terça-feira, 9 de outubro de 2012

Algumas coisinhas que
aprendi sobre a Grécia

A enseada de Lindos, na Ilha de Rodes, vista do alto da Acrópole
A enseada de Lindos, na Ilha de Rodes,
vista do alto da Acrópole
Não é suspense, não, mas antes de falar de cada um dos lugares lindos que visitei, faço questão de compartilhar algumas constatações e descobertas que fiz durante a viagem. É meu jeito de dizer pra todos vocês: "Vamos todos para a Grécia. Já!". Confira as dicas enquanto eu começo a tirar o primeiro post sobre Atenas do forno:

- A Grécia é um destino muito seguro para mulheres viajando sozinhas. Pelos milhares de relatos que li antes de viajar (e essa foi uma viagem das mais acalentadas), já esperava encontrar um país tranquilo e seguro.

Adorei descobrir que era tudo verdade. Mesmo na atual crise econômica, com o desemprego chegando aos 25% (54% entre os jovens), os índices de criminalidade continuam entre os mais baixos da Europa.

Uma fachada em Anafiotika, bairro aos pés da Acrópole de Atenas
Uma fachada em Anafiotika, um bairro muito fofo, 
aos pés da Acrópole de Atenas
Voltar a pé para o hotel, tarde da noite, não é aventura digna de nota. Nem mesmo em Atenas, com seus mais de três milhões de habitantes.

Na capital grega, só convém evitar a já manjada área da Praça Omonia, na região central. Ali se concentram os hotéis mais baratos e abundam trombadões e batedores de carteira, doidos para rapinar um turista. Vale mais a pena pagar um pouquinho mais e ficar perto da Praça Syntagma, de onde dá para ir a pé para um monte de lugares lindos, como os bairros de Pláka e Monastiráki, a Acrópole, a Ágora e os principais museus.

Um exemplo do padrão grego de honestidade: no meu segundo dia em Atenas, esqueci o cofre do quarto do hotel aberto. Lá dentro estavam cartões de crédito, cartão de saque, passaporte e dinheiro. Cheguei da rua e quase morri de susto quando percebi o vacilo, mas tive a felicidade de descobrir que estava tudo lá, intocado. E pra vocês não dizerem que foi apenas sorte ou coincidência, eu estava tão relaxada que cometi a mesma bobeira mais duas vezes...

Sítio arqueológico de Micenas, a poderosa cidade governada por Agamenon, da Ilíada. O lugar é lindo e dá para chegar lá de transporte público
- Além de segura, a Grécia é super cordial para mulheres viajando sozinhas. Os gregos são calorosos, mas muito mais recatados que os latinos. Olhares insistentes, abordagens e papo de cerca lourenço parecem meio improváveis por aqui.

Depois de quatro dias ouvindo as cantadas mais hilárias (embora inofensivas, diga-se) dos turcos (que são um bom páreo para os latinos), eu quase me achei invisível, quando cheguei a Atenas.

Se são mais conservadores que os brasileiros, os gregos não traduzem isso em desaprovação ou animosidade contra as viajantes solo. Pelo contrário.

O tratamento é respeitoso, solícito e amigável. Quando percebiam que eu estava sozinha, as pessoas geralmente adotavam uma postura até meio protetora. Era um tal de desconhecidos ajudando com a mala, de funcionários de hotel recomendando pequenos cuidados e gente que parava na rua para dar informações que eu passei rapidinho de invisível a princesa.

A cidade de Rodes: à esquerda, o Palácio do Governo, herança da ocupação italiana. À direita, o legendário Porto de Mandráki, que teria sido guardado pelo colosso de Rodes, na Antiguidade
- É muito fácil viajar pela Grécia. Antes de embarcar, ficava preocupada com a dificuldade de encontrar na internet informações sobre horários e itinerários de ônibus, disponibilidade de transporte marítimo em setembro e outras cositas essenciais para poder me deslocar de maneira independente pelo país. Bobagem.

Bastou chegar a Atenas, procurar o escritório oficial de turismo, ser super bem atendida e sair de lá com tudo que eu precisava saber: preços, duração das viagens, horários de partida e de retorno. Um beabá completo, que eles distribuem, já impresso e bem mastigadinho, inclusive com orientações de como chegar aos terminais rodoviários A (Sul e Peloponeso) e B (Norte) e ao Porto de Pireu.

Uma das coisas mais geniais que encontrei na Grécia foi a brilhante ideia de oferecer transporte público direto de Atenas, Nafplio e outras cidades para os sítios arqueológicos mais procurados. Para ver Micenas e Epidauros, por exemplo, basta pegar um ônibus da KTEL e descer em frente à bilheteria desses sítios, sem ter que aturar a chatice de ir até a cidade, descer na rodoviária e ficar camelando atrás de um táxi que leve até às ruínas, ou ter que recorrer às excursões.

A sábia providência poderia ser adotada no Brasil para facilitar as visitas às cidades históricas. Não faz muito tempo, tive um trabalho danado para conseguir  ver os Profetas de Aleijadinho, em Congonhas (MG). 

O Partenon, na Acrópole de Atenas, visto da Ágora Antiga
Nas ilhas, como Rodes, também é possível visitar praias e vilas distantes usando o transporte público, que tem saídas regulares. Basta pegar o folhetinho com os horários de ida e volta no escritório de turismo e se jogar. 

E nem é preciso morrer nos  €35 do táxi (preço tabelado e respeitado) entre o Aeroporto e o Centro de Atenas ou nos  €22 do Aeroporto à Cidade de Rodes. Basta pegar o ônibus, que custa  €5 e passa a cada 30 minutos, pontualmente.

As cores da Grécia, no caminho para a Ilha de Hidra
Outra boa notícia é que ônibus intermunicipais e ferries partem com pontualidade britânica. O ferry que peguei de Rodes para Sými parecia um transatlântico de luxo, comparado com os que fazem a ligação entre Salvador e Itaparica. Tinha até revista de bordo, feita numa qualidade tal que faz inveja a muita companhia aérea. 

Os ônibus são simples, sem banheiro a bordo, mas as poltronas dão de dez na dos aviões (sem falar que quem achar um buraco no asfalto das estradas é capaz de ganhar um prêmio...).

Mesmo para chegar a lugares mais "difíceis", como Monemvasia, que exigem algumas trocas de ônibus no meio do caminho, as informações são claras e precisas. Não tem chance de ninguém se sentir perdido, ainda que esteja numa rodoviária remota, cercada de camponeses que não falam nada de inglês.

Two and a Half Men legendado, na TV grega

- Eles realmente falam grego. Mas a gente se entende. O que contribui decisivamente para isso é a cordialidade quase desconcertante que reina por aqui.

Andando para baixo e para cima na Grécia, encontrei sempre solicitude e simpatia de gente que, mesmo não falando uma palavra de inglês, fazia a maior força para me compreender e se fazer entender, numa mímica paciente.

Essa atitude diante dos visitantes faz com que o idioma, por mais difícil que soe aos nossos ouvidos, deixe de ser uma barreira intransponível. Aliás, essa é uma grande notícia para quem anda sonhando com a Grécia e receia viajar de maneira independente, por estar mal no inglês: a maioria dos gregos que encontrei conhecia apenas rudimentos do idioma gringo, mas eles compensam isso com uma imensa boa vontade.

O forte Bourtzi, no meio do mar, visto das muralhas da Acronafplia, na linda cidade de Nafplio
Aprender a ler em grego ajuda um bocado. Antes de viajar, cuidei de ter alguma intimidade com o alfabeto grego. 

Apesar das placas que interessam aos turistas serem normalmente bilíngues (escritas também em inglês), a decisão acabou facilitando muito a minha vida nas cidades menores. Eu ficava toda feliz, cada vez que decifrava letreiros como φαρμακείο (farmácia), Εστιατόριο (restaurante) e Έξοδος (saída).

Só esqueci de aprender como se escreve "mulher" em grego. Mas não paguei nenhum mico tentando achar o banheiro feminino, porque consegui ler άνδρες ("andros" = homens) que, cá pra nós, não é uma palavra tão desconhecida. Daí, era só entrar na porta ao lado, rsss.

O antigo santuário de Delfos, centro espiritual da Grécia Clássica
Outra coisinha que ajudou muito foi o guia de conversação que ganhei de presente de meu amigo Cristiano Teixeira (tks, Cris!). Embora eu já soubesse o basicão obrigatório, tipo "bom dia", "obrigada" e "por favor" (graças a um cruzeiro de dez dias no navio grego Stella Solaris, lá se vão mais de duas décadas), tratei de dar uma reforçada no vocabulário.

Em todas as minhas viagens, faço questão de ter um repertório mínimo na língua local, principalmente por educação. Acho o fim da picada já chegar despejando inglês nas pessoas, como se elas tivessem obrigação de falar outra coisa que não seu próprio idioma.

O ancoradouro da Ilha de Spétses, dona das melhores praias do Arquipélago Argo-Sarônico
- Os preços na Grécia são muito mais camaradas do que na maioria dos países da Europa Ocidental. Janta-se bem em Atenas por €15 e um hotel confortável, a dois passos da Praça Syntagma, região das mais seguras da capital (e de onde se pode ir caminhando para as principais atrações da cidade) tem diárias de €50 num apartamento single.

Em Rodes, paguei €25 por diária num bom hotel, a 100 metros da praia, com quartos enormes e todas as comodidades. Os deslocamentos mais longos dentro do país podem ser feitos de avião, pela Aegean Airlines, eleita a melhor companhia regional da Europa, em 2012, pagando tarifas de empresa low cost, especialmente se o bilhete for comprado com antecedência.

A intrigante paisagem rochosa de Meteora, na Tessália

- Não há voos diretos do Brasil para a Grécia. Mas as conexões são espetaculares. Faz tempo que parei de reclamar de vôos com conexão. As opções para chegar a Atenas são Paris, Barcelona, Roma, Frankfurt...

Eu escolhi chegar por Istambul, que ainda não conhecia. O único defeito da escolha foi ter programado apenas quatro dias para a maravilhosa Istambul. Comprada com seis meses antes da viagem, a passagem custou US$ 1.300, que é quase a mesma coisa que acabo pagando quando marco bobeira e esqueço de comprar o bilhete com antecedência para passar o Natal com a família em Salvador.

Bom, agora que já respondi um monte de coisas sem você perguntar, permita-me uma questão, caro leitor: Tá fazendo o quê aí, que ainda não correu para a Grécia?

Atenas na Fragata Surprise
Hospedagem em Atenas
Dicas de transporte em Atenas e arredores
Como curtir Atenas
A Acrópole
O Museu da Acrópole 
A Ágora Antiga
O bairro de Thisio, um dos pedacinhos mais gostosos de Atenas
Cinema ao ar livre em Atenas (com vista para a Acrópole)
O Templo de Zeus Olímpico
Museu de Arqueologia de Atenas

E mais:
DelfosEpidaurosHidraLindosMeteoraMicenasMonemvasiaNafplioPanormitiRodes, SpétsesSými,  Termópilas


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

40 comentários:

  1. Estava ansiosa por estes posts da Grécia, já vi que vou amar! As fotos estão de babar :)

    ResponderExcluir
  2. Acredite, Nivia, as fotos são só um pálido registro desse país maravilhoso. Foi duro pegar o avião de volta...

    ResponderExcluir
  3. Adorei seu relato! Qual o nome dos hotéis que ficou na Grécia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigada!
      Em Atenas, recomendo o Arethusa. Em Rodes, fiquei no Parthenon e gostei muito. Em Náfplio, fiquei no Fylira, que é MUITO fofo.

      Excluir
    2. Em Monemvasia, fiquei no Petrino Guest House.

      Excluir
  4. adorei esse teu post!
    só tenho curiosidade em saber como foi ir sozinha pra istambul...
    ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bee, eu escrevi um post sobre isso, também. Tá publicado aqui na Fragata: http://www.fragatasurprise.com/2012/10/viajar-sozinha-istambul-sem-neuras.html

      Excluir
  5. Adorando seu blog!! =)
    Estou indo pra Grécia no final de agosto!Contando os minutos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Grécia é linda demais. Você vai amar, Vanessa. Aproveite bastante. Qto tempo vc vai ficar?

      Excluir
  6. Seus relatos de viagem são admiráveis! Amei suas palavras e dicas sobre a Grécia e elas me ajudaram muito a fazer e refazer o percurso da viagem que farei com uma amiga, em junho de 2014 (17 dias).Caso possa me ajudar: passaremos 3 dias inteiros em Creta e 3 dias inteiros em Rodes. No quarto dia em Rodes queremos ir a Éfeso de barco. Provavelmente será preciso ir a Samos para chegar a Éfeso. Você sabe me dizer se é factível este percurso? Em Samos ou mesmo no porto de Rodes há embarcação para Éfeso? Como chegar em Éfeso sem precisar ir a Istambul? Pelos mapas parece que Éfeso está na "cara" de Samos, do outro lado do mar. Agradeço. Valéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Val, acho bem difícil que vc consiga fazer um bate e volta a Éfeso a partir de Rodes. A Dodekanisos Seaways (http://www.12ne.gr/en/), que é a empresa que faz a rota entre as ilhas do Dodecaneso, não chega até Samos. De Rodes, com certeza, você consegue ir a Marmaris, na Costa Turca, e a Patmos.
      Uma dica que posso lhe dar: a Grécia é muito, muito linda, é um destino para infinitas viagens. Então, não se preocupe em ver todos os lugares que você colocou no topo da lista, pois isso pode representar uma correria, deslocamentos muito longos, que vão consumir boa parte do seu tempo por lá. Lembre que a Grécia está passando por uma tremenda crise e isso pode representar a redução das frequências de ônibus e barcos.
      Procure montar um roteiro factível, mesmo que vc deixe de ver alguns lugares inegociáveis (eu, por exemplo, não fui a Creta, a Ítaca ou Olímpia) e lembre que um bate e volta, para valer a pena, deve consumir no máximo três horas de ida e volta.
      Claro que nada disso é religião (eu fiz uma viagem de cinco horas na ida e mais cinco na volta para ver algumas pedrinhas das ruínas de Troia -- e até agora, acho que foi das coisas mais emocionantes da minha vida), mas se vc ficar muito tempo em deslocamentos, vai acabar cansada demais.
      Beijo e aproveite a viagem.

      Excluir
  7. Cyntia: uma outra pergunta, sem querer abusar!!!!! O interesse da minha viagem é conhecer sítios como Delos, por causa de sua importância histórica, e não as praias de Miconos. Entretanto, por Delos ser desabitada todas as possibilidades de roteiro me levam a Miconos. Você sabe se há passeios de Atenas a Delos, sem precisar ficar em Miconos? Tipo bate-volta "Atenas-Delos"?
    Valéria

    ResponderExcluir
  8. Val, eu não fui às Cíclades, então pesquisei bem pouco sobre elas. A lógica, porém, indica que vc terá que passar por Mykonos para chegar a Delos. Não creio que o bate e volta seja possível, pois de catamarã, que é o barco mais rápido, o trajeto do Pireu a Mykonos leva cerca de 3h30min. Se eu conseguir mais alguma informação, posto aqui pra você. Abs

    ResponderExcluir
  9. Obrigada por sua resposta. Consideramos melhor nosso roteiro a partir de sua dica e vamos deixar Éfeso para uma próxima viagem à Turquia. Realmente não dá para ir com muita sede ao pote, mesmo que ele seja uma urna ânfora grega para guardar um bom vinho. Resolvemos aumentar uns dias na nossa permanência na Grécia para poder visitar, sem correria, Delos. Afinal, é uma ilha divina e suas pedras assistiram os primeiros passinhos e peripécias de Apolo e Artemis. obrigada, Valéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belaza, Val! E depois vc me conta tudo sobre Delos, porque a ilha está no topo da minha lista. Bjs

      Excluir
  10. E lá vem que a Grécia ganha muitas posições na minha lista de lugares pra conhecer - sei que estou pertinho dela, mas quero desbravar outros continentes antes. Mas seu roteiro com certeza inspira o meu, como foi com Siena :)

    ResponderExcluir
  11. olá ,
    meu sonho é ir para grecia , mas tenho uma pergunta tem graca viajar sozinha para a grecia com dezenove anos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Taí uma pergunta bem difícil de responder. A graça da viagem vai depender muito de seu interesse pela Grécia, do qto vc curte a sua própria companhia e do seu grau de autonomia (não tem muita graça ficar se sentindo insegura). Tudo isso independe de idade, né?

      O que eu sei é que a Grécia é linda, amistosa e fascinante. E eu adorei cada minuto da minha viagem solo por lá. Mas eu gosto de viajar sozinha.
      Abs

      Excluir
  12. Oi Cynthia! Estou planejando uma viagem a Grécia para comemorar meus 18 anos. Estudo Filosofia e sou uma amante das praias, então o país sempre representou um sonho pra mim! a crise econômica por lá foi um empurrãozinho, já que torna a viagem mais barata. O problema é que esta seria minha primeira viagem internacional, eu iria sozinha, e não sei nada da lingua local (sou fluente em inglês, mas não sei se isso ajuda). Além disso, não sou do tipo que fecha pacote com agencia de viagens, não gosto de excursões, prefiro desbravar os lugares sozinha; no entanto, a minha pouca idade e o fato de não ter companhia pra viagem me deixam um pouco insegura. Gostaria de saber se vc pode me ajudar a arranjar uma forma de planejar minha viagem de modo que eu evite surpresas desagradáveis! pretendo visitar Atenas, Mykonos, Santorini e Creta, mas não quero me prender ao óbvio e nem gastar muito. meu aniversário é em junho e eu viajaria em julho, mas tambem não sei se essa é a melhor época para visitar o país. pode me ajudar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata,
      Julho é alta estação na Grécia, os preços sobem, os lugares ficam mais cheios e é bem quente. Mas ainda é melhor que agosto, segundo dizem todos :) Eu viajei em setembro e adorei o calorzinho na medida certa, as praias deliciosas, mas já mais tranquilas.
      Não fui a Mykonos, nem a Santorini ou Creta, mas creio que as indicações gerais que posso lhe passar valem também para essas localidade.
      Dá perfeitamente pra se virar em inglês, o país é muito seguro (tome cuidado apenas com batedores de carteira) e as pessoas são muito solícitas.
      Creio que em julho você não vai ter dificuldades de se enturmar com outros viajantes.
      abs

      Excluir
  13. Adorei ler esse post tao interesante, e conhecer a forma que uma Brasileira vê meu país (sou Grego....)
    So uma coisa... a palavra para homens é "άνδρες" em Grego mas a pronúncia é "andres" e nao "andros" (que é o noma de uma ilha....)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, προσκλητηρια γαμου, duas coisas no idioma grego me provocam temor reverencial. Uma é a pronúncia das vogais e a outra, ainda mais assustadora (rsss) é descobrir onde cai a sílaba tônica. Eu treinava bonitinho a pronúncia, ensaiava antes de perguntar "onde fica a rua KidathÍnaion", só pra ser corrigida: "KidathinÁion"...
      Bom saber que a pronúncia é "andres", mas mesmo pronunciado errado, a palavra me salvou de entrar no banheiro masculino. Aliás, como é "mulher" em grego?

      Excluir
  14. Ola Cynthia. O tema com a sílaba tônica é muito-muito facil! (uma "pavada" como dizem os irmaos urugashhhhhos...).

    O unico que voce tem que fazer e ler as palavras em Grego, porque a sílaba tônica sempre tem um ponto tônica acima.

    Por exemplo, a palavra "Kidathinaion" em Grego es "Κυδαθηναίων" e voce pode ver que o unico ponto tonico fica acima da silaba que a gente tem que acentuar!
    O mesmo com a palavra "andres", em Grego es "άντρες" entao a sílaba tônica é a primeira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oba, essa da sílaba tônica é uma dica preciosa!! Não vou esquecer mais :) valeu!

      Excluir
  15. Mt bom ....E afinal como é mulher em grego???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que pude apurar (risos), "mulher" em grego é γυναίκα (gynaíka).

      Excluir
  16. Ola Cynthia,
    tudo bom?
    estou simplesmente apaixonada pelos seus relatos de viagem, os mais completos que vi ate agora.
    A maioria dos posts so fala de mykonos, santorine e rhodes e estava atras de umas dicas diferentes.
    vou viajar para grecia em maio de 2016. chego dia 10 e fico ate dia 27. Parecia bastante tempo mas ja estou achando que nao vou conseguir fazer metade do que eu queria. Voce tem alguma recomendacao? como vc dividiria esses dias? atenas-mykonos e santorine nao podem faltar mas acho que cabe mais alguns destinos nao?
    obrigada
    Vanessa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vanessa, obrigada :)
      Essa viagem à Grécia foi mesmo muito especial.
      Você tem duas semanas na Grécia, é um tempinho bem razoável. Se vc quer uma sugestão, experimente a Argólida, no Peloponeso, que é fácil de chegar, tem atrações inacreditáveis de maravilhosas (Nafplio, Argos, micenas, Epidauros, Tirinto) bem próximas umas das outras. No caminho de Atenas pra lá, vc ainda pode fazer uma parada em Corinto.

      Abs

      Excluir
  17. Pretendo ir a Grécia em Setembro deste ano , um pouco insegura pois vou com meus dois filhos uma de 14 anos(aliás a viagem é presente de Aniversário ,faz 15 em Março e sempre me pediu esta viagem de presente,meu filho 18 anos e uma sobrinha de 19. pensei em passar 03 dias em Atenas e ficar próximo a esta praça Sytagma obedecendo sua sugestão, fica próximo a Ágora Antiga? qual bairro fica, pensei em ficar em Hostes mais baratos, pode me indicar algum? Este escritório oficial do turismo onde fica? Gostaria de mais uma pergunta sugestão dos melhores pontos turísticos de Atenas. Gostaria de conhecer pelo menos duas ou 3 ilhas Creta,Santorine e Myconos ela sonha com as casinhas brancas e teto azul....esta é a minha maior dúvida como estarei hospedada em Atenas continuo com a reserva? e vou para as ilhas? como faço o transporte para as ilhas , a saída é diária , preciso me hospedar nelas ou tem passeio de ida e volta? Ten noção dos preços dos barcos?Acha que consigo fazer este passeio em 07 ou 10 dias?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vá tranquila, você vai ver que a Grécia é muito cordial e segura. Setembro é um ótimo mês.
      Em 3 dias em Atenas (sem contar o dia da chegada), você vai conseguir tranquilamente ver as principais atrações: Acrópole, Ágora Antiga, Ágora Romana, Templo de Zeus Olimpico, e os bairros de Thision, Plaka e Monastiráki.
      A Praça de Syntagma fica bem perto de tudo isso. Eu andava muito a pé. Se cansar, dá para voltar de metrô.
      Consulte nos sites de reservas os preços dos hotéis da Rua Metropoleous e demais arredores de Syntagma. Os preços variam, podem pintar promoções... Tem um post aqui no blog com a avaliação dos dois hotéis que fiquei em Atenas >>
      O endereço e como chegar ao escritório de turismo está neste post, com as indicações de como chegar >>
      De Atenas há alguns passeios para ilhas próximas que saem de manhã e voltam à noite. Mas essas três ilhas que você cita (Creta, Santorini e Mykonos ) ficam bem mais distantes. Você pode ir de barco (e demora um bocadinho) ou de avião. Não dá para ir a nenhuma das três pra volta no mesmo dia. E acho bobagem ir num dia para voltar no outro. Escolha dias ilhas e estique a visita, pra relaxar, aproveitar a praia e as atrações locais.
      Aproveite a Grécia. É um país lindo e muito carinhoso com o visitante :)

      Excluir
  18. Oi Cyntia, estou pensando em ir pra Grécia em dezembro (eu sei...é inverno...mas é quando posso viajar). Enfim, vc acha q vale a viagem nessa época do ano? Ou as cidades estão mortas? Com relação à segurança, tudo bem viajar sozinha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Grécia é muito mais que praia, então, acho que você vai encontrar muita coisa bacana pra fazer por lá. Só é importante pesquisar os horários de abertura dos sítios arqueológicos e se programar direitinho.

      Se quiser fugir do frio, o Sul do Peloponeso (Monemvasia, por exemplo) é bem concorrido nessa época, pois é bem quentinho.

      Se quiser ir às ilhas, não conte com os ferries, que têm a frequência muito reduzida nessa época e podem ser completamente suspensos, de acordo com as condições do mar.

      Sobre segurança, eu achei a Grécia muitíssimo tranquila, como falei aqui neste post. Rodei pra baixo e pra cima sozinha, sem o mínimo sobressalto.

      Aproveite a viagem :)

      Excluir
  19. Adorei seu relato!! Estou indo só tbm daqui a 15 dias. Acha seguro ir só p Mikonos tbm? Obrigada!

    ResponderExcluir
  20. Olá Cyntia!

    Vou para a Grécia em setembro do ano que vem em lua de mel, e tenho um grande medo, porque tanto eu quanto minha noiva não sabemos falar inglês, você acha que e possível "se virar" ou acha que vamos ter muitas dificuldades?

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  21. Olá Cyntia!

    Vou para a Grécia em setembro do ano que vem em lua de mel, e tenho um grande medo, porque tanto eu quanto minha noiva não sabemos falar inglês, você acha que e possível "se virar" ou acha que vamos ter muitas dificuldades?

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Wemerson,
      Em quase um mês na Grécia, a única pessoa meio neurastênica que eu encontrei foi a senhorinha do escritório da KTel (a empresa estatal de ônibus) em Nafplio. Todos os outros gregos que cruzaram meu caminho eram de uma solicitude ímpar. Tem a ver com a cultura local, mas também com uma questão mais pragmática: a Grécia vive de turismo e a maioria das pessoas com quem vocês vão lidar vivem de turismo. Então, a disposição para se comunicar geralmente existe - e achei os gregos realmente muito delicados e atenciosos.

      Outro ponto importante é que, fora de Atenas, quase ninguém fala inglês de verdade. Então, não falar inglês deixa de ser um problema, porque, afinal, eles não entendem, também.

      Claro que falar inglês ajuda, mas não creio que seja um impeditivo pra vocês terem uma viagem linda.

      Anote endereços, nomes de hotel, etc, em letra de forma, bem legível. Muitas vezes, mostrar o papelzinho facilita muito na hora de pegar um táxi, pedir informações, etc.

      Para andar nas ruas, não tenha vergonha de usar o GoogleMaps, com aquela voz em português que vai mostrando o caminho. Eu ponho o celular no bolso, faço cara de normal e vou andando com aquele troço falando alto, rsss

      Aprenda algumas palavras chave em inglês e em grego e experimente aquele aplicativo que traduz frases (você fala em português, o aplicativo escreve no idioma que vc quiser).

      Tenho certeza que os gregos vão tratar voc~es muito bem, especialmente se perceberem que vcs estão com dificuldades.

      Excluir
  22. Oi Cyntia, tudo bem? Estou adorando aprender tanta coisa com você sobre a Grécia! Por gentileza, poderia me ajudar, explicando como faço a compra das passagens aproveitando a conexão para ficar uns dias na cidade? Estou programando de ir à Grécia em setembro de 2017, ficando uns 20 dias. Agradeço desde já! Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi, Cristine, não sei se entendo direito: seu destino final é a Grécia? Se for esse o caso, basta escolher uma companhia que faça a conexão pra lá (não há voos diretos do Brasil para o país).

      O avião para Rodes eu comprei separado (fui para Atenas pela Turkish e para Rodes pela Aegean). Os outros deslocamentos eu fiz de ônibus (para Nafplio e Monemvasia).

      Aproveite a Grécia

      Excluir
  23. Olá Cyntia, obrigada pelo excelente post sobre a Grécia, estou a pensar viajar até lá, uma vez que tenho descendência grega por parte do meu pai, ainda não sei o numero de dias que lá estarei, estas dicas foram ótimas dado que vu viajar sozinha e no inverno, fazer um pequeno cruzeiro pelas Ilhas de Hydra e visitar os meus ancestrais que não sei quem são levo nomes, etc... em principio ficarei em Atenas depois logo vejo, obrigada um beijinho para si

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que o post tá sendo útil, catarina :) Espero que vc aproveite muito a terra de seus antepassados. Não temnho muita certeza de que voc~e consiga fazer um cruzeiro no inverno, mas tem uma boa alternativa que é ir para o Sul do Peloponeso, que é mais quentinho :)

      Excluir