domingo, 24 de maio de 2015

MAR - Museu de Arte do Rio,
meu novo xodó na cidade

O terraço do MAR ,
com vista para as montanhas e a Ponte Rio Niterói 
Pra vocês verem como eu estava em dívida com o Rio, ainda não tinha tido oportunidade de conhecer o MAR – Museu de Arte do Rio, inaugurado em 2013, na Praça Mauá. Fui corrigir essa lacuna nesse mais recente fim de semana passado na cidade (14 a 17 de maio) e fiquei encantada. Vocês já sabem que eu me amarro em um projeto arquitetônico inventivo e o MAR foi paixão à primeira vista.

Por mais que eu tivesse visto fotos do lugar, dar de cara com o felicíssimo “casamento” entre os dois edifícios que compõem o museu é daquelas alegrias raras. Um dos prédios é o Palacete Dom João VI, de 1916, em estilo eclético (ou “bolo de noiva”), que chegou a ficar mais de 20 anos em estado de completo abandono, até o início das obras do MAR. E nele que funcionam as salas de exposição. O outro edifício é um velho terminal rodoviário de traços modernistas, onde funciona a Escola do Olhar. O projeto arquitetônico do museu interligou os dois edifícios por rampas e estendeu sobre os dois uma belíssima cobertura de concreto, de traçado ondulado como as ondas do mar — pairando lá no alto, a estrutura parece uma peça leve e esvoaçante.


Os dois edifícios unidos pela cobertura

O Palacete D. João VI e a Praça Mauá.
A construção que você vê no píer, à direita,
é o Museu do Amanhã, com projeto de Santiago Calatrava 
O MAR evoca um dos meus museus preferidos no mundo, o Centro de Artes Reina Sofia, em Madri, exatamente nesse diálogo inteligente entre um edifício antigo e um prédio moderno. E eu simplesmente pirei com a arquitetura do museu carioca. Não satisfeita em encher os cartões de memória de três câmeras fotográficas com detalhes desse meu novo xodó, ainda não cansei de brincar com as imagens aqui no computador, adicionando efeitos e prolongando o namoro, como você pode ver pelas fotos deste post.

Fiquei doidinha por essa escadaria...


Mas nem só de projetos arquitetônicos vivem os bons museus e a boa notícia é esta: o “recheio” do MAR também é muito legal. Vi três exposições que estão em cartaz lá e super hiper recomendo. A primeira delas é Rio – Uma paixão francesa, seleção de fotografias que mostram a cidade desde o Século 19 até o presente, pelo olhar de pesos pesados como Marc Ferrez (1843-1923), pioneiro e cronista essencial da cidade no tempo do Império e no início da República, e o modernista José Oiticica Filho (1906-1964), um narrador privilegiado daquele Brasil imaginado por Niemeyer e sua turma.

As imagens dessa mostra pertencem a acervos importantíssimos, como o do Beaubourg de Paris (Centre Georges Pompidou), da Maison Européenne de la Photographie (MPE), Société Française de la Photographie e Musée Nièpce – vem daí a ideia de “paixão francesa" que dá nome à exposição. Linda e imperdível, a mostra fica em cartaz até 9 de agosto.



E por falar em fotografia, fiquei louca pelas imagens da exposição Kurt Klagsbrunn, um fotógrafo humanista no Rio (1940-1960). Gente, que fotógrafo espetacular!! Kalgsbrunn era austríaco e chegou ao Brasil em 1939, refugiado da perseguição nazista aos judeus. Para nossa absoluta felicidade, soube ter um olhar absolutamente terno, cúmplice e maravilhado pelo Rio de Janeiro.

Kurt Klagsbrunn trabalhou para uma série de publicações cariocas (a famosa Fon-Fon, entre elas) e para a Life americana, mas não se contentou em mostrar aquele Rio de Janeiro branco, turístico e badalado que atraía as estrelas de Hollywood para glamorosas temporadas no Copacabana Palace. Sua Leika passeou pela Lapa, pelos morros e pela zona portuária para mostrar uma cidade muito mais viva e plural. O resultado é apaixonante. Essa mostra também fica só até 9 de agosto, portanto corra pra ver!



A exposição Rio – Uma paixão francesa
Não bastasse tudo isso, ainda tem a exposição Tarsila e Mulheres Modernas no Rio, outro evento imperdível no MAR. Bastaria a seleção fantástica de obras de Tarsila do Amaral – depois de conhecer a tela Composição (Figura Só), de 1930, fiquei ainda mais fã da autora do quadro mais lindo jamais pintado, que é o Boi na Floresta, que faz parte do Museu de Arte Moderna da Bahia. 

Mas a mostra ainda tem muito mais. Tem Anita Malfatti (que pintora excepcional foi essa mulher!!), Lygia Clark, Djanira... Objetos, documentos, vídeos, fotografias e peças de vestuário completam a exposição, um painel sobre a trajetória das mulheres do Rio desde o momento em que começaram a sair por trás das gelosias onde o patriarcado as ocultava até os dias de hoje. Uma viagem deliciosa, que fica em cartaz até 20 de setembro.


Informações práticas
MAR - Museu de Arte do Rio - Praça Mauá nº 5, de terça a domingo, das 10h às 17 horas. Ingresso: R$ 8, com meia entrada para estudantes. Maiores de 60 anos não pagam e às terças feiras a entrada é gratuita para todos os visitantes.

Como chegar
O Centrão do Rio, especialmente a zona portuária, está bem tumultuado com as obras de revitalização para as Olimpíadas, portanto, evite dirigir até lá. As estações de metrô mais próximas são a Presidente Vargas (a 1.200 metros) e a Uruguaiana (a 1.000 metros). O táxi de Copacabana (Posto 5) até lá custou cerca de R$ 40. Pegamos um trânsito muito camarada, apesar de termos ido perto da hora do almoço, numa sexta-feira. 

O MAR tem um bicicletário e se você curte pedalar, pode ser uma boa pedida. Bolsas, mesmos as menores, precisam ser deixadas no guarda volumes.

No térreo do MAR, não deixe de ver o "Projeto Morrinho", iniciado na comunidade de Pereira da Silva, em Laranjeiras. Em 1997, Nelcirlan Souza de Oliveira, então com 14 anos, começou a a reproduzir o cenário da favela, com tijolos e outros materiais recicláveis
O MAR tem um café, no térreo do edifício modernista, e um restaurante, o Mauá, no terraço do sexto andar. Nós experimentamos o restaurante e as minhas impressões estão neste post.

Confira o índice com todos os posts sobre 
museus e sítios arqueológicos publicados aqui na Fragata

Mais sobre o Rio


Dicas gerais
Hospedagem no Regente Copacabana
Hospedagem no Golden Tulip Ipanema Plaza
Onde comer bem no Rio de Janeiro
Onde comer bem e barato em Copacabana
Receita de feriadão
Como aproveitar o Horário de Verão

Atrações
Mirantes do Rio: a Urca e o Forte de Copacabana
Uma noite no Theatro Municipal
Diversões cariocas - 4 programas que são a cara do (meu) Rio
Celebração entre amigos: como foi o show de Ringo no Vivo Rio
A Quinta da Boa Vista
Postais afetivos do Rio
O Rio que me faz falta
A Bahia em Ipanema
A Lapa sem boemia

Roteiros
No Rio, como os locais
Roteiros em Copa e Ipanema para turistar como uma local
A florada da Corypha no Aterro do Flamengo



Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

4 comentários:

  1. Excelente. Em breve deverei conhecer esse museu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que vc vai gostar :) Minha curiosidade, agora, é para visitar o Museu do Amanhã, que anida estava em obras na última vez que estive no Rio.

      Excluir
  2. Parabéns, já conheço o museu, mas viajei lendo seus relados!!!

    ResponderExcluir