quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Madri: dica de hospedagem
próxima ao aeroporto de Barajas

A entrada do hotel. A recepção funciona 24 horas
Pegar um voo de manhã muito cedo ninguém merece. Desembarcar tarde da noite em uma cidade que não é a nossa também não. Só que nem sempre dá para escolher e, nessas horas, sempre trato de me hospedar bem pertinho do aeroporto.

Foi o que aconteceu na viagem de junho a Portugal, quando que tive que dormir uma noite em Madri entre conexões e me hospedei Tryp Madrid Alameda Aeropuerto Hotel, a 1,5 km do Aeroporto de Barajas — uma decisão providencial, pois a curta distância me garantiu uma boa noite de sono.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Comer em Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas


Se você anda lendo este blog, já deve ter percebido que eu sou louquinha pela culinária portuguesa. Agora, imagine a minha alegria ao encontrar um mooooonte de pratos que adoro (e outros que eu desconhecia e tão bons quanto) no mesmo lugar. Pois é, o Mercado da Ribeira, em Lisboa, é perfeito pra uma maratona de beliscos (fiz duas) ou para uma refeição mais disciplinada, em um ambiente animado, agradável e sem frescura. As receitas nem sempre são portuguesas, mas os ingredientes são da gema.

São 30 boxes que reúnem o que a revista Time Out, curadora do espaço, considera o melhor de Lisboa em termos de pratos e petiscos. Tem chefs renomados oferecendo sua versão de cozinha descomplicada, sandubas e petiscos celestiais, sobremesas deliciosas... Tudo isso para degustar em mesas coletivas, bebericando uma cerveja artesanal ou um drink mais elaborado. Uma farra imperdível.

sábado, 24 de setembro de 2016

Lisboa - Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém

Guerreiros lusitanos da Idade do Ferro (ano 1.000 a.C.) acompanhados de javalis, animais que tinham importância ritual para essa cultura
Se você vai a Lisboa, tenho certeza que vai visitar o maravilhoso Mosteiro dos Jerónimos, em Belém e aproveitar para comer pastéis de nata no “berço” da iguaria, que fica ali do lado. O bairro tem tantas encantos famosos — não vamos esquecer da Torre de Belém e do Padrão dos Descobrimentos — que a gente acaba deixando passar batida uma atração que faria sucesso em qualquer lugar do mundo: o Museu Nacional de Arqueologia (MNA), que funciona no antigo dormitório do mosteiro.

Estou falando por experiência própria: Belém é um dos meus passeios obrigatórios na capital portuguesa e somente agora, na viagem de junho, conheci esse museu tão interessante. Eu não sabia o que estava perdendo. Então, não cometa o mesmo vacilo: quando for a Belém e ao Mosteiro dos Jerónimos, reserve um par de horas para ver o Museu Nacional de Arqueologia.

domingo, 18 de setembro de 2016

Doces portugueses:
Tentações com origem divina

Vitrine da Confeitaria Alcoa, em Alcobaça
Dizer que os doces portugueses têm origem no divino não é licença poética. Sim, a doçaria lusitana provoca arrebatamentos gustativos que inspiram hipérboles. No caso, porém, me amparam o factual e o rigor histórico: foi no ascetismo dos conventos que Portugal engendrou um saber culinário que fala muito mais à sensualidade do que à castidade e à contemplação que se associa a claustros e preces.

Não que os frades e, principalmente, as freiras, quisessem testar (ou tentar) a nossa moderação inventando aquelas delícias. É que mesmo vidas devotadas ao espiritual precisam estar munidas de algum pragmatismo: o que fazer com a gigantesca sobra de gemas, já que as claras eram matéria prima fundamental para a confecção de hóstias e para engomar os hábitos? Para a sorte deles (e nossa, mais ainda), o açúcar das colônias amealhadas a partir das grandes navegações resolveu a charada.

Os famosos ovos moles em uma vitrine de sua terra natal, Aveiro
O resultado é um repertório quase impossível de catalogar: pastel de nata, ovos moles, pão de ló, pastel de Santa Clara, papos de anjo, barriga de freira, queijadas, travesseiros...

Qualquer visita a Portugal, pra mim, é uma fuzarca gastronômica e os doces têm um papel primordial nesse enredo. Neste post, apresento algumas dessas delícias que você não pode deixar de provar na próxima passagem pela terrinha.


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra
ver a cidade do alto e se apaixonar

O Mosteiro dos Jerónimos é uma das estrelas do panorama que se vê do alto do Padrão dos Descobrimentos
A maior gentileza que uma cidade bonita pode fazer a visitantes e locais é se encher de mirantes, para que possa ser contemplada em sua plenitude. Não é vaidade, é utilidade pública. Em Lisboa, fica fácil. Primeiro, porque a cidade, como Roma, ocupa sete colinas e o que não falta é altura para plantar seus miradouros (é como se chamam os mirantes por lá). Segundo, porque vá ser bonita assim lá na margem do Tejo: pra onde quer que a gente olhe, há sempre uma maravilha pra seduzira visão.

Os sete mirantes que selecionei para este post são lugares que visitei nas minhas várias passagens pela cidade — camarotes onde me vi boquiaberta deixando a capital portuguesa arrebatar meu coração. Quatro deles (os miradouros de São Pedro de Alcântara, das Portas do Sol, de Santa Luzia e da Senhora do Monte) são espaços públicos gratuitos, sem hora para fechar (pense em luas cheias...). O Castelo de São Jorge, o Padrão dos Descobrimentos e o terraço do Elevador de Santa Justa são atrações pagas. Todos valem muito a pena.

Espero que você aproveite as dicas e se apaixone por Lisboa tanto quanto eu.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

O que fazer em Évora

O Jardim de Diana, debruçado sobre a muralha de Évora
Évora é uma das cidades mais lindas que já vi na minha vida. Preservadíssima e muito romântica, ela tem tudo que se busca em uma cidade histórica europeia: muralhas, palácios, ruazinhas medievais, jardins de sonho... Tudo isso cercado pela luz dourada do Alentejo, pelos campos de terra ocre cobertos pelos verdes suaves das oliveiras e sobreiras e a palidez dos trigais... De fazer o coração parar um pouquinho, só para não perturbar a contemplação.

O melhor de Évora é o conjunto, é andar pelas ruas sem um plano pré-definido, apenas virando a esquina quando o coração mandar. Cada passo é uma descoberta. Longe de mim querer estragar as surpresas, mas, para facilitar sua vida, listei algumas atrações imperdíveis na cidade.

As informações práticas pra organizar sua visita estão neste post: Évora - dicas práticas
Para ver como foi minha primeira visita à cidade: Bate e volta a Évora
Passeio bacana nos arredores de Évora: Castelo de Montemor-o-Novo

O chafariz da Praça do Giraldo, do Século 16

domingo, 4 de setembro de 2016

Évora - dicas práticas

A Cerca Velha, muralha iniciada pelos romanos no Século 3, e o Palácio do Vimioso, sede da Universidade de Évora, fundada no Século 16
Se você vai a Portugal, recomendo fortemente que coloque Évora no seu roteiro. A encantadora capital do Alentejo é reconhecida como uma das cidades mais bonitas do país e fica a cerca de uma hora e meia de viagem de Lisboa, um trajeto confortável, tanto de carro como em transporte público.

Os encantos de Évora são muitos. É um lugar para brincar de voltar no tempo, graças a um conjunto arquitetônico muito bem preservado — com destaque para as famosas muralhas e o Templo Romano. Também é a base perfeita para quem quer mergulhar no aconchego das tradições rurais alentejanas e provar uma culinária que é pura tentação.

O Templo Romano, também conhecido como "Templo de Diana" foi construído no Século 1º. Ao fundo, a torre da Catedral
Neste post, organizei aqui algumas dicas práticas sobre Évora que vão facilitar sua viagem até lá. Só aviso que vai dar vontade de não ir embora nunca mais :).

Leia também:
O que fazer em Évora
Bate e volta a Évora
Passeio bacana nos arredores: Castelo de Montemor-o-Novo