muitas, garanto que você vai fazer esse percurso muitas vezes. Os preços são acessíveis (o prato mais caro que vi por lá estava na casa dos € 15) e no horário do almoço alguns boxes oferecem a opção de menu combinado (prato, bebida e sobremesa) também nessa faixa.

Moela ensopada (maravilhosa)
Bacalhau não poderia faltar

E um sanduba de responsa
Entre as atrações do Mercado da Ribeira estão os ótimos hambúrgueres do Honorato (ganharam até post aqui na Fragata), o Cozinha da Felicidade, da chef Susana Felicidade (do Pharmacia, que faz sucesso no Bairro Alto), o famoso bife do Café de São Bento (apontado como o melhor de Lisboa), o Asian Lab e o Sea Me (uma espécie de spin off de uma badalada peixaria do bairro do Chiado).

Pra você ter uma ideia dos preços (não anotei tudo, porque estava ocupadíssima me deliciando com as comidinhas), a porção com meia dúzia de ostras do Sea Me custou € 11,40 e a taça de vinho (Casal Santa Maria, de Colares, perto de Sintra) custou € 5. Os croquetes de pato com compota de laranja do Alentejo, do Cozinha da Felicidade custam € 1,50 cada. A sopa tailandesa de camarões do Asian Lab custou € 5.

Éclair de framboesas
Eu nem conto pra vocês como esse folhado de maçã com doce de gemas estava bom...
Eu experimentei tudo isso e muito mais. Fiquei fã dos pastéis (bolinhos, em português brasileiro) de bacalhau do Olhó Bacalhau, um balcãozinho que, não fosse o perfume dos quitutes, passaria batido. Um barato é a embalagem para viagem dos bolinhos (sim, não basta comer lá, tem que levar alguns para o hotel, rsss), que são caixas de ovos.

Recomendo com entusiasmo as “bombas” (éclair, € 4,70 cada) da confeitaria francesa L’Éclair (outro balcãozinho que passaria batido, não fosse a profusão de cores nas coberturas dos doces “chamar” o passante).

Uma aula na Academia de Cozinha (esq) e o balcão de drinks House Tequila
Quem curte botar a mão na massa pode se inscrever em uma aula da Academia de Cozinha do mercado. A área, integrada à praça de alimentação, oferece oficinas com temas variados, na hora do almoço (€23) e do jantar (€35), sempre com direito à refeição. Interessou? Informe-se sobre a programação no site do Mercado da Ribeira ou pelo telefone 21 346 1199.

A fachada do Mercado da Ribeira. Abaixo, detalhes da entrada principal

Quando você for, leve muito apetite, porque a graça do Mercado da Ribeira é beliscar bastante. No horário do almoço e na happy hour o lugar fica até à tampa de gente, mas é bem divertido.

Time Out Mercado da Ribeira
Avenida 24 de Julho, Cais do Sodré. De domingo a quarta das 10 à meia noite. De quinta a sábado, das 10h às duas da manhã.

O melhor jeito de chegar é pegar o metrô até a Estação Cais do Sodré (Linha Verde). Na primeira vez, eu fui caminhando da Praça do Comércio até lá, pela beira do Tejo. Mesmo no calorão, foi um passeio gostoso.
Na parte de trás do mercado tem mesas ao ar livre 
Junho em Portugal é assim: tem Santo Antônio, cravos e manjericos por toda parte
Portugal na Fragata Surprise

Dicas gerais
De carro em Portugal: como organizar sua viagem
20 dias em Portugal - roteiro de carro
Portugal: 8 razões pra voltar (sempre e muito)
Dicas práticas: de carro entre Lisboa e Santiago de Compostela
Roteiro de carro redondinho: de Lisboa a Santiago de Compostela
Os viajantes, as crises e a vida real
Perdida na tradução: o Português de Portugal


Comer/beber/petiscar
Muito além do Bacalhau: o que comer - e onde comer - em Portugal
A mesa portuguesa ou Pantagruela rides again
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Doces portugueses: tentações com origem divina
Surpresa: hambúrguer português bate um bolão. Três lugares para praticar o sacrilégio
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany


Hospedagem
Onde me hospedei em Portugal (Aveiro, Porto, Coimbra, Évora e Lisboa)
Amarante: o charme da hospedagem rural
Hospedagem em Alcobaça: Solar Cerca do Mosteiro
Lisboa: duas dicas de hospedagem
Hospedagem na Cidade do Porto: Hotel Aliados


Destinos
Lisboa

Fim de ano na Europa: vale a pena? Como foi meu Natal em Lisboa
Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém
Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra ver a cidade do alto e se apaixonar
Tesouro de Portugal: o Convento do Carmo, em Lisboa
Lisboa: como aproveitar uma conexão (dicas práticas e passeios)
Minhas melhores memórias de Lisboa

Bertrand: a livraria mais antiga do mundo, no bairro do Chiado
O Mosteiro dos Jerónimos e as grandes aventuras marítimas

AmaranteUm lugar para encontrar o coração de Portugal

Évora
O que fazer em Évora
Évora - dicas práticas
Como organizar um bate e volta a Évora a partir de Lisboa

Passeio lindo nos arredores de Évora: o Castelo de Montemor-o-Novo


Coimbra 
Coimbra: simpatia prévia e encanto para toda a vida
Onde ouvir o Fado de Coimbra
Coimbra: dicas práticas
Uma visita à Universidade de Coimbra
O Convento de Santa Clara
Museu Nacional Machado de Castro: lindo, surpreendente, imperdível


Braga
O que ver em Braga em um bate e volta a partir do Porto


Peso da Régua 
Um passeio pelo Rio Douro

Batalha
O que ver no Mosteiro da Batalha

Alcobaça
O que ver no Mosteiro de Alcobaça

Óbidos
Paixão instantânea

Fátima
Dicas práticas

Serra da Estrela
Um passeio por Seia, Piódão e outros encantos

Setúbal
Dicas práticas
Setúbal: boa surpresa portuguesa

Porto

Porto - dicas práticas
O que fazer no Porto
Cidade do Porto: aos pouquinhos, eu vou ficando...
Como aproveitar uma conexão: 8 horas na Cidade do Porto
Cidade do Porto, terra de navegadores


Vila Nova de Gaia
O que fazer em Vila Nova de Gaia


Caminho Português a Santiago de Compostela
Valença do Minho
Caminho de Santiago: começando a jornada


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

4 comentários:

  1. Que delicia!! Eu adoro a comida de Portugal.. os salgados, os doces! Tudo!!

    ResponderExcluir
  2. Acabei de descobrir o blog. Maravilhoso! Não saio mais daqui

    ResponderExcluir