terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Feliz Natal, leitores
(diretamente de Lisboa!)


Decoração natalina no Rossio:
tem fila para tirar foto dentro da bola de Natal
Fazia tempo que eu andava querendo experimentar um natalzinho diferente, fugindo do script velho de guerra. E quando o assunto é mudar, nada melhor que viajar. Daí que estou em Lisboa, numa balada bem família, acompanhando minha mãe e minhas tias numa jornada que ainda vai nos levar ao Norte de Portugal e a Santiago de Compostela, onde passaremos o Ano Novo.

Os sinais da grave crise econômica estão por toda parte em Lisboa -- é assustador o número de pedintes nas ruas, de histórias tristes contadas ao vivo ou narradas pelos jornais. Mesmo assim, a cidade está num super bom astral, com aquele movimento típico de fim de ano.

Se as lojas estão muito menos cheias do que é de se esperar nesta época (de portugueses, porque os brasileiros suprem com folga a população de compradores), os cafés e as calçadas estão lotados de gente que aproveita o clima natalino para reencontrar os amigos.

É uma delícia fazer compras no Chiado, mas melhor ainda é olhar o movimento da área do alto do Elevador de Santa Justa
Na minha primeira visita a Lisboa, a cidade me confundia, cismando em parecer com Salvador ou de ficar a cara do Rio de Janeiro. Acabei meio perdida em tanto reconhecimento. Não é que eu não tivesse gostado da cidade, pelo contrário. Eu tinha adorado, porque, boa Narcisa, só tinha visto o espelho.

Desta vez, porém, Lisboa está me mostrando um encanto que é só dela. Quando olho e procuro o conhecido, ela me seduz com o estranhamento. Me ganha com um jeito muito peculiar de manejar a gramática dos sobrados, das ladeiras e dos campanários que eu pensei que sabia de cor.

Praça da Figueira. Lá no alto, o Castelo de São Jorge
Nos próximos posts eu vou contando mais sobre essa passagem por Portugal. Por enquanto, aproveito para desejar a todos os leitores da Fragata um Feliz Natal e um 2013 cheio de viagens incríveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário