sexta-feira, 3 de março de 2017

Bonito: como organizar sua viagem

Nascente do Rio Sucuri: bonito é pouco...
Finalmente, conheci Bonito. Prometo não cometer nenhum trocadilho com o nome do lugar ao longo deste texto — vai ser fácil, porque bonito é pouco para descrever esse paraíso das águas na região do Parque Nacional da Serra da Bodoquena, no Mato Grosso do Sul.

Nascentes de águas cristalinas — onde a gente topa com verdadeiros engarrafamentos de peixinhos coloridos — cachoeiras de águas geladinhas e revigorantes, cavernas, revoadas de araras... Não é à toa que Bonito virou uma referência mundial para quem curte ecoturismo. É muita beleza em um lugar só.

Cachoeiras geladinhas e revigorantes
Passei o Carnaval em Bonito e voltei encantada. A viagem foi uma parceria da Fragata Surprise com o blog Dicas e Roteiros de Viagem. Carol May Rodrigues, que escreve o DRV, fez todo o planejamento e eu me juntei a ela para essa aventura.

Neste post, organizei as dicas práticas para ajudar a organizar sua viagem. Nos próximos, eu mostro os passeios em detalhes. Comece seu planejamento, porque você também vai cair de amores por Bonito.

Olha só euzinha (de colete amarelo) descendo a cachoeira

Como chegar a Bonito

A Azul voa direto para Bonito, saindo de Campinas, mas os preços são cabeludos (para essa viagem de Carnaval, encontrei o bilhete ida e volta Brasília-Bonito por R$ 6 mil).

O melhor, portanto, é voar até Campo Grande e seguir por via terrestre até Bonito. A capital recebe voos diretos de Brasília, Campinas, Congonhas, Cuiabá e Curitiba.

O Aeroporto de Campo Grande é a porta de entrada mais usual para quem vai a Bonito
Viajei de Brasília a Campo Grande com a Avianca. O voo tem duração 1h20. A passagem ida e volta, comprada em dezembro, custou R$ 600. Por conta dos horários de chegada (às 20:35) e de partida (7:51h), pernoitei na capital sul-mato-grossense na ida e na volta.

De Campo Grande a Bonito

De carro
Bonito está a 300 km de Campo Grande. O melhor caminho é pela BR-060 (passando por Nioaque e Sidrolândia).

Se você pretende alugar um carro, é bom saber que a pista não é duplicada e tem alguns trechos esburacados, mas não é nada que assuste.

Na Estância Mimosa, uma trilha leva a sete cachoeiras deliciosas, como a Água Doce
Transfer 
As agências de turismo de Bonito oferecem transfers direto do Aeroporto de Campo Grande para a cidade. A Bonitour, a empresa com a qual viajamos, faz o transporte em vans ou ônibus com ar condicionado. São quatro frequências diárias, em horários próximos às chegadas e partidas dos voos.

Do Aeroporto de Campo Grande a Bonito as partidas são às 9:30h, 11:30h, 14:30h, 16:30h. De Bonito a Campo Grande, os horários de saída são 4:20h, 7:30h, 10h e 12h. Cada trecho custa R$ 100. A viagem entre a capital e Bonito leva quatro horas.

Essa passarela sobre a mata leva até a nascente do Rio Sucuri, considerada uma das mais cristalinas do planeta
Ônibus
Pelo que pesquisei não vale a pena fazer o trajeto de ônibus, por conta própria. A Viação Cruzeiro do Sul, que faz a rota Campo-Grande Bonito, cobra R$ 65 pela passagem (cada trecho) e você ainda terá o trabalho de ir até a rodoviária da capital, que está a 12 km do aeroporto. O transfer evita esse perrengue e ainda deixa você na porta do seu hotel.

Quanto tempo ficar

Três dias inteiros (descontando o da chegada e da partida), no mínimo.

Tem muita coisa legal pra ver e fazer em Bonito: flutuação em nascentes, mergulho, exploração de cavernas, passeios de bote, trilhas, rapel, banho de cachoeira, cavalgada e, claro, o dolce far niente nos balneários à beira dos rios.

Bonito é uma cidade bem cuidada e com ótimas opções de restaurantes, bares e comércio
Além disso, a cidade é muito bem servida de restaurantes, bares, sorveterias, cafés e lojinhas de artesanato e o centrinho fica bem movimentado à noite.

Tantas atrações preenchem fácil a agenda de uma semana, sem risco de tédio.

Nós só tínhamos os dias do Carnaval, mas aproveitamos bastante, porque Carol, que organizou essa viagem, escolheu bem as atividades, variando os tipos de passeio. Nos nossos três dias "líquidos" (nos dois sentidos 😀), tivemos uma amostra de tudo que Bonito oferece de mais bacana.

A entrada da Gruta de São Miguel. Todos os passeios em Bonito são acompanhados por guia e é obrigatório o uso de equipamentos de segurança, como esses capacetes 
Fizemos flutuação na nascente do Rio Sucuri (água incrivelmente cristalina e zilhões de peixinhos), visitamos duas cavernas (São Miguel e a Gruta do Lago Azul), passeamos de bote pelo Rio Formoso, com direito a descer quedas d’água, e fizemos uma trilha na mata, com banho em sete cachoeiras, na Estância Mimosa. Tá bom, né? 😊

Como organizar os passeios

O segredo, como você já viu, é variar. Procure escolher atividades que combinem com seu preparo físico — eu, que ando ultra sedentária, não tive maiores problemas com o nosso cardápio — e que contemplem a diversidade de encantos locais.

Euzinha, paramentada em neoprene para flutuar no Rio Sucuri (foto de Carol May Rodrigues). À direita: a flutuação é acompanhada por um guia, que vai no barquinho a remo
Todas as atividades de ecoturismo e turismo de aventura em Bonito são pagas. Os passeios são, obrigatoriamente, acompanhados por guias e têm limite de participantes. Em épocas de feriados, é importante reservar tudo com antecedência com as agências credenciadas.

Para montar um bom cardápio, inclua um mergulho (com cilindro) ou flutuação (com snorkel), visita a cavernas e uma trilha que passe por cachoeiras, pelo menos. 

As duas maiores agências de Bonito são a Bonitour (onde compramos nossos passeios e deu tudo certo), e a Bonito Way

A Fragata e o Blog DRV em ação. À esquerda, eu e Carol na Gruta do Lago Azul. À direita, na Estância Mimosa, a caminho de mais uma cachoeira
É possível escolher as atividades no site das agências e fazer a compra pela internet. Na chegada à cidade, é só passar no escritório para fazer o check-in: receber os vouchers e algumas instruções iniciais. 

Depois disso, a agência mandava mensagem por WhatsApp, todo final de tarde, avisando a hora que o transporte passaria no hotel para nos levar ao passeio, no dia seguinte.  

Quanto custa

Os preços dos passeios variam bastante. Passar o dia em um balneário custa entre R$ 30 e R$ 50. A flutuação em uma nascente, entre R$ 150 e R$180. Os mergulhos estão na casa dos R$ 250. A atividade mais cara é a descida de rapel e o mergulho no Abismo de Anhumas, uma caverna inundada, que custa R$ 910.

Flutuação no Rio Sucuri: espetáculo!
No preço dos passeios já está incluído o uso do equipamento necessário para a realização da atividade (cilindros de mergulho, snorkel, traje de neoprene, capacetes, coletes flutuadores...)

Para quem está sem carro próprio, as agências incluem o transporte até as atrações e cobram um adicional, que varia de acordo com a distância da cidade (no nosso caso, pagamos entre R$ 25 e R$ 45 por pessoa por este serviço).

Também é possível incluir o almoço em alguns passeios, com custo adicional.

Para fazer fotos "molhadas", não esqueça a câmera à prova d'água

O que levar

Em primeiro lugar, um bom suprimento de repelente. Esse é um “equipamento de segurança” que deve ser usado o tempo todo, mesmo na cidade (menos nos mergulhos e flutuação nas nascentes, para não poluir as águas).

Se, como eu, você tem alergia a insetos, peça a seu médico que receite uma boa pomada para tratar as picadas — sim, elas podem acontecer, mesmo com o repelente — e comprimidos de anti-histamínico. Graças a essa providência, consegui evitar que a ferroada de um bicho ainda não identificado acabasse com meu passeio.

Aquário de Bonito: um bom lugar para ser apresentada à fauna que você vai encontrar nos rios da região
Protetor solar também é fundamental. Quem tem pele mais sensível ao sol (eu, novamente), deve pensar em usar uma blusa com proteção UV nos passeios de barco, boia-cross e similares. Complete o kit com chapéu ou boné e óculos escuros.

Tênis ou papetes com solas antiderrapantes também estão na lista de equipamento essencial, já que todos os passeios incluem pelo menos algumas centenas de metros de caminhada em terrenos irregulares. Para as trilhas que levam aos banhos de cachoeira, uma boa pedida é ter uma botinha de neoprene, usada por mergulhadores, para se livrar do calça-descalça o tênis. Mas não precisa comprar, pois elas podem ser alugadas (R$ 5) nos locais onde se realizam as atividades.

Não precisa levar snorkel, pois esse equipamento é fornecido a quem vai fazer flutuação — mas eu levei o meu, porque sou chata.

O traje de neoprene é obrigatório na flutuação na nascente do Rio Sucuri e é fornecido pela organização do passeio
Quem vai fazer rapel precisa levar uma calça de tactel e meias grossas, que protejam as canelas.

Faça a mala com roupas leves, pois faz muito calor em Bonito. Na época das chuvas (o verão), ter um casaquinho impermeável é uma boa ideia.

Outro apetrecho essencial é uma mochila leve, tipo day-pack, para carregar uma muda de roupa e uma toalha (prefira as do tipo fast dry, que pesam menos), pois quase tudo em Bonito termina em molhação.

O fogão a lenha pronto para preparar o nosso almoço, na Estância Mimosa

Não esqueça a câmera fotográfica à prova d’água ou a capa protetora para o celular, pois seria um pecado deixar de fazer fotos da maior beleza de Bonito, que você verá durante os mergulhos e flutuações. 

Caso você não tenha esse tipo de equipamento, é possível alugar nas agências ou nos locais onde se realizam as atividades. O aluguel da GoPro estava custando R$ 59 por dia.

Em atividades como passeio de barco e boia-cross, as câmeras só embarcam se estiverem em suportes de cabeça ou peitoral, já que o participante tem que ficar com as duas mãos livres.

Como ficar conectada
Lamento informar que isso não será fácil. Apenas uma operadora de celular funciona na cidade, a Claro. Se sua linha é de outra empresa, prepare-se para longos períodos de abstinência — ou leve um chip pré-pago. As pousadas e restaurantes oferecem WiFi gratuito, mas o funcionamento é meio bissexto. Tenha paciência e lembre-se que Bonito é lugar pra se desligar 😉.

Mais sobre esta viagem
O que fazer em Bonito
Onde comer bem em Bonito
Onde se hospedar em Bonito
Hospedagem em Campo Grande (MS) a caminho de Bonito

Veja também as dicas de Carol May Rodrigues, minha companheira nesta aventura, no blog Dicas e Roteiros de Viagem: 
Roteiro de 3 dias em Bonito - Carnaval



Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.

Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários: