8 de dezembro de 2022

Onde comer em Mendoza, Argentina

Barraca de cereais no Mercado Central de Mendoza, Argentina
Um passeio pelo Mercado Central de Mendoza é um bom trailer das refeições que virão depois

Muito antes de colocar meus pezinhos na capital argentina do vinho, eu já vinha ansiosa por uma badalada atração da cidade: comer em Mendoza, já tinham me avisado, é coisa pra ser levada a sério.

Nos quatro dias que passei em Mendoza, experimentei um pouquinho de tudo: cafés moderninhos, casas tradicionais, comida de rua (ah, o choripán...) e beliscos no Mercado Central.

Choripán, sanduíche típico da Argentina
Choripán é o Messi dos sanduíches. Este foi devidamente devorado numa barraquinha no Parque General San Martín

O que não faltaram foram opções pra combinar com (ou justificar) mais aquela taça de vinho que eu fazia questão de experimentar.

Mas não tratei o comer em Mendoza só como pretexto para meter o pé na jaca da enologia — até porque um bom vermutinho também faz um bem danado para a alma 😁. A caprichada mesa mendozina é capaz de seduzir também os abstêmios.

Provoleta, tira-gosto típico da Argentina
Provoleta é uma boa de adquirir: o queijo provolone temperadinho com orégano e azeite e derretido no braseiro acompanha divinamente uma taça de vinho ou, no caso, una copita de vermute. Viciei

Veja como foram minhas aventuras de garfo e faca na cidade:


Comer em Mendoza - meu mapa

Não experimentei a elogiada gastronomia das vinícolas de Mendoza. Todas as minhas refeições foram feitas no Centro da cidade.

Avenida Aristides Villanueva, Mendoza, Argentina
Pesquise antes de se aventurar pelas dezenas de opções de restaurantes da Avenida Aristides Villanueva. Eu fui no olhômetro e caí em duas arapucas pega-turistas 
 
A exceção foi no dia do passeio à Alta Montanha, quando tomei um bom café da manhã na vila de Uspallata e almocei dolorosamente mal em um restaurante de Las Cuevas — as duas paradas fazem parte do roteiro, o viajante não tem muito o que apitar nas escolhas das agências.

Mendoza tem uma passarela de bares e restaurante, a Avenida Aristides Villanueva, onde há todo o tipo de opções. Mas aviso que tive duas experiências bem sofríveis por lá. Definitivamente, não é o lugar para escolher o restaurante pela cara. 

Restaurante na Peatonal Sarmiento, Mendoza
Na aventura de escolher restaurante pela cara,
fui mais feliz na Peatonal Sarmiento

Nesse tipo de aventura — definir o lugar onde comer pela aparência do estabelecimento — eu me saí muito melhor na Peatonal Sarmiento, rua de pedestres no coração da cidade.

Os preços que cito neste post são de setembro de 2022, com o câmbio blue (alternativo) em reais válido naquela época. Servem mais para dar uma ideia do que como informação precisa: com a inflação argentina, os valores mudam o tempo todo.

Comer em Mendoza: 6 dicas


Café Bruselas, Mendoza, Argentina
Bruselas é um café charmoso para vários tipos de fome

⭐Bruselas cocina&café
Avenida Belgrano nº 1069 (entre Sarmiento e Rivadávia)

🕒 Diariamente, das 9h à 1:30h da madrugada.

Jantei muito bem no charmoso Café Bruselas, no trecho mais elegante da Avenida Belgrano. O cardápio da casa acomoda todos os tipos de fome, do café da manhã àquele belisco tardio para encerrar a noite, além de opções veganas, vegetarianas e sem glúten. 

Café Bruselas, Mendoza, Argentina
A Sopa de cebola combinou divinamente com o frio da noite mendozina. Abaixo, uma pavlova muito gostosa

Café Bruselas, Mendoza, Argentina

Aproveitei o frio para pedir a sopa de cebola, que acompanhou muito bem as taças de vinho e arrematei a refeição com uma pavlova de frutas vermelhas meio descontruída e muito sedutora. 

O menu da casa passa pelos cafés, croissants ($ 480/ R$ 10), alfajores ($ 650/ R$ 13), sanduíches (a partir de $ 2.200/ R$ 44), saladas ($ 3.100/ R$ 60), pratos de massa e de carne. As sobremesas custavam $1.200 pesos em setembro (R$ 24). 

Submarino, chocolate quente típico da Argentina
Se choripán é Messi, submarino é o Maradona dos chocolates

Havana Café
Peatonal Sarmiento nº 68

🕒 De segunda a sábado, das 7:30h às 22h. Domingos, das 8h às 22h.

Sim, tem Café Havana em tudo quanto é canto, vários deles no Brasil. Mas eu acho que essa catedral do alfajor sempre se sai melhor jogando em casa. 

Talvez seja maluquice minha, talvez seja o sotaque dos atendentes que ajuda a temperar a coisa, mas mergulhar num submarino acompanhado das galletitas de limón (bolachinhas de limão, nhammmcom cobertura de chocolate é sempre mais gostoso na Argentina. E aí, só de pirraça, colocaram um Havana Café bem caminho que eu fazia regularmente nos meus passeios por Mendoza.

Submarino, chocolate quente argentino
Uma caneca de leite, uma barra de chocolate e as bolachinhas.
 A felicidade não precisa de muito pra dar as caras 

E aí, a cinturinha que se dane, porque está pra nascer um jeito mais gostoso de fazer chocolate quente do que o submarino. O chocolate da Confeitaria Angelina, em Paris, pode ser muito mais cheiroso e cremoso. O do Café Gambrinus, em Nápoles, tem muito mais história. Mas quem é que incorpora a dimensão lúdica de um submarino? 

Enfim, final de tarde em Mendoza, pra mim, era hora de brincar. Eu fico criança no ritual de de derreter uma barrinha de chocolate no leite fumegante e bem espumoso, até incorporar cada pedacinho da coisa. 

E aí era só espantar o frio brindando aos queridos argentinos, que pariram Messi, Maradona e o submarino — desculpem, mas não anotei o preço do brinquedo com sabor. As galletitas custam $ 200 pesos. 

Mercado Central de Mendoza
É capaz de você encontrar seu jantar ainda in natura em um passeio pelo Mercado Central


Mercado Central
Avenida Las Heras nº 279 (também tem uma entrada pela Avenida España).

🕒 De segunda a sábado, das 8h às 13:30h e das 17 às 20:30h. Aos domingos, das 9h às 13h.

O Mercado Central de Mendoza é um resistente. Num tempo em que a gentrificação desses espaços é quase incontornável, ele continua com cara de lugar onde a gente quase se imagina trombando com um frango vivo trotando pelos corredores — só como metáfora, porque não há animais vivos à venda.

Não me entenda mal: o Mercado Central de Mendoza é muito limpo, cheiroso e organizado, mas só o fato de estar passando incólume à moda de transformarem tudo quanto é mercado em "espaço gourmet" já ganhou minha simpatia. 

Com 140 anos de idade, o mercado faz parte da vida dos mendozinos, que lá abastecem suas despensas com frutas, hortaliças, carnes, peixes, frios e embutidos, queijos, pães, doces, frutas, legumes, especiarias, cereais, azeites, cervejas e vinhos. 

Um passeio pelo Mercado Central de Mendoza é um bom trailer para suas refeições, pois há sempre a chance dos ingredientes do almoço ou jantar saírem de lá. E como esse preview dá fome, aproveite para saborear uma empanada (provei umas ótimas), um sanduba e outras comidinhas nos restaurantes e lanchonetes que funcionam lá. 

Bernardino Gourmeteria, Mendoza, Argentina
Bernardino: cozinha de cara para a rua e pequenas delícias

Bernardino Gourmeteria
Avenida Perú nº 989 (entre Rivadávia e Montevideo)

🕒 De segunda a sábado, das 12 à meia-noite.

Que lugarzinho danadinho de simpático é esse Bernardino. Suas poucas mesas na calçada—improvisadas com barris e ornamentadas com muitas flores — e as dispostas no pequeno salão/empório acomodam a plateia de olho na cozinha, que se exibe para quem passa na rua, através de generosas vidraças.

Tecnicamente, não é um restaurante. É um bar de vinhos que serve comidinhas gostosas, tapas e tábuas de queijos e de frios. O tira-gosto de berinjela estava de uivar para a lua.

Bom lugar para bebericar e beliscar sem gastar muito.

Restaurante Fuente y Fonda, Mendoza
Fuente y Fonda: jantar no alpendre de la abuela


⭐ Fuente y Fonda
Montevideo nº 675, na Plaza Itália (entre Perú e 25 de Mayo)

🕒 Diariamente, almoço do meio-dia às 15:30h. Jantar das 20h à meia-noite.

A inspiração assumida do Restaurante Fuente y Fonda, um dos mais recomendados de Mendoza, são as cozinhas das avós, com pratos tradicionais, sabor sem pudor e porções para alimentar um batalhão.

Para comensais-solo, tipo eu, pode ser um pouco torturante, afinal, todas as tentações do cardápio são pratos para duas pessoas — no mínimo. Sabe aquele desejo intermitente que tenho de reencarnar camela, para ter quatro estômagos? Pois esteve muito presente durante esse jantar.

Restaurante Fuente y Fonda, Mendoza
Língua ao vinagrete, empanadas e vinho: jantarzinho delícia por R$ 50

O restaurante se orgulha de não usar frízer e só utilizar produtos fresquinhos, que chegam todo dia. Daí o aviso aos comensais que chegam mais tarde: “o menu é este, mas algumas opções já acabaram”. Ah, sim, e o cardápio muda o tempo todo, dependendo dos produtos da estação.

Jantei muito bem no Fuente y Fonda, com entrada de empanadas divinas ($ 630 pesos a porção com duas unidades) e língua ao vinagrete como prato principal ($1240). E haja vinho para acompanhar... Gastei cerca de R$ 50 e saí feliz da vida.

Sorveteria Ferruccio Sopplesa, Mendoza
Sorvete de tangerina ao uísque: só de lembrar, minha alma sai do corpo e vai voando pra Mendoza

⭐Ferruccio Soppelsa Helados

Emílio Civit n º2

🕒 De segunda a quinta das 9h à meia-noite. Sextas, sábados e domingos, fecha à 1h da manhã.

Já contei que estava frio em Mendoza, né? Mas nada detém aloka do sorvete. Não é que eu realmente faça questão de ficar tão gelada por dentro quanto por fora, mas esta sorveteria ficava bem no meu caminho e tinha uns sorvetes tão gostosos que não dava pra fazer desfeita.

Experimente os sorvetes de amêndoa, zabaione (zambayón, como dizem os Hermanos) e o inacreditável tangerina (mandarina) al whisky, um motivo maior que o Aconcágua para eu voltar a Mendoza.

O copinho simples (uma bola) custa $ 550 pesos.



A Argentina na Fragata Surprise
Bate e volta de Buenos Aires a Tigre

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário