terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Roma - dicas práticas

A Fontana dei Quattro Fiumi (quatro rios),
de Bernini, 
na Piazza Navona
Quando eu penso em uma cidade bonita, a primeira que  me vem à cabeça é Roma (vou falar baixo, pra Nápoles não ficar com ciúme, porque eu também sou doida por ela). Talvez nenhum outro lugar do mundo exiba suas maravilhas com tanta naturalidade quanto a capital italiana.

São três mil anos de história, inúmeras referências identificáveis por qualquer habitante do Ocidente e obras de arte inestimáveis, de diversas épocas. E nada parece estar em um pedestal. Não é uma cidade para ser assistida. Em Roma, a sensação de fazer parte vem muito fácil...


Caminhar na beira do Tevere, 
mesmo com o vento frio, faz parte do encanto
Todo mundo leva um tempo pra entender o jeito de um lugar que está visitando pela primeira vez. Em Roma, o olhar precisa se abrir para o vasto arco-íris que percorre a paleta de ocres e amarelos das fachadas — nunca imaginei que essas cores pudessem ter tantos tons.

Depois que a nossa pulsação começa a abstrair o ritmo do trânsito e a trepidação da metrópole (são mais de 4 milhões de habitantes), a mágica está feita e é irreversível. Vale quebrar o porquinho e jogar todas as economias na Fontana de Trevi, para ter certeza de voltar sempre J

Se você também está pensando em descobrir essa paixão, confira algumas dicas básicas para se virar na cidade. Só não me pergunte como resolver a vontade não ir embora nunca mais. 

Do aeroporto ao Centro
Aeroporto Leonardo da Vinci, em Fiumicino, fica a cerca de 30 km do Centro de Roma. De lá, é bem fácil seguir de trem, vans ou táxis para a capital. Nessa última viagem, eu experimentei esses três tipos de transporte. Confira:

De trem


O expresso Leonardo da Vinci chegando à plataforma da estação do aeroporto
O Expresso Leonardo da Vinci chegando
 à estação do Aeroporto de Fiumicino
Expresso Leonardo da Vinci faz o percurso entre Fiumicino e a Estação de Termini, no Centro de Roma, em 30 minutos (com partidas a cada meia hora. Nos horários de maior movimento, a cada 15 minutos). O bilhete custa €14. A estação fica no Terminal 2 do aeroporto, que é muito bem sinalizado, não tem como errar. O primeiro trem sai às 6:23h e o último às 23:23h.

De Termini para o aeroporto, o Leonardo parte das plataformas 23 e 24, começando às 5:35h e com última viagem às 22:35h.

Como está explicado no nome, o Leonardo é um trem expresso, sem paradas intermediárias. Os vagões são confortáveis e tem bastante espaço para colocar a bagagem (mas nem por isso exagere, pois descer em Termini carregando muitos trambolhos vai lhe deixar mais vulnerável aos malandros que circulam por lá à caça de turistas incautos). Nessa última viagem, peguei o Leonardo até Termini, de onde partia o meu trem para Nápoles. Achei a estação bem menos confusa do que em outras passagens por lá.

Os espaços para bagagem a bordo do Leonardo.
 A mala azul, à direita, é a minha :)
Para quem vai se ficar na região de Termini ou Monti, o expresso é bem prático. Quando me hospedei em Trastevere, porém, achei mais prático pegar o trem pinga-pinga (Treno Regionale FL1), que me deixou na estação do bairro. Ele também para nas estações Ostiense, Tuscolana e Tiburtina (atenção, ele não vai a Termini!!) e custa €8. Dependendo do horário, pode estar uma muvuca inacreditável e são muitos os alertas sobre batedores de carteiras a bordo. Fique esperta, portanto.

De van
Na chegada ao Aeroporto de Fiumicino, é comum o viajante ser abordado por motoristas oferecendo transporte para Roma. Tome cuidado, porque há muitos piratas nesse meio. É melhor recorrer às empresas que operam o serviço (há vários balcões na área de desembarque). Comparando preço e conforto, acho a van mais vantajosa. Custa €16, contra os €14 do Leonardo da Vinci, mas deixa o passageiro na porta do hotel. Foi assim que me desloquei para Roma, na chegada de Palermo. 

A viagem durou cerca de 40 minutos, mas já eram 21 horas quando saí do aeroporto e não pegamos trânsito pesado no trajeto — em outra ocasião, demorou bem mais que isso. Outra coisa que deve ser levada em consideração é que a van vai deixar outros passageiros em seu destino. Se calhar de você ficar por último, aproveite o "city tour". :)

A Basílica do Santíssimo Nome de Maria
 e a Coluna de Trajano, no Fórum
De táxi
Na partida de Roma para o Brasil, resolvi pegar um táxi do bairro de Monti para o aeroporto — ,precisava chegar ao terminal às 9 da manhã e, ainda estava manhosa por conta da crise de asma... O motorista chamado pelo pessoal do hotel cobrou €35.

Achei o preço ótimo, considerando que eu teria que pagar um táxi até Termini (uns €8, mais ou menos) e mais o bilhete do Leonardo. Para quem está viajando com mais alguém, para rachar a corrida, fica melhor ainda. Pergunte sempre em seu hotel se eles têm um taxista de confiança que faça um preço camarada. Só não esqueça jamais de combinar o valor bem combinadinho. Pelo taxímetro, uma viagem de táxi entre Fiumicino e o Centro de Roma fica na casa dos €50.

Como circular


Se puder, vá a pé. Roma é grande,
mas é delicioso caminhar pela cidade 
Já escrevi um post com dicas de transporte em Roma (basicamente reclamando da dificuldade de achar bilhetes de ônibus nas tabacarias, que são os pontos mais populares de venda), mas vale repetir: para quem está a passeio, o melhor jeito de se deslocar pela cidade é a pé. A cidade é grande, mas seu Centro Histórico é relativamente compacto e, apesar das famosas sete colinas, o relevo convida a caminhar — sempre tropeçando em coisas lindas e inesperadas, no trajeto entre uma maravilha e outra.

O metrô de Roma é bem limitado para quem está fazendo turismo (falei lá no outro post: não deve ser mole escarafunchar o subsolo de uma cidade com três mil anos sem topar com relíquias), mas é útil, por exemplo, para quem vai do Centro à Basílica de San Giovanni in Laterano (Estação San Giovanni), à Cinecittà, ou ao Vaticano (Estação Ottaviano), com a Linha A, ou às Termas de Caracalla (Estação Circo Massimo) e à Basílica de San Paolo Fuori le Mura, com a linha B. Os bilhetes custam €1,50 e têm validade de 100 minutos, podendo ser usados também nos ônibus.

Para planejar sua rota com os ônibus, bondes e metrô, use o planejador de rotas da empresa de transportes de Roma, a Attac.

Sem internet, como alimentar o Instagram da Fragata em tempo real, como na passagem pela Praça de São Pedro?
Conexão com a internet
Logo que cheguei à Itália, aproveitei o tempinho de espera pelo trem de Roma para Nápoles, em Termini, para comprar um chip da Vodafone, na loja que funciona na estação. Eu ia ficar apenas 10 dias no país, mas não havia pacotes para períodos inferiores a um mês, o que acabou deixando o preço meio salgadinho, €35 (na França, paguei €20 por um pacote de 21 dias, na Orange. Na Espanha, foram €11 para 20 dias de uso, na Lebara).

O procedimento da compra é o de sempre. Basta apresentar o passaporte e assinar um contratinho básico. Em menos de 20 minutos, já estava tido resolvido. O que não curti é que foi preciso esperar quatro horas para o serviço ser ativado. Recebi uma senha para liberar o funcionamento do chip e viajei para Nápoles torcendo para dar tudo certo. Passado o prazo, estava tudo OK. O sinal da internet caiu várias vezes, ao longo da viagem, me obrigando a sempre reconfigurar a rede. Não é o fim do mundo, mas é um saco, quando a gente está no meio da rua, precisando da internet para consultar mapas e outros aplicativos.

Em Roma, Nápoles e na Sicília encontrei WiFi gratuito e de qualidade em todos os aeroportos e hotéis e na esmagadora maioria de bares, cafés e restaurantes por onde passei. Nas viagens de ônibus e trem eu me virei mesmo com o 3G.

Se você tiver uma boa dica de serviço de internet na Itália, deixe lá na caixinha de comentários, por favor :)

Onde me hospedei em Roma 


AVia Nazionale é movimentado centro de comércio. Meu hotel ficava a uma quadra daqui
Hotel Relais De L'Opera
Via Palermo 36, Monti

 Fiquei duas noites nesse hotel charmosinho, atrás da Via Nazionale, movimentada rua de comércio. A localização é ótima, a um pulo do Fórum, do Coliseu e outras atrações, com acesso fácil a transporte público.

O hotel (que se apresenta como Bed&Breakfast, mas não incluiu o café da manhã na minha diária) está instalado no primeiro andar de um edifício antigo, com escadaria em mármore bem elegante e elevador "de gaiolinha" adaptado ao vão central da escada. O espaço do hotel foi todo reformado e tem decoração sóbria. A recepção funciona 24 horas, mas a gente recebe a chave do edifício junto com a do quarto.

Meu quarto no Relais dell'Opera
O atendimento do Relais dell'Opera é eficiente e simpático. Eles foram super prestativos reservando o meu táxi para o aeroporto. Reservado com cerca de um mês de antecedência, encontrei diárias de €105, em apartamento para uma ou duas pessoas. É um bom preço para Roma, ainda mais com essa localização.

O quarto é compacto, sem ser acanhado, decorado em tons de bege. No hall de entrada ficam um armário, uma mesinha de trabalho, a maquininha de café e chá e o frigobar. Todas as bebidas (refrigerantes, água, sucos) estão incluídas na diária.

A cama é bem confortável. Em frente a ela, a TV oferece diversos canais a cabo, com opções em inglês e francês, além do italiano. Além do aquecedor a gás, o quarto tem um ar condicionado do tipo split. A janela abafa bem o som da rua e eu dormi feito um anjinho.


O banheiro clarinho e bem novinho, os produtos de toalete
 e, à esquerda, a maquininha de chá e café
O banheiro me surpreendeu, pois é bem maior dos que costumo encontrar em hotéis instalados em edifícios antigos. Mesmo o boxe, adaptado ao espaço, permitia lavar o cabelo sem as clássicas cotoveladas nas paredes (rsss).

Como vocês podem ver nas fotos, as instalações são bem novinhas, com secadores de toalhas e de cabelo (duas coisas que eu amo, quando viajo no inverno). Os itens de toalete, com produtos Keiji, de aromaterapia, compõem uma cestinha generosa, com escovas de dentes, barbeador, buchinha de banho e outras utilidades. No geral, gostei bastante do hotel.

Onde me hospedei em Fiumicino


A recepção do Best Western é ligada 
à área dos apartamentos por uma passarela
Como eu já contei aqui, passei a primeira noite desta viagem em um hotel próximo ao aeroporto, pois desembarquei em Fiumicino depois das 23 horas e só no dia seguinte viajei para Nápoles. Escolhi o Best Western Rome Airport por já conhecer a rede. Ele fica a cerca de 2 km do aeroporto, tem padrão três estrelas e é bem prático para quem, como eu, desembarca tarde por lá, ou tem que pegar um voo muito cedinho.

A primeira coisa importante pra quem decide dormir em Fiumicino: os táxis que servem à área não são os mesmos que vão para Roma. Precisei atravessar um trecho de estacionamento para encontrá-los, mas não foi nada complicado. A corrida até o hotel custou €15.


O quarto do hotel é bem amplo, mas meio sem graça. Tem uma poltrona, mesinha de trabalho, armário, frigobar e maquininha de café. A TV é bem pequenininha. A cama é confortável, mas não curti os travesseiros, altos demais e muito rígidos. O banheiro é espaçoso, mas o boxe é minúsculo (lembrei do hotel de Atenas, da mesma rede, onde eu fazia contorcionismos para tomar banho).

De qualquer maneira, para passar a noite foi uma ótima alternativa. O hotel tem um serviço de transfer para o aeroporto, com vans, que custa €6 e precisa ser agendado com a recepção. A diária, no single, foi de €85, sem café da manhã.

O banheiro do meu apartamento no Best Western
Hospedagem comentada - índice com todos os hotéis citados no blog

Veja como foi esta viagem:
Roteiro pela Sicília - com paradinhas em Nápoles e Roma

A Itália na Fragata Surprise
Campânia: HerculanoNápoles e Pompeia
Costa Amalfitana: AmalfiRavello e Sorrento
Emília-Romanha: Bolonha e Ravena
Sicília: AgrigentoCastelmolaPalermo e Taormina
Toscana: FiésoleFlorençaLucaSan Gimignano e Siena
Vêneto: Burano e Veneza

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

6 comentários:

  1. Adoreei, está muito bem explicadinho!! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Estive eu Roma no início deste mês (jun/2015). Se tivesse conhecido antes o seu blog, minha estadia teria sido muito melhor na cidade mais maravilhosa que já conheci...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, como eu gosto de encontrar outros fãs de Roma, Ado. É a cidade mais linda do mundo, né??? Quando vc voltar lá (e vc vai, tenho certeza), espero ter ainda mais dicas romanas aqui no blog :)

      Excluir
    2. Ah, como eu gosto de encontrar outros fãs de Roma, Ado. É a cidade mais linda do mundo, né??? Quando vc voltar lá (e vc vai, tenho certeza), espero ter ainda mais dicas romanas aqui no blog :)

      Excluir
  3. Voltamos ontem da Italia. Foram 14 dias passeando por Veneza, Florença e Roma. Sem a Fragata, seria mais uma viagem, com ela uma jornada inesquecível.

    ResponderExcluir