quinta-feira, 25 de maio de 2017

Cidade do México - Museu Soumaya

A abusadíssima arquitetura do Museu Soumaya, em Polanco
No luxuoso bairro de Polanco, famoso pelo comércio exclusivo, hotéis refinados e restaurantes badalados, fica o Museu Soumaya, uma extravagância arquitetônica construída pelo multimilionário Carlos Slim para abrigar sua coleção de arte. Apesar de um certo ar de ostentação, sua pinacoteca merece a visita.


Botticelli logo na chegada

Arte sacra mexicana do Século 18
Uma das coleções reúne obras grandes mestres da pintura europeia dos séculos 15 ao 18 e já recebe o visitante com uma saraivada de quatro obras de Sandro Botticelli, logo na entrada. A sequência tem El Greco, Zurbarán, Tintoretto, Bruegel e Rubens, só para citar alguns.

Preste atenção às obras de Artemísia Gentileschi, discípula de Caravaggio que, graças a uma abordagem mais feminista, vem sendo redescoberta para a história da arte — vi a exposição de Artemísia em Roma, agora em janeiro, e saí encantada por um talento que só não é mais badalado porque a artista foi uma mulher.

Uma Última Ceia barroca e La Dolorosa, do mexicano Cristóbal de Villalpando, do Século 17
Cristo esculpido em marfim. Arte filipina do Século 18
Essa sessão também é uma boa oportunidade de para conhecer a arte produzida no México (ou em Nueva España, como se dizia então) no tempo da colônia.

Outra coleção que merece um olhar atento é chamada Impressionismo e Vanguardas, com obras de Renoir, Degas, Monet, Cézanne e Van Gogh. O Modernismo está bem representado por Chagall, Dali, Matisse e companhia. O México do Século 20 tem Diego Rivera, José Clemente Orozco e David Alfaro Siqueiros — três caras que galgaram o topo da minha lista de xodós.

Obras de muralistas mexicanos 

Um andar inteiro dedicado a Rodin e seus discípulos. À direita, um Cristo Crucificado de El Greco
No sexto e último pavimento está uma sessão inteira dedicada ao escultor francês Auguste Rodin e seus discípulos. Novamente, quem chama a atenção aqui é uma mulher, Camille Claudel, uma grandíssima artista que o mundo prefere lembrar como a apaixonada por Rodin — depois de dar algumas voltas em torno do casal enlaçado na escultura A Valsa, é impossível não reconhecer o brilho dessa mulher...

A Valsa, de Camille Claudel
Se você curte artes decorativas, certamente vai adorar a coleção de peças asiáticas, especialmente as delicadas esculturas de marfim que ocupam um andar inteiro do museu. 

Museu Soumaya
Plaza Carso, Boulevard Cervantes Saavedra, esquina com Presa Falcón, Ampliación Granada. Diariamente, das 10:30h às 18:30h. Entrada gratuita.


Mais sobre esta viagem
Miami: como aproveitar uma conexão


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 

Nenhum comentário:

Postar um comentário