18 de maio de 2019

Bar do Hotel Algonquin, Nova York - um drinque na Round Table

Blue Bar do Hotel Algonquin
Bar do Algonquin: um brinde à minha padroeira Dorothy Parker
Todo mundo que vive de escrever — os sinceros com o ofício, pelo menos — tem uma espécie de padroeiro/a. A minha é Dorothy Parker. É por isso que, pra mim, não pode haver visita a Nova York sem uma parada para um dry Martini no bar do Hotel Algonquin.

Há 100 anos, Dorothy Parquer começou a bater ponto no bar do Hotel Algonquin. Por mais de uma década, ela presidiu a célebre confraria da Round Table, mitológico grupo de escritores, dramaturgos, jornalistas, atores e editores que escreveu o roteiro de Nova York durante os ditos loucos anos 20.

Não tenho a vaidade de um dia escrever como minha padroeira Dorothy, mas pelo menos posso tomar um drinque no point que ela ajudou a tornar célebre e ainda hoje atrai gente do mundo inteiro para evocar as lembranças da inteligência e ironia fina da turma da Round Table.

Saiba mais sobre o bar do Hotel Algonquin, em Nova York e coloque esse point centenário na sua lista de passeios na cidade:

Detalhe da entrada do Hotel Algonquin, na 6ª Avenida, Nova York

A Round Table do Hotel Algonquin
Entre 1919 e 1929, o Hotel Algonquin (59 West 44th Street, quase esquina com a 6ª Avenida) foi abrigo de uma das mais célebres tertúlias já registradas no planeta.

Era nos bares deste hotel, o Oak Room ou o Rose Room, que se reunia “O Círculo Vicioso” — vasto grupo de jornalistas, escritores, teatrólogos, atores e críticos de arte da pá virada.

A Round Table do Hotel Algonquin: o editor Art Samuels, o dramaturgo Charlie MacArthur, Harpo Marx, Dorothy Parker e Alexander Woollcott, crítico teatral e literário
Nos primórdios da Round Table: o editor Art Samuels, o dramaturgo Charlie MacArthur, Harpo Marx, Dorothy Parker e Alexander Woollcott, crítico teatral e literário

Eles almoçavam, bebiam (muito, em plena Lei Seca, que se estendeu de 1920 a 1933) e destilavam veneno e inteligência.

Sentados em torno de uma mesa redonda (daí serem chamados pelos de fora pelo apelido de The Round Table), definiam o que seria in ou out na semana seguinte no umbigo do mundo que era Nova York — suas preferências, expressas em suas colunas nos jornais, eram a bússola de quem quisesse ser descolado.

A atriz Talullah Bankhead e a escritora Dorothy Parker, membros da Round Table do Hotel Algonquin
A atriz Tallulah Bankhead e minha "madrinha" Dorothy Parker, duas divas da Round Table
A Round Table reunia gente como a escritora feminista Ruth Hale, o editor da New Yorker Harold Ross, o escritor e dramaturgo Robert E. Sherwood, o escritor Robert Benchley, a atriz Tallulah Bankhead, o dramaturgo Noël Coward, a historiadora Margaret Leech, e o comediante Harpo Marx (um dos Irmãos Marx).

Na cabeceira, presidindo a mesa redonda, sentava-se minha madrinha de alma, Dorothy Parker.

Happy hour no Blue Bar do Hotel Algonquin

O Blue Bar do Hotel Algonquin
59 W 44th St. Aberto diariamente das 11:30h à 1h da manhã

A farra da Round Table começou a se esgotar na virada dos anos 30. No Algonquin, o Rose Room já não existe desde 1998. O Oak Room agora é o restaurante Round Table.

O que sobrevive como local das libações à inteligência dos roaring twenties no Hotel Algonquin é o Blue Bar, inaugurado em 1933. Uma reforma desalojou o velho bar de seu local original para um anexo colado ao hotel e foi lá que eu tomei um (vários) dry martinis na última passagem por Nova York.

Bar do Hotel Algonquin, Nova York

O ambiente do Blue Bar não decepciona: é escurinho (segundo a lenda, o azul da iluminação que deu nome ao bar foi invenção do ator John Barrymore, que morava no Algonquin), elegante e muito confortável, com paredes revestidas em painéis de madeira, cristais, poltronas de couro e luminárias art déco.

A trilha sonora é excelente — Jazz de lavada — e o atendimento é muito profissa.

➡️ Os preços do Blue Bar 
O lugar não é barato, ainda mais pra quem ganha em reais. Os preços, porém, estão na média dos lugares mais bacaninhas de Nova York: drinques na casa dos US$ 20taça de espumante ou vinho a partir dos US$ 17 e cerveja a US$ 9.

Pelos preços, você já viu que o Blue Bar não é lugar para meter o pé na jaca. É um grande lugar para bebericar uma ou duas tacinhas, sorvendo as memórias da Round Table do Hotel Algonquin antes de emendar outro programa.
Dicas gerais
Piece of cake: é simples e rápido fazer o visto americano em Brasília
Roteiro musical nos EUA - Jazz, Rock e Blues em Nova Orleans, Nashville e Memphis
Ingressos nos Estados Unidos: como organizei meu roteiro musical
Bagagem prática: 2 semanas, 2 estações e uma mala de mão

Crtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook 

Um comentário: