sábado, 12 de julho de 2014

Comer bem em Madri
Mercado de San Miguel e outros
lugares bacanas no Centro da cidade

Mercado de San Miguel: não tem como errar
Sim, eu amo os museus, o alto astral, o patrimônio e a história da capital espanhola. Mas eu preciso confessar que meu amor pela cidade não fica só no plano espiritual. Ele tem um lado voraz e voluptuoso: eu adoro comer em Madri. Minha última passagem pela cidade (na volta da Andaluzia, onde também comi como uma rainha) foi planejada para ser um breve e aconchegante reencontro, onde matar a saudade dos sabores que temperam meu encanto por Madri teria um papel fundamental.

Como eu tinha apenas um dia e meio por lá, resolvi não arriscar muitas novidades. Nessas situações, é bem melhor submergir no conforto gustativo de velhos amores culinários. E o quanto antes melhor: mal deixei a mala no hostal onde me hospedei (o Macarena, na Cava de San Miguel), saí voando para o quase vizinho Mercado de San Miguel, para devastar uma vasta variedade de de delícias. Não fotografei nem anotei tudo que comi — e não tenho certeza de que gostaria de confessar a integralidade da razia gulosa que fiz por lá :) — mas devo dizer que estava tudo genial.


Callos a la Madrileña e a vitrine de La Mallorquina:
 tem coisa melhor que reencontrar antigos amores?
Gostei demais do preparo dos ouriços, gratinados e servidos na "casquinha". As trouxinhas de bacalhau, feitas com uma  massa muito fininha e delicada, desmanchavam na boca. E amei descobrir as navajas, um tipo de marisco comprido, cujo casco realmente lembra uma navalha e tem dentro uma carninha muito branquinha, com um sabor bem parecido com as vieiras. Elas eram preparadas na hora, temperadas com sal e azeite e com gotinhas de limão (estas, só na hora de servir). Divinas!

O Mercado de San Miguel tem cerca de 30 bancas de frios e embutidos, queijos, frutas, frutos do mar, carnes, pastelaria, doces, massas e outras especialidades. Tem comida pronta (que você pode comprar para levar ou degustar na hora), mas acho que a grande graça é escolher os mariscos no balcão, observar o preparo e lavar a alma com os bichinhos recém saídos do fogo. Como estamos na Espanha, o ritual pode e deve ser acompanhado de uma taça de vinho ou de cava, ou de uma copita de jerez.

Navajas, ouriços e trouxinhas de bacalhau:
eu queria morar no Mercado de San Miguel
Terminei meu almoço tardio no Mercado por volta das 19 horas, horário bem adequado para ir comer a sobremesa em La Mallorquina, uma confeitaria que aprendi a amar desde a minha primeira passagem por Madri. A casa é uma instituição madrilenha, ocupando seu posto na esquina da Calle Mayor com a Porta do Sol desde o final do Século 19. Acho que esta foi a primeira vez que encontrei a Mallorquina sem uma multidão acotovelada em torno do balcão (e até tinha lugar para sentar no salão de chá, no primeiro andar). Fui lá pensando nas yemitas (um docinho de gemas enrolado como brigadeiro), mas os marrons-glacê da vitrine me fizeram ampliar o pedido. E quer saber: eles também fazem uns macarrons bem bacaninhas...

No dia seguinte, também ataquei de reencontro gastronômico, na hora do almoço. Também, quem resiste à vitrine da Casa Ferpal? Juro que só estava passando pela Calle Arenal a caminho do Monastério de las Descalzas Reales, mas aquela exibição explícita de defumados e queijos, à luz do dia e sem qualquer pudor, me fez lembrar de uns sanduichinhos de frutos do mar no pãozinho de miga e de tapeios madrileños recostada no balcão. Eu tinha dito hora do almoço, né? Mas eram só 11 e pouco da manhã, momento perfeito para lasquinhas de jamón pata negra com duas tacinhas de Cava. Nem preciso dizer que o convento, com seus rígidos horários de visitação, dançou...

Vitrine sedutora é isso...
Por fim, resolvi experimentar uma novidade. Na minha última noite em Madri, saí caminhando sem pressa pela vizinhança do hostal, cheia de restaurantes charmosinhos e de ótima cara (a vantagem de se hospedar em La Latina é que você não vai para a night. Você já está nela). Encontrei o La Antoñita, restaurante pequeno, aconchegante e com astralzinho jovem e descolado (os pratos são finalizados em um fogão que fica à vista do freguês, em um ambiente separado do salão apenas por um balcão. Parei para uma copa e para dar uma olhada no menu e, voilá!, eles serviam callos a la madrileña, um dos pratos mais castiços da cidade e que eu simplesmente adoro (quer dizer, mesmo quando busco novidade, os velhos afetos me encontram, rsss).

Os callos do La Antoñita vêm numa porçãozinha gourmet — talvez uma tentativa de refinar a dobradinha à moda de Madri —, mas estavam deliciosos. Acho que eu teria repetido :) Um prato simples e popular, duas taças de vinho... Acho que eu não conseguiria pensar em um jeito mais aconchegante de me despedir de uma das minhas cidades mais queridas.

É assim que a gente escolhe os bichinhos no mercado
Mercado de San Miguel - Plaza de San Miguel s/n, a uma quadra da Calle Mayor. A estação de Metrô mais próxima é Ópera, mas Puerta del Sol também ficam a uma distância confortável. Aberto diariamente. Às segundas, terças, quartas e domingos, funciona das 10h à meia noite. Nas quintas, sextas e sábados a farra mais vai longe: fecha às duas da manhã. 

La Mallorquina – Calle Mayor nº 2, na Puerta del Sol. Aberta diariamente, das 9h às 21:15h.

Ferpal - Calle de Arenal n° 7. A casa é uma mercearia elegante, ótima para se experimentar especialidades espanholas diretamente no balcão, acompanhadas de vinho. Experimente os sanduíches de miga com recheios variados (os de frutos do mar são inesquecíveis).Tem um restaurante sempre lotado, no primeiro andar.

La Antoñita – Cava Baja nº 14, La Latina. Este restaurante se apresenta como o lugar para provar uma “divertida cocina de mercado” e funciona no térreo de um hotel boutique, a Posada del Dragón. Tem atendimento muito simpático, ambiente agradável e preços bem razoáveis. Gostei muito!

O interior do Mercado de San Miguel
Mais sobre Madri
Dicas gerais
Hospedagem em Madri – o animado bairro de Chueca
Excelente destino pra quem viaja sozinha
Comida madrilenha: callos e outras delícias
Como aproveitar uma conexão: 8 horas em Madri
A noite de Madri: farra para todas as idades
Dica de hospedagem próxima ao aeroporto de Barajas
Passeios e atrações
Madri desencanada: Chueca e Malasaña
Domingo em Madri: o Rastro e o Retiro
Roteiro em Madri: da Praça de Espanha ao Palácio Real
Passeio pelo Barrio de las Letras
Um passeio pelo Século de Ouro (e todas as atrações são grátis!)
Roteiros literários: a Madri dos Áustrias 
Três museus que valem a viagem
Do Natal à Festa de Reis: o animadíssimo fim de ano em Madri
Ano Novo em Madri: como é a festa na Porta do Sol

A Espanha na Fragata Surprise
Andaluzia: CádisCórdobaGranadaRonda e Sevilha

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Eu eu por aqui,comendo arroz,feijão, batata frita e ovo, como bom carioca.

    Fazer o que não é?

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, arroz, feijão, batata frita e ovo também são deliciosos :)

      Excluir