domingo, 25 de agosto de 2013

Sul da Inglaterra:
Um passeio a pé em Winchester

Jardins às margens do River Walk, em Winchester:
cenário pré-rafaelita
Pequena (cerca de 50 mil habitantes) e com um relevo dos mais camaradas, Winchester é perfeita para ser desvendada a pé. A cidade é tooooda bonita, florida e pontilhada por monumentos históricos das mais diversas épocas. Por onde a gente ande, encontra muita coisa para se encantar.

Para aproveitar melhor as caminhadas, vale seguir os os roteiros sugeridos pelo escritório de turismo local, que distribui folhetos muito bem explicadinhos sobre os percursos, com mapas e informações sobre a importância histórica de cada ponto do caminho. Dependendo do ritmo do visitante, os roteiros podem ser feitos em cerca de duas horas.

Os jardins da Abbey House, meu ponto de partida
É um jeito bem bacana de descobrir alguns cantinhos especiais da cidade e de ver monumentos espetaculares, como o Saint Cross Hospital, as ruínas do castelo de Wolvesey e o Great Hall (com a Távola Redonda), compreendendo seu contexto histórico, seu papel na vida da cidade e do país. E o melhor: de graça. Você só paga a entrada em alguns monumentos, se quiser vê-los por dentro.

Os jardins da Abbey House
Um ótimo ponto de partida para esses passeios são os jardins da Abbey House (residência oficial dos prefeitos da cidade), lugar encantador. Fica às margens do Rio Itchen que é pouco mais que um córrego, embora no passado tenha tido grande importância estratégica, funcionando como fosso de proteção à de Winchester.

As  muralhas romanas e saxônicas foram construídas ao longo de seu curso, aproveitando-o no complexo de defesa da cidade.

Em Colebrook Street, logo no início do passeio, preste atenção a essas ruínas que, acredita-se, são de Nunnaminster, uma abadia fundada no Século 10 pela rainha Ealhswith, viúva de Alfredo, o Grande
A estátua do rei Alfredo e o cenário bucólico do River Walk
Em frente aos jardins da Abbey House, como que guardando a cidade, está a estátua dedicada ao maior herói de Winchester, Alfredo, o Grande. O rei de Wessex, responsável pela unificação dos reinos anglos e saxões, no Século 9, comandou a resistência às invasões dinamarquesas e consagrou a cidade como capital da recém nascida Inglaterra.

Pouco resta das edificações do tempo de Alfredo, mas, atrás da Abbey House, em Colebrook Street, há alguns vestígios arqueológicos de uma abadia fundada por sua viúva, Ealhswith.

O River Walk, à beira do Itchen
Dos jardins de Abbey House parte o River Walk, uma trilha pavimentada entre a margem do rio e os restos da muralha da cidade. Logo no começo do percurso, dá para ver vestígios da muralha romana e trechos bem preservados das muralhas dos saxões.

Mas a última coisa em que você vai pensar, andando por aqui, é em defesas, fortificações e combates. O lugar parece um sonho, muito verde e cheio de flores, com patinhos e cisnes de contos de fadas nadando no rio. O bom é que tem muitos banquinhos convidativos para a gente sentar, contemplar e pensar na vida.

Minhas companhias na caminhada á beira do Rio Itchen pelo River Walk
Pense naquele Sul da Inglaterra idílico, com urzes à beira do caminho e riachinhos com margens cobertas por juncos. Essa paisagem está lá, à beira do Itchen. a Inglaterra, sombreada por carvalhos e salgueiros. Parece um quadro pre-rafaelita. A área é bem queridinha dos moradores de Winchester, que a utilizam para caminhadas sossegadas ou exercícios. Mas não tem muvuca. É para andar ouvindo o canto dos passarinhos.

A caminhada vai nesse ritmo até chegarmos a College Street, onde estão as ruínas do Wolvesey Castle, residência dos bispos de Winchester até o Século 17. (A residência "nova", construída bem ao lado, naquela época, continua a ser utilizada e só pode ser vista por fora).

Trechos da muralha saxônica, no River Walk

O castelo foi construído ainda no tempo dos saxões (Wolvesey, em saxônico, significa "Ilha dos Lobos"), mas seus esplendor data do Século 12, já no período normando, quando o bispo de Winchester era Henry de Blois, neto de Guilherme o Conquistador e irmão do rei da Inglaterra.

Muito mais preocupado com política do que com religião, Blois transformou o local numa poderosa fortaleza, como ainda é possível ver no que resta das muralhas e bastiões do castelo.

O Wolvesey Castle, construção do período normando

Pra a gente ter uma ideia da importância do lugar, quando a rainha católica inglesa Maria Tudor (Bloddy Mary, irmã mais velha de Elizabeth I) casou-se com Felipe II da Espanha -- uma união das duas maiores potências marítimas da época --, o café da manhã após a cerimônia foi servido no Wolvesey Castle.

O castelo foi construído no Século 12 como residência do bispo de Winchester. No Século 17, foi substituído pela "residência nova" (abaixo, à esquerda), que continua a ser utilizada para esse fim


Se o visitante quiser prosseguir por College Street, vai passar diante dos imponentes portões do Winchester College (a universidade local), instituição de ensino fundada em 1384 e a mais antiga em funcionamento ininterrupto em toda a Inglaterra. Visitas, aqui, só guiadas, em horários pré estabelecidos (uma plaquinha na porta informa os horários), e de segunda a  sexta.

Como fiz o meu passeio num domingo, não pude ver a universidade por dentro, mas não fiquei muito triste, não, porque menos de 100 metros adiante, uma casinha amarela  tinha muito mais interesse para mim.
A entrada do Winchester College,
a universidade mais antiga em
funcionamento contínuo na Inglaterra
Foi no número 8 de College Street, uma casinha simples, que Jane Austen passou suas últimas semanas de vida. Ela havia deixado a casa de Chawton para ficar mais perto de seu médico e, mesmo fazendo promessa para Saint Swithun, cuja curiosa igrejinha fica a poucos passos da casa amarela, morreu aqui em 18 de julho de 1817 e foi sepultada na Catedral.

O imóvel é facilmente reconhecido pela placa do National Trust marcando sua fachada. É uma residência e, portanto, não há visitação (um cartazinho discreto pregado na vidraça praticamente implora para que as pessoas não tentem dar um "jeitinho"). Um pequeno jardim, do outro lado da rua, oferece sombra e silêncio para contemplarmos um pouco a fachada, antes de seguir caminho.

College Street nº 8: 
Jane Austen passou seus últimos dias nesta casa
Se o visitante decidir seguir pela Colege Street, logo vai atravessar o Kingsgate e chegar à parte da cidade que, desde os tempos de Alfredo, era destinada às atividades eclesiásticas e dominada pela Catedral. Esse passeio eu já contei no post anterior.

Uma opção é descansar um pouquinho no jardim em frente à casa de Jane Austen e depois seguir a linda trilha até o Saint Cross Hospital, que nos espera com pão e vinho para celebrar uma tradição de quase mil anos.

O Kingsgate ("portão do rei") dá acesso à área que desde o tempo de Alfredo, o Grande era dedicada às atividade religiosas em Winchester
Mas você também pode atravessar o Kingsgate e seguir para o centrinho de Winchester, escolher um pub simpático em High Street (a rua principal, que é apontada como a mais antiga da Inglaterra) e admirar as casinhas fofas e muito preservadas, um dos maiores encantos daqui.

Um dos maiores encantos de Wimchester é a preservação de suas casinhas fofas


Nos fins de semana, você terá um motivo a mais para dar um passeio em High Street para aproveitar o simpático mercado de rua que rola por lá.

Que tal uma paradinha em um legítimo pub depois dessa caminhada?
Veja mais imagens de Winchester na página da Fragata Surprise no Facebook

Dicas práticas

O Winchester Tourist Information Center (centro de atendimento ao turista) funciona no Guildhall, um edifício neogótico vitoriano bem em frente à Estação Rodoviária, no comecinho de Hight Street. Lá, você pode pegar gratuitamente os mapas e sugestões de passeios a pé (com muitas informações históricas) para desvendar a cidade.

O escritório abre de segunda a sábado, das 10h às 17 horas (no verão, também aos domingos, das 11h às 16h). Os duncionários também dão dicas de atividades na cidade e arredores.

Prepare-se para se apaixonar por Winchester
As opções de caminhadas são bem variadas (uma deles segue os passos do poeta romântico John Keats, que teria se inspirado numa caminhada por Winchester para escrever o poema "O Outono"), com informação das distâncias (em milhas), do grau de dificuldade e da acessibilidade. 

Nos fins de semana tem mercado de rua em high Street



Wolvesey Castle
Pode ser visitado diariamente, até o anoitecer, com entrada gratuita. Cartazes e placas indicativas contam a história do lugar e ajudam no roteiro da vista, mas é possível baixar um audioguia gratuito na página do English Heritage na internet. 

Mais sobre Winchester
Dica de hospedagem
Catedral e arredores: o antigo bairro eclesiástico
O castelo normando e a Távola Redonda
Um passeio no campo para ver uma relíquia medieval

A Inglaterra na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Cynthia, que lugar lindo!!!
    Essa cidade fica a quanto tempos e Londres, você sabe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica a uma hora de trem, Thaís. As dicas práticas sobre a cidade estão aqui neste post
      http://www.fragatasurprise.com/2013/08/os-encantos-de-winchester.html
      Realmente, Winchester é linda demais. Super recomendo uns diazinhos por lá :)

      Excluir