2 de janeiro de 2019

O que fazer em Nashville, EUA

Nashville vista da John Seigenthaler Pedestrian Bridge
Nashville vista da Ponte de pedestres John Seigenthaler: no cantinho esquerdo, o começo da Broadway. Ao centro, o finzinho do Riverfront Park
A capital da Country Music foi minha segunda etapa no roteiro musical pelos Estados Unidos. E que surpresa boa! Cheguei sem grandes expectativas para descobrir que tem muito o que fazer em Nashville — e que não é preciso gostar de botas de cowboy e de gente cantando pelo nariz pra curtir muito a cidade.

Alegre, movimentada e respirando música 24 horas por dia, Nashville me ganhou desde a chegada.

Mal deixei a bagagem no hostel e já estava pulando de bar em bar na Lower Broadway, me encharcando de Rock’n’Roll, Rockabilly, Southern Rock e, claro, música Country — que que pode não ser minha praia, mas apreciada no contexto adequado, pode ser bem legal.

Veja onde fiquei: Hospedagem em Nashville - hostel muito confortável e com localização imbatível

Ponte de pedestres John Seigenthaler, Nashville
Ponte John Seigenthaler é o grande cartão postal de Nashville

Pra começo de conversa, Nashville é bonita e muito bem cuidada.

A orla do Rio Cumberland é pontilhada por parques agradáveis e emoldurada por paisagens bem fotogênicas.

Nashville também tem bons museus e gastronomia interessante.

Mas a alma dessa viagem estava muito mais pra Spotify do que pra Instagram. Meu barato era mesmo ouvir música. E isso Nashville tem de sobra.

 Experimente entrar em qualquer botequinho, daqueles que mal tem letreiro na porta, e você está seriamente arriscada a assistir a um show de primeira.

Nashville: Country Music Hall of Fame e uma loja de botas de cowboy na Broadway
O Country Music Hall of Fame e uma loja de botas de cowboy na Broadway
É que Nashville é mesmo uma espécie de “Hollywood da Country Music”, lotada de artistas de todos os cantos dos Estados Unidos — e de além fronteiras — buscando seu lugar ao sol.

Aquela pessoa dedilhando a guitarra em um palquinho mambembe pode ser o próximo Willie Nelson ou a próxima Patsy Cline.

A onipresença da música ao vivo contribui muito para criar uma atmosfera de festa permanente nas áreas turísticas de Nashville. É quase uma micareta, mas no bom sentido 😀. 

Nashville: Show em um Honky Tonk da Broadway
Um ótimo show que assisti em um honky-tonk da Broadway. O nome da cantora é Shayna Gee e ela arrebenta
Nashville entrou no meu roteiro meio por inércia – já que ia a Nova Orleans e a Memphis, resolvi incluí-la. Tinha bastante desconfiança de sua fama de conservadora, religiosa e provinciana. 

O conservadorismo, realmente, está lá. Nashville se apresenta orgulhosamente como “a fivela do Cinturão Bíblico (Bible Belt)”, região que compreende os estados do Sudeste até o Meio Oeste dos EUA.

Nada disso, porém, interferiu na minha experiência como turista — muito prazerosa, diga-se.

 Mesmo para quem não é tão ligada em música, como eu, Nashville pode ser uma excelente escala em um roteiro pelo Sul dos Estados Unidos.

Veja o que fazer em Nashville e aproveite a capital da Country Music (tem mapa no final do post).

Pra entrar no clima: liga o post e aumenta o som: Trilha sonora para Nashville - playlist pra embalar seus passeios na capital do Country

Honky Tonk em Nashville
Honky-tonk: é só chegar e se espalhar
⭐Lower Broadway
Veja a lista e a localização dos honky-tonks da Lower Broadway

Se você quiser ouvir música na capital mundial do Country, a Lower Broadway, seguramente, será a sua primeira (e recorrente) parada em Nashville.

O trecho da Broadway que vai das margens do Rio Cumberland, na 1rst Avenue, até a 5th Avenue, é uma animada, barulhenta e divertida concentração de honky tonks que já estão em plena atividade no meio da manhã e vão até alta madrugada.

Show em um honky-tonk de Nashville
A sequência de shows na Lower Broadway começa às 10 da manhã e vara a madrugada
Os honky-tonks são bares típicos do Sul do Estados Unidos — herdeiros dos velhos saloons. Sua principal característica é oferecer música ao vivo. 

Originalmente, eram o local de entretenimento dos trabalhadores brancos pobres e não primavam por um ambiente muito família. 

Em Nashville, o honky-tonk é uma instituição fundamental, emendando um show no outro, que, nos horários de maior movimento, o público acompanha de pé, meio dançando, meio se esbarrando, enquanto entorna litros de cerveja. Uma farra divertidíssima.

Saiba mais: Onde ouvir música em Nashville - por dentro dos honky tonks

Honky-tonks em Nashville
Bright lights, big city e uma farra que vai longe
A entrada nos honky-tonks de Nashville é grátis. Prepare-se para apresentar um documento com foto na porta ou na hora que pedir seu drinque, pois a lei estadual do Tenesssi exige que o cliente comprove ser maior de 21 anos para consumir álcool.

A Lower é Broadway é muito policiada e movimentadíssima. Não tive qualquer preocupação com segurança andando por lá e me esbaldando na micareta cowboy que extrapola dos bares, se esparrama pelas calçadas e prossegue até no asfalto, na zoeira das pedal taverns.

Gosta de música e viagens? Siga o link para mais dicas 😉.

Nashville: Pedal tavern na Broadway
Pedal tavern na Lower Broadway: a zoeira não para - em todos os sentidos 
As pedal taverns são mini bares móveis, oferecidos para aluguel de grupos. São movimentados pelas pedaladas dos farristas, que rodam pela cidade abastecendo seus copos nas torneiras de chope e cantando a plenos pulmões a música que rola nas caixas de som.

Nashville: Ryman Auditorium
O histórico palco do Ryman Auditorium, uma catedral do Country
⭐ Ryman Auditorium
116 5th Avenue North
Calendário de shows e compra de ingressos
Visitas: diariamente, das 9h às 16:30. Tours a partir de US$ 21.95

Cafe Lula - aberto diariamente, das 9h às 17h. Quando há shows, funciona até a hora do espetáculo.

Meu plano original era assistir a um show no Ryman Auditorium. Queria ver vivo e pulsante o histórico palco de onde se transmite o legendário programa de radio Grand Ole Opry – e onde tantos grandes do Rock, Blues, Soul, Ópera, Country e mais uma miríade de gêneros musicais já se apresentaram.

Nashville: Ryman Auditorium
O Ryman é uma belíssima casa de espetáculos, com acústica elogiadíssima
Os ingressos para ver o Opry, porém, estavam custando um rim nos dias que passei em Nashville.

 Minha opção para ver o legendário auditório foi o tour autoguiado, a modalidade mais barata para quem quer visitar o Ryman.

Recomendo essa alternativa. O audioguia é bastante detalhado e a narração é um mergulho não apenas na trajetória do Ryman Auditorium e da Música Country, mas na história de Nashville.

Nashville: Museu do Ryman Auditorium
Guitarras de BB King (à esquerda) e de seu discípulo, Joe Bonamassa, doadas à galeria de memórias do Rymann
O Ryman Auditorium está para a Música Country como o Cavern Club está para os Beatles.

A diferença é que esse palco de Nashville lançou não uma banda ao estrelato (a melhor de todos os tempos, é verdade), mas apresentou centenas de artistas ao público americano e mundial.

A história do Ryman não poderia ser mais Bible Belt: o auditório, originalmente, era um tabernáculo, local de oração, inaugurado em 1892.

Nashville: Museu do Ryman Auditorium
Uma guitarra do bluesman Keb' Mo'
Para pagar as dívidas da construção, o auditório era eventualmente alugado para apresentações “profanas”. Até que, nos primeiros anos do Século 20, a viúva Lula Nash passou a agenciar espetáculos artísticos no Ryman. 

Graças ao trabalho de Lula, que arrendou permanentemente o auditório em 1920, o palco do Ryman recebeu estrelas de cinema como Charlie ChaplinMae West e Doris Day, o mágico Harry Houdini e o legendário tenor italiano Enrico Caruso.

Nashville: Museu do Ryman Auditorium
Dear old Richie também deixou sua marca no Ryman Auditorium
A partir de 1943, o Ryman virou a casa do popularíssimo programa de rádio Grand Ole Opry, uma transmissão semanal iniciada em 1925 e que já havia passado por diversos palcos de Nashville. 

O show, dedicado principalmente à Country Music, era ouvido nos quatro cantos dos Estados Unidos e influenciou gerações de músicos — muitos roqueiros entre eles.

Nashville: Estátua de Thomas Ryman, no Ryman Auditorium
Uma estátua no pátio externo homenageia Thomas Ryman, comerciante, dono de uma frota de steamboats e construtor do auditório
Na década de 70, cansado de guerra, maltratado e com instalações decadentes e equipamentos ultrapassados, o Ryman esteve à beira da demolição para virar um estacionamento.

O Grand Ole Opry encontrou uma nova sede em 1974, a Grand Ole Opry House, casa de espetáculos afastada do Centro de Nashville (veja o mapa).

O que salvou o Ryman foi a carinhosa ideia da cantora Emmylou Harris. No começo dos anos 90, ela resolveu gravar um disco ao vivo no velho auditório. 

Subitamente, graças a Emmmylou, o mundo da música se lembrou da importância daquele palco, o dinheiro apareceu, o Ryman Auditorium ganhou uma super restauração e um banho de loja de equipamentos de última geração.

Nashville: Ryman Auditorium
Foi no palco do Ryman que nasceu o Bluegrass, estilo inaugurado pelo músico Bill Monroe
O auditório é belíssimo, com seu famoso balcão, bancos de madeira como de uma igreja e decoração discreta.

O palco do Ryman continua recebendo a fina flor de todos os gêneros musicais que passam por Nashville e sua acústica é elogiadíssima. 

Para um artista Country, se apresentar no palco do Ryman é uma honra e um rito de passagem.

Desde 1999, o Grand Ole Opry voltou a ser transmitido ao vivo do palco do Ryman nos três meses de inverno .

Nashville: Ryman Auditorium
A fachada original do Ryman Auditorium

Nashville: Museu do Ryman Auditorium
Lembranças de grandes estrelas que passaram pelo palco do Ryman
Se você gosta de teatros, de música e de história, não pode perder essa visita em Nashville. 

Preste atenção às vitrines que exibem lembranças das grandes estrelas que passaram pelo palco do Ryman Auditorium — como o Coldplay, Ringo Starr, BB King, Elvis Presley, Kris Kristofferson, The Band, The Who, Willie Nelson — e ajudaram a construir sua história. 

Nashville: Johnny Cash Museum
Johnny Cash Museum, apontado como um dos melhores museus do mundo sobre música
119 3rd Avenue South
Diariamente, das 9h às 19h
Ingressos: US$ 19.95

Pra início de conversa, vamos lembrar que Johnny Cash é um dos ídolos de Bob Dylan.

Segundo: Cash foi gênio. Terceiro: seu acervo de memórias, fonogramas, gravações de shows e programa de TV está organizado em um dos melhores museus do mundo dedicados à música.

Acho que não preciso citar mais motivos pra justificar minha enfática recomendação da visita ao Johnny Cash Museum, né?

Nashville: Johnny Cash Museum
Johnny Cash lançou nada menos que 81 álbuns, entre originais, coletâneas e trilhas sonoras
O museu dedicado a Johnny Cash, aberto em 2013, está localizado no meio do burburinho de Downtown — sem desculpas no quesito deslocamento, viu? — e é uma imersão profunda e prazerosa no universo do mais roqueiro dos expoentes da música Country.

O Johnny Cash Museum é super interativo, um lugar para ouvir música — as gravações do artista e uma imensa coleção de covers de suas canções feitas por praticamente todos os grandes artistas do universo roqueiro.

Nashville: Johnny Cash Museum
Um documentário sobre a vida atribulada de Cash ajuda o visitante a entrar no universo do Homem de Preto
Também há uma sala de projeção onde é exibido um breve documentário sobre a vida do músico, bem ilustrativo.

Telas dispostas pelo museu mostram trechos do megassucesso The Johnny Cash Show, exibido semanalmente na TV americana entre 1969 1971.

O programa de TV de Cash era transmitido ao vivo do Ryman Auditorium e reunia convidados do calibre de Carl Perkins, Bob Dylan, Joni Mitchell, Kris Kristofferson, Neil Young, Louis Armstrong e James Taylor— além da presença frequente da estrela contry June Carter, companheira e grande amor de Cash. 

Nashville: Johnny Cash Museum
Uma das motos de Cash decora a tentadora lojinha do museu
Essa história de amor está contada no filme Johnny e June (Walk the Line, 2006), estrelado por Joaquin Phoenix (Cash) e Reese Witherspoon (June), que também ganhou uma ala no museu.

Além disso, há uma sessão dedicada às memórias de Johnny Cash no exército, uma coleção de roupas usada pelo “Homem de Preto” nos palcos, instrumentos musicais e objetos que vieram diretamente da casa onde ele viveu com June Carter.

Nashville: Johnny Cash Museum
Os maiores hits e a guitarra personalizada de Cash
O museu também abriga um café que serve café da manhã, sanduíches – além do chili preparado de acordo com a receita de Johnny Cash — e outras comidinhas a preços razoáveis (para padrões de Nashville).

A loja do museu é tentadora, cheia de lembrancinhas maneiras pra roqueiros. 

Quarteto de 1 milhão de Dólares (Elvis Presley, Johnny Cash, Jerry Lee Lewis e Carl Perkins), no Johnny Cash Museum
Imã de geladeira do Quarteto de 1 Milhão de Dólares
Entre os muitos produtos à venda, tente resistir às bugigangas da série “O quarteto de 1 Milhão de Dólares”. 

São camisetas, chaveiros, carteiras, imãs de geladeira e o escambau, sempre estampados com a mitológica fotografia da jam session que reuniu Johnny Cash, Elvis Presley, Carl Perkins e Jerry Lee Lewis no estúdio da Sun Records, em Memphis, no mágico 4 de dezembro de 1956 — eu dava um rim pra estar presente…

⭐ Country Music Hall of Fame
222 5th Avenue South
Diariamente, das 9h às 17h
Ingressos: para ver só o museu, US$ $25.95. O bilhete casado com o Studio B (transporte incluído) custa US$ 40.95

Country não é mesmo a minha praia, mas tenho muito respeito pelo estilo musical que deu uma contribuição decisiva à gênese do Rock’n’Roll.

Como eu poderia rejeitar a escola que formou Carl Perkins, Johnny Cash e Buddy Holly? (Sem contar que Patsy Cline é o máximo!).

Nashville: Country Music Hall of Fame
Salão do Hall da Fama do Country
O Country Music Hall of Fame é o mais completo museu, centro de pesquisa e documentação sobre esse estilo musical em todo o planeta.

 São mais de 30 mil metros quadrados de espaço expositivo, arquivos, sala de concertos, lojas, cafeteria e áreas para cursos e oficinas.

A organização do acervo do museu do Country Music Hall of Fame — super interativo, com muitos vídeos, fotos, fonogramas e painéis explicativos bastante didáticos — permite um mergulho que vai muito além da viagem sonora.


Nashville: Country Music Hall of Fame

O museu oferece uma aula sobre o contexto histórico, social e político que ajudou a forjar o Country, essa música típica da realidade rural do Sul dos Estados Unidos.

Uma música que originalmente expressava o universo simples e provinciano de camponeses pobres acossados pelas dificuldades decorrentes da Grande Depressão.

Nashville: Country Music Hall of Fame

Nashville: Country Music Hall of Fame
Homenagem à canção Me and Bobby Magee, grnde sucesso do Country escrito por Kris Kristofferson (e imortalizada por Janis Joplin) e os sapatos de camurça azul de Perkins, descorados pelo tempo 
O grande chamariz do Country Music Hall of Fame são as vitrines que exibem lembranças dos principais artistas associados ao estilo musical.

Algumas peças expostas são mitológicas, como os famosos sapatos azuis de camurça de Carl Perkins, imortalizados em Blue Suede Shoes — descorados pelo tempo, eles agora estão marrons —, ou um Cadillac de Elvis e instrumentos musicais usados por lendas como Bill Monroe (pai do Bluegrass) e Johnny Cash.

Nashville: Country Music Hall of Fame
Livro de recordações e jaqueta do uniforme de Johnny Cash no Exército americano. À direita, a placa que registra a introdução de Cash no Hll da Fama do Country

Nashville: Country Music Hall of Fame
Homenageados no Hall da Fama. No destaque, Elvis, The Pelvis
A Country Music Association, que administra o Museu e Hall da Fama, está para esse estilo musical como a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas está para o cinema de Hollywood — a CMA até distribui um prêmio anual que é o Oscar da Música Country.

Em um enorme salão com teto envidraçado, fica o Hall da Fama, onde estão as placas alusivas a cada um dos homenageados.

A inscrição "Will the Circle Be Unbroken" que decora o espaço foi retirada de uma canção religiosa tradicional que fala de reencontros na vida eterna.

"There are loved ones in the glory
Whose dear forms you often miss.
When you close your earthly story,
Will you join them in their bliss?"

Nashville: Country Music Hall of Fame
O maior museu, centro de pesquisa e documentação sobre a Country Music no mundo
O Hall da Fama foi criado em 1961 e ganhou uma sede improvisada na Music Row, a partir de 1967. Desde então, passou por várias instalações até ganhar o grande edifício e museu onde está desde 2001, no Centro de Nashville.

No processo de nomeação para a galeria da fama, um comitê aponta um grupo de candidatos e todos os membros da associação votam para definir os homenageados.

Entre os primeiros entronizados na galeria de honra estava Hank Williams, talvez o mais clássico dos clássicos intérpretes do Country.

Nashville: Country Music Hall of Fame
O Cadillac de Elvis
A lista de homenageados no Hall da Fama Country, porém, tem um certo ecletismo.

Contempla desde o estritamente convencional (Kenny Rogers, Garth Brooks, Dolly Parton, Loretta Lynn, Patsy Cline, The Carter Family, Bill Monroe) aos “rebeldes” Elvis Presley e Johnny Cash e até expoentes progressistas e identificados com a música de protesto, como Willie Nelson.

Nashville: Country Music Hall of Fame
E não esqueçamos do Southern Rock, esse filhote genial do Country
A galeria da fama não inclui apenas estrelas que brilham sob os holofotes. Os produtores musicais Chet Atkins (do RCA Studio B de Nashville) e Sam Phillips (Sin Records, de Memphis), duas figuras essenciais do Rock’n’Roll, e os casal de compositores Felice and Boudleaux Bryant (autores de incontáveis sucessos gravados pelos Everly Brothers, Buddy Holly e Roy Orbison, por exemplo). 

A visita ao Country Music Hall of Fame é programa para muitas horas. Combinada com a visita ao Studio B, é atividade que consome, facinho, os dois turnos do dia.

⭐ Historic RCA Studio B
O ingresso para a visita ao Studio B é obrigatoriamente casado com a compra do ingresso para o Contry Music Hall of Fame (CMHF). O pacote custa US$ 40.95
Os tours ao estúdio partem de hora em hora (das 10:30h às 14:30h) do CMHF.



Nashville: Estúdio B (Historic RCA Studio B)
Elvis gravou pelo menos 250 canções no Studio B. Várias delas alcançaram os primeiros lugares nas paradas de sucessos
Pra quem gosta de Rock’n’Roll, o Estúdio B da RCA Victor em Nashville é uma catedral. Mas, quando eu digo catedral, não espere um colosso, materialmente falando.

São apenas 100 metros quadrados — 426,4 metros cúbicos — de espaço mágico, onde pelo menos 100 hits musicais de primeira linha foram gravados e entregues ao universo pelas ondas do rádio.

Nashville: Estúdio B (Historic RCA Studio B)
Memória dos discos gravados no Studio B e, à direita, o famoso piamo Steinway, muitas vezes tocado por Elvis
Elvis era fã do Studio B — gravou mais 250 canções lá, muitas vezes tocando ele mesmo o piano Steinway que ainda está lá, para contemplação dos embevecidos vistantes.

Os microfones do Studio B também captaram a voz de Skeeter Davis em seu megahit The End of the World, os Everly Brothers arrasando em All I have to do is dream e Roy Orbison entrando para a história com Only the Lonely, entre muitos outros.

Nashville: Estúdio B (Historic RCA Studio B)
Um pequeno museu relembra os grandes artistas que gravaram no Studio B
Diante de tantos milagres gestados nessa pequena catedral, nem preciso dizer que a visita ao Studio B era prioridade máxima na minha lista de visitas em Nashville, né?

Embora fique um pouco afastado do centro, é muito fácil chegar ao Studio B. Ele só pode visitado nos tours organizados pelo Country Music Hall of Fame, que já incluem o transporte e guia.

Os tours são oferecidos apenas em inglês.

Nashville: Estúdio B (Historic RCA Studio B)
O trajeto de ida e volta ao Studio B é feito em um micro-ônibus, com passagem já incluída no preço do ingresso
Desde o embarque nos micro-ônibus, que partem de hora em hora do Country Music Hall of Fame, os visitantes já vão entrando no clima, ouvindo trechos de sucessos gravados no estúdio e um pouco da história, contada pelo guia. O tour dura cerca de 50 minutos.

Eu, claro, delirei com as histórias, com as lembranças de grandes ídolos expostas nas vitrines de um mini museu (bem mini mesmo) e, principalmente, com o prazer de estar no mesmo espaço onde foram gravadas várias das minhas canções favoritas.

Nashville: Estúdio B (Historic RCA Studio B)
O Studio B ainda é usado para gravações
O Studio B fica no coração do Music Row, área de Nashville que concentra as principais gravadoras, escritórios de agentes e estúdios responsáveis por movimentar a indústria musical que deu fama à cidade.

O grande filão, claro, é o Country, mas se produz, grava-se e escuta-se de tudo por lá, com destaque para meus amados Southern Rock e Rockabilly.

Nashville: Estúdio B (Historic RCA Studio B)
O estúdio B está cheio de lembranças dos artistas que passaram por lá. Os guias dos tours (dir) contam muitas histórias pitorescas sobre as sessões de gravação
Construído em 1956 e arrendado pela RCA, o Studio B é um dos embriões do sucesso de Nashville como um centro de produção musical em larga escala, apoiado em uma estética que redefiniu a Country Music e assegurou sua sobrevivência em ambientes mais urbanos e contemporâneos.

O mago do estúdio B era um cara chamado Chet Atkins — que não satisfeito em ser o produtor musical responsável por incontáveis sucessos de terceiros, também foi um guitarrista respeitadíssimo por grandes como George Harrison.

O Studio B de Nashville foi o local eleito para a primeira gravação de Elvis no seu retorno do serviço militar. Apesar das dúvidas da gravadora RCA se a canção escolhida casava com o perfil do ídolo, Are You Lonesome Tonight foi um sucesso instantâneo e ainda hoje é um dos maiores standards do Rei do Rock.

919 Broadway (entre 9ª e 10ª avenidas)
De segunda a quarta, das 10h às 17:30. Quintas e sextas, das 10h às 21h. Sábados, das 10h às 17:30h. Domingos, das 13h às 17:30h.

Ingressos: US$ 12

Nashville: Frist Art Museum (Museu de Arte Frist)
A fachada traseira do museu, que dá para um jardim público
O primeiro motivo pra você visitar o Frist Art Museum é o edifício onde ele está instalado, um primor da arquitetura e do estilo decorativo art-déco — quem ainda não sabe dessa minha paixão?

O prédio, todo revestido em mármore e decorado com grades em ferro batido, foi inaugurado em 1934, originalmente como sede central dos Correios em Nashville. 

Nashville: Frist Art Museum (Museu de Arte Frist)

O correio foi transferido de lá na década de 80 e o prédio passou um tempo fechado. Nos anos 90, a gorda doação de uma fundação privada e investimentos públicos bancaram a requalificação do edifício para sediar um museu.

Foi assim que Nashville virou dona de um belo espaço destinado a exibir coleções artísticas de todas as partes do mundo e das mais diversas épocas.

Nashville: Frist Art Museum (Museu de Arte Frist)
Detalhes do foyer e da fachada do Frist Art Museum
Sim, porque o Frist não tem acervo próprio. Ele recebe mostras temporárias da melhor qualidade e é sempre um museu novo, mesmo para os moradores da cidade e frequentadores mais assíduos.

Quando estive em Nashville, a mostra em cartaz não poderia ser mais atraente: Paris 1900 — um painel da Belle Époque, das inovações produtivas e da euforia econômica proporcionadas pelo advento da máquina a vapor, o esplendor do Impressionismo e o alvorecer da Art Nouveau.

Nashville: Exposição no Frist Art Museum (Museu de Arte Frist)
Vestido de noite muito Belle Époque e o Retrato de uma Jovem, tela pintada pela mais proeminente representante feminina no time dos Impressionistas, Berthe Morisot
Imagina me convidar pra ver um acervo art nouveau em um edifício art-déco... Super fui e amei 😄.

As peças em exposição no Frist vieram principalmente das coleções do Museu Carnavalet  e do Petit Palais, ambos em Paris.

Além de contar com belas instalações, o Frist parece ter uma excelente curadoria. Basta ver as exposições já anunciadas para 2019: uma delas apresentará uma coletânea de Frida Kahlo, Diego Rivera e o Modernismo Mexicano e outra sobre “Van Gogh, Monet, Degas e seu tempo”.

Nashville: Exposição no Frist Art Museum (Museu de Arte Frist)
Peças da exposição Paris 1900: baixo relevo representando os trabalhadores no tempo da Revolução Industrial e, abaixo, conjunto de móveis Art Nouveau
➡️ Para quem viaja com crianças, uma dica: o Frist tem um ateliê para os pequenos, onde são realizadas atividades artísticas monitoradas, com muita brincadeira e diversão (a meninada estava a mil, no dia da minha vista).

O Frist Museum também tem um café muito charmoso, que funciona no foyer. Não é preciso pagar ingresso pra ter acesso ao café.


O point descoladinho de Nashville destoa (relativamente) do astral Bible Belt que predomina na cidade e rende um passeio interessante.

Até os primeiros dias deste século, The Gulch (literalmente, “o barranco”) era uma área meio abandonada, perigosa e decadente, a típica vizinhança “do outro lado dos trilhos do trem” — de verdade, pois o traçado do bairro acompanha a linha férrea que o separa de Downtown.

Nashville: Apresentação musical em The Station Inn
The Station Inn, o grande point musical de The Gulch


Ao contrário da maioria dos “bairros descolados” do planeta, porém, não houve muita espontaneidade na origem de The Gulch como vizinhança trendy.

Lá não houve a velha fórmula de aluguéis baratos atraindo artistas, estudantes e alternativos em geral para forjar uma comunidade menos convencional.

The Gulch é resultado de um calculado investimento da indústria imobiliária de Nashville, que plantou vários empreendimentos na área nas duas últimas décadas.

Atenção à sustentabilidade ambiental e energética e à mobilidade fazem parte do lado bom da coisa. O lado não muito bom é que esse é um “bairro alternativo” que já nasceu gentrificado.

O caminho das pedras para The Gulch é a 12ª Avenida Sul (para quem vem de Downtown, é o trecho à esquerda da Broadway). Restaurantes interessantes, lojinhas simpáticas e bons bares para ouvir música — longe do clima de autêntica micareta cowboy da Lower Broadway — são as atrações do bairro.

Passei uma tarde bem agradável no Gulch, batendo pernas e fazendo hora pra assistir a uma apresentação de Bluegrass (música caipiríssima, com banjo e rabeca), em The Station Inn, que fica no bairro. Mas a música em Nashville é assunto para outro post 😉.

⭐ Two Old Hippies
401 12th Avenue South, The Gulch
De segunda a quinta, das 10h às 19h. Sextas e sábados, das 10hàs 20h. Domingos, das 11h às 18h.


Nashville: Loja Two Old Hippies
Two Old Hippies: roupas e objetos com um pezinho nos anos 60
Um clássico em The Gulch é a loja Two Old Hippies, que vende roupas (da bata florida ao casaco de couro), acessórios e objetos de decoração com um pezinho nos anos 60 e promove apresentações musicais cinco noites por semana.

Achei os preços meio inflacionados, mas me diverti um bocado fuçando araras e prateleiras da Two Old Hippies.

Tem peças bem bonitas e usáveis, camisetas com estampas “irreverentes” e muitas coisinhas fofas que podem virar um presente bacaninha ou um detalhe charmoso em um cantinho da casa.

4th Avenue South, esquina com Demonbreun Street. Visite o site para ver o calendário de apresentações.  


Nashville: Sala de concertos Schermerhorn Symphony Center
Schermerhorn Symphony Center, a bela casa da Sinfônica de Nashville
Vocês já sabem que eu não resisto a um teatro bonito, né? Pois Nashville tem uma casa de concertos lindíssima.

Inaugurado em 2006, o Schermerhorn Symphony Center, o lar da Orquestra Sinfônica da cidade, entrou para a minha lista de visitas na cidade quando vi fotos de seu interior.

Nashville: Schermerhorn Symphony Center
Nashville parece gostar da arquitetura clássica grega. Além da réplica do Parthenon, o estilo também está presente na fachada do Schermerhorn

Nashville: Schermerhorn Symphony Center
Detalhes do foyer do Schermerhorn Simphony Center
O problema é que o Schermerhorn não recebe visitas guiadas. Para vê-lo ao vivo, eu teria que assistir a um espetáculo lá — sacrifício nenhum, né? 

Bastou acompanhar o calendário de eventos musicais de Nashville e encontrar um show dos Mavericks — banda meio tex-mex que eu acho cafona, mas que não dói ouvir — com a Orquestra Sinfônica e comprar o ingresso pela internet.

Se você assistiu ao seriado de TV Nashville, já viu o Schermerhorn Simphony Center, pois ele serve de locação para diversas cenas.

A sala de concertos é deslumbrante, mas o foyer, os corredores, as salas de espera e até os banheiros também são um escândalo.

Nashville: Apresentação musical no Schermerhorn Symphony Center
Show dos Mavericks com participação especial da Orquestra Sinfônica de Nashville

Nashville: Apresentação musical no Schermerhorn Symphony Center

Além de sediar os concertos eruditos da Sinfônica de Nashville e outros intérpretes, o Schermerhorn também apresenta balés, shows de música popular e outras atrações.

Uma modalidade interessante dos concertos do Schermerhorn são as versões sinfônicas da orquestra para a obra de grandes ícones como Jimmi Hendrix e os Rolling Stones.

Quanto ao show dos Mavericks... Well... deu até vontade de dançar, em vários momentos. E o público estava tão empolgado — eles se apresentaram na cidade três noites seguidas, com casa superlotada — que a farra valeu também como observação antropológica.

Ingressos nos Estados Unidos: como organizei meu roteiro musical

⭐ Margens do Rio Cumberland
Na altura de Downtown, as margens do Rio Cumberland foram convertidas em parques agradáveis, com várias opções de lazer e esportes.

Nashville: Riverfront Park
Riverfront Park
Na margem Oeste, ao longo da First Avenue, o Riverfront Park se estende por cerca de 1,3 km.

Do outro lado do rio estão Cumberland Park e o Nissan Stadium, estádio com capacidade para 69 mil espectadores e onde o time de futebol americano Tennessee Titans manda seus jogos. 

O Riverfront Park fica aberto todos os dias, das 6h às 23h. Além de oferecer caminhadas e corridas com vista para o Rio Cumberland, passeios de bicicleta ou mera contemplação da paisagem, a área verde também é ponto de partida de passeios de barco.

Nashville: Nissan Stadium
O Nissan Stadium, casa dos Tennessee Titans
O Cumberland Park é aberto ao público do amanhecer às 23 horas. Uma das atrações dessa área é uma espécie de playground molhado, o Sprayground, um espelho d'água com conjunto de fontes que "espirram" do fundo e prometem uma farra nos meses de calor (só funciona de maio a setembro).

O Ascend Amphitheater também fica no Cumberland Park. Com capacidade para 6.900 pessoas, o local é palco de apresentações artísticas ao ar livre.

A cerca de 5 km de Downtown, o Shelby Park, também às margens do Rio Cumberland, é uma área verde bem maior e bastante diversificada em atividades, com campos de beisebol e de golfe.

Uma das grande atrações do Shelby Park são os passeios de SUP (stand up paddle) e caiaque oferecidos por empresas locais nos meses mais quentes.

 Fort Nashborough
170 1st Avenue North
Entrada gratuita

A origem de Nashville é o forte construído às margens do Rio Cumberland, em 1779, por caçadores de peles que exploravam a região.

Nashville: Fort Nashborough
A réplica do Nashborough Fort foi construída na década de 30
É claro que a construção de madeira não resistiu ao tempo. Nos anos 30 do século passado, foi construída essa réplica do Fort Nashborough, numa localização bem próxima do sítio original.

O “novo” forte fica no trechinho do Riverfront Park chamado de Bicentennial Park.

Nashville: Fort Nashborough
O encontro entre indígenas e europeus é romantizado neste monumento na área do Fort Nashborough (do outro lado da rua, o edifício de tijolos é o hostel onde me hospedei)
A visitinha ao Fort Nashborough é rápida e placas informativas lembram um pouco da história da cidade.

O forte também dá uma ideia de como eram essa construções do início da colonização europeia nos EUA.

 Para conhecer melhor a história do forte e da fundação de Nashville, vale contratar uma visita guiada.

⭐Ponte de Pedestres John Seigenthaler

Além de ter sua própria Broadway, Nashville também tem a sua versão do High Line Park, uma das novas atrações queridinhas de Nova York.

Na capital do Country, esse “parque suspenso” é a John Seigenthaler Pedestrian Bridge, com quase um quilômetro de extensão (960 metros, para assegurar a precisão jornalística 😀), mirantes, banquinhos, vista privilegiadíssima para Downtown e o Rio Cumberland e um visual muito fotogênico, especialmente à noite, com sua iluminação colorida.

Nashville: Ponte de pedestres John Seigenthaler
A "High Line de Nashville"
Assim como a High Line, a velha Ponte Sparkman Street, seu nome original, também estava destinada à demolição.

Construída no início do Século 20, ela chegou aos anos 90 cansada de guerra. Com a estrutura condenada para o tráfego de automóveis, a ponte foi fechada em 1998.

Mas, do mesmo modo que a High Line foi salva para por pressão da população, Nashville decidiu resgatar a ponte como uma área de lazer.

O resultado é muito bonito, não só pela paisagem que se descortina do alto da John Seigenthaler Bridge, mas pela ponte em si.

Ao salvar a ponte, Nashville consolidou seu maior cartão postal.

Nashville: Ponte de pedestres John Seigenthaler
A ponte é um grande lugar para fotografar Nashville

Nashville: Ponte de pedestres John Seigenthaler
Os mirantes com banquinhos são ótimos para uma pausa contemplativa
Além de bonita demais, a bichinha é super acessível: conta com elevadores, rampas e escadarias — dá para economizar as canelas do percurso das cabeceiras da ponte até seu vão central, onde ficam os melhores mirantes, acomodados em “varandas” com banquinhos confortáveis.

A John Seigenthaler Bridge tem também uma faixa para bicicletas.

Em Downtown, a cabeceira da ponte fica na altura de Simphony Place (em frente ao Schermerhorn Simphony Center).

Na outra ponta, na margem Oeste do Rio Cumberland, a ponte chega a uma pracinha bem simpática e verde.

John Seigenthaler, que batiza a ponte reformada, foi um jornalista de Nashville com participação ativa no Movimento pelos Direitos Civis, nos anos 60, e incansável nas denúncias sobre as atividades criminosas da organização racista Ku Klux Klan.



➡️ Meu roteiro musical nos EUA
Os Estados Unidos na Fragata Surprise
Piece of cake: é simples e rápido fazer o visto americano em Brasília
Miami
Nova York
Orlando

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.


Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook 

4 comentários:

  1. Ótimo post! Parabéns!
    Nashville também nunca esteve no meu roteiro dos sonhos, mas o country de lá (e sua influência) sempre me chamaram atenção
    Agora, com essas dicas, tenho mesmo q dar uma passada em Nashville rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rodolfo :)
      Nashville é uma cidade pra a gente se esbaldar com todo tipo de música. Acho que vc vai curtir :)

      Excluir
  2. Oi, Cyntia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    ResponderExcluir