quarta-feira, 29 de março de 2017

Domingo em Madri: o Rastro e o Retiro

Domingão madrilenho: que tal passear de barquinho no Parque do Retiro?
Domingo é chato? Em Madri, de jeito nenhum. Confesso que, mesmo viajando, costumo sucumbir à preguiça dominical, mas nem me atrevo a fazer isso na capital espanhola, para não perder dois programas que adoro: garimpar quinquilharias no mercado de El Rastro e assistir aos madrilenhos espairecendo no Parque del Retiro. Duas atrações ao ar livre, gratuitas e divertidas que todo mundo devia experimentar.

Agora em janeiro, apesar do frio, adiei a visita à linda Segóvia só pra garantir que ia poder repetir os passeios ao Rastro e ao Retiro e não me arrependi. Depois, foi só emendar com um almoço tardio no Mercado de San Antón e estava pronta a minha receita de perfeito domingão em Madri.

Veja as dicas do post e aproveite.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Roteiro em Madri:
da Praça de Espanha ao Palácio Real

O Parque del Oeste é um dos grandes mirantes de Madri: da esquerda para a direita, o Palácio Real, a Catedral de La Almudena e a Real Basílica de San Francisco el Grande
Uma tarde ensolarada em Madri, sapatos confortáveis e muito pouco dinheiro. Isso é tudo o que você precisa para fazer um passeio bem bacana pela capital espanhola para ver cara a cara alguns dos maiores cartões postais da cidade.

Esta é basicamente uma rota pela cidade dos séculos 19 e 20. O percurso tem quase 4 km, começando na Plaza de España e terminando no Campo del Moro, um lindo jardim sossegado nos fundos do Palácio Real.

Com 25 andares e 117 metros de altura, o Edifício Espanha é uma das imagens mais reconhecíveis de Madri
Você também tem a opção de encerrar a visita no palácio, para ver seus majestosos salões e suas ricas coleções. Essa é a única atração paga desse roteiro — mesmo assim, se você chegar a lá no fim da tarde, de segunda a quinta, vai ter entrada grátis.

Já tinha visitado cada uma dessas atrações, mas nunca numa sequência organizada. Fiz isso, agora em janeiro, e vi que rende um roteiro redondinho. Fiz tudo a pé, mas você pode recorrer ao metrô e até dividir as atividades em duas partes. O importante é namorar a beleza de Madri. Veja o mapa no final do post e bora passear.

sábado, 25 de março de 2017

Bate e volta a Ravena - história e mosaicos

Basílica de San Vitale, o monumento mais famoso de Ravena

Uma cidade italiana que sempre rondou a minha lista é Ravena, última capital do Império Romano do Ocidente e dona do acervo de mosaicos bizantinos mais famoso da Península. Como ela fica bem pertinho de Bolonha (86 km), uma das minhas bases na viagem de janeiro, finalmente pude ir até lá ver de perto essas maravilhas. Acabei descobrindo uma cidade adorável.

Coube a Ravena a ingrata tarefa de personificar um ocaso. Quando as tribos bárbaras estavam tocando o terror na Europa Ocidental, a cidade abrigava a corte de um cada vez mais combalido Império Romano, na condição de sua última capital. Sua queda diante das hostes de Odoacro, em 476, marca o que se convencionou como o fim da Antiguidade e início da Idade Média.


Detalhes fofos de Ravena
Só esse marco histórico já justificaria a visita, mas o conjunto de monumentos paleocristãos e bizantinos de Ravena são realmente de deixar a gente de queixo caído. Taí uma escala recomendadíssima para quem vai explorar a Emília-Romanha.

Veja neste post os encantos de Ravena e todas as dicas pra organizar sua visita.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Chip de celular no exterior:
minha avaliação do EasySim4U

Roma no Instagram da Fragata: eu faço questão de estar online durante as viagens
Já faz um tempinho que eu não “sobrevivo” em viagens sem ter um chip local no celular. Continuo devendo aquele telefonema pra minha mãe avisando que estou viva, mas fico bem desconfortável sem conexão com a internet.

