sábado, 5 de março de 2011

Perdida na tradução: o Português de Portugal

Fachadas na Rua das Flores, Cidade do Porto
— O Senhor tem chocolate quente?
— Não, Senhora, mas posso aquecê-lo."

É impossível não se encantar com o jeito carinhoso dos portugueses brincarem com o modo brasileiro de falar. Muito mais literais do que nós, eles se divertem com o emprego mais, digamos, "sinuoso" que fazemos do idioma. Em 12 horas no Porto, senti-me como protagonista de uma interminável piada, de criação coletiva, sempre acompanhada de um sorriso maroto e contagiante.


Dura constatação: aqui no Porto, a piada de português sou eu. E olha que nem incorri em infrações das mais graves, aquelas hipérboles baianas tipo "estou morta disso ou daquilo" ou "faz uma semana que estou esperando esse metrô" —  nem quero pensar nos efeitos dessas retumbâncias.

É inacreditável a cara de anjo que eles fazem, indo à forra dos mais de 500 anos de piadas pouco sutis e sempre pejorativas que fazemos com eles, no nosso lado do Atlântico.

Casarão na Avenida dos Aliados, região do Porto moderno que começou a ser esboçada no Século 19. Abaixo, uma fonte na Praça da Liberdade


Pacientes, doces, quase ternos, prosseguem, resignados, na tarefa inglória de nos apresentar ao uso correto da última flor do lácio: "Eu queria mais um café". "Querias? Mas por que não queres mais?!", ou "Poderia me dar uma informação?". "Até mais de uma, Senhora, se houver necessidade".

E por aí vai. Depois digam que cariocas e baianos é que são os tiradores de sarro...

Fachadas da região da Baixa


A cada "brasileirismo" que deixo escapar, brilham os olhinhos dos "tripeiros" (esse é o gentílico extra-oficial do Porto)*. E como é interessante e revelador ouvir o eco do nosso manejo do idioma, devidamente criticado e anotado pelos inventores da língua original. Ainda mais com árbitros tão simpáticos, gente de fala mansa, o sorriso meio tímido, mas permanente. De uma cortesia cativante.

Minhas 12 horas no Porto são a prova de que é perfeitamente possível protagonizar e rir da mesma piada.


*Em Portugal, chama-se os nascidos no Porto de "tripeiros", em alusão ao sacrifício que teria sido feito pela população local para ajudar a armada que partiu, em 1415, para a conquista de Ceuta. A cidade teria oferecido à esquadra toda a carne disponível, ficando apenas com as tripas. Essa é apenas uma das muitas lendas do tempo das grandes conquistas e navegações, mas o fato é que um dos pratos mais célebres da culinária da cidade são as tripas à moda do Porto.

A conquista de Ceuta marcou o início da expansão marítima de Portugal. Um dos comandantes da empreitada foi o Infante D. Henrique.

Portugal na Fragata Surprise
Roteiros
20 dias em Portugal - roteiro de carro
Roteiro de carro redondinho: de Lisboa a Santiago de Compostela

Dicas gerais
De carro em Portugal: como organizar sua viagem
Portugal: 8 razões pra voltar (sempre e muito)
Dicas práticas: de carro entre Lisboa e Santiago de Compostela
Os viajantes, as crises e a vida real


Comer/beber/petiscar
Muito além do Bacalhau: o que comer - e onde comer - em Portugal
A mesa portuguesa ou Pantagruela rides again
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Doces portugueses: tentações com origem divina
Surpresa: hambúrguer português bate um bolão. Três lugares para praticar o sacrilégio
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Hospedagem

Onde me hospedei em Portugal (Aveiro, Porto, Coimbra, Évora e Lisboa)
Amarante: o charme da hospedagem rural
Hospedagem em Alcobaça: Solar Cerca do Mosteiro
Lisboa: duas dicas de hospedagem
Hospedagem na Cidade do Porto: Hotel Aliados

Destinos
Lisboa

Fim de ano na Europa: vale a pena? Como foi meu Natal em Lisboa
Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém
Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra ver a cidade do alto e se apaixonar
Tesouro de Portugal: o Convento do Carmo, em Lisboa
Lisboa: como aproveitar uma conexão (dicas práticas e passeios)
Minhas melhores memórias de Lisboa
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Bertrand, a livraria mais antiga do planeta


Alcobaça
O que ver no Mosteiro de Alcobaça

Hospedagem impecável: Solar Cerca do Mosteiro

Amarante
Um lugar para encontrar o coração de Portugal

O charme da hospedagem rural

Aveiro
Capital da Arte Nova

Batalha

O que ver no Mosteiro da Batalha

Braga
O que ver em Braga em um bate e volta a partir do Porto

Coimbra 
Coimbra: simpatia prévia e encanto para toda a vida
Onde ouvir o Fado de Coimbra
Coimbra: dicas práticas
Uma visita à Universidade de Coimbra
O Convento de Santa Clara
Museu Nacional Machado de Castro: lindo, surpreendente, imperdível

Évora
O que fazer em Évora
Évora - dicas práticas
Como organizar um bate e volta a Évora a partir de Lisboa

Passeio lindo nos arredores de Évora: o Castelo de Montemor-o-Novo

Fátima
Dicas práticas

Óbidos
Paixão instantânea

Peso da Régua 

Um passeio pelo Rio Douro

Porto

Dicas práticas
O que fazer no Porto
Lello, a livraria mais bonita do mundo
Cidade do Porto: aos pouquinhos, eu vou ficando...
Como aproveitar uma conexão: 8 horas na Cidade do Porto
Cidade do Porto, terra de navegadores
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Serra da Estrela
Um passeio por Seia, Piódão e outros encantos


Setúbal
Dicas práticas
Setúbal: boa surpresa portuguesa


Vila Nova de Gaia
O que fazer em Vila Nova de Gaia


Caminho Português a Santiago de Compostela
Valença do Minho
Caminho de Santiago: começando a jornada

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Um comentário:

  1. Essa é uma das paisagens mais emocionantes que eu tive oportunidade de ver. Estar diante do cenário de tantos romances que li na adolescência... Belíssimo!
    E vai mais uma de português. No aeroporto de Lisboa, uma brasileira a minha frente, foi interrogada: O que a senhora vem fazer no país? - Vim fazer o caminho de Santiago, respondeu.
    - Então, pode voltar porque o caminho já está feito. (rsrs)Rose

    ResponderExcluir