21 de janeiro de 2022

A Casa do Rio Vermelho, Salvador, o Museu de Jorge Amado e Zélia Gattai

Mesa de trabalho de Jorge Amado na Casa do Rio Vermelho
A mesa de trabalho de Jorge Amado: Dona Flor, Pedro Arcanjo e Tieta nasceram desta máquina de escrever que preside a sala principal da Casa do Rio Vermelho

Aproveitei esses dias entre Natal e Ano Novo em Salvador pra sanar uma dívida que eu tinha comigo mesma: vocês acreditam que eu ainda não tinha visitado a Casa do Rio Vermelho? 

Logo eu, baiana militante e apaixonada por casas-museus, estava perdendo o prazer de passear pelas lembranças do cotidiano doméstico de Jorge Amado e Zélia Gattai, em um museu aconchegante e luminoso como um final de tarde com sol e brisa do mar.

A verdade é que a Casa do Rio Vermelho não me era estranha. Eu já tinha estado lá algumas vezes. A primeira, ainda criança, como visita — quando delirei com as carambolas que cresciam no jardim e brinquei com a cachorrinha Capitu, que já havia conquistado o coração do pintor Di Cavalcanti. As outras vistas eu fiz como repórter.

Azulejos de Carybé na Casa do Rio Vermelho
Oxum e Oxóssi, os orixás dos donos da casa, em azulejos de Carybé

Sou testemunha, portanto, do jeito afetuoso com que Zélia recebia a quem as escadas da casa nº 33 da Rua Alagoinhas, no sossegado Parque Cruz Aguiar, uma porção residencial e sossegada do Rio Vermelho — pra quem não está acostumado com a Bahia, é bom saber que os bairros de Salvador costumam ter subdivisões com nome e sobrenome e características próprias.

Mas eu ainda não tinha estado no delicioso Museu de Jorge Amado e Zélia Gattai, que passou a funcionar na casa dos escritores em 2014. E taí uma vista que eu passo a recomendar a todo mundo. A Casa do Rio Vermelho fala de 40 anos do amor de Jorge e Zélia, de um cotidiano avarandado, cheio de amigos, conversas mansas e amor à arte.

Veja as dicas:

Obras de arte na Casa do Rio Vermelho
Os amigos esticam a vista por meio de suas obras. Na imagem, a Yemanjá de Mário Cravo, o São Francisco de Volpi


Vista à Casa do Rio Vermelho


Imagem de Exu no jardim da Casa do Rio Vermelho
No jardim da Casa do Rio Vermelho, há sempre uma oferenda para Exu, orixá responsável pela comunicação dos humanos com o divino, segundo a religião do Candomblé. A imagem, do ferreiro Mestre Manu, foi uma encomenda de Jorge e instalada logo na inauguração da casa, em 1961

Acesso à Casa do Rio Vermelho
22 degraus ou um elevador vencem o desnível do terreno e conduzem à Casa do Rio Vermelho

Jardim da Casa do Rio Vermelho
O jardim invade a casa pelas vidraças generosas 

A Casa do Rio Vermelho foi plantada em 2 mil m² de terreno muito arborizado, que se elevam sobre a quietude da Rua Alagoinhas. Uma escada de 22 degraus e um elevador (atualmente fora de serviço) dão acesso ao jardim, onde caixas de som nos trazem, baixinho a voz de Dorival Caymmi, um dos grandes amigos do casal Zélia e Jorge.

Mas acontece que eu sou baiano, acontece que ela não é”, canta o bardo do Rio Vermelho. 

A canção Acontece que eu sou baiano, inspirada no paixão nascente de Jorge pela (então) paulistana Zélia, inunda suavemente o verde do jardim. É uma espécie de senha e trailer do que vamos encontrar na Casa do Rio Vermelho: a presença e o dengo dos amigos, que perpetuaram o aconchego encontrado na casa hospitaleira com suas obras de arte penduradas nas paredes, nos bilhetes, cartas e fotografias que agora fazem parte do acervo do museu. 

