domingo, 17 de março de 2013

Monemvasia:
o rochedo mais lindo do mundo

O rochedo de Monemvasia e o istmo que dá acesso ao Kastro
O rochedo de Monemvasia e o istmo que dá acesso ao Kastro

Leitores da Fragata já sabem que eu não resisto a um montinho de pedras com mais de 100 anos de idade. Agora, imaginem meu estado de encantamento diante de um colossal rochedo que irrompe das águas azuis e cristalinas do Mar Egeu e que, ainda por cima, abriga uma vila de origem bizantina, com 405 felizes moradores, cheia de passagens secretas, balcões de vertigem e flores de todas as cores...

Essa é Monemvasia, uma vila no Sul do Peloponeso, um daqueles lugares onde a gente passa o tempo todo se beliscando, para acreditar que é real.

Que tal um banhinho neste mar?
Construída sobre a escarpa do rochedo voltada para o Egeu, a vila fortificada é chamada de Kastro (“castelo”) pelos gregos. Tirando as muralhas, porém, nada em Monemvasia evoca uma memória bélica. Dividida em Cidade Alta e Cidade Baixa, parece um lugar encantado. Suas ruelas tortuosas parecem estar ali apenas para nos enredar mais e mais por entre casinhas de pedra e pátios floridos, sempre debruçados sobre a perfeição do mar azul.

Dentro das muralhas, no Kastro, vivem 450 felizardos
A entrada do Kastro...
...e a Cidade Baixa...
...que é muito fotogênica
Fundada no Século VI, Monemvasia foi um importante porto bizantino por quase 700 anos. Cobiçada por mercadores venezianos, cruzados francos e o Império Turco, a vila sempre soube tirar excelente proveito de sua situação estratégica privilegiada —“Monemvasia” em grego, significa “única entrada”, que é o istmo. Mesmo assim, a bela praça forte trocaria de mãos diversas vezes, entre as potências mediterrâneas, até ser finalmente libertada na Guerra de Independência da Grécia, em 1821.

A praça principal de Monemvasia
A igreja bizantina. Lá no alto, recebendo
os últimos raios de sol do dia, as ruínas do castelo
O Kastro não tem ruas. Tem passagens secretas


Monemvasia é tão especial que eu nem sei onde arrumei as palavras para compor esses quatro parágrafos aí de cima. Só sei dizer que nunca vou esquecer a sensação de transpor as muralhas da vila e dar de cara com tanta beleza.

A tarde já estava em declínio, eu tinha acabado de tomar o mais espetacular de todos os banhos de mar dessa viagem à Grécia e de me deliciar com um super polvo, acompanhado de vinho Malvasia, típico de lá. Já estava achando que nada poderia ser mais paradisíaco, quando a lindeza do Kastro simplesmente me acertou em cheio e me tirou do chão.


Os pátios de Monemvasia parecem encantados
Passei horas, incrédula, até entender que estava mesmo no lugar mais bonito do mundo. E foi aí que uma lua cheia enorme começou a sair do mar. Só para me ensinar que, em Monemvasia, nada é tão perfeito que não possa melhorar

...e ainda teve a lua cheia saindo do mar
No alto da escarpa estão as ruínas de um castelo.
A trilha até lá é cascuda
Como chegar a Monemvasia
Monemvasia fica no Sul do Peloponeso, na Lacônia, a 290 quilômetros de Atenas e a 190 quilômetros de Nafplio. Da capital grega até lá, dá para contar com boas estradas, passando pelo Canal de Corinto, Trípoli e Esparta (que é bem pertinho. Aliás, o jeito objetivo e caladão atribuído aos temíveis soldados espartanos acabou por forjar o adjetivo “lacônico”, a partir do gentílico da região).

De Atenas, os ônibus para Monemvasia partem do Terminal A em quatro horários (6h, 8:30h, 10h e 17:15h), com retorno às 5:15h, 7:15h, 14:15 e 17:15h. Os bilhetes custam € 30, cada perna. A viagem, também via Corinto, Trípoli e Esparta, é um festival de baldeações que vai consumir seis horas da sua vida, mas não reclame: já basta estar indo para o paraíso sem ter que morrer, exigir teletransporte também já é demais, rssss.

Fim de tarde em Monemvasia
Eu fui a Monemvasia saindo de Nafplio. A viagem de ônibus foi feita em cerca de quatro horas e meia, por conta das baldeações (o bilhete custou € 22).

Cheguei a pensar em alugar um carro para fazer o percurso, mas desisti. Quando vi a estrada para Trípoli, congratulei-me pela decisão: o ziguezague montanha acima deixa no chinelo qualquer estrada andina que eu já atravessei na vida. A vista é um espetáculo, mas o excesso de curvas não combina com dirigir sozinha (até porque eu fiquei hipnotizada por aqueles abismos).



De Nafplio a Trípoli (diversos horários de ônibus, das 8:30h às 16:30h) a viagem, com montanha grega e tudo, leva cerca de uma hora e meia.

Não se assuste quando chegar a Rodoviária de Trípoli, para a baldeação, e não encontrar ninguém que fale inglês e todos os letreiros em grego. O terminal é pequeno, basta mostrar seu bilhete para os motoristas dos ônibus que param na plataforma e perguntar "Monemvasia?", até chegar a sua vez de embarcar. By the way, nos letreiros em grego, procure por Μονεμβάσια.



De Trípoli a Monemvasia são mais três horas horas. O ônibus para bem em frente ao istmo que liga a cidade de Gefira à vila medieval. Daí, a cada meia hora, parte um microônibus (só até as 22h) para o Kastro, que deixa os passageiros em frente à muralha de Monemvasia. O bilhete custa €1.

A parada do ônibus que atravessa o istmo até o Kastro

O resto do caminho, geralmente montanha acima, por ruelas de calçamento irregular e mais estreitas que o corredor aqui de casa, terá que ser percorrido a pé. Se você tiver uma mala de rodinhas, considere a possibilidade de se hospedar em Gefira, num quarto com vista para o mar e para o rochedo.

Foi assim que o dia amanheceu na varanda do meu quarto

Gefira ao entardecer e de mahãzinha
Onde se hospedar em Monemvasia

Eu preferi ficar em Gefira, na Petrino Guesthouse, um hotelzinho muito, mas muito fofo, com uma gostosa varanda debruçada sobre o mar (a praia, na porta, é indescritível...). Não tem endereço, basta seguir a rua da praia, na direção contrária ao istmo, que você encontra. 

A fachada da Petrino Guesthouse - meu apartamento era o da ponta esquerda, no segundo andar 

Os quartos da Petrino são grandes, arejados e confortáveis, embora não ofereçam qualquer luxo. O ar condicionado (muito necessário), funciona muito bem, o banheiro é amplo e bem equipado.

A praia na minha porta
O lugar é administrado por uma família e imaculadamente limpo. O WiFi (rápido) é gratuito. A diária no single, com café da manhã e vista total para o mar e o rochedo custou €50, no finalzinho de setembro.

Andar com mala de rodinhas pode ser um sufoco no Kastro

Hospedagem comentada – índice reúne todos os posts sobre o tema publicados no blog

Dica preciosa
Malva Gallery- Quando você for a Monemvasia, não deixe de dar uma passada nesse misto de ateliê e galeria, onde o artista Manolis Grigoreas trabalha e atende os clientes com uma imensa simpatia e ótimo papo. Suas gravuras são belíssimas e serão uma lembrança muito mais bacana que qualquer badulaque. Custam em média €40 e ele providencia embalagens (canudos de papelão bem forte) que resistem aos amassos da bagagem.

Dicas para organizar uma viagem à Grécia



13 comentários:

  1. Respostas
    1. É um dos lugares mais lindos que já vi, Caroll, mas as fotos não chegam nem perto... Vc vai ter que ir lá, rsss.

      Excluir
  2. Minhas ultimas ferias foram em Kreta. Eu amei!!!
    Este mar azul parece pintura.
    E as suas fotos arrasaram!! Adorei o post! Vou anotar para colocar Monemvasia na minha lista!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, Creta é o meu próximo destino na Grécia. Morri de pena de não ter ido, mas, mesmo com três semanas, é preciso fazer escolhas, pra não fazer um roteiro corrido. Agora, dá uma vontade de voltar pra Monemvasia que eu nem te conto...

      Excluir
  3. Voa a Itália em março, e por "culpa", sua tenho que ir a Grécia...
    Uma pergunta: Devo sair com a passagem Roma/Atenas já comprada no Brasil, ou sai mais em conta comprar já na Itália?
    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não conheço o sistema tributário italiano, talvez as taxas sobre bilhetes aéreos sejam menores que no Brasil, o que baratearia o custo final. Mas eu sou sempre a favor de já resolver esses deslocamentos maiores antes de começar a viagem. De qualquer maneira, faça uma pesquisa colocando como seu país o Brasil e a Itália, para ver se há muita diferença no preço final. Alguns sites permitem fazer isso, outros, já identificam direto em que país você está...

      Excluir
  4. Cynthia, a fortaleza de bourtzi funciona em que horário? Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elis, se você está se referindo à fortaleza do Bourtzi, em Nafplio, o horário de visitas funciona de acordo com a disponibilidade de táxis-barcos para levar os turistas até lá. Geralmente, o movimento começa lá pelas 9:30h ou 10 horas. Quando começa a escurecer, as travessias são suspensas. Os barcos cobravam cerca de €4 por pessoa.

      Se você está se referindo ao Kastro, a antiga fortaleza de Monemvasia, não tem um horário de funcionamento, porque ela hoje é uma pequena cidade, com hotéis, moradias, restaurantes e lojas.

      Excluir
  5. Cynthia

    Seus posts sobre Nafplion e região são fantásticos!
    Em maio vou fazer algo semelhante, inspirado em suas descrições minuciosas.
    Uma pergunta: foi muito complicado ir de ônibus de Nafplion a Monemvasia?
    Alguma sugestão?
    Obrigado
    Renato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complicado, não foi. Comprei o bilhete no escritório da KTEL e o embarque é na praça em frente. Não tem onibus direto Nafplio-Monemvasia. Tem que fazer baldeação em Tripoli ou, em alguns casos, em Esparta. É uma viagem longa (6 horas), mas deu tudo certo.

      Excluir