terça-feira, 16 de novembro de 2010

Peru e Bolívia:
Roteiro de La Paz a Machu Picchu

É impossível cansar de ver Machu Picchu
É possível sentir ainda alguma grande emoção, numa terceira visita a Machu Picchu? Era isso que eu vinha me perguntando, desde que comecei organizar esta viagem aos Andes. Meu plano original era ficar apenas na Bolívia, um país que eu queria muito explorar e do qual, até então, só conhecia as perigosas áreas de fronteira, que visitei como repórter. 

Mas o “projeto Andes 2010” acabou ganhando a adesão da minha irmã, Simone Campos, e da minha amiga Marusia Andrade, que ainda não tinham andado por essas bandas. 

O roteiro, portanto, foi adaptado para contemplar o que todo mundo mais quer ver naquelas altitudes: Machu Picchu, a cidade-santuário dos Incas, e a capital do império, a esplendorosa Cusco. Minha conclusão é que é impossível cansar de ver esses dois lugares maravilhosos.


Clicando nos ícones você encontra os links para os posts referentes a cada trecho da viagem:



Nossa viagem começou com um bônus. De Guarulhos a La Paz, fizemos uma parada de 10 horas em Lima, cidade que adoro, o que me permitiu um gostoso reencontro com a capital peruana e às meninas uma visão geral do Centro Histórico e de Miraflores.

A Plaza Mayor, no Centro Histórico de Lima
Deu tempo até para visitarmos o Sítio Arqueológico de Pachacamac, a 30 km da cidade, importante centro religioso e administrativo da Cultura Wari, que dominou a região antes dos Incas.

Nossas 10 horas em Lima
Meus motivos para amar a cidade
O que fazer na capital peruana
Onde comer em Lima
Visita ao Sítio Arqueológico de Pachacamac


O sítio arqueológico de Pachacamac, a 30 km de Lima
Claro que toda essa movimentação em Lima só foi possível porque contratamos um tour privado. O trânsito da cidade melhorou muito, desde a última vez (2003) que tinha estado lá, mas ainda é bem pesado. A empresa nos recebeu no aeroporto, com uma van, e nos devolveu com tempo de sobra para pegar a conexão para La Paz

A capital boliviana foi uma surpresa pra mim. Eu imaginava usar a cidade como base para visitar Tiwanaku, que já foi a capital de um vasto império que deixou vestígios até o Sul do atual Brasil. 

Mas a La Paz que encontrei merece muito mais do que uma passadinha. É uma cidade instigante, forte, com um horizonte belíssimo e um respeito imenso às tradições andinas. Ficamos só três noites na cidade (o que rendeu apenas um dia inteiro para andar por lá) e fui embora cheia de planos para voltar.


Detalhe da Igreja de San Francisco, em La Paz
Nossa passagem por La Paz
Dicas para curtir uma cidade surpreendente
A colina dos namorados


O bate e volta a Tiwanaku, que fizemos a partir de La Paz, superou todas as minhas expectativas. Primeiro, porque o lugar é realmente fascinante.

Estima-se que apenas cerca de 8% da antiga capital Tiwanacota já tenha sido escavada pelos arqueólogos, mas só esse pedacinho já dá uma boa ideia do poderio desse povo, senhor do Altiplano Andino antes dos Incas. Segundo, porque poucas vezes na vida vi uma paisagem tão bonita quanto a  do Altiplano. Recomendo demais essa viagem!

A paisagem do Altiplano
Bate e volta a Tiwanaku


Nos despedimos de La Paz na manhã do quarto dia, rumo ao Lago Titicaca, para visitar a Ilha do Sol. Voltamos a rodar pelas estradas do Altiplano até o Estreito de Tikina, onde fizemos uma curta travessia para Copacabana. Depois de uma visita rápida à cidade (não deixe de ver a Basílica da Candelária), pegamos a lancha para a Ilha do Sol, um dos lugares mais bonitos que já vi na vida. 

O amanhecer na Ilha do Sol
Nossa passagem pelo Titicaca Boliviano

Depois do pernoite na Ilha do Sol (vale muito a pena!!), retornamos a Copacabana e, de lá, pegamos o ônibus até fronteira peruana, que cruzamos a pé e sem problemas (muitos viajantes reclamam da implicância dos oficiais da Imigração Peruana, mas conosco foi tudo tranquilo) em Yunguyo, de onde seguimos em outro ônibus até Puno, às margens do Titicaca Peruano.

A passagem por lá foi bem corrida, só o tempo de visitar as ilhas flutuantes dos Uros e já pegar o ônibus para Cusco, na manhã seguinte.

Chegada às ilhas flutuantes dos Uros, em Puno
Nossa passagem por Puno

Achei bem interessante a experiência no ônibus turístico que faz o trajeto entre Puno e Cusco. A viagem de quase dez horas (o ônibus comum faz em cerca de seis) é tão demorada quanto a por via férrea, com a vantagem de que custa só 10% do que  é cobrado pela passagem de trem.

Melhor que o preço são as paradas no caminho, para visitar o Museu Lítico da cidade de Pucará (famosa por seu artesanato), o Mirante de La Raya (4.100 metros de altitude), o Templo de Wiracocha, em Raqchi, e a cidade de Andahuaylillas, que tem uma linda igreja coberta de pinturas andinas e reivindica o título de "Sistina das Américas".

O Templo de Wiracocha, em Raqchi
De Puno a Cusco 
Como é a viagem no ônibus turístico

Ficamos cinco noites em Cusco, que é o tempo mínimo para ver todas as maravilhas dessa cidade, que considero uma das mais fascinantes do planeta. Eu, que já tinha estado outras duas vezes por lá e andado bastante pela cidade, consegui me surpreender com vários lugares que ainda não tinha visitado.

Para as meninas, que estavam indo pela primeira vez, acho que o tempo foi curto, pois "roubamos" um desses dias para ir ao Vale do Urubamba (o Vale Sagrado dos Incas) e outro para ir a Machu Picchu — desta vez, decidimos não pernoitar em Águas Calientes e fizemos a viagem como um bate e volta.

Detalhe de uma fachada em Cusco
Nossa passagem por Cusco
O que fazer em Cusco
A força da Cultura Quéchua
A impressionante arquitetura inca
Onde comer em Cusco

Bate e volta: um dia no Vale Sagrado dos Incas


Machu Picchu
Dicas práticas para visitar o mais famoso sítio arqueológico das Américas

Espero que esse roteirinho seja útil para você planejar a sua viagem. Aproveite e dê uma olhada nos posts sobre as minhas passagens anteriores por Cusco e Machu Picchu:

Inti Raymi, a Festa do Sol
Minha primeira visita a Machu Picchu
Dicas práticas sobre Cusco
Programaço em Cusco: passeio a cavalo pelas  montanhas

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário