terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Roteiro pela Sicília -
com paradinhas em Nápoles e Roma

A bandeira da Sicília no Centro Histórico de Taormina
Queridos leitores, preciso dizer a vocês que a Sicília é uma cooooooisa. Passei uma semana lá, na virada do ano, e voltei absolutamente extasiada com a beleza de Taormina, Agrigento e Palermo.

Se a Andaluzia, que visitei no ano passado, é uma esquina do mundo, a Sicília foi um congestionado entroncamento de rotas marítimas e interesses militares desde os primórdios das civilizações mediterrâneas — a ilha parece ter sido caprichosamente plantada bem no meio do caminho de fenícios, gregos, romanos, vândalos, godos, normandos, árabes, aragoneses, espanhóis... O resultado dessa multiplicidade de conquistas e heranças é fascinante, mas é preciso reconhecer que a natureza também fez sua parte, com aquelas montanhas que parecem ter acabado de dilacerar a crosta da terra em direção ao céu.

Terminei esse breve primeiro encontro com a Sicília decidida a voltar logo. E para ficar muito mais tempo. Enquanto a oportunidade não surge, estou aqui, dez dias depois do retorno, suspirando a cada foto e a cada lembrança. Por enquanto, confira o passo a passo da minha viagem, inspire-se e comece a planejar. Garanto que você fará uma das viagens mais fascinantes de sua vida.
Confira minhas dicas gerais para ajudar sua viagem à Sicília
Como chegar e circular na Sicília
Hospedagem na Sicília: Taormina, Agrigento e Palermo

Nápoles: a galeria Umberto I está em restauro
O roteiro ficou assim:

De Salvador a Lisboa
Voo TAP, direto, na noite de 26/12, só 7:30h de viagem. Esse voo da TAP e o da AirEuropa, ligando Salvador a Madri, são a minha alegria de final de ano. Sempre passo o Natal em Salvador, mas prefiro fugir dos preços escorchantes das viagens de Revellion no Brasil, daí que sempre dou uma escapadinha e os voos diretos para a Europa facilitam imensamente a minha vida.

Lisboa - 8 horas
Com oito horas de folga entre a chegada e a conexão para Roma, tive um tempinho precioso para rever a capital portuguesa, uma cidade que eu adoro mais a cada visita. O voo chegou ás 11 da manhã e a partida para Fiumicino foi às 19:30h.

Como aproveitar uma conexão em Lisboa
Minha visita ao lindo Museu do Carmo

Fiumicino - só o pernoite
26 horas depois da partida de Salvador, cheguei ao aeroporto de Fiumicino, nas cercanias de Roma, às 23 horas. Já tinha hotel reservado nas proximidades do aeroporto, para não ter que enfrentar o deslocamento para capital italiana tarde da noite. Sábia providência, porque eu estava um bagaço ( e o Expresso Leonardo só circula até às 23:23h). Pernoitei  no Best Western Hotel Rome Airport, a 15 minutos do aeroporto, uma opção bem prática.

As ruínas de Herculano, sepultada pela mesma 
erupção do Vesúvio que destruiu Pompeia
Fiumicino - Roma - Nápoles - de trem
Na manhã do dia 28/12, segui de Fiumicino para a Estação de Termini, em Roma. O trem Expresso Leonardo da Vinci faz o percurso do aeroporto ao centro da capital italiana em 30 minutinhos e tem partidas a cada meia hora (das 6:23 às 23:23h) e custa €14. Consegui chegar a Termini um pouco depois da 11h (eu queria ter acordado mais cedo, mas estava mortinha) e embarquei para Nápoles por volta das 13:30h.

Nápoles - duas noites 
Fiquei só duas noites nessa cidade que amo de paixão, em um hostel chiquezinho chamado M99 Design Rooms, no Centro Histórico, bem bacaninha (vai ter post, claro!). Eu queria muito rever Nápoles, mas o motivo da visita foi a firme decisão de finalmente ir conhecer os sítios arqueológicos de Pompeia e Herculano — os leitores da Fragata já sabem que eu sou tarada por escavações, montinhos de pedras milenares e afins e era simplesmente imperdoável que eu ainda não tivesse ido até lá. Mesmo assim (e com o sol se pondo por volta das 17 horas), andei um bocado pela cidade, matei saudades e descobri lugares novos e adoráveis.

Confira os posts sobre Nápoles
Dicas práticas - como chegar, como circular, onde ficar

10 razões para amar Nápoles

E o que escrevi sobre a cidade em minha passagem anterior por lá:
Não conhecer Nápoles é desperdiçar a vida
Uma aventura neo-realista nos Quartieri Spagnoli


Bate e volta a Herculano e Pompeia - de trem
De Nápoles é muito fácil chegar às duas cidades soterradas pela erupção do Vesúvio, no ano de 79 d.C. A Ferrovia Circumvesuviana faz o trajeto e dá para visitar os dois sítios arqueológicos no mesmo dia. Até Herculano, são 20 minutos, partindo da Estação Garibaldi, a principal de Nápoles. De Herculano a Pompeia, mais 20 minutinhos. Depois de ter visto aquelas ruínas, fiquei me perguntando por que demorei tanto pra ir lá.

Veja os posts:
Como visitar Pompeia e Herculano a partir de Nápoles


Taormina - três noites - chegando de avião/ônibus, via Catânia
2014 se despediu de mim deixando
 Taormina branquinha de neve...
As dicas da cidade:
Uma vertigem chamada Taormina
O que fazer em Taormina

Lisboa, Nápoles, Herculano e Pompeia foram deliciosos prólogos para um roteiro que, "oficialmente", começou quatro dias depois da minha partida de Salvador. Na manhã do dia 30/12, peguei o voo Alitalia de Nápoles para Catânia, minha porta de entrada na Sicília. É facílimo ir de lá para Taormina, pois há ônibus partindo do Aeroporto. A viagem dura cerca de uma hora e meia, com direito a uma vista para o vulcão Etna simplesmente inacreditável.

O Etna visto de Taormina
Taormina, a Tauromenion fundada pelos gregos, é um dos lugares mais  belos que já vi. Cidadezinha encarapitada na montanha, sobre um mar muito azul e cristalino, à sombra do majestoso Etna. A herança grega, como o famoso teatro, divide a cena com velhas construções medievais, formando um conjunto magnífico. Fiquei três noites lá, inclusive a do Ano Novo, em um hotel lindo, debruçado sobre o mar, chamado Monte Tauro.

A pequena Castelmola, pendurada na montanha, vista do Teatro Grego de Taormina. À direita, o mirante para o Etna ao lado da Catedral de Castelmola
Taormina é um badalado destino de praia, no verão, e costuma ficar lotada. O prazer do banho de mar eu perdi, mas o frio do inverno me deu um presente inesquecível, no último dia de 2014: acordei, abri a janela para ver o mar e dei de cara com o mundo todo branquinho de neve. Pra vocês terem uma ideia de como isso é raro, minha conterrânea Patricia Kalil, que mora na Sicília há sete anos (e escreve o ótimo blog Descobrindo a Sicília, meu principal guia nessa viagem), nunca viu a neve cair na ilha. Como ela mesmo disse, eu sou uma sortuda!!

De Taormina, não dá para perder um passeio a Castelmolla, que consegue ficar ainda mais encarapitada em uma montanha ainda mais alta. A pequena vila fica a 20 minutos de carro e sua principal atração são as ruínas de um castelo medieval de cara para o vulcão.

Confira o post que escrevi sobre essa vila lindinha:
Castelmola, o belvedere da Sicília

Agrigento - duas noites - chegando de ônibus


Mais um lugar para a lista do "vale a pena estar viva":
 o Vale dos Templos, em Agrigento
Minha segunda parada na Sicília foi em Agrigento, terra natal de Luigi Pirandello, onde fiquei duas noites, em um hotelzinho reservado de última hora, o Concordia, no centro antigo da cidade, já que o que eu tinha reservado com antecedência ficava no meio do nada e não era acessível por transporte público.