Obras de Emanuel Araújo e Calazans Neto na Casa de Jorge Amado
Os amigos esticavam a presença na casa com suas obras de arte. Acima, quadros de Emanuel Araújo (esq) e de Calazans Neto. Abaixo, obra de Carybé dedicada a Jorge, Zélia, João Jorge e Paloma

Obra de Carybé na Casa de Jorge Amado

Dedicatória em quadro de Carybé, na Casa de Jorge Amado

Logo na entrada do imóvel, ainda no nível da rua, os azulejos desenhados por Carybé lembram os orixás dos donos da casa. Zélia era de Oxum, Jorge, de Oxóssi.

Por toda parte estão obras de Carybé, Floriano Teixeira, Emanuel Araújo, Mário Cravo, Calazans Neto e Volpi, lembranças de Tom Jobim, Caymmi, Sartre Simone de Beauvoir e outros tantos — mais que frequentadores, personagens da Casa do Rio Vermelho.

Não por acaso, o projeto do museu concebido pelo cenógrafo Gringo Cardia batizou uma das sessões da casa de “A amizade é o sal da vida”.

Quarto de hóspedes da casa de Jorge Amado
"A amizade é o sal da vida". O quarto de hóspedes da Casa do Rio Vermelho acomodou gente como Jean Paul Sartre e Simone de Beauvoir

A Casa do Rio Vermelho foi comprada por Zélia e Jorge em 1960, com o dinheiro da venda dos direitos de adaptação para o cinema do livro Gabriela, Cravo e Canela. Os funcionários do museu explicam que antes da inauguração da casa, Jorge Amado pediu a um amigo, o ferreiro Mestre Manu, uma imagem de Exu para abençoar a futura morada. 

A escultura de Exu, consagrada por Mãe Senhora — uma das grandes referências do Candomblé e sacerdotisa do terreiro do Ilê Axé Opô Afonjá, onde Jorge era Obá — ainda preside os jardins de Zélia e Jorge e recebe oferendas todas as segundas-feiras.

Cozinhas da casa de Jorge Amado
Quando Jorge e Zélia compraram e incorporaram o imóvel vizinho, a Casa do Rio Vermelho passou a ter duas cozinhas. Na imagem à direita, Dadá ensina receitas baianas no vídeo

Quituteira Dadá na cozinha da Casa de Jorge Amado

Além da infinidade de peças físicas, o acervo da Casa do Rio Vermelho conta também com cerca de 30 horas de material audiovisual que ajudam a contar a história do casal de escritores. 

É assim que na cozinha da casa a quituteira Dadá (do famoso restaurante Tempero da Dadá), que trabalhou com o casal, aparece explicando a preparação de pratos baianos. No quarto de Zélia e Jorge, o visitante pode ouvir trechos de romances de Jorge que tratam do amor, da paixão e do sexo, no espaço que celebra os “Amores e amantes amadianos".

Quarto de Jorge Amado e Zélia Gattai na Casa do Rio Vermelho
No quarto de Zélia e Jorge, o assunto é o amor

Quarto de Jorge Amado e Zélia Gattai na Casa do Rio Vermelho

Nos diversos espaços da casa, as exposições abordam diferentes aspectos da vida de Zélia e Jorge, sempre combinando o acervo pessoal do casal com apoio audiovisual. Os 110 países que o casal visitou (!) são lembrados no espaço "Os Viajantes". 

Parte da enorme e interessantíssima coleção de arte popular reunida por eles está exposta nas vitrines da gostosa varanda. O antigo escritório é agora uma biblioteca, onde estão as xilogravuras de Calazans Neto que ilustram o livro Tereza Batista Cansada de Guerra.

Coleção de arte popular na varanda da Casa do Rio Vermelho
O casal reuniu uma grande coleção de arte popular. Parte dela está exposta na varanda da Casa do Rio Vermelho

Coleção de arte popular na varanda da Casa do Rio Vermelho

Um espaço que curti especialmente é o dedicado à militância política de Jorge, que foi deputado constituinte em 1946 pelo Partido Comunista. 

E foi do deputado Jorge Amado a iniciativa legislativa que assegurou a liberdade de culto no Brasil. Antes dessa lei, o Candomblé e outras religiões de matriz africana sofriam severa repressão da polícia — a perseguição ainda existe, mas agora quem mais se encarrega disso são criminosos movidos pela mesma intolerância e racismo.

Lembranças de viagens de Jorge Amado e Zélia Gattai
Lembranças de viagens e de militância política

Imagem de Lenin na casa de Jorge Amado
Olha o Camarada Lenin!!

Karl Marx na casa de Jorge Amado
Marx também comparece ao encontro

Por conta da perseguição política, Jorge e Zélia viveram cerca de 17 anos no exílio, entre Paris, Praga e Moscou e parte das memórias desse tempo estão expostas em uma das salas do museu, com muitos documentos, fotografias, cartas e estatuetas de Lenin e Karl Marx.

O curioso é que Jorge, com o passar dos anos, acabaria desenvolvendo uma grande amizade com o caudilho da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, direitista que entrou para a história como “Toninho Malvadeza”. 

A Casa do Rio Vermelho é uma visita gostosa, pra ser feita sem pressa. É um pedacinho de Bahia que faz bem pra o coração.

Casa do Rio Vermelho, museu de Jorge Amado e Zélia Gattai


A Casa do Rio Vermelho - dicas práticas
Rua Alagoinhas nº 33, Rio Vermelho
Como chegar
Se eu fosse você, ia de táxi ou transporte por aplicativo

É que o Parque Cruz Aguiar, onde fica a Casa do Rio Vermelho, é um pedacinho muito simpático e sossegado do Rio Vermelho, com pegada residencial e sem circulação de transporte público. 

Além disso, não é muito fácil estacionar na Rua Alagoinhas (como nas demais ruas do Parque Cruz), o que desaconselha ir de carro.

As esculturas representando Zélia e Jorge em um banquinho do Largo de Santana estão meio escondidas atrás dos visitantes 😉.  

O pôr do sol no "Largo da Dinha" e a escultura Odoyá, de Ray Vianna

Pesquisei agorinha, pra escrever este post, e a tarifa do Uber entre o Largo de Santana ("Largo da Dinha", para os de fora de Salvador) e a Casa do Rio Vermelho estava em R$ 8. Escolhi esse ponto porque um acarajé e o pôr do sol no largo serão o programa que mais combina, pela distância e temática, com a visita à casa de Jorge Amado e Zélia Gattai.

E é bom lembrar que é no Largo de Santana, em frente à igrejinha velha, que está o banquinho com as estátuas de Jorge e Zélia.


⇨ Horários de visita
A Casa do Rio Vermelho abre de terça a domingo, das 10h às 18 horas (entrada até as 17h). Durante a pandemia, o limite é de 21 visitantes no interior da casa, o que significa que é possível que você precise esperar alguém sair para poder entrar. O tempo da visita também está limitado a 60 minutos, pra dar vez a quem possa estar aguardando. 

Na dúvida, ligue antes: ☎ 71-3104-4659. A esquipe da casa é muito eficiente e atenciosa e passa todas as informações bem detalhadinhas.

Xilogravuras de Calazans Neto para o livro "Tereza Batista Cansada de Guerra"
Xilogravuras de Calazans para Tereza Batista

Lojinha de lembranças da Casa do Rio Vermelho
A lojinha do museu tem livros e lembrancinhas de Jorge e Zélia

⇨ Ingresso 
O ingresso na Casa do Rio Vermelho custa R$ 20. Estudantes e maiores de 60 pagam meia, assim como todos os moradores de Salvador, mediante apresentação de comprovante de residência. 

A visita é gratuita para todos às quartas-feiras.


Todas as dicas de Salvador aqui na Fragata


 

Gosta de casas-museus? Olha essas dicas:

Mais sobre a Bahia 
Recôncavo Baiano

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.

Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook 

Nenhum comentário:

Postar um comentário