4 de maio de 2018

Machu Picchu - como organizar a viagem com as novas regras de visitação

Uma beleza que não cansa: já fui quatro vezes e quero voltar 
Não conheço um único viajante que não sonhe ir a Machu Picchu. A cidade sagrada dos incas exerce um imenso fascínio, tanto por sua beleza quanto pelas questões ainda não completamente respondidas sobre sua origem, utilização e abandono. Estive lá pela 4ª vez, agora em fevereiro, e não consigo jurar que esta tenha sido a última visita.

Machu Picchu não muda. O que avançou muito, desde minha primeira visita, em 2002, foi o conhecimento sobre sua história, ocupação e significado para a cultura inca. 

O Templo Las Tres Ventanas (três janelas), um dos famosos mirantes para a cidade sagrada dos incas
O manejo turístico da cidadela também sofreu alterações radicais. Felizmente, o Peru compreende o tesouro que tem em seu território e está sempre aperfeiçoando regras de visitação que assegurem a preservação do sítio arqueológico.

Machu Picchu encanta pelo conjunto e pelos detalhes
Mas cada mudança, é um alvoroço na viajosfera, com mil dúvidas surgindo sobre o que pode e o que não pode em Machu Picchu. Para tranquilizar seu coração, já aviso que as novas regras de visitação do santuário inca não são nenhum bicho de sete cabeças.

Neste post, organizei informações práticas fresquinhas sobre a visita a Machu Picchu, coletadas em fevereiro de 2018. É a minha contribuição para que você também realize o sonho de descobrir a cidade perdida dos incas, uma das sete maravilhas do mundo e atração imperdível dessa nossa apaixonante América do Sul. Veja as dicas:

Quanto custa ir a Machu Picchu
Se você for e voltar nos trens mais baratos, vai gastar entre US$ 120 para chegar a Águas Calientes. O ingresso para um adulto estrangeiro custa US$ 70. Some aí um pernoite (mínimo de US$ 50 em acomodações espartanas) e mais US$ 24 pela passagem do ônibus para subir de Águas Calientes às ruínas e já temos um gasto de US$ 264. Com as refeições, reserve US$ 300 para essa aventura - será uma grana muito bem gasta.

É melhor dormir em Águas Calientes, Ollantaytambo ou fazer bate e volta de Cusco? Já testei as três opções e comento neste post: Machu Picchu - onde pernoitar

Como chegar a Machu Picchu 

 Machu Picchu: as novas regras de visitação
Inauguradas em 1º de julho de 2017, as novas regras de visitação à cidade sagrada dos incas deram um nó na cabeça de muita gente que estava planejando a viagem pra lá. Mas o diabo é muito menos feio do que foi pintado inicialmente. Veja o que mudou — e quanto:

Limite de visitantes
Continua valendo o limite estabelecido desde 2013: só 2.500 felizardos entram em Machu Picchu por dia.

Trilha Inca
O caminho inca a Machu Picchu também tem restrição no número de viajantes, 500 pessoas por dia.


Machu Picchu e Waynapicchu (a "Montanha Velha), à direita
Organize seuroteiro na cidadela: O que ver em Machu Picchu

Turnos de visita
Essa foi a mudança que “pegou” mais. Desde o ano passado, os visitantes são divididos em dois turnos. O primeiro, vai das 6h ao meio-dia. O segundo, do meio-dia às 17h30.

Nós compramos ingresso para o turno da tarde e entramos em Machu Picchu por volta das 11:50h. Ninguém encrencou com nossos 10 minutinhos de antecedência — mas não sei o que aconteceria se tentássemos entrar antes.

Não há muito controle sobre o pessoal que entra de manhã e permanece até depois do meio-dia — não há “evacuação” para a entrada da nova turma.


Visita a Waynapicchu
A montanha que fica em frente à cidadela agora também tem dois turnos de entrada, o primeiro entre 7h e 8h e o segundo entre 10h 11h.

Isso não quer dizer que você será obrigada a escalar Waynapicchu entre 7h e 8h da manhã e descer correndo. Apenas que, se o seu ingresso estiver marcado para esse horário, é nesse intervalo que você terá que se apresentar no portão de acesso à trilha e começar a subida.

Apenas 400 ingressos por horário de subida serão vendidos para cada dia.

Independentemente do seu horário de início da trilha a Waynapicchu, o horário limite para evacuação da montanha é às 15 horas, quando o portão de acesso à trilha e fechado e os guardas do parque vão embora.

A moldura das montanhas é quase tão impressionante quanto a cidade dos incas. A direita, o Templo do Sol 
Proibição de reentrada
Pelo que está escrito no regulamento, não é possível sair e retornar ao sítio arqueológico. Entretanto, essa é uma regra que não parece ter “pegado”. Se seu ingresso ainda estiver “válido”, os porteiros não encrencam com as reentradas. 

(Eu perguntei, pra o caso de um desejo incontrolável de fumar ou fazer xixi me obrigar a uma escapada — não há banheiros no interior da cidadela e fumar é crime hediondo lá dentro, passível de expulsão sumária).

Isso quer dizer que se você tem ingresso para o turno da manhã, der uma saída e quiser retornar antes do meio-dia, é bem possível que não tenha problemas (mas pergunte antes a um funcionário dentro do sítio, tá?). O pessoal que tem ingresso para o turno da tarde também poderia sair e retornar dentro da validade do ingresso.

Mas, claro, é bom sempre perguntar. Vai que a lei pega e você dança...

A zona residencial de Machu Picchu
Obrigatoriedade de acompanhamento por guia
Outra norma que, em fevereiro/ 2018, ainda estava “flexibilizada”. Chegamos e entramos direto, sem guia e sem perguntas sobre o tema na portaria.

Segundo o regulamento, as visitas só poderiam ser feitas com acompanhamento de guias, que podem ser contratados na hora (tem muita gente oferecendo o serviço na entrada de Machu Picchu e os preços são “a combinar”).

Esses guias podem ser particulares ou para um grupo formado ali, na hora (mas com limite máximo de 16 pessoas).

Dá para distinguir o uso de cada construção pelo acabamento das paredes. Quando mais regulares e bem lavradas são as pedras, mais "chique" era o edifício
Restrições à bagagem
Faz muito tempo que é proibido entrar em Machu Picchu com bagagem pesando mais que 20 kg. As novas regras agora são explícitas também em relação às dimensões dessas mochilas: nada que exceda os 40cm x 35cm x 20cm. Há um guarda volumes disponível próximo à portaria da cidadela. 

As novas resoluções do Ministério da Cultura Peruano também ampliaram restrições ao conteúdo da bagagem. Estão banidos os paus de selfie, tripés, qualquer tipo de comida ou bebida (exceto água - mas prefira levar um squeeze), guarda-chuvas, aerosóis, instrumentos musicais, megafones, e bastões de caminhada sem proteção de borracha na ponta, entre outros.

A realidade: ninguém pediu pra revistar nossas mochilas. Vi muita gente usando bastões de caminhada sem borracha e guarda-chuvas (pegamos um toró bíblico no começo da visita). Tamancos e sapatos de sola dura não são permitidos. Carrinhos de bebê também não (mas eu fico imaginando quem seria louco de tentar empurrar um carrinho de bebê naquele sobe e desce 😊).

O Templo do Sol (esq) e um conjunto de construções na entrada da cidade, provavelmente usado como alojamento da guarda
Condições de ingresso a Machu Picchu
Além de seu ingresso impresso, você deverá apresentar seu passaporte ou RG (se foi esse documento que você apresentou como identificação na hora da compra do bilhete pelo site ou presencialmente). Quem tiver ingresso de estudante não pode esquecer a identidade estudantil.

Por via das dúvidas, leve o cartão de crédito usado na compra do ingresso (para caso de aquisições pela internet).

Circuitos demarcados
A nova resolução do Ministério da Cultura do Peru fala em três circuitos pré-estabelecidos na visita a Machu Picchu. São como trilhas demarcadas, em regime de “mão única”, para garantir o fluxo dos visitantes, evitando aglomeração em espaços estreitos e que grupos caminhando em sentido contrário se embolem pelo caminho.

Os terraços de cultivo permitiam o aproveitamento das encostas para o plantio de alimentos e também tinham a função de sustentação e drenagem do solo. Essa foto é de 2010. Pelas novas regras, essa moleza de sentar na grama é apenas uma memória
A "mão única" está funcionando. Constatei isso quando tentei mudar minha rota para subir até a Inthuatana (a pedra de amarrar o sol, no ponto mais alto da cidadela) e um guarda-parque me alertou que eu estava “na contramão”. No fim, como não vinha ninguém em sentido contrário, ele autorizou minha “subida irregular”.

A regra torna obrigatória a escolha de um dos três circuitos na hora da compra do ingresso, mas, na prática, não há fiscalização sobre isso—nem me perguntaram qual a minha opção quando adquiri o ingresso.

Por via das dúvidas, escolha o Circuito 1, que é o mais abrangente, contorna toda a cidade, subindo à parte mais alta e depois baixando à área agrícola e terraços de cultivo. A duração estimada dessa caminhada é de 3 horas.

O Circuito 2 explora a parte inferior das ruínas e dura cerca de 2h30. O Circuito 3 é o mais curto, sem muitas subidas e descidas e dura em torno de 2 horas.

As lhamas passeiam à vontade em Machu Picchu
Melhor época para visitar Machu Picchu
O ideal é ir durante a temporada mais seca, de maio a setembro. Mas lembre-se que Machu Picchu está na zona de transição entre a Cordilheira dos Andes e a Selva Tropical, portanto, prepare-se para encontrar muita névoa e clima úmido o ano inteiro—e não espere garantia 100% contra chuvas em nenhum período.

Entre maio e setembro também é alta temporada, o que significa mais gente disputando a paisagem com você, preços mais altos e a necessidade mais premente de comprar passagens de trem e ingressos com mais antecedência.

Junho, julho e agosto são os meses mais concorridos. Quanto mais perto do Inti Raymi (a Festa do Sol, em 24 de junho), mais lotadas estarão Cusco, as cidades do Vale Sagrado e, claro, Machu Picchu. A celebração, entretanto, é muito legal e, se você tiver chance de estar por lá nesse período, vai valer a pena encarar a muvuca.

Eu visitei Machu Picchu em um final de março de (2002, alguma chuva), no período do Inti Raymi (junho de 2003, com sol lindo), novembro (em 2010, com chuva) e em fevereiro de 2018 (muita chuva). Amei todas as visitas. 

Aliás, fevereiro seria o principal mês a evitar, por ser o mais chuvoso— geralmente, a Trilha Inca é fechada nesse período. Mas foi uma viagem adorável.



O ingresso a Machu Picchu
Quanto custa
O ingresso para visitar apenas Machu Picchu custa US$ 70 (adultos estrangeiros). A carteira de estudante brasileira (oficial) dá direito a um bom desconto: o ingresso sai a US$ 41 - mas lembre-se que o documento estudantil terá que ser apresentado, junto com o passaporte, tanto na hora de comprar quanto na portaria do sítio arqueológico, no dia da visita.

Para combinar a visita a Machu Picchu com a subida à montanha de Waynapicchu, o preço é de US$ 86 (estudantes pagam US$ 57).



Como comprar ingressos a Machu Picchu
O site oficial para a compra de ingressos a Machu Picchu é o http://www.machupicchu.gob.pe/. Aviso que o funcionamento é bem chato.

Para fazer o pagamento no site, é preciso certificar o seu cartão de crédito no sistema Verified by Visa e, mesmo assim, a operação pode falhar. Cheguei a pedir socorro a Natália Soares, do Sundaycooks, que é expert no tema. Nem assim. Então, perdi a paciência, depois da décima tentativa, e resolvi deixar para comprar quando chegasse ao Peru.

Sim, porque embora os organismos de turismo peruanos anunciem que "os ingressos só podem ser adquiridos pela internet", a história não é beeeeeem assim. É perfeitamente possível  comprar ingressos para Machu Picchu no bom e velho "modo analógico", de corpo presente, nos escritórios do Ministério da Cultura do Peru e em agências do Banco de la Nación.


Lhaminhas fofas pastando em Machu Picchu e, à direita, o Rio Urubamba em Águas Calientes
Em Cusco, os três postos de venda de ingressos a Machu Picchu mais fáceis de achar são:

. Dirección Regional de Cultura de Cusco
Avenida La Cultura, nº 238, perto da Estação Ferroviária de Wanchaq e dos terminais de ônibus intermunicipais. É um pouquinho contramão para quem está hospedado no Centro Histórico. Funciona de segunda a sexta, das 7:15h às 18:30h.

. Posto da DirCetur no Kusicancha
(Não confunda com o Qorikancha). Calle Mauri s/n, Centro Histórico.

. Casa Garcilaso
Calle Garcilaso s/n, ao lado do Museu Histórico Regional de Cusco. Fica pertinho da Plaza del Regocijo. Foi lá que comprei meus ingressos, agora, em fevereiro de 2018. Peguei cerca de 30 minutos de fila. Aceitam cartão de crédito ou soles. Dólar, não. 


Minha terceira vez em Machu Picchu, com minha camiseta da sorte (capa do LP dos Sex Pistols). À direita, minha irmã, Simone
Precisa comprar o ingresso com antecedência?
Faça o que eu digo, não faça o que eu faço 😁. Deixar para comprar o ingresso a Machu Picchu em cima da hora, já em Cusco, é prerrogativa que só quem visita a região em baixíssima temporada (como é o caso do mês de fevereiro, época da nossa viagem).

Como você já sabe, o limite de visitantes em Machu Picchu é de 2.500 pessoas por dia. Para subir a Waynapicchu, o limite é de 400 pessoas por horário de subida. Fora da baixa temporada, é melhor prevenir (comprar antes) do que remediar.

Se você vai de trem para Águas Calientes (que agora é chamada de Machu Picchu Pueblo), só compre as passagens depois de comprar seu ingresso.

Dicas pra ir ao santuário dos incas? Aqui: como chegar a Machu Picchu

Para explorar e compreender Machu Picchu,
um mapa é fundamental - não estranhe a minha calça colorida. Ela é a representação da Whipala, a bandeira indígena boliviana
 😎

Onde comer em Machu Picchu
Dentro do sítio arqueológico é proibidíssimo comer ou mesmo ingressar com comida, embora eu tenha visto uma galera driblando essa proibição e fazendo um lanchinho atraás da Rocha Sagrada, em frente ao portão da trilha para Waynapicchu.

Mas convém levar algumas frutas e sanduíches, para antes ou depois da visita (deixe seu farnel no guarda volumes, se for comê-lo após o passeio).

O cachorro quente e a empanada estavam muito bons
Se não der tempo de preparar o piquenique, tenho uma boa notícia: lanchonete que fica ao lado da portaria de Machu Picchu melhorou muitíssimo. Agora se chama Mapi Snack Bar, tem mesinhas com vista para as montanhas, a comida está muito mais gostosa e os preços não chegam a apavorar ninguém. Tem boa variedade de sanduíches, empanadas, pizzas, bebidas quentes e frias e até cerveja e pisco. Não anotei muitos preços, mas gastamos cerca de US$ 10 por cabeça para lanchar.

O Mapi Snack Bar funciona das 9:30h às 15:30.

A outra opção é pagar US$ 40 no bufet do Restaurante Tinkuy, no luxuoso Belmond Sanctuary Lodge, hotel integrado às ruínas.

Por fim, um pedido: trate bem de Machu Picchu
O sítio arqueológico mais famoso das Américas é também uma das dez atrações turísticas mais ameaçadas do planeta. O risco não se deve a pressões ambientais, como na Grande Barreira de Corais da Austrália, ou a guerras ou a descasos. O que ameaça matar Machu Picchu é a presença diária e massiva de turistas.

Apesar da limitação ao número de visitantes por dia e uma série de restrições estabelecidas a pressão ainda é enorme. Faça sua parte, portanto. Obedeça as regras, carregue seu lixo com você e ajude a preservar Machu Picchu para a os próximos viajantes.

O Peru na Fragata Surprise
Peru: roteiro de 10 dias com Lima, Cusco e Machu Picchu
Peru e Bolívia – roteiro de La Paz a Machu Picchu


Minha vida com Gastón (Acúrio) – as aventuras da Fragata nos restaurantes do chef-celebridade 

Cusco
Lima

Ollantaytambo
Puno
Andahuaylillas, Pukará e Raqchi
Vale do Urubamba (Písac, Ollantaytambo e Chinchero)

Todas as dicas de Machu Picch
O que ver em Machu Picchu
Machu Picchu: onde pernoitar
Como chegar a Machu Picchu
Machu Picchu: aniversário nas nuvens


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário