segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Porto Alegre:
O pôr do sol e o Mercado,
dois clássicos que valem a viagem

Em Porto Alegre, o dia acaba assim
Eu sou fã de carteirinha de Porto Alegre. Já perdi a conta de quantas vezes estive na cidade (um monte delas a trabalho) e sempre me diverti imensamente por lá explorando os bares da Cidade Baixa e do Bonfim (ô, noite animada!), garimpando peças divertidas no Brique da Redenção — feira de antiguidades e artesanato que rola aos domingos, no Parque Farroupilha— e passeando pela Rua da Praia, que pra mim é o coração da cidade.

Adoro o apego dos porto-alegrenses aos seus parques públicos e aprendi com eles a curtir o Parque Marinha do Brasil no final da tarde e ando doida para explorar melhor a Hidráulica Moinhos de Vento (fiquei hospedada em frente, na última visita).

De todas as coisas legais pra ver e fazer em Porto Alegre, tenho duas que são favoritas absolutas. A primeira é ver o pôr do sol na beira do Guaíba, de preferência na Usina do Gasômetro. A segunda é me perder entre as bancas do Mercado Público, garimpar comidinhas e depois escolher um bar ou restaurante pra comer e beber bem e olhar o movimento.

Prosseguindo com a série “Viajando em Reais”— as dicas da Fragata para esses tempos de câmbio nas alturas começaram por Brasília, neste post — apresento meus dois xodós porto-alegrenses. Espero que vocês curtam.

O pôr do sol no Guaíba
Usina do Gasômetro ao cair da tarde:
fala se não dá vontade de se integrar ao piquenique?
Porto Alegre é um caso curioso de cidade onde a maior atração turística não é um acidente geográfico, uma celebração ou uma obra de pedra e cal. Mas nem pense que o caráter permanente da rotação da terra, a grande artífice do pôr do sol, consegue tornar banal o mergulho diário do astro nas águas do Guaíba. Com as fotos, fica muito redundante descrever. Só posso dizer que o laranja que tinge a paisagem não é "de farmácia" — esse é um espetáculo que não precisa de editor de imagens.

Meu lugar favorito para ver o pôr do sol em Porto Alegre é a Usina do Gasômetro, uma antiga unidade de geração de energia construída na década de 20, tão integrada à paisagem cultural da cidade que a gente até esquece que o lugar um dia teve finalidade puramente funcionais.


A Usina, pra mim é o Corcovado e o Elevador Lacerda de Porto Alegre, aquela imagem que basta bater o olho para a gente reconhecer o que é e onde fica. E pensar que a capital gaúcha quase fica sem uma de suas logomarcas mais fortes. Quando foi aposentada, nos anos 70, suas instalações ficaram abandonadas e quase foram demolidas.

Felizmente, o espaço acabou convertido no Centro Cultural Usina do Gasômetro, onde rolam exposições bacanas de fotografia e artes plásticas, oficina de circo, teatro e sessões de cinema (já vi coisas ótimas lá. Confira a programação na página da Usina no Facebook).

Se você der sorte, ainda pinta
uma banda de música para embalar o pôr do sol
Quando a tarde vai caindo, o gramado em torno da Usina do Gasômetro começa a ficar movimentado, com gente chegando de todos os cantos para ver o pôr do sol. Tem barraquinhas de todos os tipos vendendo comida, água de coco e outros beliscos. Nos fins de semana, é comum o crepúsculo ganhar trilha sonora, com apresentações musicais de vários estilos. Quando estive lá com s turma do TchÊncontro- Encontro de Blogueiros de Viagem no Rio Grande do Sul, no finzinho de julho, uma banda de música animava a galera com fanfarras e dobrados à moda antiga. Bem legal.


Outros lugares bacanas para ver o cair da tarde em Porto Alegre são o Anfiteatro Pôr do Sol (Avenida Edvaldo Pereira Paiva, Parque Marinha do Brasil) e o café da Casa de Cultura Mário Quintana (Rua dos Andradas nº 736). Também é bem recomendada a Fundação Iberê Camargo  (Avenida Padre Cacique nº 2.000 ). Ainda não experimentei, mas está na minha lista.

Mercado Público
Qualquer visita a Porto Alegre tem que ter passadinha do Mercado
Vocês já sabem que eu amo passear em mercados e feiras mundo afora e um dos preferidos na vida é o Mercado Público de Porto Alegre. Adoro o edifício, a variedade de produtos e, principalmente, a farra que sempre arremata qualquer passada por lá, já que a variedade de bares e restaurantes é bem tentadora. Passar por Porto Alegre e não tomar um chope no Marco Zero e não almoçar no Gambrinus, pra mim, não existe.

É verdade que turista não compra hortifrúti,
mas eu adoro bancar a voyeur
Não conheço nada mais poderoso para abrir o apetite do que circular entre barracas de frutas frescas, legumes e verduras — fora as frutas, que sempre sucumbem à minha gula, é claro que não compro nada, mas me divirto horrores com esse voyeurismo. E tem a farta variedade de queijos, frios, embutidos, doces, compotas, frutas cristalizadas, vinhos, espumantes... Minha mala sempre volta de Porto Alegre abarrotada :).

No Mercado, você pode escolher entre a produção de pequenas propriedades e das colônias de imigrantes próximas à capital, delicinhas regionais que sempre são a melhor maneira de "levar a viagem pra casa" e prolongar o prazer da visita. Tem sempre uma boa oferta de orgânicos e produtos naturais, além dos eternos e irresistíveis importados. 

Já os queijos, embutidos e frios eu arrisco trazer na mala — e faço a festa com as ofertas do Mercado
Tudo para seu chimarrão: estojos, cuias, bombas...
São 110 boxes e lojas, que vendem do peixe ao cardamomo nessa verdadeira instituição porto-alegrense, inaugurada em 1869. O edifício neoclássico, um quadrado perfeito, ocupa cerca de 6 mil metros quadrados no coração da cidade, entre o Porto e o Largo Glênio Péres, tradicional ponto de concentração de manifestações públicas.

O Mercado Público também é um lugar legal para garimpar lembrancinhas e para se aproximar um pouco da alma da cidade — é só olhar a quantidade de boxes que se dedicam a vender erva mate e apetrechos para o chimarrão que a gente começa a entender que esse é um hábito com muito mais significados do que apenas tomar chá de canudinho :).

Diversão em altíssimo grau.

Um toquinho de Bahia num cenário bem gaudério
Endereço e horários
O Mercado Público funciona de segunda a sexta-feira, das 7:30h às 19:30h. Aos sábados, fica aberto das 7:30h às 18:30h. 

Os restaurantes e bares esticam o expediente até a meia-noite, durante a semana (depois das 19:30, a entrada é só pelos portões da Avenida Borges de Medeiros e do Largo Glênio Peres). No sábado, eles acompanham o horário do resto do mercado.

Depois do incêndio de 2013, que danificou gravemente o segundo andar, os restaurantes do mercado estão reabrindo aos poucos. Confira no site do Mercado Público o que já está em ordem.

Curte feiras e mercados? Dá uma olhada no monte de lugares legais mundo afora já comentados na Fragata: 


Erva mate, a matéria prima do chimarrão
Encontro de Blogueiros de Viagem no Rio Grande do Sul 
Porto Alegre/Serra Gaúcha 
31/07 a 02/08 de 2105
Organização 
Paula Brum Naiá Mânica, blog Viagens da Mochilinha Gaúcha
Laura Botton, blog Colecionando Viagens
Glacy Machado, do Blog da Glacy

Viaje com a Flora




Mais sobre o Rio Grande do Sul
Porto Alegre - dicas práticas
De barco, a pé e do alto: três passeios imperdíveis em Porto Alegre
Um dia na Serra Gaúcha - Caminhos de Pedra
Viajar sozinha - Serra Gaúcha


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com A Fragata Surprise
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário