Casas-museus:
A vida cotidiana de gente muito especial

A vida vista de uma janela do Museu Casa de Jane Austen,
na vila de Chawton, Inglaterra
Quando a gente pensa em museu, duas ideias vêm à cabeça. A primeira associação é a coisa antiga — e estão aí para provar os dísticos jocosos, e nem sempre lisonjeiros, sobre o assunto, como o clássico “quem vive de passado é museu". O segundo conceito é o da preciosidade, o objeto raro e tão relevante que — olha o lugar comum de novo — “merece estar em um museu”.

A associação com velharia já vem sendo suficientemente desmentida por notáveis instituições dedicadas a assuntos diversos — tecnologia, futebol, Língua Portuguesa — que fazem o maior sucesso. Mas nem sempre a gente presta atenção aos chamados museus-casas, dedicados a preservar a memória mais doméstica e prosaica de grandes personagens.

Totalmente na contramão do “espetacular” ou “precioso” que tendemos a colar no conceito de museu, são espaços geralmente íntimos, singelos e, pra mim, profundamente comoventes, exatamente por sua capacidade de realçar a condição humana de gente tão especial.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Fragata está participando da blogagem coletiva promovida pela Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem (RBBV) que marca a #MuseumWeek, semana dedicada a celebrar os museus em todo o mundo, iniciada hoje. Nesta edição 2016, resolvi convidar vocês para uma visitinha às casas-museus de alguns personagens que adoro. Bora?

Casas de John Lennon e Paul McCartney
A casa de Macca (à esquerda) e Mendips, onde John foi criado pelos tios Mimi e George
Sim, sim, eu sou suspeitíssima, beatlemaníaca notória e desmedida, mas desafio qualquer um a ficar com os olhos secos visitando as casas onde John Lennon e Paul McCartney viveram a maior parte de suas infâncias e adolescências. Administradas pelo National Trust (o instituto do patrimônio histórico britânico), são dois museus singelos, retratos do cotidiano banal que acabou por gestar duas das maiores referências do Século 20.

Foi na casa de Macca, em Forthlin Road, que o embrião dos Beatles (a banda The Quarrymen, já com John, Paul e George) ensaiou as primeiras composições e performances da banda. Típica residência de uma família da classe trabalhadora da década de 50, o imóvel foi restaurado e remobiliado com peças da época, reconstituindo o ambiente onde o futuro compositor de Yesterday e Let it Be deu os primeiros passos na música. Fotografias feitas por Mike, irmão de Paul, completam o quadro doméstico.

Mendips, o famoso lar de Tia Mimi, é a menos proletária das casas dos Beatles. John viveu lá desde os cinco anos de idade até entrar na faculdade. Em 1966, o imóvel foi vendido, pois Mimi já não suportava o assédio dos fãs dos Beatles. Em 2001, Yoko Ono recomprou Mendips e a doou ao National Trust para abrigar um museu que recriasse a atmosfera onde John cresceu. Fotos, documentos e objetos pessoais enriquecem a visita.

Todas as dicas sobre a visita às casas de Lennon e McCartney estão neste post:

A casa de George em Arnold Grove (esquerda) e a de Ringo, em uma vielinha do bairro de Speke. A prefeitura de Liverpool estuda uma forma de abrir os dois imóveis à visitação
Percorrer o roteiro pelos lugares onde moraram os Beatles, em Liverpool, é uma forma comovente de se aproximar da vida real desses quatro caras fabulosos. Nas minhas duas passagens pela "terra santa" também bati ponto nas casas de George Harrisson e Ringo Starr, passei pela morada da Família Stanley (os avós maternos de John), onde Lennon vivem com a mãe até os cinco anos, pelo apê que John dividiu com Stu Sutcliffe perto da faculdade... Recomendo todo esse roteiro.

Para saber mais:
Como chegar às casas dos Beatles
Liverpool: meu magical mistery tour
Roteiro pela história dos Beatles pra fazer por conta própria


O endereço de Mendips, a casa de John, é Menlove Avenue nº 251. O antigo lar da família McCartney fica no nº 20 de Forthlin Road. Cerca de 2 km separam os dois lugares (pode ser uma caminhada gostosa, margeando a área verde que pertence ao Allerton Course, um campo de golfe público).

A única maneira de visitar o interior das casas é com o tour do National Trust. Reserve com muita (muita!) antecedência, pois cada tour leva apenas 15 pessoas. Na alta estação, há quatro saídas diárias, mas no resto do ano as visitas são feitas apenas duas vezes por dia, de quarta a domingo. Custa £23.00 (e vale cada centavo). Para ver horários, fazer reservas e outras dúvidas, consulte o site do National Trust. Não é permitido fotografar o interior das casas.

Quinta de Simon Bolívar
Bogotá, Colômbia


Você nem precisa gostar de história para curtir essa visita, pois a Quinta de Bolívar é muito bonita, um casarão do Século 17, cercado por jardins e árvores centenárias, aos pés do Montserrrate, montanha que oferece uma vista espetacular para Bogotá. Que tal combinar os dois passeios? Eu gostei tanto da quinta na minha primeira visita a Bogotá que fiz questão de voltar lá agora, no feriadão da Páscoa, quando retornei à cidade (mas dei com a cara na porta, porque era feriado).

Simon Bolívar foi figura central nas lutas pela independência de cinco países sul-americanos (Colômbia, Equador, Peru, Venezuela e Bolívia) e a quinta foi um presente de agradecimento do governo independente da Colômbia ao Libertador. Ele viveu na casa por períodos intermitentes, de 1820 até sua morte, em 1830 — os momentos mais felizes, certamente, na companhia de sua querida Manuelita Saénz, uma brava independentista, nascida em Quito, que ajudou a transformar o local em sede de animados saraus e acalorados debates políticos.

A casa avarandada, cheia de janelas, muito clara e arejada, se integra completamente ao verde que a cerca. O acervo da quinta está organizado de tal modo que a gente tem a sensação de que Bolívar e Manuelita vão aparecer a qualquer momento para receber os visitantes: a mesa posta, os dormitórios arrumados, objetos pessoais sobre a escrivaninha. É como entrar em um pedacinho da história. Os quartos preservam os móveis e decoração original.

Uma cuidadosa reforma, nos anos de 1990, devolveu à casa suas feições originais, muito alteradas desde a morte de Bolívar. Foram sete anos de trabalho envolvendo arquitetos, arqueólogos, historiadores de restauradores.
 
Para saber mais:
10 horas em Bogotá - como aproveitar uma conexão


A Casa Museu Quinta de Bolívar fica na Calle 21 nº 4A -30 Este, Santa Fé. Funciona de terça a sexta das 10h às 17 horas. Aos sábados e domingos, fecha às 16h. O ingresso custa $3.000. Aos domingos a entrada é gratuita.

Ocatgon - Museu Bolívar
Willemstad, Curaçao
O Octagon, refúgio do Libertador e Curaçao
Quando você for explorar as praias a leste de Willemstad (Sea Aquarium, Jan Thiel), programe uma parada no Avila Hotel, no charmoso bairro de Pietermaai, para ver o lugar que serviu de abrigo a Simon Bolívar durante um exílio caribenho. Em 1811, a jovem república colombiana, proclamada dois anos antes, havia sido derrotada pelas forças espanholas (então sob controle de Napoleão) e o futuro Libertador refugiou-se em Curaçao.

Foi o comerciante Mordechai Ricardo quem abrigou Bolívar e suas irmãs na casa octogonal — na verdade, um pavilhão destinado ao recreio à beira mar — nas cercanias da cidade, hoje transformada no singelo Museo Bolivariano.

Como cheguei depois do restritíssimo horário de visitas, só tive a chance de dar uma breve olhada no Octagon, por cortesia do administrador, que tinha acabado de levar um grupo de hóspedes do Avila Hotel para ver o museu – ele disse que não seria justo eu voltar para o Brasil com essa frustração. O acervo é bem simples, composto basicamente de mobiliário de época e objetos decorativos. O maior charme do lugar é sua curiosa arquitetura, famosa pelo "Daki Parasol", o teto de guarda-chuva.

O Octagon – Museu Bolivariano fica na 130 Penstraat, (nas dependências do Avila Hotel), Pietermaai, Willemstad. Aberto apenas às terças, quartas, sextas e domingos, das 10h ao meio dia. Fora desses horários, é possível agendar uma visita com a direção do hotel. A entrada custa NAf10 (10 florins).

Museu Casa de Jane Austen
Chawton, Inglaterra

Jane Austen, autora de Orgulho e Preconceito, Razão e Sensibilidade e Persuasão, passou os últimos oito anos de vida em um chalé na vila de Chawton, perto de Winchester, uma casa modesta, onde ela cuidava dos jardins e se dedicava a dar forma final aos romances que a tornariam imortal. É lá que hoje funciona o Museu Casa de Jane Austen, uma encantadora crônica sobre o cotidiano doméstico do comecinho do Século 19.

As paisagens rurais do Sul da Inglaterra são deslumbrantes e, por si, já valeriam a viagem. A pequena vila de Chawton parece saída das páginas de um livro — se não fossem os automóveis, seria capaz de jurar que a estradinha cercada de verde que me levou até lá era uma espécie de túnel do tempo formado pelas copas das árvores.

Para ir mais além: a casa onde Jane Austen passou as últimas semanas de vida, em Winchester (esquerda) e Sidney Place, lar da escritora em Bath
O acervo do museu é composto por documentos, manuscritos, móveis de época, roupas e utensílios domésticos. Talvez a peça mais importante seja a mesinha que Jane usava para escrever (original). Não espere tesouros, mas ninguém fica imune à atmosfera da casa, tão singela, onde viveu e trabalhou uma mulher extraordinária. 

Chawton é passeio para um dia inteiro. A vila é muito fofa o cercada por um parque que convida a um piquenique. Se quiser ir mais além na exploração de cenários ligados à memória de Jane Austen, recomendo prolongar a estadia em Winchester – o túmulo de Jane está na famosa catedral normanda e ela passou as últimas semanas de vida em uma casa da cidade, para ficar mais perto do médico que a tratava — e esticar o roteiro até Bath, onde Jane morou e ambientou cenas decisivas de Persuasão e praticamente toda a ação de A Abadia de Northanger.

Para saber mais:

O Jane Austen's House Museum fica em Winchester Road, Chawton, Condado de Alton. Diariamente, de março a setembro, das 10:30h às 16:30h. No verão (junho, julho e agosto, das 10h às 17h). Em janeiro e fevereiro, as visitas só podem ser feitas nos finais de semana. A entrada custa £7.50.

A vila de Chawton fica a 26 km de Winchester, que foi minha base para ir até lá. Fui de ônibus, uma linha regular que liga Winchester a Alton e tem partidas de hora em hora. É preciso descer na estrada e caminhar cerca de 1 km até Chawton (passeio muito agradável). Para mais detalhes, leia o post completo sobre o museu.

Museu Casa de Lope de Vega
Madri, Espanha
Casa de Lope, em Madri, uma visita imperdível
Essa é uma visita essencial para quem quer compreender um pouco mais sobre o chamado Século de Ouro Espanhol (que, na verdade, durou quase 200 anos, do início do Século 16 ao final do Século 17), época em que o grande poderio econômico e militar marcado pela Reconquista Católica da Península Ibérica e a conquista de colônias ultramarinas nas Américas e na Ásia fizeram da Espanha a maior potência do planeta. 

Esse esplendor refletiu-se também nas artes, legando ao mundo artistas do quilate de El Greco, Velázquez e Murillo, na pintura, e Miguel de Cervantes, Calderón de La Barca e Lope de Vega, na literatura e no teatro.


Lope foi o grande precursor da comédia espanhola e, assim como Cervantes (com quem manteve sempre uma relação ambivalente, entre a admiração e a ironia), levou uma vida movimentadíssima. Não bastasse ter escrito cerca de 1.500 peças de teatro, transitou por todos os gêneros literários e ainda arranjou tempo para ser soldado, erudito, mulherengo e sacerdote.

Ao contrário de seu contemporâneo autor do Don Quixote, Lope desfrutou da aclamação popular ainda em vida e sua casa era ponto de quase peregrinação de intelectuais e poderosos da época, a quem recebia no modesto jardim (nos fundos do museu, parte da visita) para longas tertúlias de debate sobre arte e política.

A Casa de Lope de Vega, no Barrio de las Letras (assim chamado pela grande quantidade de escritores que viveram na região, nessa época de florescimento) é um pequeno museu precioso, não por seu acervo, mas pelo que nos conta sobre a vida cotidiana dessa era extraordinária. 

O imóvel sofreu muitas transformações, desde a morte de Lope, mas percorrê-lo em uma visita guiada é um verdadeiro mergulho no tempo. O mobiliário, objetos de decoração, documentos, livros e utensílios estão lá para nos aproximar da História. Imperdível!


A Casa Museo de Lope de Vega fica na Calle Cervantes nº 11 (Metrô: Puerta del Sol, Anton Martin ou Sevilla) Funciona de terça a domingo, das 10h às 15h. Entrada gratuita. Apenas visitas guiadas em espanhol, inglês e francês, a cada meia hora. Não é permitido fotografar o interior da casa.


Museu Casa de Garcia Lorca
Huerta de San Vicente, Granada, Espanha
O sossegado cenário doméstico de Lorca
A antiga casa de veraneio da família de Garcia Lorca, na Huerta de San Vicente, nos arredores de Granada, hoje já foi alcançada pelo crescimento da cidade. As áreas de cultivo são agora um simpático parque público a poucos passos do Centro e a casa onde o poeta viveu tantos momentos tranquilos — e de onde foi arrancado por uma milícia de extrema-direita para ser fuzilado, em 1936 — é agora um museu poderoso, exatamente pelo que evoca de familiar, doméstico e sossegado, em contraposição à intolerância que vitimou a voz mais marcante da poesia Andaluza no Século 20.

A casa mantém praticamente inalterados o seu aspecto original e grande parte de seu mobiliário, quadros (muitos deles pintados por Lorca), objetos decorativos e utensílios. Após o sequestro e assassinato do poeta – seu cunhado também foi fuzilado, alguns dias antes — a família Lorca seguir para o exílio e coube aos empregados da Huerta zelar pela propriedade.

A visita guiada é espetacular, uma narrativa sobre os costumes da época e sobre o terremoto da Guerra Civil e do abismo em que foi lançada a Espanha, em quase 40 anos de regime franquista.

ACasa Museu Federico Garcia Lorca fica no Parque Garcia Lorca, Granada. Abre de terça a domingo, apenas para vistas guiadas, a cada meia hora, para grupos de no máximo 15 pessoas. Os horários de abertura variam de acordo com a estação. Entrada: €3 (gratuita às quartas-feiras e nos feriados).

Para saber mais:
Nó na garganta: a Casa de Garcia Lorca, em Granada

Buddenbrookhaus - a casa de Thomas Mann
Lübeck, Alemanha
Buddenbrookhaus, a casa da Família Mann
A Buddenbrookhaus é muito mais que um museu. A casa onde o escritor Thomas Mann passou a infância é uma personagem fundamental, tanto em sua obra inicial (Os Buddenbrook, de 1901) como na vida do escritor. Filho de uma brasileira (Júlia da Silva Bruhns) e membro da elite mercantil de Lübeck, Mann foi uma espécie de exilado permanente: um quase socialista filho da classe dominante, de orientação sexual ambígua, um perseguido pelo nazismo posteriormente banido pelo regime comunista da Alemanha Oriental e hostilizado macartismo em sua nova pátria, os Estados Unidos.

Seu único lar de verdade parece ter sido a casa da Mengstraße onde passou a infância e onde ambientou, sem muitos disfarces, a saga da família Buddenbrook em seu declínio inexorável trazido pelos novos tempos.

O museu instalado na casa da Família Mann tem uma mostra super interativa e cativante, onde filmes, fotos e documentos conduzem o visitante por uma narrativa arrebatadora sobre essas duas histórias. Construída no Século 18, a casa da Mengstraße é um mergulho no modo de vida luxuoso dos comerciantes de Lübeck e um encontro caloroso com o cotidiano os irmãos escritores Thomas e Heirinch Mann.

Schiffersgesselchaft: a antiga liga dos armadores de Lübeck é quase "personagem" em Os Buddenbrook. E o restaurante é maravilhoso
No embalo da visita à Buddenbrookhaus, recomendo efusivamente que você estique o passeio à sede da Schiffergesellschaft, a guilda (liga) de armadores de Lübeck, corporação fundada em 1401 e que reunia os poderosos donos das frotas mercantes que controlavam a economia da cidade.

A sede da Schiffergesellschaft é um edifício de 1535 onde os armadores se reuniam para fechar negócios, discutir tarifas ou simplesmente ler o jornal. A maioria dos salões do edifício ainda conserva a mobília original, os painéis de madeira que recobrem as paredes e as imponentes vigas do teto.

O lugar é praticamente personagem de Os Buddenbrook, local frequentado pelo chefe família, Tom Buddenbrook. Enquanto evoca a narrativa de Thomas Mann e o poderoso passado de Lübeck, não deixe de experimentar o ótimo restaurante que funciona no local desde o Século 16 e que os locais orgulhosamente apontam como “o restaurante mais antigo do mundo”.

A Buddenbrookhaus fica na Mengstraße 4, de terça a domingo, das 10h às 18h (janeiro, fevereiro e marco, das 11h às 17h). O ingresso custe 7 euros.

Taí um museu que eu estou louca pra ver de novo, pois a Mozart Geburtshaus passou por uma reforma e ganhou uma concepção moderna de exposição, que aproxima muito mais o visitante do personagem, oferecendo um roteiro pelo dia a dia da família Mozart.

Na verdade, Salzburgo tem duas “casas de Mozart”, uma em cada margem do Rio Salz. Além dessa repaginadíssima Mozart Geburtshaus – em tradução literal: "casa do nascimento" do pequeno Wolfgang Amadeus, em 1756 —, na Altstadt (Cidade Velha), tem a Mozart Wohnhaus (“residência Mozart”), do ladinho dos Jardins Mirabel, também aberta ao público. Lá, o compositor viveu com a família entre 1773 e 1781.

Quando visitei a Mozart Geburtshaus, a exposição ainda era em estilo mais “estático”, mas já era bem tocante ficar cara a cara com o violino que o compositor usou na infância e com a singeleza de alguns objetos de uma família de parcos recursos que nos legou tamanho gênio.

O mitológico violino continua sendo uma das estrelas da nova exposição, assim como o clavicórdio (um parente do cravo) onde Mozart compôs a ópera A Flauta Mágica, retratos, partituras, peças de vestuário e documentos.

