3 de fevereiro de 2019

Onde ouvir música em Nashville - por dentro dos honky tonks

Beber, dançar e cantar junto com o artista: os honky tonks são uma delícia
A maioria dos visitantes vai a Nashville por causa da música. E a capital da Country Music não decepciona. Dona Música, em Nashville, comparece ao encontro como uma avalanche.

Essa super anfitriã ocupa, sem exagero, cada metro quadrado de Downtown, o Centro da cidade — e se espalha sem cerimônia pelos bairros, digamos, mais comportados. Nashville não é chamada de Music City à toa.

Você vai encontrar música em Nashville nos hotéis, nos restaurantes, nos teatros, nos museus — com destaque para o sensacional Johnny Cash Museum e o Country Music Hall of Fame —, nas lojas, nas calçadas e até no meio da rua, circulando nas divertidas party bikes.

O bandolim de Bill Monroe, pai do Bluegras, uma das relíquias do Country Music Hall of Fame
Mas, principalmente, a música em Nashville está ao vivo e em um plantão de praticamente 24 horas nos animadíssimos honky tonks da cidade.

Ouvir música em Nashville — Country, Rock'n'Roll, Blues, Bluegrass, Southern Rock... — foi um dos grandes prazeres do meu roteiro musical nos Estados Unidos, viagem que recomendo enfaticamente.

Veja as dicas para aproveitar o melhor da terra da Country Music:

Gosta de música e viagens? Siga o link para mais dicas 😉

"Honky tonks móveis": as party bikes rodam pela cidade reproduzindo a farra das casas noturnas de Nashville
O que é um honky tonk
Música ao vivo, público animadíssimo — dançando e cantando a plenos pulmões junto com o artista no palco — consumo industrial de álcool e muita diversão. 

É nisso, basicamente, que consiste um honky tonk, bar típico do Sul dos Estados Unidos, geralmente associado à Country Music.

Honky tonk significa algo como cabaré e, por extensão, também cair na farra. A expressão também é usada para designar um tipo característico de música tocado nesses descendentes dos saloons do Velho Oeste — sabe aquela pianola ligeirinha, num ritmo que lembra o Ragtime?

O comecinho da Broadway, esquina com a 1st Avenue
Em Nashville, os honky tonks são um patrimônio histórico que permanece vivíssimo, atração turística imperdível e um senhor motivo pra você visitar a cidade.

Você vai encontrar bares com música ao vivo por toda a cidade, mas a grande meca da vida noturna em Nashville é a chamada Honky Tonk Row, na Lower Broadway (entre a 1ª e a 5ª avenidas), uma sucessão de casas animadíssimas, uma colada na outra.

Os honky tonks  começam a funcionar às 10 da manhã e seguem a pleno vapor até as 3h da madrugada, com um show atrás do outro. A entrada é gratuita — você paga apenas o que consumir no bar.

Os edifícios da Lower Broadway são antigos armazéns para mercadorias que chegavam a Nashville pelo Rio Cumberland. Essas construções centenárias agora abrigam honky tonks
Como são os shows nos honky tonks
Honky tonks são baluartes da Country Music, mas também sabem ser ecléticos. Além da música que fez a fama de Nashville, você também vai ouvir muito Rock’n’Roll, Rockabilly, Blues e o que mais possa sair das cordas de uma guitarra plugada em amplificadores estrondantes e bote o público pra se sacudir.

Os artistas que se apresentam nos honky tonks vão dos jovens aspirantes aos veteranos resistentes. Os shows são profissionalíssimos — em três dias de intensa “pesquisa”, não assisti nada que não fosse pelo menos interessante.

Estrelas como Willie Nelson, Kris Kristofferson, Patsy Cline e Hank Williams começaram suas carreiras nos palcos desses bares – não estranhe, portanto, se aparecer um famosão para dar uma canja, em nome da nostalgia.

Entre o primeiro show em um honk tonk até chegar ao programa de rádio Grand Ole Opry tem muita estrada. Mas o cara que você vê hoje tocando em um bar de Nashville pode ser a próxima estrela da Country Music
As apresentações duram, em geral, uma hora. Os intervalos entre elas são bem curtos. Dá pra dizer que o show não para, desde a manhã até a madrugada.

Vários sites especializados divulgam a programação de shows dos honky tonks de Nashville, mas o melhor método para escolher o que assistir é dar uma escutadinha da porta e decidir se o som lhe agrada. Em caso afirmativo, é só entrar e cair na festa.

➡️ Não esqueça a gorjeta dos músicos - como eu falei antes, a entrada nos honky tonks é grátis, mas os artistas contam com gratificações do público como parte (às vezes toda) de sua remuneração.

Geralmente há uma urna, chapéu ou case de guitarra na beira do palco para receber as gorjetas. US$ 10 é uma gratificação razoável.

➡️ Leve um documento com foto quando for aos honky tonks - a legislação do estado do Tenessi exige que os bares comprovem que o cliente é maior de 21 anos para servirem álcool. Euzinha, com 57 anininhos — e cara e corpo de 56 — tive que mostrar o passaporte para tomar meus shots de bourbon. 

Todas as grandes estrelas de Nashville já passaram pelo palco de um honky tonk
Onde ouvir música em Nashville
Com apenas dois dias inteiros em Nashville (sábado e domingo), mais a noite de uma sexta-feira, fiz um intensivão musical na cidade. Passei por quase todos os honky tonks da Lower Broadway e assisti à excelente Bluegrass Jam do tradicional The Station Inn.

A grande dor no coração é que não deu tempo de ver uma apresentação em The Bluebird Café, uma espécie de clube intimista frequentado pelos grandes músicos de Nashville — os compositores gostam de “testar” suas canções lá, diante de uma plateia de connoisseurs, antes de lançá-las comercialmente.

O Bluebird ficou para a minha próxima visita. Mas, quando você for, faça reserva com antecedência. O lugar é pequenininho (100 lugares) e lota muito rápido.

Veja os lugares que eu curti e recomendo:

The Station Inn
402 12th Avenue South, The Gulch. Aberta diariamente. Para consultar os horários, veja o calendário de shows. A casa abre sempre duas horas antes do início das apresentações.

Atenção: The Station Inn não é um honky tonk. É um bar para sentar e ouvir música, só falar com que está do lado se for bem baixinho — e o mínimo indispensável.

The Station Inn: point do Bluegrass em Nashville
A casa, com mais de 40 anos de funcionamento, é talvez o lugar mais tradicional de Nashville para se ouvir Bluegrass. Até o criador desse estilo musical, Bill Monroe, já tocou lá.

O Bluegrass é um estilo musical profundamente ligado às canções trazidas para a América pelos colonos ingleses, irlandeses e escoceses. A sonoridade do Bluegrass é bem marcada pelos imprescindíveis banjo, rabeca, bandolim, a presença do dobro (aquela guitarra com barriga metálica e som muito peculiar).

Pois o evento mais concorrido em The Station Inn é a Bluegrass Jam, sempre nas noites de domingo (20h). Eu adorei o clima, super gostoso, com vários músicos reunidos, tocando juntos, como uma roda de velhos amigos.

Apesar do currículo, The Station Inn é bem low profile
A entrada da Bluegrass Jam é gratuita e a casa lota para a apresentação. Acho que só consegui meu lugarzinho porque cheguei muito cedo. (Assisti à apresentação de Country Gospel que rola sempre nas noites de domingo, das 16h às 18h — e não tem nada a ver com aquele berreiro atroz da chamada “música gospel” que se houve no rádio, aqui no Brasil).

Apesar do currículo, The Station Inn é um lugar bem low profile. Funciona em um predinho baixo, com fachada de tijolos aparentes, onde exibe um letreiro discretíssimo — pra não passar direto, lembre-se que o bar fica exatamente em frente à loja Two Old Hippies, outra instituição que funciona em The Gulch.

O esquema de The Station Inn coisa é bem descomplicado: basta chegar, pagar a entrada e encontrar um canto para sentar.

A casa não faz reservas nem vende entradas antecipadas. Para ter certeza de conseguir lugar, chegue com alguma antecedência para o show — o bar abre sempre duas horas antes das apresentações. The Station Inn tem cerca de 200 lugares.


No cardápio tem apenas cerveja (US$ 5), refrigerantes, pizza, nachos e cachorro quente. Não há serviço nas mesas. É o cliente que vai até o balcão fazer seus pedidos.

Embora a Bluegrass Jam seja grátis, The Station Inn cobra ingresso (geralmente, US$ 15) para todas as demais atrações da programação.

Para as entradas, a casa só aceita dinheiro vivo (se você não tiver cash, tem um caixa eletrônico na 12ª Avenida, quase em frente). O consumo no bar pode ser pago com cartão de crédito.

Honky tonks em Nashville

O Tootsie's (fachada lilás) e o Second Fiddle, dois honky tonks movimentadíssimos na Broadway
(Foto de Michael Rivera)
⭐ Tootsie’s Orchid Lounge
422 Broadway (quase esquina da 5ª Avenida)
Essa casa tem mais de 50 anos de idade e foi frequentada por lendas do Country como Hank Williams e Patsy Cline — as paredes do bar estão cobertas de fotos de celebridades da música que continuam a aparecer por lá, como atrações ou como clientes. Willie Nelson foi presença frequente no palquinho do Tootsie’s, no início da carreira.

O Tootsie’s tem dois andares, um palco em cada um deles, e um terraço debruçado sobre a muvuca da Broadway. Vive lotado e é animadíssmo.

Vi vários shows legais no Legend's Corner
⭐ Legends Corner
428 Broadway, esquina com 5ª Avenida. Abre todos os dias, das 10h da manhã às 3h da madrugada. Menores de 21 só são admitidos até as 18h.
Vi uns shows muito bacanas no Legend’s Corner — os vapores do bourbon me impediram de anotar os nomes dos artistas 😁. Nas minhas passadas por lá, ouvi bom Rock’n’Roll, Southern Rock e Country de excelente qualidade.

A muvuca dançante foi tanta que eu nem consegui chegar perto da legendária guitarra de Johnny Cash que adorna uma das paredes.

Robert's Western World: casa de shows e loja de botas
(Foto de Mx. Granger - Wikimedia Commons)
Robert’s Western World
416B Broadway, entre 4ª e 5ª avenidas. Abre às 11h da manhã e não tem hora para fechar. A partir de 18 horas, não é permitida a presença de menores de 21 anos.
Esse lugar é bem curioso: mistura de honky tonk e loja de botas de cowboy — meu medo era exagerar no bourbon e acabar comprando um par daquelas atrocidades. 

Robert's Western World funciona desde os anos 90 no prédio que já abrigou a famosa Sho-Bud Steel Guitar Company, fábrica especializada em dobros.

Layla’s Bluegrass Inn
418 Broadway, entre 4ª e 5ª avenidas. Abre às 11h e o último show começa às 22. Não aceita menores de 21 anos depois das 18 horas.

A programação do Layla’s é imbatível. Todas as vezes que passei por lá tinha alguém muito profissa se apresentando. 

Apesar do nome, a casa não se limita ao Bluegrass. Tem Rock’n’Roll, Rockabilly, Country (claro!)…

Shows no palco do Nudie's - e o Cadillac avaliado em US$ 400 mil pendurado na parede
Nudie’s Honky Tonk
409 Broadway, entre 4ª e 5ª avenidas. Abre todos os dias às 11h da manhã e segue até as 3h da madrugada.

Não se preocupe, que ninguém precisa ficar pelado para frequentar o Nudie’s. O nome da casa se refere a Nudie Cohn, o alfaiate que ficou famoso por desenhar aqueles ternos cobertos de strass para celebridades como Johnny Cash, Elvis Presley e John Wayne.

Ele também customizava automóveis no mesmo... ahaaam... padrão estético. Um desses carros, um Cadillac El Dorado, adorna uma das paredes do Nudie’s Honk Tonk. A extravagância decorativa prossegue no balcão do bar, recoberto por cerca de 10 mil moedas de silver dollars (de prata, mesmo).

Na verdade, a casa é um verdadeiro museu do traje Country, com peças criadas por Nudie e usadas por Elvis, Hank Williams, Johnny Cash, Bob Dylan e até John Lennon. Tem três andares e o terraço é muito concorrido.

No que realmente interessa — a música, of course — achei a programação bem bacana. Foi lá que vi meu primeiro show em Nashville, de uma cantora ótima, chamada Shayna Gee. Depois disso, passei por lá várias vezes e assisti apresentações bem legais.

Honky Tonk Central: atacadão Country
(foto de Michael Rivera)
Honky Tonk Central
329 Broadway, entre 3ª e 4ª avenidas. Aberto diariamente. De domingo a quarta, das 11h às 3h da madrugada. De quinta a sábado, das 10h às 3h.

O Honky Tonk Central é uma espécie de atacadão do Country: o lugar é enorme, com vastos salões nos três andares e música em todos os espaços. Estava lotado em todas as vezes que passei por lá.

Achei as apresentações musicais mais obvias, o basicão do Country. O público delirava. 

Até tentei meus passinhos de line dancing – aquela coreografia cowboy em que os dançarinos vão de um lado para o outro e pra frente e para trás, em linha, batendo o salto das botas no assoalho. É divertido...
➡️ Meu roteiro musical nos Estados Unidos
Roteiro musical nos EUA - Jazz, Rock e Blues em Nova Orleans, Nashville e Memphis

Mais sobre Nashville
O que fazer em Nashville, EUA
Trilha sonora para Nashville - playlist pra embalar seus passeios na capital do Country
Hospedagem em Nashville - hostel muito confortável e com localização imbatível 
Transporte em Nashville - como chegar e como circular na capital da Country Music 
Dicas de Nashville - como organizar sua visita 
O que comer e beber em Nashville

Tudo sobre Nova Orleans
Tudo sobre Memphis

Os Estados Unidos na Fragata Surprise
Piece of cake: é simples e rápido fazer o visto americano em Brasília
Miami
Nova York
Orlando

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.


Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook 

Um comentário:

  1. Cliquei e apareceu um planeta chamado nashiville country music wommmmmmm coool thank you i am happy now.

    ResponderExcluir