A velha Akragas dos gregos é famosa pelo espetacular Vale dos Templos, conjunto de construções dóricas do Século 6 a.C., um dos maiores complexos arqueológicos do Mediterrâneo. Sério? Uma das coisas mais impressionantes que já vi na vida.

Confira as dicas desta etapa:
O Vale dos Templos, em Agrigento


Palermo - três noites - chegando de trem
Surpreendente, magnífica Palermo!
Eu já sabia que ia ficar boba diante de Taormina e Agrigento, mas ninguém tinha me avisado sobre Palermo, uma senhora surpresa. A capital da Sicília é cheia de personalidade e bonita até dizer chega. Seu centro histórico, nada cenográfico, pode até estar precisando de uma mãozinha de tinta, mas acho que aquelas fachadas descascadas contribuem para o encanto.

Fiquei três noites no NH Jollie Palermo, super confortável e simpático, bem em frente ao mar, no Foro Umberto I, antiga área das muralhas da cidade. Fundada pelos fenícios e levada ao esplendor como o porto grego de Panormos, a cidade tem uma fascinante arquitetura que mistura as heranças dos conquistadores mouros e normandos, que se revezaram no domínio da região, durante a Idade Média. Mas a Renascença, o Barroco e o Neoclássico também legaram maravilhas a Palermo, como a Fontana Pretoria, os Quattro Canti e o Teatro Massimo, cenário da eletrizante sequência final de Godfather 3, de Coppola.

As dicas de Palermo estão nestes posts:
Um passeio para descobrir a beleza de Palermo
Quatro igrejas em Palermo
A arte gótica e renascentista em Palermo: o Palácio Abatellis
Imperdível: o Teatro Massimo, em Palermo

Roma - duas noites - chegando de avião
Isso é um dia feio em Roma. 
É por isso que eu sou louca por essa cidade
Para completar uma viagem inesquecível, que tal uma passadinha em uma das minhas cidades mais queridas? De Palermo, voei para Roma com a Vueling (uma horinha de viagem) para um reencontro de pouco mais de 36 horas, só o suficiente para matar a saudade.

Tive um dia inteiro para caminhar à beira do Tibre, rever algumas das minhas igrejas preferidas (Santa Maria in Cosmedin e a Boca da Verdade, por exemplo), voltar a explorar os cenários renascentistas da Via Giulia, dar uma olhadinha no Fórum Romano... E, finalmente, quando cheguei à Praça de São Pedro, no Vaticano, o dia, que estava bem feinho, virou uma estonteante tarde de céu azul. Voltei para o Brasil achando que meu amor por Roma é plenamente correspondido...

Um pouquinho de Catânia, na Sicília, cidade que eu só vi de passagem

Minhas dicas de Roma
Onde ficar, como ir do aeroporto ao centro, como circular na cidade e outras dicas práticas
Roteiro para um passeio a pé da Praça Veneza ao Vaticano 
A Boca da Verdade

E as dicas de viagens anteriores
Trastevere, minha casa em Roma
Roma em chamas
Cada igreja é um museu - post atualizado
A rua mais bonita de Roma

A Itália na Fragata Surprise
Campânia: HerculanoNápoles e Pompeia
Costa Amalfitana: AmalfiRavello e Sorrento
Emília-Romanha: Bolonha e Ravena
Sicília: AgrigentoCastelmolaPalermo e Taormina
Toscana: FiésoleFlorençaLucaSan Gimignano e Siena
Vêneto: Burano e Veneza


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Sonho em um dia poder conhecer a Itália.
    Obrigado a v. e a todos mais que nos fazem "viajar virtualmente", enquanto o sonho de ir de verdade não se concretiza.
    E parabéns! Seu blog passará a ser uma das minhas referências para este "sonhar acordado".
    []
    AC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada :) O melhor de escrever a Fragata é isso mesmo: compartilhar as experiências e ajudar nos sonhos e planos dos leitores. Um abraço e continue sonhando, que a Itália te aguarda :)

      Excluir