A Mozart Geburtshaus fica em Getreidegasse 9, Altstadt. Funciona diariamente, das 9h às 17:30 (em julho e Agosto, altíssima temporada na cidade, abre às 8:30h e fecha às 19h). O ingresso custa € 10. Para ver as duas casas, há um passe combinado, que custa € 17. A Mozart Wohnhaus fica na Makartplatz 8 e funciona nos mesmos horários da Geburtshaus.

Veja a participação da Fragata nas blogagens coletivas da #MuseumWeek anteriores:

Outros museus bacanas sugeridos pelos blogueiros da RBBV nesta #MuseumWeek 2016:

Geral
5 Museus Interativos ao redor do mundo, no blog As Despachadas
Museu do Mazzaropi, Museu do Forró Luiz Gonzaga, Museu do Barro, Dreamland - Museu de Cera, Mundo a Vapor, Museu Regional, Museu de Artes e Ofício, Museu da Vale e Museu Histórico do Exército, no blog D&D Mundo Afora
Europa
Alemanha
A Ilha dos Museus, em Berlim, no blog Tá indo pra onde?
5 museus inusitados em Berlim, no blog Viajoteca
Museu do Holocausto ou Memorial aos Judeus Mortos da Europa, em Berlim, no blog Pelo Mundo Com Vc
O Campo de Concentração de Dachau, no blog Já Fomos
Museus dos Automóveis na Alemanha, no blog Pequenos no Mundo
Museu Mercedes-Benz, em Stutgart, no blog A Li na Alemanha
Bulgária
Museu Nacional de História Militar, em Sofia, no blog Escolho Viajar
Croácia
Museu Croata de Arte Primitiva, em Zagreb, no blog Rodinhas nos Pés
Espanha
Museu Atlântico, em Playa Blanca (Ilhas Canárias), no blog Virando Gringa
Museu de Artes e Costumes Populares de Sevilha, no blog Comendo Chucrute e Salsicha
Museu de Altamira, em Santillana del Mar, no blog Esto Es Madrid,
Fundação Joan Miró, em Barcelona, no blog Sol de Barcelona
França
Museu D'Orsay, em Paris, no blog Viagem LadoB
Centro de Artes Georges Pompidou, em Paris, no blog A Path to Somewhere
Museu do Louvre, em Paris, no blog Destinos por onde andei...
O outro Museu Rodin, em Meudon, no blog Direto de Paris
Museu do Louvre x Museu D'Orsay, em Paris, no blog SOSViagem
O Antigo Egito no Museu do Louvre, em Paris, no blog Apure Guria
Grécia
Museu Arqueológico de Delos, no blog: Viaje Sim!
Museus de Atenas, no blog Fourtrip
Holanda
Sexmuseum (Museu do Sexo), em Amsterdã, no blog Novo Caroneiro
Hungria
Museu do Terror, em Budapeste, no blog Juntando Mochilas
Irlanda
4 museus gratuitos em Dublin, no blog The Life of isa
Itália
Palazzo Pitti, em Florença, no blog Passeios na Toscana
Pinacoteca de Brera, em Milão, no blog The Nat's Corner
Museus do Vaticano, no blog Vou pra Roma
Galeria Borghese, no blog Roma Pra Você
Corredor Vasariano, em Florença, no blog Grazie a Te
Malta
Palácio dos Grandes Mestres e Armaria, em Valeta, no blog Viagens Invisíveis
Reino Unido
Museu de Londres, no blog No Mundo da Paula
Museu Britânico, em Londres, no blog Vamos Viajar
Museu Victoria and Albert, em Londres, no blog Segredos de Londres
Museu de Cera de Madame Tussaud, no blog Mochilão Barato
República Tcheca
Museu do Comunismo, em Praga, no blog Trilhas e Cantos
Rússia
Museu Hermitage, em São Petersburgo, no blog Love and Travel
Museu da Vodka, em Moscou, no blog Viajei Bonito
Suécia
Museu Vasa, em Estocolmo, no blog Viajar pela Europa
Suíça 
Fundação Gianadda, em Martigny, no blog Carta sem Portador 
Turquia
Palácio Topkapi, em Istambul, no blog Viagem a Dois
Museu de Arte Islâmica e Turca, em Istambul, no blog Travel with Pedro
América do Sul
Argentina
Buque Museu Fragata A.R.A. Presidente Sarmiento, em Buenos Aires, no blog Sonhando em Viajar!
  
Brasil
Inhotim, em Brumadinho (MG), no blog Coisos on the go
Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), no blog E aí, Férias!
Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro (RJ), no Outro blog
Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (RJ), no blog #KariDesbrava
Museu do Futebol, em São Paulo (SP), no blog O Melhor Mês do Ano
Museu do Frevo, em Recife (PE), no blog Cantinho de Ná
Museu Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo (SP), no blog De Cá Pra Lá
Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre (RS), no blog Viagens que Sonhamos
Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil, em São Paulo (SP), no blog Orientando-se pelo Mundo
Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), no blog Nativos do Mundo
Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília (DF), no blog Atravessar Fronteiras
Museu Casa Guilherme de Almeida, em São Paulo (SP), no blog Embarque neste blog
Museu de Ciências e Tecnologia da PUC-RS, em Porto Alegre (RS), no blog Vida de Turista
Museu Julio de Castilhos, em Porto Alegre (RS), no blog Mel a Mil pelo Mundo
5 Museus Incríveis para Conhecer no Ceará, no blog Rodando pelo Ceará
Museu Oscar Niemeyer (Museu do Olho), em Curitiba (PR), no blog Devaneios de Biela
Museu de Zoologia da USP, em São Paulo (SP), no blog Tirando Férias
Museu Catavento - Espaço Cultural da Ciência, em São Paulo (SP), no blog Viagem em Detalhes
MAMuseu: Museu Histórico de Alcântara (MA), no blog Estrangeira 
Os melhores museus para levar as crianças entre Rio e São Paulo, no blog Viajar hei
Chile
Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana, em Santiago, no blog Gastando Sola Mundo Afora
Peru
Museu da Inquisição, em Lima, no blog De Mochila e Caneca
América do Norte
Estados Unidos
Museu de História Natural Fernbank, em Atlanta (Georgia), no blog Família Viagem
Graceland - a casa de Elvis Presley, em Memphis (Tennesee), no blog Janela para o Mundo
Biblioteca e Museu Presidencial Lyndon Johnson, em Austin (Texas), no blog RenataPereira.tv
Museu do Ar e do Espaço, em Washington D.C., no blog  Aquele Lugar
Museu Vizcaya, em Miami (Florida), no blog Fica Dica Viagens
Museus no Balboa Park, em San Diego (California), no blog Casal Califórnia
The Broad Museum, em Los Angeles (California), no blog Malas e Panelas
Museu de Anchorage (Alaska), no blog Felipe, o pequeno viajante
Os melhores Museus de San Francisco (California), no blog Ideias na mala
México
Museu Frida Kahlo, na Cidade do México, no blog Viagem de Fuga
Museu Nacional de Antropologia, na Cidade do México, no blog Viviendo en el México Mágico!
Museu Soumaya, na Cidade do México, no blog Uzi Por Aí
Casa-museu de Frida Kahlo e Casa-estúdio de Diego Rivera, no blog Eu sou à toa
Ásia
China
Museu Qin e os Guerreiros de Terracota, em Xi'an, no blog Like Wanderlust
Vietnã
Museu da Guerra, Ho Chi Minh, no blog Brazuka
Japão
Museu Meijimura, em Inuyama, no blog A Aventura Começa
Oceania
Australia
Museu de Arte Contemporânea, em Sydney, no blog Coordenadas do mundo


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

73 comentários:

  1. Que tema legal!! Não sabia que dava para visitar todas essas casas. Mas já fui na do Monet em Giverny!! =]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O jardins de Monet estão super na minha lista, Nini. Um dia essa visita desencanta :)

      Excluir
  2. É casa demais, rsrs! Toda viagem sempre passo na casa de alguém, pode ser Anne Frank, Jim Thompson, Frida e Diego, mas acredita que não conheci nenhuma das casas que vc visitou? Deu uma pena danada não ter conhecido a Quinta de Simon Bolivar, da próxima vez que for à Colômbia vou conferir. Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E olha que nem citei todas da minha "coleção", Nivia. Sou encantada com esses museusinhos íntimos e aconchegantes.

      Excluir
  3. Adorei!!! Ia amar a Casa da Jane Austen. Ótimas dicas. Anotado!
    Renata Sucena - Blog Viagem em Detalhes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Casa de Jane Austen vale a viagem à Inglaterra, Renata. O lugar é lindo, a vila é linda, a região é um encanto. Uma das minhas grandes emoções de viagem :)

      Excluir
  4. Que legal!!! Adorei, cada casinha bonitinha!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ainda tem isso, né, Larissa? A gente aprende história vendo lugares fofos :)

      Excluir
  5. Adorei as dicas! Gosto desse tipo de museu, que remete a atmosfera de alguma época! Anotei todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena, Marianne. Cada vez mais eu prefiro museus menores e temáticos, em vez dos enormes "museus de tudo"

      Excluir
  6. Adorei, principalmente a do John Lenon! Quero conhecer rs
    Eu também escrevi sobre uma Casa-Museu, mas daqui do Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qdo vc for à casa de John, prepare-se pea chorar feito uma bezerra, Simone. Eu fico com nó na garganta só de lembrar :)

      Excluir
  7. Adorei o post! Fiquei com vontade de conhecer todos, principalmente John Lennon, Paul McCartney e Mozart!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Alessandra :) Acho que todas as casas valem a pena - quanto mais a gente curte o personagem, mais bacana é a visita.

      Excluir
  8. É muito legal visitar essas casas né? Adoro quando conservam os móveis, decorações etc... Acho que dessas a única que visitei foi a do Mozart!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente se sente próxima da figura histórica, né, Fernanda? Acho uma delícia esse vislumbre do cotidiano...

      Excluir
  9. Adorei a lista e todas as dos Beatles estão faz tempo no meu wishlist!

    Eu acrescentaria também as Casas Museu do Pablo Neruda, aqui no Chile (preciso puxar sardinha, rs) porque são maravilhosas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredita que eu ainda não visitei as casas de Neruda, Camila? Ando doida pra marcar uma volta ao Chile só pra isso :)

      Excluir
  10. Quero muito conhecer essa da Jane Austen. Está na minha lista há tempos. Parabéns pelo post. Luciana Rodrigues.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo demais, Luciana. Vá no verão, pra ver os campos do Sul da Inglaterra no auge da beleza. Parece que a gente está percorrendo as páginas de um romance :)

      Excluir
  11. Adoro as suas fotos! Um arraso. Abraços

    ResponderExcluir
  12. Muito bacana! De todos, os que eu mais deliro de vontade de conhecer são a Quinta de Simon Bolivar em Bogotá e a casa de Jane Austen (sou fã...), Lindo post! Bjs

    ResponderExcluir
  13. Cynthia, o link para meu post está "quebrado"... poderia arrumar? http://www.trilhasecantos.com.br/2016/03/museu-comunismo-praga.html
    Obrigada (pode deletar este comentário, viu/? bjks)

    ResponderExcluir
  14. Muito legal o post! Fiquei curioso em conhecer a casa de Lope de Vega ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Casa de Lope é um passeio delicioso, Paulo. E ainda por cima é grátis :)

      Excluir
  15. Adorei o post! Também gostamos de visitar casas de pessoas que se tornaram Museu! A do Mozart em Vienna é realmente bem legal. Outra pra entrar na lista é a casa de Anne Frank em Amsterdam. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho muita vontade de conhecer a Casa de Anne Frank, Gabi. Nas duas vezes que estive em Amsterdã, a fila me desanimou. Agora, com a facilidade de comprar ingresso pela internet, vai ficar mais fácil :)

      Excluir
  16. Eu adoro casas museus, ainda mais de personagens históricos. Para mim é como entrar na vida deles, na intimidade. Adorei.

    ResponderExcluir
  17. Que delícia de texto, Cynthia! Amo seus posts temáticos! :)

    ResponderExcluir
  18. Muito legal o post e o seu jeito de escrever é cativante! Também gosto de visitar as casas-museus! Que venham as próximas! ;)

    ResponderExcluir
  19. Nossa, eu adorei seu post. Super interessante. Acredita que eu nunca visitei uma casa-museu. Não por falta de interesse, mas porque ainda não rolou uma oportunidade.
    Da lista eu acho que o que mais me interessou foi a casa da Jane Austen. Não sei se é porque sou leitora voraz e fã dos seus livros, mas acho que me transportaria para dentro dos versos que ela escrevia. Amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre legal ver esse lado mais "humano" das grandes figiras, né Natalia. Eu adoro :)

      Excluir
  20. Quantos museus maravilhosos que eu nem sabia que existiam, por isto que adoro ler sobre as viagens alheias, a gente fica conhecendo a história e depois vai conferir pessoalmente. Excelente post, aproveitei e curti a fanpage.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Giselle :) Eu também adoro ler sobre viagens alheias, não tem melhor fonte de inspiração :)

      Excluir
  21. Post lindo! E fotos mais lindas ainda. Super delicadas.
    Várias delas eu não conheço. O topo da minha lista está a casa da Jane Austin, que quero muito visitar desde que vi um post da Helô.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Martinha :) Aposto que você vai amar a casa de Jane Austen. É como visitar um livro dela

      Excluir
  22. Quantos lugares legais Cyntia. Queria conhecer principalmente a casa de Mozart (já que sou pianista hehe), quem sabe um dia!!! Um Abraço. Léli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A casa de Mozart é um lugar que eu planejo voltar, Leli. Salzburgo é toda linda e a música dele parece que passeia com a gente pela cidade :)

      Excluir
  23. Que lugares incríveis! Eu conheço alguns museus-casa regionais de quando morava em PE, como a casa do Mestre Vitalino. E ver como pessoas que admiramos viviam é demais. Amei todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A casa de Mestre Vitalino deve ser muito legal, Katarina. Acabou de entrar na minha lista para a próxima visita a Pernambuco. Valeu a dica :)

      Excluir
  24. Bacana Cyntia a abordagem que você adotou das casas museus para tratar da particularidade de tantas personalidades. Aqui em Timbó - SC, onde moro, tem a casa do poeta Lindolf Bell e segue a mesma linha de mostrar pertences pessoais, como o poeta pensava e como ele produzia a sua arte, o que inspira a quem visita o lugar a pensar de maneira diferente, até mesmo porque essas pessoas foram diferentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu curto muito descobrir mais sobre o contexto - histórico e doméstico - das obras. Essas casas ajudam nessas descobertas, Thiago. São museusinhos danados de interessantes :)

      Excluir
  25. Que máximo adorei todos!! Já tive oportunidade de conhecer a casa do Mozart, mas fiquei com vontade de ir a Liverpool conhecer a casa do John e do Paul! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só posso dizer uma coisa, Karine: vá a Liverpool- é emocionante :)

      Excluir
  26. Olá Cyntia, Gostamos muito do post, iríamos recomendar também visitasse a casa de Monet e os incríveis jardins em Giverny, mas vi que já comentaram sobre eles.
    Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giverny está muito na minha lista, Marcelo. Tenho que marcar viagem à França no período em que a casa esteja aberta. Em 2014, até fui no verão, mas acabou não rolando. Mas um dia acontece :)

      Excluir
  27. Quantas coisas já não aconteceram nessas casas. Quero visitar todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso que eu fico imaginando... Só de estar entre aquelas paredes já é instigante :)

      Excluir
  28. Adorei, dos que você citou fui na casa de Mozart em Salzburg mas fiquei louca pra conhecer as dos Beatles. Estive em Bogotá ano passado e não sabia da de Simon Bolívar, fomos ao Montserrate e não sabíamos, uma pena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cynara, eu fico espantada como é pouco divulgada a Quinta de Bolívar. Na minha primeira vez em Bogotá, fui até lá graças ao taxista que contratei para passear pela cidade, mas desde então quase não vejo se falar nela. A casa fica exatamente em frente à estação do teleférico de Montserrate.
      As casas do Beatles são muito especiais, recomendo todas, inclusive as menos famosas :)

      Excluir
  29. Amei!! Infelizmente não conheço nenhuma dessas, mas já entraram no meu radar! Principalmente as dos Beatles!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E tem uma maravilhosa, que não entrou no post, que é a Casa de Victor Horta, em Bruxelas. Ele foi o principal arquiteto da art-nouveau e a casa dele é um desbunde :) Recomendo

      Excluir
  30. Belíssimo post! Pra entrar na sua lista, sugiro as Casas de Neruda (eu escrevi sobre elas no blog: http://www.sosviagem.com.br/arte/literatura/as-tres-casas-de-neruda/) e as casas de Shakespeare (que ainda não escrevi pro blog, então fica um puxão de orelha pra mim mesma!).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As casas de Neruda estão na minha lista, com certeza

      Excluir
  31. Dicas ótimas. Fiquei com vontade de conhecer a casa de Jonh Lennon...

    ResponderExcluir
  32. Cyntia,

    Que legal. Otima ideia. Gostei da Casa de Mozart. Gostaria de conhecer. :)
    bjos
    Thais

    ResponderExcluir
  33. Tbm amamos as casas dos garotos de Liverpool, estar lá é se sentir mais perto dos Beatles.
    Estamos curiosos para visitar a casa da Jane Austen.

    ResponderExcluir
  34. Adoro casas-museus! Uma que me tocou muito foi a de Pablo Neruda em Valparaíso, no Chile. Depois de visitar esta, não conseguir resistir e fiz questão de ir à dele de Santiago também. Muito legal essa sua ideia de reunir estes exemplos aqui!

    ResponderExcluir
  35. Muito massa! Preciso visitar!
    Admito que como fã dos Beatles também, fiquei morrendo de vontade de visitar a casas dos garotos de Liverpool!

    ResponderExcluir
  36. Olá Cyntia. Vim conhecer o seu cantinho pelo simples facto de ser um dos favoritos da Ana Christ, dos Nativos do Mundo. Adorei este post. Gostava sobretudo de conhecer a Casa Museu do Mozart, mas ainda não me perdi para os lados da Áustria. Estive em Liverpool mas não fui à casa do Paul e do John Lennon...
    Beijinho desde Portugal
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Ruthia, bem vinda à Fragata :)

      Excluir
  37. Gosto muito dessa coisa de Museu Casa! Acho interessante conhecer o local onde a pessoa morou, ver que tudo está ali... acho que isso passa uma emoção né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É super emocionante, mesmo. Algumas dessas casas me deixaram muito comovida. Isabela.

      Excluir