quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Compras em Buenos Aires

A "catedral" das compras para os brasileiros que visitam Buenos Aires: Galerias Pacífico
Buenos Aires para nós, brasileiros, sempre foi sinônimo de compras. Seja porque a metrópole europeizada das primeiras décadas do Século 20 oferecia artigos mais requintados para os nossos patrícios muito ricos que conseguiam visitá-la, seja porque desde que me entendi por gente a moeda argentina valeu muito menos que nosso dinheiro — exceto no período da paridade peso-dólar, nos anos 90, quando os filhos de Pindorama ficaram meio órfãos da histórica prática do dame dos (um dos nossos apelidos portenhos, derivado do hábito de comprar logo dois de cada tudo, por ser tão mais em conta).

Hoje em dia não é mais assim. O real voltou a ficar bem valorizado frente ao peso, numa cotação de quatro a cinco para um, mas produtos e serviços estão caros na Argentina, o que reduz consideravelmente nossa vantagem no câmbio. Algumas coisas ainda valem a pena, dizem os experts. Entre os itens que recomendo estão os livros, vinhos, alfajores, roupas (de inverno, mais pesadas) e objetos de design/decoração.

Esse talvez seja o primeiro post da Fragata exclusivo sobre compras — atividade à qual atribuo o mesmo valor utilitário de fazer supermercado: uma necessidade da vida a ser executada no limite do desespero (tipo “acabou o café”), sem qualquer função lúdica. Mas não dá pra falar em Buenos Aires sem tocar no assunto. E, é claro, lembrar das gostosas feiras de rua da capital argentina e do garimpo de livros e discos, sempre muito produtivo por lá.

Então, eis os lugares onde dei uma bisbilhotada para trazer as dicas para vocês. No final do post tem mapa com tuuuuuudo desta viagem a Buenos Aires.

  Buenos Aires Design
Pueyrredón 2501, Recoleta. Metrô Las Heras (Linha H) a 450 metros
De segunda a sábado, das 10h às 21h. Domingos e feriados, das 12h às 21h



Precisa ter disciplina pra não sair comprando todas as frescurinhas úteis de casa do Buenos Aires Design

Confesso que me esbaldei neste shopping dedicado exclusivamente a casa e decoração. E isso deve dar a medida de como são interessantes os objetos à venda lá, né mesmo? Se uma avessa às compras como eu conseguiu encher a cestinha, imagino os mais inspirados.

O Buenos Aires Design funciona no Paseo del Pilar, bem atrás do Centro Cultural Recoleta, onde também há alguns restaurantes e lanchonetes em um terraço com vista para o verde. São três andares, várias lojas interessantes — embora várias delas sejam especializadas em artigos grandes demais para colocar na mala, como mobiliário 😊, é sempre inspirador dar uma olhadinha no design bacana das peças.
O Buenos Aires Design fica bem no centrinho da Recoleta, atrás do Centro Cultural
E, claro, tem a grande loja do subsolo, direto para quem desce a escada rolante, cheia de “coisinhas” perfeitamente pagáveis e carregáveis na bagagem, utensílios charmosinhos para casa e cozinha. Foi lá que fiz a minha festinha consumista —boa substituição para a minha loja de objetos de decoração favorita em Buenos Aires, a Calma Chicha, do lado da Praça Serrano, em Palermo Soho, que encontrei fechada e com placa de “Aluga-se” na porta, agora em julho.

Comprei várias frescurinhas úteis para casa, gastei um pouco mais que 600 pesos (R$ 110) e saí feliz da vida.

Ah, e para quem curte, a filial portenha do Hard Rock Café fica no Buenos Aires Design.


Recoleta Mall
Vicente López 2050, Recoleta. Metrô Las Heras a 450 metros
Lojas: diariamente, das 10h às 22h. Restaurantes e lanchonetes, das 10h às 23h durante a semana e até a meia-noite nos fins de semana e feriados



Recoleta Mall: pequeno, charmoso e no meio da muvuca do bairro

Como ficava bem no meu caminho entre a estação de metrô (Las Heras) e o hotel, eu sempre dava uma passadinha no Recoleta Mall, nem que fosse pela diversão de subir a escada rolante com uma pequena cascata de sua entrada lateral. Ele é pequenininho, tem lojas de marcas elegantes, restaurantes concorridos (a fila na porta da sanduicheria Pani, no térreo, parecia ser eterna) e cinemas e caixa eletrônico.

Não comprei nada lá, mas vi lojas da Lacoste, Levi’s, Timberland... Como ele está bem em frente ao muro lateral do Cemitério da Recoleta, aposto que você vai acabar dando um pulo lá 😉.

Patio Bullrich
Posadas 1245, Recoleta. Metrô Retiro (Linha C) a 1,2 km
Diariamente, das 10h às 21h

Fazia um bom tempo que não passava por este shopping chiquérrimo de Buenos Aires — talvez desde que o nosso dinheiro deixou de valer tão mais que o peso argentino 😀. Elegante e caro, o Bullrich não é minha praia, mas dei uma passadinha lá por amor à Fragata — já que estava hospedada tão pertinho, não tinha desculpas para não dar uma olhada e contar para vocês 😉. Tem muitas marcas famosas — Calvin Klein, Diesel, Lacoste, Rolex, Salvatore Ferragamo e a “baratinha” Zara (em comparação com as outras).

Só pra não dizer que não me interessei por nada, dei uma namorada na vitrine da butique de chocolates Lindt — mas só comi com os olhos e lambi com a testa, porque o preço não estava nada interessante.


Galerías Pacífico
Avenida Córdoba 550, esquina com Florida, Centro. Metrô Lavalle (Linha C), a 500 metros, ou Florida (Linha B), a 450 metros
Diariamente, das 10h às 21h

O Maracanã do consumo
As Galerías Pacífico são uma espécie de Maracanã do esporte nacional brasileiros em Buenos Aires—as compras, claro. Instalada em uma esquina da legendária Calle Florida, rua de pedestres que é uma verdadeira passarela do consumo para nós, a Pacífico ocupa um edifício de 1889 com forte sotaque Belle Époque e bonitos afrescos decorativos.

O prédio, que nasceu como um centro comercial, chegou a sediar o Museu Nacional de Bellas Artes, depois foi sede da Pacific Railways até retornar à sua vocação original de comércio em 1992. A cúpula central e sua decoração em afrescos (alguns de Antonio Berni) são de 1945.

Além de grifes estreladas, como Dior, Chanel e Lacroix, tem um comércio mais acessível, lanchonetes, cafés e restaurantes. O Centro Cultural Jorge Luis Borges funciona lá.


Abasto Shopping
Av. Corrientes 3200, Abasto. Metrô Carlo Gardel (Linha B) praticamente em frente.
Diariamente, das 10h às 23h (sextas e sábados, até a 1h da manhã)

Gardel carregava compras no Abasto, no tempo em que o local era um mercadão
Este shopping combina direitinho com uma visita ao Museu Gardel, que está a 350 metros de distância. O legendário intérprete de tangos trabalhou lá, quando ainda era um mercado de hortifrutigranjeiros, recebendo trocados para carregar compras. Além de lojas, restaurantes e cinemas abriga o Museo de los Niños e um parque de diversões, o Neverland.

Livros
O que eu mais faço em Buenos Aires é fuçar livrarias — é uma das melhores cidades que conheço para este esporte. Variedade, qualidade, preço bom, novos e usados... a capital argentina é um paraíso para quem gosta de livros. Veja as dicas deste post: A cidade das livrarias.

Notorious: clube de jazz e loja de CDs
Música
Hoje em dia a gente acha qualquer coisa na internet, desde que esteja procurando. Mas garimpar novos sons e descobrir novidades é sempre mais proveitoso em uma loja de discos — as dicas dos bons vendedores são sempre preciosas. 

Eureka: vá com tempo pra fuçar o estoque
Em Buenos Aires, adoro procurar jazz, nuevo tango e outras bossas na Notorious (Avenida Callao 966, Recoleta, entre Marcelo T. de Alvear e Paraguay), loja que funciona em um clube de jazz muito legal.

Nesta viagem, caçando as encomendas roqueiras de um amigo, descobri a Eureka Discos (Defensa 1281, San Telmo), uma lojinha danada de interessante, especializada em vinis.

Pasaje Defensa
Defensa 1179, San Telmo




O casarão da Família Ezeiza, construído em 1880, foi transformado em um centro comercial dedicado principalmente aos brechós, artesanato refinado, antiguidades e design. As lojas se abrem para um dos pátios da velha mansão, com um elegante piso em xadrez. Já encontrei muita coisa interessante por lá, especialmente nos brechós.

Feira de Antiguidades de San Telmo
Domingos, das 10h às 17h, na Plaza Dorrego

Sou fã da Feira de San Telmo
Se você estivar na cidade em um domingo, não perca a  Feira de Antiguidades de San Telmo. O mercado de pulgas tem seu epicentro na Praça Dorrego e se esparrama pelas ruas próximas, onde lojas e antiquários também abrem as portas para receber milhares de visitantes.

Curto demais a feirinha de San Telmo e recomendo. Tem um astral bacana, música e dança nas ruas e sempre promete algum achado nas mais de 200 barracas (veja a lista completa aqui) que vendem de tudo, de postais a joias.


Feira da Plaza Serrano (Palermo Soho)
De quarta a sexta-feira, das 15h às 20h. Sábados, domingos e feriados, das 14h às 20h


Plaza Serrano, minha feira preferida em Buenos Aires
Essa feirinha acabou virando a minha favorita em Buenos Aires (assim como seu bairro é o queridinho do meu coração por lá). A ênfase da feira é o trabalho de jovens designers portenhos, que vendem suas criações não só nas barraquinhas montadas na praça, mas em lojas e galpões no entorno da muvuca.

No começo, a feira era realizada apenas aos sábados. Hoje, já se espalhou para outros dias da semana e cresceu em número de expositores (o que dá um pouquinho mais de trabalho para garimpar peças realmente interessantes). Em torno da feira, os bares e restaurantes fervem, tem gente de todas as idades e tribos circulando e sempre pinta algo divertido pra fazer.

Quando você for, aproveite para dar uma olhada nas butiques de Palermo Soho, que eu acho as mais charmosas de Buenos Aires.

Siga o mapa: todos os endereços desta viagem a Buenos Aires, com foto, links e dicas

Mais sobre Buenos Aires 
Comer&beber

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 

Nenhum comentário:

Postar um comentário