21 de janeiro de 2018

Como organizar uma viagem à Guatemala

Tikal, a "capital" da civilização maia, é um grande motivo pra você ir à Guatemala
A apaixonante Guatemala ainda é um destino relativamente pouco explorado pelos brasileiros. Quando organizei minha viagem, tive dificuldades em encontrar informações turísticas sobre o país na internet — e talvez isso explique um pouco por que a terra dos maias ainda não virou um destino popular para nós.

Depois de passar sete maravilhosos dias por lá, posso afirmar que organizar uma viagem à Guatemala é mais fácil do que pareceu à primeira vista.

Pra ajudar seu planejamento, reuni aqui todas as minhas dicas práticas sobre a Guatemala: como chegar, como circular, quando ir, quanto tempo ficar, câmbio, clima, segurança... Com essas informações, pode apontar a sua bússola no rumo das terras guatemaltecas sem susto e prepare-se para se apaixonar pelas paisagens, pelas tradições, pela culinária e polo povo da Guatemala. 

Leia também: 7 motivos para visitar a Guatemala


Cercado por montanhas e três vulcões, o Lago de Atitlán é um destino para quem quer sossego e belas paisagens
⇨ Como chegar à Guatemala
Não há voos diretos do Brasil para a Guatemala. As rotas mais frequentes são via Panamá (com a Copa Airlines) ou Bogotá (com a Avianca).

Eu viajei com a Copa, que tem voo direto de Brasília (e também de Belo Horizonte, Guarulhos, Manaus, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro) para a capital panamenha e oferece stop-over gratuito para você aproveitar e conhecer o Canal do Panamá, o mar cristalino de San Blas e outras atrações do istmo.

Do Brasil ao Aeroporto de Tocumen, na Cidade do Panamá, os voos variam entre 5h30 e 6h30 de duração. Do Panamá ao Aeroporto de La Aurora, na Cidade da Guatemala, são mais 2h20 de viagem.

Encantos de Antigua, capital colonial do país: as ruínas da catedral, destruída em um terremoto, e o Arco de Santa Catalina, ícone da cidade
⇨ Fuso horário da Guatemala
Ao desembarcar na Guatemala, atrase seu relógio em 3 horas, que é a diferença local em relação ao horário de Brasília. Durante o horário de verão brasileiro, essa diferença é de 4 horas.

⇨ Melhor época para visitar a Guatemala
A melhor época para visitar a Guatemala é na estação seca, entre novembro e março.

Eu viajei em setembro, que, segundo os locais, é o mês mais chuvoso e o clima só atrapalhou minha visita à região do Lago de Atitlán (mesmo assim, deu pra curtir a paisagem linda de lá). Na Cidade da Guatemala, Antigua e Tikal, foi bem tranquilo.

⇨ Clima na Guatemala
Faz muito calor o ano inteiro nas planícies do Petén, onde estão as ruínas da cidade maia de Tikal e onde reina o clima de selva tropical, com muita umidade. Na área das montanhas, onde estão a capital, Cidade da Guatemala, Antigua e o Lago de Atitlán o clima é mais fresco e pode exigir um casaquinho — mínimas entre 12º C e 16º C e máximas que dificilmente chegam aos 30º C.

Fora da estação seca, as nuvens podem atrapalhar a contemplação da beleza do Lago de Atitlán
⇨ Quanto tempo ficar na Guatemala
Eu fiquei 7 dias inteiros na Guatemala e achei a conta bem justinha. Visitei Tikal em um bate e volta de avião — se você quiser ir de ônibus, coloque mais dois dias nesta programação — passei três dias (quatro noites) em Antigua, com bate e volta ao mercado indígena de Chichicastenango, dois dias no Lago de Atitlán e dois dias na Cidade da Guatemala.

Um táxi do Aeroporto de La Aurora à área hoteleira (Zonas 9 e 10) custa 70 quetzales, ou cerca de US$ 10. Por segurança, prefira sempre os táxis credenciados. Tem um balcão logo na saída do desembarque internacional
⇨ Como circular pela Guatemala
Na Cidade da Guatemala, usei sempre o Uber. O transporte público na capital é precário, confuso e os ônibus lotados não animam a aventuras.

Para se deslocar da capital até as principais atrações do país, é possível usar os ônibus, mas meu conselho é que você opte por viajar com agências de turismo bem estruturadas, que oferecem transfers compartilhados em vans. Foi assim que fiz todos os percursos terrestres na Guatemala, por motivos de segurança e conforto. 

Os chicken buses são muito pitorescos e rodam todo o interior do país. Se quiser um pouquinho de conforto, porém, é melhor optar pelas vans
Se o motorista de sua van começar a bancar o ás do volante das curvas ensandecidas das estradas nas montanhas, não pense duas vezes em pedir que ele diminua a velocidade — essa "autoridade" é uma vantagem considerável, e você não vai contar com ela a bordo do transporte público.

Nas montanhas, as estradas são uma sucessão de curvas em sobe e desce
Quando você estiver subindo e descendo montanhas, com chuva e neblina, sempre à beira do precipício, vai entender bem o que estou dizendo.

O preço para viajar de van compensa: US$ 10 para ir da capital a Antigua e de Antigua a Chichicastenango, US$ 20 para ir de Antigua a Panajachel, no Lago de Atitlán, e de lá até a Cidade da Guatemala.

⇨ Dinheiro, câmbio, cartões...
A moeda da Guatemala é o Quetzal, assim batizada em homenagem à ave sagrada para os maias (e astecas). Um dólar americano vale em torno de 7 quetzales (ao câmbio de hoje, 21 de janeiro de 2018, a cotação é de 7,34 quetzales para US$ 1).

Nota de 5 quetzales
Para as primeiras despesas, dá pra trocar algum dinheiro logo na chegada ao Aeroporto de La Aurora, nas casas de câmbio que funcionam na área do desembarque internacional, embora a cotação não seja das melhores. Pra você ter uma ideia, eu comprei quetzales na Global Exchange, que não cobra comissão, mas cotava o dólar a 6,03 quetzales. Nos hotéis eu achei câmbio mais honesto, na base de 7 quetzales o dólar.

Procure ter sempre moeda local com você para pagar pequenas despesas e tomar um táxi, se houver necessidade.
Os cartões de crédito são bem aceitos na Cidade da Guatemala e em Antigua. Nas cidades menores, vai ser mais complicado usar dinheiro de plástico. O dólar pode ser usado para pagar contas de hotéis e passeios comprados nas agências de viagem, mas não espere que a moeda americana fora dessas situações.

Vendedores de artesanato em Antigua: para comprar e outras despesas menores, tenha sempre quetzales à mão
Em Antigua e na Cidade da Guatemala, você não terá dificuldades de encontrar caixas eletrônicos para sacar dinheiro. No Aeroporto de Flores, no caminho para Tikal, também encontrei um terminal ATM. Mas eu não arriscaria chegar a Chichicastenango ou Panajachel sem dinheiro vivo, pois deve ser mais difícil achar uma maquininha de saque—não digo que não haja, eu apenas não vi nenhuma.

⇨ Segurança na Guatemala
Sim, é verdade: a Guatemala está entre os países mais inseguros das Américas. Na Cidade da Guatemala, principalmente, é preciso redobrar a atenção nas ruas e evitar lugares menos movimentados, pois os assaltos não são raros por lá—dizem que ocorrem também nos ônibus urbanos. Em Antigua o clima é mais tranquilo.

Uma rua de Antigua
Isso não significa que o visitante vai encontrar um faroeste por lá. Em sete dias viajando sozinha pelo país, jamais me senti ameaçada, circulei com tranquilidade e curti muito a cordialidade dos guatemaltecos — dificilmente você encontrará gente tão solícita e atenciosa neste mundo.

Prefira usar o uber ou táxis para deslocamentos na capital, não dê bobeira com a bolsa e, antes de visitar algum lugar, pergunte no hotel sobre as condições de segurança (prefira perguntar às mulheres). Jamais se aventure sozinha nas trilhas aos vulcões e outros passeios em áreas mais isoladas e corra longe de ofertas de “transporte alternativos”.

Vulcões no horizonte de Antigua
⇨ Documentos necessários para viajar á Guatemala
Para uma visita turística de até 90 dias, brasileiros entram na Guatemala sem necessidade de visto, basta apresentar o passaporte com validade de no mínimo mais 6 meses.

É recomendável, ainda, ter cópias impressas da passagem aérea de volta e da reserva de hotel, caso sejam pedidas na Imigração — a mim não pediram nada, só mostrei o passaporte, ganhei meu carimbinho e pronto. Os oficiais da imigração também podem pedir que você comprove ter dinheiro suficiente para cobrir seus gastos no período que ficará no país.

Além disso, é preciso apresentar o Certificado Internacional de Vacinação contra febre amarela.

⇨ Internet na Guatemala
Encontrei WiFi gratuito e de boa qualidade em todos os hotéis onde me hospedei na Guatemala e na imensa maioria de bares e restaurantes que experimentei. 

Para ter internet o tempo todo e poder usar uber, googlemaps e atualizar as redes sociais quando desse na telha eu usei um chip de celular EasySim4U. Tamto no Panamá quanto na Guatemala o serviço funcionou muito bem. 

A Guatemala na Fragata Surprise
Roteiro Panamá e Guatemala: 2 semanas na América Central
7 motivos para visitar a Guatemala
Antigua
Dicas práticas de Antigua
O que fazer em Antigua
Hospedagem em Antigua em um hotel/museu
Onde comer em Antigua
Cidade da Guatemala
O que fazer na Cidade da Guatemala
Cidade da Guatemala: dicas de hospedagem
Chichicastenango
O célebre mercado indígena de Chichicastenango
Tikal
Roteiro e todas as dicas para organizar a viagem à capital da Civilização Maia
Lago de Atitlán
A paisagem encantadora do maior lago da Guatemala




Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter    Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário