CCBB-Brasília:
Mondrian e o Movimento De Stijl





Brasília está sediando três exposições de artes plásticas maravilhosas, Frida Kahlo, Marianne Perreti e Mondrian e o Movimento De Stijl, esta em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil até 4 de julho. Posso garantir que esse é mais um motivo pra uma visitinha à cidade.

Se você se apressar, ainda pega as mostras de Marianne Peretti (artista francesa, autora dos vitrais da Catedral) e de Frida Kahlo e suas companheiras surrealistas (e feministas e socialistas), que é um espetáculo e já ganhou post aqui no blog. Essas duas exposições ficam até 5 de junho.

Veja o que você vai encontrar no CCBB, na mostra sobre Mondrian:

Viagens e Cinema: combinação deliciosa

O Cinema é danado pra inspirar roteiros de viagem. E assistir a um filme na cidade onde ele foi ambientado é uma senhora experiência 
Muita gente tem o Cinema como inspiração para seus roteiros de viagem. Eu, por exemplo, sou viciada nisso. Mas você costuma ir ao cinema quando está viajando? Tem gente que acha um sacrilégio —“Imagina ficar duas horas fechada em uma sala, vendo um filme que poderia assistir em casa, com uma cidade inteirinha para explorar”.

Pois vou te contar um segredo: um dos meus grandes prazeres em viagens é ir ao cinema. Um bom filme fica muito mais saboroso quando visto na atmosfera que o inspirou e funciona como poderoso tempero dos passeios que virão a seguir. 

A região de Leicester Square, em Londres, é famosa pelos teatros, mas também preserva uns cinemões com a mágica de antigamente
Também gosto de aproveitar a oportunidade de ir a cinemas que preservam a atmosfera que nenhuma sala de shopping center consegue reproduzir, aqueles cinemões de antigamente, que sabiam criar o clima para o mergulho na mágica. Sem contar que ir ao cinema é bom em qualquer lugar — especialmente quando está passando aquele filme que você morre de vontade de ver na tela grande, e não na telinha da sua TV.

Dê só uma olhada nas minhas "aventuras cinematográficas" pelo mundo e aproveite para se inspirar para novos roteiros  — e colocar o Cinema definitivamente entre os seus programas de viagem, como os museus, monumentos e restaurantes.

Fósseis, estrelas e arquitetura:
3 atrações nos arredores de Villa de Leyva

El Infiernito é um "Stonehenge" do povo muisca, usado para marcar a passagens das estações e o tempo de plantar e de colher
Se você gosta de cidades coloniais bem preservadas, já vai amar Villa de Leyva logo de cara. Há muito o que explorar naquelas ruas de calçamento irregular, sombreadas pelas fachadas de belos sobrados seculares. Mas essa perolazinha colombiana também é cheia de surpresas em seus arredores, como pinturas rupestres, sítios pré-colombianos, fazendas de avestruzes e até uma vinícola.

Eu visitei cinco atrações no entorno da Villa de Leyva. O mosteiro dominicano de Ecce Homo, maravilhoso, já ganhou um post só pra ele. Aqui, faço a minha avaliação sobre outras três: o Observatório Astronômico Monquirá, uma espécie de Stonehenge do povo muisca, o Museu El Fósil, que exibe o famoso fóssil de um enorme predador marinho, o cronossauro, com 130 milhões anos de idade, e a Casa Terracota, curiosa construção totalmente em cerâmica, com pitadas de Gaudí.

A história da Colômbia
em três museus de Villa de Leyva

Museu Casa de Antonio Nariño, pra aprender um pouco da história da Colômbia, conhecer um lutador pela independência e imaginar a vida cotidiana em um belo casarão colonial
Vocês já sabem que eu gosto de casas-museus, né? Acho muito legal conhecer espaços que preservam aspectos da vida cotidiana de personagens interessantes e, ao mesmo tempo, acabam documentando o jeito de viver de uma certa época ou cultura. Em Villa de Leyva, eu fiz a festa, pois a cidade tem três casas-museus muito legais.

Duas dessas casas transformadas em museus pertenceram a heróis da independência da Colômbia — o ex-presidente Antonio Nariño e o comandante militar Antonio Ricaurte. A terceira casa é do interessante artista plástico Luis Alberto Acuña, que doou o imóvel à cidade junto com um acervo de obras sua e outras peças de interesse artístico e histórico.

Museu de Luís Alberto Acuña:
 o legado do artista a Villa de Leyva
Além de conhecer um pouco da história dos três personagens, visitar esses museus é uma ótima maneira de ver por dentro três autênticas casas históricas da Villa de Leyva, restauradas e mobiliadas, imaginar como a vida cotidiana transcorria em seus pátios, centro da convivência nos lares coloniais, imaginar o almoço no fogão a lenha ou as conversas ao pé do fogo.

Veja como foram as minhas visitas aos museus Casa Antonio Nariño, Casa Antonio Ricaurte e Casa Luís Alberto Acuña, em Villa de Leyva:

Aeroporto de Bogotá:
Cuidado com o golpe da nota falsa

Olhando com atenção, dá pra ver que é uma cópia mal feita.
Mas com sono, depois de 12 horas de viagem...
Uma das maiores preocupações dos viajantes é a hora de fazer câmbio em países cujo dinheiro não é tão, digamos, famoso, como o dólar, o euro e a libra. Além de ser mais difícil fazer a cotação de cabeça, de maneira automática, as cédulas e moedas costumam ser ilustres desconhecidas — mesmo com pesquisa na internet, demora para a gente “associar o nome à pessoa”. Essa falta de intimidade com a aparência das notas aumenta muito o risco de receber dinheiro falso como troco ou quando se faz câmbio em lugares pouco sérios.

Pois foi justamente o que aconteceu comigo, logo na chegada a Bogotá: recebi uma nota falsa de 50 mil pesos (aproximadamente R$ 60) de troco  — pasmem — em uma loja do Free Shop do Aeroporto de El Dorado.

Onde comer em Villa de Leyva

Rincón Gourmet: Villa de Leyva tem uma boa oferta de restaurantes, bares e cafés
Villa de Leyva é pequenininha, mas é muito bem estruturada para o turismo. Sem muito luxo, mas com capricho, o que não falta nessa adorável cidade colonial colombiana são lugres simpáticos e aconchegantes para uma bebidinha depois dos passeios ou uma boa refeição. Talvez a cena gourmet da cidade, sozinha, não seja um motivo para a sua viagem, mas, pela minha experiência lá, posso garantir que ela não vai destoar. Confira as dicas:

Belle Époque em Bogotá: o Teatro Colón


Abri a porta do camarote e... uau!
Anote pra quando você for a Bogotá: além dos museus bacanérrimos, das igrejas e do conjunto arquitetônico colonial e republicano, o bairro de La Candelaria guarda uma verdadeira pérola da Belle Époque, o Teatro Colón, inaugurado em 1895 e considerado um dos mais bonitos do mundo.

Fiquei hospedada bem ao lado dele e dei sorte, pois durante os meus dias na cidade estava rolando o prestigiado Festival Ibero-Americano de Teatro de Bogotá. Nada melhor, portanto, do que conhecer o Colón da melhor maneira, que é assistindo a um espetáculo — a montagem coreana A Family on the Road, uma biografia alegórica do maior pintor daquele país, Lee Jung Seop, visualmente encantador, aliás.