Minha primeira parada ao chegar a uma cidade estrangeira — geralmente ainda no aeroporto — era sempre em uma loja de alguma empresa de telefonia. Na minha viagem internacional mais recente (para Roma, Florença, Bolonha e Madri), eu já cheguei conectada com o EasySim4U, um chip de celular ativo em 140 países que ganhei durante o Encontro da Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem, em Belo Horizonte, no último mês de setembro.

A vantagem deste chip é que ele atravessa fronteiras
Não é porque eu ganhei de presente que vou elogiar à toa. Eu realmente gostei do serviço — tanto que já comprei um chip para minha próxima viagem. A conexão funcionou muitíssimo bem na Itália, super rápida e constante. Na Espanha, não foi tão legal, porque a velocidade é menor. Mesmo assim, consegui postar tudo o que queria, sem perrengues.

Todas as fotos deste post foram publicadas no Instagram durante a viagem usando a conexão do EasySim4U.

terça-feira, 14 de março de 2017

Toscana - bate e volta a Luca

Prepare-se para cair de paixão por Luca

Poucas vezes na vida eu fiz um bate e volta tão redondinho como essa visita de um dia a Luca, partindo de Florença. Tudo encaixa: a distância entre as cidades, que poupa tempo no deslocamento, a frequência dos trens entre as cidades, pra não engessar os horários, a facilidade de acesso às atrações...

Tudo muito cômodo. Mas não é por isso que a visita se justifica. O principal motivo para ir a Luca é que a cidade é bonita demais.

A Catedral de Luca, do Século 11
Com origens etruscas, ela foi colônia romana e importante cidade-estado (a República de Luca) medieval, enriquecida pelo comércio da seda, por mais de 600 anos. Suas muralhas, perfeitamente preservadas até hoje, aconchegam um lindo conjunto arquitetônico, herdado dessa prosperidade.

Uma beleza pé no chão que se esparrama por ruas pacatas e cercadas de um inequívoco ar de lugar onde mora gente. Pequenininha e apaixonante, essa Luca.

Confira as dicas práticas para sua viagem a Luca e algumas atrações imperdíveis na cidade:

domingo, 12 de março de 2017

Onde comer - e o que comer - em Florença

O peladão e a bisteca, dois exemplares sublimes da arte florentina
Quem vê a cara quase celestial de Florença, nem imagina o quão profana ela consegue ser à mesa. Enquanto pincéis e cinzéis esculpiam a face etérea de berço da Renascença, seus fogões e caldeirões urdiam outra arte, um universo aliciante de bistecas sangrentas, doces ásperos e receitas à base de caça e de vísceras capazes de seduzir o mais fresco dos paladares.

Requinte de salão não faltou à cidade — lembremos que foi preciso a florentina Catarina de Médici virar rainha da França, no Século 16, para a corte parisiense ser apresentada aos talheres e à delicada confeitaria. Mas a cozinha simples de citadinos e camponeses resistiu e resplandece como marca da gastronomia local.

Neste post eu listei algumas delícias da gastronomia de Florença e os restaurantes que fizeram a minha cabeça por lá. Buon appetito!

sexta-feira, 10 de março de 2017

Vacina contra febre amarela:
o que você precisa saber antes de viajar

O certificado tem validade permanente. O meu fica sempre juntinho do passaporte
Se você vai viajar e precisa tomar vacinas, Brasília é um dos melhores lugares do Brasil para isso. A presença das embaixadas estrangeiras e de órgãos públicos que frequentemente mandam funcionários em missões no exterior garante que sempre haja doses disponíveis em postos de saúde e nos hospitais públicos, onde a vacinação é gratuita e, em geral, o atendimento é rápido e sem filas.

O Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), por exemplo, mantém um Ambulatório do Viajante, criado em 2010, que além de fornecer todo tipo de vacina, também orienta quem vai visitar regiões com incidência de doenças infectocontagiosas, tanto no exterior como no Brasil.