1 de junho de 2018

Férias: pra onde viajar em julho no Brasil

Em julho, você vai encontrar as águas de Noronha assim: calminhas e cristalinas
Você já decidiu o que vai fazer nas férias de julho? A cotação do dólar (e do euro) não anda muito camarada para as viagens ao exterior, ainda mais na alta temporada do Hemisfério Norte. Pra nossa sorte, o Brasil é imenso tem muitos destinos que ficam maravilhosos durante nosso inverno.

Viajar em julho no Brasil é uma grande pedida para quem curte belas paisagens, natureza — com conforto ou com aventura. 

Garça no Pantanal e a majestade das Cataratas do Iguaçu
Essa é a hora de desbravar o Pantanal, de ver muitos peixinhos de todas as cores em Bonito, se esbaldar no mar mais calmo em Fernando de Noronha e fazer as melhores fotos das Cataratas do Iguaçu.

Siga as dicas da Fragata para cada um desses destinos e aproveite suas merecidas férias de julho:

Peixinhos em Bonito: em julho, a escassez de chuvas deixa as águas ainda mais cristalinas

⭐ Foz do Iguaçu
As Cataratas do Iguaçu são espetaculares o ano inteiro. Já tive a alegria de ver aquele colosso em todas as estações e não consigo decidir qual é o período mais bacana. Mas o inverno tem muitas vantagens: nessa época, a chance de pegar chuva é muito pequena — nem conto pra vocês o que é um temporal de verão em Foz do Iguaçu — e o friozinho torna qualquer caminhada mais agradável.

Tá vendo essa névoa aí na foto? No inverno não tem 😊
No inverno, a vazão das cataratas diminui. Você não vai ver a quedas d'água em seu volume máximo, como no verão, mas vai ver um espetáculo muito mais nítido, já que a queda da vazão também diminui muito o spray que sobe das cachoeiras, provocando uma névoa incessante e molhando tudo em um raio de centenas de metros.

Caminhadas como trilha da Garganta do Diabo, no lado argentino das Cataratas, ficam muito mais agradáveis sem o calorão do verão

Em julho, prepare-se para pegar temperaturas médias de 18ºC em Foz do Iguaçu. Aproveite esse climinha gostoso para programar bons jantares. A oferta de bons restaurantes na cidade só cresce e Puerto Iguazu, do outro lado da fronteira, tem uma cena gastronômica bem interessante. E frio, claro, rima com vinho: que bom que a Argentina está ali do ladinho para assegurar esse ingrediente de uma bela viagem.

Já vi esse espetáculo em todas as estações e nem enjoo nem consigo decidir quando as cataratas ficam mais bonitas
➡️ Todas as dicas de Foz do Iguaçu
4 dias em Foz do Iguaçu - roteiro e dicas práticas
Hospedagem em Foz do Iguaçu: San Martin Hotel e Spa
Cataratas do Iguaçu: a natureza confortável
Cataratas do Iguaçu: o lado argentino
Bate e volta de Foz do Iguaçu à Missão Jesuítica de San Ignacio Miní
Bate e volta de Foz: a casa de Che Guevara em Caraguatay, Argentina
O Free Shop de Puerto Iguazu


A Praia do Sancho em julho: dá pra passar horas boiando nesse mar calminho e transparente
⭐ Fernando de Noronha
Quem gosta de banho de mar, águas calmas e mergulho vai adorar Fernando de Noronha entre julho e outubro. É nessa época que a maré fica mais tranquila e a visibilidade assegura um verdadeiro “cinema submarino”, com multidões de peixinhos e outros moradores do reino de Netuno desfilando para os visitantes.

Eu visitei Noronha numa segunda quinzena de julho e foi um deleite. O mês é exatamente a transição da temporada de chuvas para a época seca, os dias estavam lindos — peguei duas chuvinhas breves e comportadas, apenas — e aproveitei as praias até o coração dizer chega.

Os Dois Irmãos e a Baía dos Porcos vistos do mirante do Sancho
Em Noronha, faz calor o ano inteiro — as temperaturas médias ficam nos 28ºC. Em julho você pode esperar noites mais fresquinhas, graças à brisa que sopra do mar para a terra, mas nada que exija casacos. O mar é gostoso o ano inteiro, com temperatura na casa dos 24ºC.

Se você escolher Fernando de Noronha como seu destino de julho, lembre-se que uma viagem ao arquipélago não combina com providências de última hora. Apenas quatro voos regulares (partindo de Natal e Recife) pousam lá a cada dia e as pousadas costumam lotar nesse período. Então corre, que ainda tem um mês. As informações que você precisa para se planejar estão abaixo:

Em julho, até as águas normalmente revoltas da Praia da Cacimba do Padre, paraíso dos surfistas, permitem um mergulhinho com vista para os Dois Irmãos
➡️ Todas as dicas de Fernando de Noronha

Olha a folga desse jacaré
⭐ Pantanal 
Não tem região melhor no Brasil para as férias de julho que o Centro Oeste, onde a temporada seca está no auge nesse período. E o Pantanal, então, está perfeito nessa época: as águas estão em seu nível mais baixo, para alegria de quem curte uma trilha, os bichos ficam muito mais desinibidos — na época das cheias é mais difícil avistá-los — e os mosquitos também tiram uma folga.

A fofura emplumada nessa dupla de filhotes de carcará
Entre abril e setembro, a chance de você se deparar com um dia de chuva no Pantanal é remota.

O calorão também dá uma trégua. Se no verão as temperaturas ultrapassam facinho a casa dos 30ºC, em julho elas brincam na casa dos vinte e poucos, com noites frias — eu disse frias, não geladas —, perfeitas para serem curtidas à beira de uma fogueira e aquecidas com uma tigela de caldo de piranha.

Garça, carcará e veado campeiro. Quando as águas baixam, os bichos passeiam
A estação seca também facilita o tráfego de veículos na Rodovia Transpantaneira, que fica livre dos atoleiros — a estrada, único acesso ao Pantanal, não é asfaltada, exatamente para evitar excessos de velocidade que ponham em risco a fauna local, que passeia com a maior desenvoltura às suas margens e mesmo pela pista.

Minha primeira visita ao Pantanal, lá se vão quase 30 anos, foi no inverno. Jamais esqueci o espetáculo que as aves fazem no final da tarde, voado de volta a seus ninhais. O melhor jeito de ver essa cena, com um baita pôr do sol, é em um passeio de barco, atividade que a maioria das pousadas oferece — em geral, incluída na diária.

Prepare-se para perder a conta de quantas capivaras você vai avistar
➡️ Todas as dicas do Pantanal
Os bichos (muito fofos) que você vai ver no Pantanal

Nascente do Rio Sucuri, em Bonito
⭐ Bonito
O paraíso das águas do Mato Grosso do Sul é um destino que vale para o ano inteiro, mas a paisagem muda muito, a depender da estação. No verão, as cachoeiras estão a mil por hora. No inverno, elas continuam lá, menos turbinadas.

Mas, se você sonha mergulhar em uma nascente imaculadamente transparente e povoada por milhares de peixinhos de todas as cores, tá na hora de experimentar Bonito em julho.

Cachoeira em Bonito: o lugar não é chamado de "paraíso das águas" à toa
É no meio do ano que a temporada seca no Centro Oeste assegura águas absolutamente cristalinas em Bonito, uma festa para mergulhadores mais experientes, mas também um espetáculo para quem vai apenas flutuar com snorkel nas muitas nascentes locais e se esbaldar com os habitantes das águas claras.

E tem de tudo em Bonito: cachoeiras, cavernas, trilhas, banho de rio, corredeiras... Duvido que você não encontre atividades bacanas para preencher pelo menos uma semana de férias.

Gruta do Lago Azul, uma das muitas atrações de Bonito
Bonito tem uma estrutura turística organizadíssima, com muita atenção à segurança — todos os passeios são obrigatoriamente acompanhados por guias— que faz da região um grande destino para quem quer curtir natureza, mas não tem experiência em atividades radicais. É prudente reservar com alguma antecedência, pois todas as atrações têm limites diários de visitantes.

Além disso, a cidade é muito bem cuidada, tem uma rede hoteleira que acomoda bolsos de todos os tamanhos e ótimos restaurantes, bares, cafés e sorveterias, que é pra você se divertir também depois dos passeios.

➡️ Todas as dicas de Bonito


Lembre-se sempre que o paraíso tem mosquitos: curti muito a Praia da Conceição, em Noronha - sempre com repelente 
🚩Importante: vacina contra a febre amarela
A essa altura do campeonato, você já deve estar com sua vacina contra febre amarela em dia, mas não custa lembrar aos menos precavidos que esse é um cuidado com a saúde que todo mundo deve levar a sério.

Ainda que julho seja uma época em que as esquadrilhas de mosquitos arrefecem, não existe natureza mosquito-free aqui no Brasil — e nem o repelente intimida completamente essas pestinhas.

Não espere marcar viagem para um país que exija a vacina pra ticar esse item na sua lista. Até porque para viajar dentro do Brasil dificilmente o cerificado será exigido — exceto em casos graves de surto em alguma localidade, mas os mosquitos não se ligam em burocracia e trabalham mesmo quando o certificado de vacinação não é exigido.

Veja como fazer sua vacina contra a febre amarela (e, de quebra, providenciar seu Certificado Internacional de Vacinação).


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário