29 de setembro de 2016

Como aproveitar uma conexão: 8 horas em Madri

A Casa de la Villa, no Centro Histórico de Madri
Atualizado em fevereiro de 2017
Madri é uma das minhas cidades preferidas no planeta. Bonita, vibrante, cosmopolita, cheia de história, a capital espanhola tem atrações para todos os gostos, todos os bolsos e todas as estações do ano. Não é, portanto, um lugar pra a gente dar só uma passadinha.

Acontece que vez por outra a vida nos coloca diante das famosas conexões. Você quer ir para uma determinada cidade e a passagem mais em conta prevê uma troca de aeronaves com espera de hoooooras em algum aeroporto. Se esse aeroporto for Barajas e se você tiver mais de seis horas de intervalo, não reclame: aproveite pra saborear um pouquinho de Madri.

Sou adepta de fazer sempre do limão — a conexão — uma limonada. Mas alerto que é preciso um mínimo de organização para que esse passeio-bônus antes de seu destino final não vire uma dor de cabeça. Organizei neste post algumas dicas para facilitar essa escapadinha. Assim você aproveita algumas das muitas atrações de Madri sem estresse.

Se sua conexão for mais longa e você precisar de um hotel, dá uma olhada neste post:
Madri: dica de hospedagem próxima ao aeroporto de Barajas


O Paseo del Prado rende uma caminhada interessante 
Atenção ao tempo
Em primeiro lugar, lembre-se que aproveitar uma conexão é só um passeio breve. Não queira ver “ver tudo”. O Aeroporto de Barajas fica a 15 quilômetros do centro da cidade, um trajeto que o metrô, normalmente, cobre em cerca de 40 minutos. Para evitar sufoco, porém, calcule uma hora de deslocamento e não volte para o aeroporto em cima da hora do voo.

Lembre-se que metrôs atrasam, o trânsito pode enroscar por conta de algum imprevisto e as filas de embarque ou nos scanners de bagagem de mão podem estar longas. É sempre bom ter uma folga. Eu costumo estar de volta desses passeios entre voos duas horas antes da partida.

A Fonte das Cibeles, uma logomarca de Madri. Ao fundo, à esquerda, a Porta de Alcalá
O que fazer com a bagagem de mão
Se você estiver com bagagem de mão, é recomendável deixa-la em um locker no aeroporto. Barajas oferece dois postos de guarda-volumes, no Terminal 4 e no Terminal 1 (procure as placas indicativas das Oficinas de Consigna).

No Terminal 4 (T4), o guarda-volumes fica no piso 0, logo no saguão de desembarque (Llegadas).

No Terminal 1 (T1), você encontra o guarda-volumes no piso 0, em frente à Sala 2 de recolhimento de bagagens.

As consignas de Barajas cobram € 6 por volume, para armazenamento por até duas horas, e € 10 por peça para períodos de duas a 24 horas. Saiba mais aqui.

Ainda que a sua bagagem de mão seja uma inofensiva sacolinha, recomendo usar o guarda-volumes. A Linha 8 do metrô, que serve ao aeroporto, é muito visada pelos batedores de carteira, dada a grande frequência de turistas nos trens. Quanto menos coisas você estiver carregando, mais vai conseguir tomar conta de sua bolsa.

A Biblioteca Nacional, no Paseo de Recoletos
Como chegar ao centro
O melhor é pegar o metrô. Há duas estações dentro de Barajas, no Terminal 2 (mais cômoda, também, para quem desembarca nos terminais 1 e 3) e no Terminal 4. É fácil de achar, pois o aeroporto é muito bem sinalizado, apesar de enorme — aliás, mesmo que você não vá sair de lá, tenha em mente que passar por Barajas sempre significa andar pra caramba.

A linha de metrô que serve ao Aeroporto de Barajas vai até a Estação Nuevos Ministérios, em uma região mais moderna de Madri. Para seguir para o Centro a partir de lá, o metrô continua sendo a melhor alternativa. Para usar o metrô de e para o aeroporto é preciso pagar um suplemento de € 3, além do preço do bilhete. Sua passagem, portanto, vai custar entre € 4,50 (trajeto de até 5 estações) a € 6 (saiba mais aqui).

O metrô para o aeroporto funciona das seis da manhã às duas da madrugada.

O que fazer em algumas horas em Madri


O Santiago Bernabeu fica a 800 metros da estação final do metrô que vem do aeroporto
Conhecer o Estádio do Real Madri
A Estação Nuevos Ministérios, ponto final da linha 8 do metrô, que vem do aeroporto, fica a 800 metros do Estádio Santiago Bernabeu, do Real Madri (e de cara para uma loja do El Corte Inglés, famoso magazine espanhol que vende quase tudo).

Se você for fã de futebol, vai gostar de saber que o Estádio do Real Madri realiza visitas guiadas, com duração de 1h30min. Os ingressos custam € 20. Do aeroporto a Nuevos Ministérios o trajeto leva cerca de 25 minutos.

O relógio do edifício dos Correio, na Porta do Sol, celebrizou-se pelas 12 badaladas antes da chegada do Ano Novo, no Revellion  mais concorrido de Madri. À direita, a vitrine da confeitaria La Mallorquina
Visitar o coração de Madri
Em cerca de 40 minutos, com duas baldeações, você chega de metrô à Porta do Sol, coração do Centro Histórico de Madri. Se for essa sua opção, aproveite para provar os docinhos da confeitaria La Mallorquina, que fica nesta famosa praça madrilena e é um vício na minha vida.

Uma curta caminhada pela Calle Arenales até a Plaza del Oriente leva ao Palácio Real, debruçado sobre os lindos jardins do Campo del Moro.

Se quiser entrar no palácio, leve em conta que ver os salões oficiais do palácio, a Real Farmácia, a Real Armeria e a Galeria de Pinturas é programa que merece no mínimo duas horas. As visitas são realizadas diariamente, das 10h às 20 horas (no inverno, só até as 18h). Os ingressos custam € 11.

Plaza Mayor, meu lugar favorito em Madri
Meu lugar preferido no Centro de Madri é a Plaza Mayor e seus arredores. Acessada apenas por nove arcos e totalmente rodeada por belas construções seiscentistas, a praça é um símbolo do poder do Império Espanhol.

Dos mais de 200 balcões, a corte espanhola assistiu às grandes celebrações de triunfo e a muitos autos de fé da Inquisição. A sacada mais famosa é a da Casa de la Panadería, onde as rainhas de Espanha tinham seu camarote para apreciar os festejos.

Tem uma sugestão de roteiro pelo Centro Histórico de Madri neste post:
Madri: um passeio pelo Século de Ouro (e todas as atrações são grátis!)

E mais esses dois roteiros bacanas:
Madri: um passeio pelo Barrio de las Letras

Madri: da Praça de Espanha ao Palácio Real

Caminhar pelo centro Histórico de Madri é a certeza de encontrar um cenário encantador
Nos finais de ano, a Plaza Mayor ferve com o Mercadillo de Navidad (Mercado de Natal), uma profusão de barraquinhas vendendo fantasias, apitos e demais adereços para a Festa dos Santos Inocentes, que celebra os recém-nascidos assassinados por Herodes na Judeia, logo após o nascimento de Cristo. A data, 28 de dezembro, é celebrada como um Primeiro de Abril carnavalesco. Tirando as vuvuzelas, é uma festa adorável.


Um piquenique no Parque del Retiro
Também em 40 minutos (e três baldeações), é possível chegar ao belo Parque del Retiro, um conjunto delicioso de jardins muito procurado pelos madrilenhos nos meses mais quentinhos - desde o Século 17, quando foi inaugurado.

O Palácio de Cristal, no Parque do Retiro
Passear por suas alamedas adornadas por estátuas e fontes, relaxar à sombra ou até alugar um barquinho para remar no laguinho em frente ao Monumento de Afonso XII é sempre divertido.

Não deixe de ver o Palácio de Cristal, antiga estufa de plantas construída no Século 19. Hoje, o pavilhão exibe obras de arte contemporâneas, administrado pelo Centro de Artes Reina Sofia e tem entrada gratuita.

Mas a grande ideia é comprar queijinhos, frios e vinho no free shop do aeroporto (ou em alguma mercearia do Centro) e aproveitar o cenário bucólico do Retiro para um piquenique.

Dicas deste passeio: Domingo em Madri - o Rastro e o Retiro

Estátua de Felipe IV na Praça do Oriente, com o Palácio Real ao fundo. À direita, e Centro de Artes Reina Sofia, morada da Guernica 



Ir ver a Guernica
Não recomendo muito a visita a museus e monumentos nessas escapadinhas entre conexões, pois a ideia é apenas relaxar e curtir o astral da cidade. Mas uma visitinha pontual ao monumental quadro de Pablo Picasso, exposto no Centro de Artes Reina Sofia é uma exceção que merece ser considerada.

O Reina Sofia fica bem em frente à Estação de Trens de Atocha e cobra € 8 pelo ingresso. Fechado às terças feiras.

Para mais informações, veja este post:
Madri: três museus que valem a viagem


O Mercado de San Miguel tem frutos do mar tentadores, como as vieiras e navajas da foto à direita
Beliscar nos ótimos mercados da cidade
A uma caminhada confortável da Porta do Sol ou da Praça do Oriente, o Mercado de San Miguel é uma tentação. São 30 bancas de frios e embutidos, queijos, frutas, frutos do mar, carnes, pastelaria, doces, massas e outras especialidades para você provar na hora, em esquema de tapeo. Funciona diariamente das 10h à meia noite.

Para mais informações, veja este post:
Comer bem em Madri - Mercado de San Miguel e outros lugares bacanas no Centro da cidade


Se seu pit-stop em Madri calhar com a altíssima estação turística (férias de verão na Europa e o período entre o Natal e o Dia de Reis), aposto que o Mercado de San Miguel estará impossível de tão lotado. Duas boas alternativas são os mercados de San Anton, em Chueca, e de San Ildefonso, no vizinho bairro de Malasaña. Eles também são moderninhos, cheios de opções bacanas de beliscos ou refeições mais "sérias".

Você chega a ambos de metrô (a Estação Tribunal, na linha que vem direto de Nuevos Ministérios, fica bem próxima dos dois mercados).

Todas as dicas do Mercado de San Anton e do Mercado de San Ildefonso (e outros de Madri) estão neste post: Comer em Madri - a sedução dos mercados

Aproveite e descubra mais sobre a vizinhança dos dois mercados neste post:
Madri desencanada: Chueca e Malasaña



A Europa na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário