domingo, 25 de janeiro de 2015

10 razões para amar Nápoles

Piazza Plebiscito, no Centro Histórico.
No alto, o Castel Sant' Elmo,  no bairro do Vomero,
tremendo mirante para a cidade
Fiz uma pausa na redação deste post sobre algumas atrações de Nápoles e fui fuçar a internet. Por coincidência, em um grupo que frequento no Facebook, li vários comentários bem ruins sobre a cidade, que seria "feia", "suja" e "perigosa". Pra mim, soou pior do que chamarem a minha mãe de careca e o meu pai de cabeludo, como se dizia antigamente. Sou passional em relação a Nápoles: amo, deliro e recomendo com a mais firme das convicções. E aviso sempre: vitupérios à cidade serão levados para o lado pessoal :)

Quando voltei da minha primeira visita à cidade, em 2007, escrevi um post afirmando que não conhecer Nápoles é desperdiçar a vida. Pois esse reencontro, no finalzinho do ano, só reforçou minha certeza. Nápoles é arrebatadora. Tem paisagens estonteantes, um acervo arquitetônico impressionante, uma história que forneceria enredo para abarrotar as prateleiras de maior biblioteca do planeta, sabores inesquecíveis e, ah, aquela sonoridade hipnótica da língua napolitana...

Meu melhor desagravo a Nápoles é contar as razões de tanta paixão. Para o post não ficar enorme, separei só 10 motivos para você ir correndo para lá. Veja só que coisas bacanas você vai experimentar:

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Nápoles - dicas práticas


Igreja dei Santi Cosma e Damiano ai Banchi Nuovi, do Século 17

Se tem uma coisa que eu não me conformo é ver tanta gente fazer de Nápoles apenas um ponto de passagem para ir a Capri, Pompeia ou à Costa Amalfitana. É verdade que desta vez eu fiz quase isso, ficando apenas 36 horas na cidade para ir a Pompeia e Herculano. E vocês não imaginam como doeu ficar tão pouco tempo em uma cidade que está entre os maiores amores da minha vida de viajante.

Recomendo enfaticamente que você experimente essa cidade espetacular (e bonita de quase arrancar lágrimas) pelo menos uma vez na vida. Estou preparando alguns posts contando o que fiz por lá, nesta curta passagem. Por enquanto, fique com essas informações básicas para ir organizando sua visita. Aposto que você vai se apaixonar perdidamente por Nápoles.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Roteiro pela Sicília -
com paradinhas em Nápoles e Roma


A bandeira da Sicília no Centro Histórico de Taormina
Queridos leitores, preciso dizer a vocês que a Sicília é uma cooooooisa. Passei uma semana lá, na virada do ano, e voltei absolutamente extasiada com a beleza de Taormina, Agrigento e Palermo.

Se a Andaluzia, que visitei no ano passado, é uma esquina do mundo, a Sicília foi um congestionado entroncamento de rotas marítimas e interesses militares desde os primórdios das civilizações mediterrâneas — a ilha parece ter sido caprichosamente plantada bem no meio do caminho de fenícios, gregos, romanos, vândalos, godos, normandos, árabes, aragoneses, espanhóis... O resultado dessa multiplicidade de conquistas e heranças é fascinante, mas é preciso reconhecer que a natureza também fez sua parte, com aquelas montanhas que parecem ter acabado de dilacerar a crosta da terra em direção ao céu.

Terminei esse breve primeiro encontro com a Sicília decidida a voltar logo. E para ficar muito mais tempo. Enquanto a oportunidade não surge, estou aqui, dez dias depois do retorno, suspirando a cada foto e a cada lembrança. Por enquanto, confira o passo a passo da minha viagem, inspire-se e comece a planejar. Garanto que você fará uma das viagens mais fascinantes de sua vida.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Tesouro de Portugal:
o Convento do Carmo, em Lisboa

Um tesouro de Portugal 
Fazia tempo que eu estava me devendo uma visita de fôlego ao Museu Arqueológico do Carmo, lugar que eu sempre listei como um dos mais bonitos da cidade. O Largo do Carmo talvez tenha sido o primeiro lugar que eu corri pra ver na cidade, na primeira vez que estive lá (e volto sempre, e muito), pelo posto que ocupa na minha mitologia pessoal. O lugar foi fundamental em um dos meus épicos favoritos, a Revolução dos Cravos, que livrou Portugal de 49 anos de ditadura, em 1974.

E de tanto me enternecer por aquela praça sossegada e de tão fortes memórias, acabava incorporando a imponente portada do Convento do Carmo ao cenário que povoou minha imaginação desde a adolescência.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Lisboa: como aproveitar uma conexão

Lisboa é sempre massa. No inverno, 
tem o bônus das castanhas assadas :)
(O Elevador da Glória, 
na Praça dos Restauradores)
Lisboa é uma cidade tão bacana que até uma passadinha por lá já vale a pena. Claro que é muito melhor programar uma temporada mais comprida na capital portuguesa, mas esse não era o propósito desta viagem. Eu estava a caminho da Itália e ia apenas fazer conexão na cidade, uma janela de oito horas entre a chegada do meu voo, vindo de Salvador, e a partida para Roma.

Pra começar, Lisboa já tem uma vantagem rara: é muito rápido, fácil e barato ir do Aeroporto Portela de Sacavem até o centro da cidade. Além do metrô, que chega até o Aeroporto, há ônibus comuns, ônibus especiais e mesmo o táxi é super em conta, ainda mais para quem está viajando acompanhada para rachar a tarifa — não peguei táxi agora, mas da última vez a corrida custou €15, até a Praça dos Restauradores, que fica a cerca de 7 km.

Seja qual for a sua opção, dificilmente você levará mais que 30 ou 40 minutos no trajeto. Não tem desculpa, portanto, para ficar mofando no aeroporto, quando pode ir descobrir ou rever uma cidade adorável.