segunda-feira, 10 de agosto de 2015

De barco, a pé e do alto: três opções divertidas para explorar Porto Alegre

A antiga sede da Cervejaria Bopp, de 1911, está no roteiro do ônibus turístico. A bela construção hoje faz parte de um shopping 
Julho foi um mês encantador. Não bastasse uma semana de sonho em Fernando de Noronha (que, claro, vai virar um mooooonte de posts, logo, logo), ainda teve um fim de semana adorável em Porto Alegre, cidade que eu adoro. Essa visita foi para participar do Tchêncontro – Encontro de Blogueiros de Viagem no Rio Grande do Sul, uma superprodução pilotada pelas queridas Paula Brum e Naiá Mânica, do blog Viagens da Mochilinha Gaúcha, Laura Botton, do Colecionando Viagens, e Glacy Machado, do Blog da Glacy, que reuniu 30 blogs de viagem para explorar a cidade e a Serra Gaúcha.

O azul e preto do Grêmio e o vermelho do Inter que me perdoem, mas fala se esse amarelo não combina mais com o céu portoalegrense??
Além de trocar experiências e celebrar o prazer de viajar, estou trazendo na bagagem dicas fresquinhas de passeios bem legais pra em Porto Alegre. Logo no primeiro dia, as anfitriãs do TchÊncontro montaram uma programação delícia de apresentação da cidade: passeio de barco pelo Guaíba, uma caminhada guiada pelo Centro Histórico, com a galera do Free Walk-POA, e nas linhas de ônibus turísticos que percorrem as principais atrações da cidade. E o melhor de tudo é que você também pode colocar todos esses programas no seu próximo roteiro em Porto Alegre. As dicas estão todas aqui neste post. Confira:

O Paço dos Açorianos, ou "Prefeitura Velha", de 1901, faz parte da rota do Free Walk-POA pelo Centro Histórico. O edifício foi sede do governo da cidade até o início deste século. Hoje abriga a Pinacoteca Aldo Locatelli
Free Walk-POA
Que coisa bacana é ver gente apaixonada por sua cidade se organizar para mostrá-la aos visitantes. O Free Walk-POA é assim, um grupo de voluntários que oferece passeios guiados gratuitos, em roteiros por diversas áreas de Porto Aleggre, como o Centro Histórico, a boêmia Cidade Baixa ou o elegante bairro dos Moinhos de Vento.

Sou suspeitíssima, porque amo caminhar e não conheço jeito mais eficiente de ficar íntima de uma vizinhança, mas basta olhar os elogios ao pessoal do Free Walk-POA em sites como o Tripadvisor pra você ter certeza de que está embarcando em um programa imperdível.

A fachada lateral da Prefeitura Velha, em frente ao Mercado Público, e o Centro Cultural Érico Veríssimo, na célebre Rua da Praia, clicados durante o Free Walk-POA
Nós fizemos o roteiro do Centro Histórico, partindo do Mercado Público, meu velho camarada de chopes no Marco Zero, que ainda está se recuperando do incêndio de 2013 (o andar de cima ainda está em obras, mas, no térreo, o bonitão está funcionando a pleno vapor).

Logo em frente, a primeira atração é o Paço dos Açorianos, antiga sede da Prefeitura de Porto Alegre, inaugurada em 1901. Na minha ignorância da alma gaúcha, eu teria cometido a heresia de classificar o belo edifício no estilo Eclético, tão em voga na virada do Século 20, mas os meninos do Free Walk-POA explicam que ele é um exemplar castiço da Arquitetura Positivista típica da época, na cidade. (Na política, sempre tive birra com o Positivismo, que até hoje contamina, com seu determinismo, o pensamento conservador contemporâneo, mas até que na arquitetura a doutrina se saiu muito bem, rsss).

A Praça da Afândega.
Ao fundo, a entrada do Porto de Porto Alegre
Subindo a Avenida Borges de Medeiros, logo, logo a gente chega à Rua dos Andradas, mais (muito mais) famosa como Rua da Praia. Esse encontro é a Esquina Democrática, tradicional área de concentração de manifestações políticas na politizadíssima Porto Alegre. Eu mesma perdi a conta de quantas vezes caminhei por ali, esconjurando a ALCA e o imperialismo, em passeatas dos bons tempos em que a cidade recebia o Fórum Social Mundial.

A Rua da Praia é o coração da antiga Porto Alegre e está lá desde o início da povoação da cidade. Com o mar a quilômetros de distância, ela deve seu nome tradicional ao fato de que, antes de uma série de aterros levarem o leito do Guaíba para três quadras mais ao Norte, seu traçado acompanhava a margem da lagoa que os gaúchos insistem em chamar de rio. Hoje é uma área comercial muito movimentada, exclusiva para pedestres, onde eu sempre gostei de caminhar olhando pra cima, namorando as fachadas que despontam acima da poluição dos letreiros das lojas. Entre os belos edifícios que margeiam o burburinho, preste atenção no prédio da antiga Companhia de Força e Luz, convertido no Centro Cultural Érico Veríssimo, e o antigo Hotel Majestic, sede da Casa de Cultura Mário Quintana.

Santander Cultural, na Praça da Alfãndega
Quando você for a Porto Alegre, programe-se para seguir a Rua da Praia até o final, em frente à Usina do Gasômetro, o point mais tradicional para babar com o espetacular pôr do sol no Guaíba. Mas esse é assunto para outro post 😉.

A próxima parada foi na Praça da Alfândega, cercada de edifícios imponentes como o que abriga o Santander Cultural, uma sóbria construção neoclássica onde hoje funcionam cinemas, salas de exposição e um curioso café instalado dentro do cofre do banco que existia no prédio. Como a programação desse centro cultural é sempre bem bacana, confira o que está em cartaz no site da instituição antes de passar por lá.

Biblioteca Pública na Rua General Câmara e
o tradicional Teatro São Pedro, na Praça da Matriz
Depois da Praça da Alfândega, chegou a hora de testar as panturrilhas em uma "lomba" (ladeira, em gauchês) bem danadinha, a Rua General Câmara, até a sossegada Praça da Matriz, que desde o finzinho do Século 18 abriga a sede do governo da capitania, da província e do estado (atualmente, no Palácio Piratini, de 1921). Hoje a praça concentra ainda o Palácio da Justiça, a Catedral Metropolitana, a Assembleia Legislativa e o Teatro São Pedro, inaugurado em 1858.

O São Pedro é a casa de espetáculo mais tradicional e mais querida da cidade. Sua construção original, toda em madeira, esteve a ponto de ruir, na década de 70, o que levou à sua interdição. Foi a dedicação de  Eva Sopher, judia alemã refugiada do nazismo, que conseguiu mobilizar os porto-alegrenses para a angariar os recursos necessários à reconstrução do teatro, que está lindão e em pleno funcionamento.

Catedral Metropolitana de Porto Alegre, na Praça da Matriz
O roteiro da Free Walk-POA, porém, guarda o melhor para o final. O Viaduto Otávio Rocha foi construído na década de 20 para facilitar a ligação entre a parte baixa da cidade e a ocupação urbana que cada vez mais se precipitava, lombas acima, com o crescimento da capital. Mas o danado foi bem além de sua função meramente utilitária, porque a obra resultou num efeito cênico de responsa, anunciado de longe pelas galerias laterais que acompanham a Avenida Borges de Medeiros, com seus arcos e colunas, e as rampas para pedestres adornadas por lampiões.


As rampas para pedestres do Viaduto Otávio Rocha dão acesso à Avenida Borges de Medeiros. À direita, o Capitólio, um sobrevivente dos cinemas de rua (\o/)
Free Walk-POA - Os passeios são realizados sempre nos finais de semana, afinal, todos os guias são voluntários (a competentíssima organização do TchÊncontro conseguiu que os meninos fizessem uma "sessão especial" para nós, na hora do almoço, na sexta-feira, mas foi uma exceção). Confira os horários e pontos de encontro no site do grupo. Os passeios são sempre gratuitos. Quando participar, seja gentil e contribua com a quantia que achar justa pra manter esse projeto bacana em funcionamento. Recomendo muito!

A Igreja da Conceição,
na rota da linha turística do Centro Histórico
Ônibus das Linhas Turismo
Depois de ver a cidade bem de pertinho, caminhando por suas ruas, nada melhor que vê-la do alto de um camarote. A Linha Turismo da Prefeitura oferece dois roteiros pra você apreciar Porto Alegre, 4 metros acima o trânsito e do burburinho.


A Confeitaria Rocco, um hit da Belle Époque
A linha 1 percorre o Centro Histórico (a altura do ônibus é perfeita pra a gente olhar os casarões olho no olho), Cidade Baixa e o Bom Fim, esticando até a Orla do Guaíba, dois grandes parques (Marinha do Brasil 3 Maurício Sirotsky, ou Harmonia) está sempre animada por gente que pedala, caminha, joga bola ou simplesmente vê a vida passar.

Esta linha tem cinco paradas (além do Terminal, o Parque da Redenção, o Parque Moinhos de Vento, o Mercado Público, e a Usina do Gasômetro). Entre as atrações do caminho estão a Praça da Matriz, a Casa de Cultura Mário Quintana, a Confeitaria Rocco e  a Fundação Iberê Camargo. Prepare a câmera.

Monumento a Júlio de Catilhos, na Praça da Matriz

Casa de Cultura Mário Quintana


A linha 2 segue a Orla do Guaíba rumo à Zona Sul da cidade, passando pela Praia de Ipanema, os caminhos rurais (rota de restaurantes, lojinhas de artesanato e casas de guloseimas fora da cidade) e chega até um dos pontos mais altos de Porto Alegre, o Santuário Mãe de Deus, com vista panorâmica para a cidade. Essa linha não faz paradas. É só sentar, relaxar e clicar a paisagem.

Os blogueiros estão todos nesta foto. Achou? 😊
Mais fácil nesta aqui, né?
(foto: Laura Botton/Colecionando Viagens)
Linhas Turismo da Prefeitura de Porto Alegre - Os roteiros começam no Terminal da Linha Turismo, em frente à Secretaria Municipal de Turismo (Travessa do Carmo nº 84, Cidade Baixa), de terça a domingo, de hora em hora, a partir das 9h. A última saída é às 16h. Os bilhetes (veja os postos de venda no site) custam R$ 25 (de terça a sexta) e R$ 30 (sábados e domingos).

Fiz o passeio nas duas linhas turísticas a convite da Prefeitura de Porto Alegre, numa cortesia aos participantes do TchÊncontro.

A Usina do Gasômetro, assinatura inconfundível no skyline portoalegrense

Passeio no Guaíba com o Cisne Branco
(Atualização: o violento temporal que atingiu Porto Alegre no final de janeiro/2016 fez estragos no Cisne Branco, que naufragou quando estava ancorado no porto da cidade. Ainda não há previsão de quando ele voltará a navegar. Até lá, há outras opções de passeios pelo Guaíba. Consulte as agências de turismo).

 Quem tem um blog chamado A Fragata Surprise gosta de passeio de barco? Sim ou com certeza? Mas eu asseguro que ninguém precisa ser um Popeye pra curtir o passeio pelo Guaíba a bordo do Cisne Branco, uma embarcação robusta, para 200 passageiros, que faz a rota das ilhas do Delta (sim, além de um lago, o Guaíba também é tecnicamente um delta onde deságuam os rios Caí, Jacuí, Gravataí e dos Sinos).

A paisagem eminentemente rural dessas ilhas não é páreo para o skyline de Porto Alegre, luxuosamente assinado pela Usina do Gasômetro e sua esguia chaminé, que ganha um charme extra, contemplada desde a água.

Armazéns do porto, na partida do Cisne Branco

O pórtico do porto, que dá acesso à Praça da Alfândega
O passeio dura cerca de uma hora de sossego e silêncio, eventualmente pontuados por uma narração gravada que, dos alto falantes, explica o que estamos vendo passar pela amurada do Cisne Branco. Passeio gostoso demais, ainda mais na ótima companhia dos blogueiros madrugadores, que chegaram mais cedo a Porto Alegre para o encontro.

Embarcando no Cisne Branco, a partir do alto: Hélder (Nerds Viajantes) e Sofia (Tô Pensando em Viajar), Lílian (Nerds Viajantes). Ariel e Francine (As Viagens que Sonhamos), Alessandra (Tô Pensando em Viajar), Gleiber (Andarilhos no Mundo), Glacy (Blog da Glacy) e euzinha (A Fragata Surprise)
(Foto: Alessandra Fratus/Tô Pensando em Viajar)
Passeio de barco no Cisne Branco - Embarque no Cais do Porto de Porto Alegre, armazém B3. O melhor ponto de referência é o acesso de pedestres (passarela subterrânea) na Praça atrás do Mercado Público. O barco oferece vários tipos de passeios e os preços, a duração e o percurso variam.

As saídas regulares são feitas de terça a domingo, às 10:30h, 15h, 16:30h e 18h e custam R$28 por pessoa. Em uma hora de navegação, o Cisne Branco passa ao largo das principais ilhas do Guaíba. Foi esse passeio que fizemos, na manhã de sexta-feira, aproveitando um dia inacreditavelmente azul e agradável, em pleno inverno.

O passeio Happy Hour (R$ 28), com direito ao famoso pôr do sol no Guaíba, dura 30 minutos e é realizado de terça a domingo, com partida às 18 horas, de outubro a março. Além disso, há roteiros com almoço e um passeio noturno. Para maiores informações. Consulte o site do Cisne Branco.

O passeio no Cisne Branco foi feito a convite, cortesia aos participantes do TchÊncontro.


Encontro de Blogueiros de Viagem no Rio Grande do Sul 
Porto Alegre/Serra Gaúcha 
31/07 a 02/08 de 2105

Organização 
Paula Brum Naiá Mânica, blog Viagens da Mochilinha Gaúcha
Laura Botton, blog Colecionando Viagens
Glacy Machado, do Blog da Glacy

Viaje com a Flora



Mais sobre o Rio Grande do Sul
Porto Alegre - dicas práticas
Um dia na Serra Gaúcha - Caminhos de Pedra
Viajar sozinha - Serra Gaúcha

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

6 comentários:

  1. Cyntia, adorei ler esse post tão detalhado sobre a minha cidade! Foi ótimo receber vocês por aqui!! E que venham mais encontros!! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, o TchÊncontro foi tão bacana que tem que repetir todo ano - pelo menos :). Obrigada pela acolhida, foi legal demais. Bjo

      Excluir
  2. Delicioso ver minha cidade por seu olhar, ficou linda como a sinto e muito mais poética. Obrigada por teres vindo passar esses dias conosco, foi espetacular tê-la aqui. BjO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paula foi muito bom ter a oportunidade de reencontrar Porto Alegre em tão boa companhia e alto astral. Sua cidade tem um lugarzinho bem especial no meu coração, sempre as melhores lembranças, e o TchÊncontro só confirma meu carinho por sua terra :)

      Excluir
  3. Amei o post!!
    Muito legal, como cada um consegue mostrar um lado diferente do mesmo passeio!

    Beijão e até o próximo,
    Fran @ViagensqueSonhamos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que essa é a parte mais gostosa dessas viagens compartilhadas, Fran: a gente perceber outros olhares e viajar também com eles. Foi muito legal ter encontrado vocês. Nos vemos nas próximas. Bjo

      Excluir