21 de março de 2011

Barcelona de Gaudi: a Casa Milà (La Pedrera)

Terraço de la Pedrera, obra de Gaudi em Barcelona, com as famosas chaminés
Os stormtroopers no terraço de La Pedrera 
Música deste post: Windmills of your mind, Sting
Atualizado em  novembro de 2019

Hoje nosso passeio em Barcelona fez uma pausa da Idade Média. Foi dia de pegar o "Túnel do Tempo" e ver Gaudí & Cia no Bairro do Eixample, onde está a famosa Casa Milà, também conhecida como La Pedrera.

O túnel do tempo, no caso, é o metrô de Barcelona: experimente embarcar no Bairro Gótico e voltar à superfície no Passeig de Gràcia, no Eixample, diante de La Pedrera — e outros grandes exemplos arquitetônicos do Modernismo Catalão —, e você vai entender o que estou dizendo...

É só um trajeto com transporte público, mas você é sair da Idade Média e chegar à Belle Époque em apenas três paradas de metrô 😁.

Leia também: Roteiro do Modernismo em Barcelona - o Passeig de Gràcia

Terraço de La Pedrera, obra de Gaudí em Barcelona
O terraço de La Pedrera e suas icônicas chaminés 

O bairro do Eixample ("expansão", em catalão) de Barcelona é resultado de uma grande transformação urbanística, contemporânea da abertura dos grandes bulevares parisienses. Foi concebida pelo engenheiro Ildefons Cerdà.

A expansão de Barcelona, com a demolição das muralhas medievais e avanço da malha urbana para áreas até então rurais, trouxe para o Eixample uma festa visual de belíssimos edifícios modernistas. O Passeig de Gràcia é a principal passarela desse desfile.

Casa Amatller, de Puig i Cadafalch e Casa Batlló, de Gaudi, em Barcelona
Juntinhas no Passeig de Gràcia: a Casa Amatller, de Puig i Cadafalch (esq) e Casa Batlló, de Gaudi

Além da Casa Milà, o Passeig de Gràcia tem um o quarteirão que é um verdadeiro "comício Modernista". Fica entre a Carrer d'Aragó e a Carrer del Consell de Cent, o chamado Quadrat d'Or.

Lá estão, juntinhas, a Casa Batlló (também de Gaudi, no nº 43), a Casa Amatller (de Puig i Cadafalch, no nº 41), com uma fachada "em degraus", lembrando as construções de Lübeck, e a Casa Lleó Morera (no nº 35, de Domènech i Montaner).

Fachada de La Pedrera, obra de Gaudi
A fachada de La Pedrera: é duna ou o balanço do mar?

No início do Século 20, o Quadrat d'Or ganhou outro apelido,  Illa de la Discòrdia ("Ilha da Discórdia), referência à disputa de egos de arquitetos materializada nas obras construídas lado a lado.

No número 92 do Passeig de Gràcia está a Casa Milá/La Pedrera,  em cuja fachada de pedra e de curvas irregulares, muita gente vê a sugestão de uma duna —  eu sinto nela a textura visual de um mar encapelado.

Sótão de La Pedrera, Barcelona
As "costelas" da obra de arte. A visita a La Pedrera
começa pelo sótão, que tem um certo sotaque gótico

Concluída em 1910, a Casa Milà ganhou o apelido meio cáustico de "La Pedrera". Uma injustiça, pois o edifício é lindo.

Veja os detalhes da visita:

Visita à Casa Milà/ La Pedrera

➡️Ingressos para La Pedrera
Na nossa visita em março de 2011, não compramos ingressos com antecedência para ver a Casa Milà. Pegamos vinte minutinhos na fila e e daí a pouco tomamos o elevador para a visita a La Pedrera.

Terraço de La Pedrera, em Barcelona


Hoje em dia, é mais prudente comprar os ingressos para ver La Pedrera, a Casa Battlò e outras atrações do Modernismo Catalão com antecedência. 

Nem que seja pra não desistir da visita ao sair do metrô e dar de cara com a multidão que sitia esses edifícios, disparando furiosamente as câmeras fotográficas.

Não se assuste, porque uma parte significativa daquelas pessoas está apenas fotografando as fachadas e não vai entrar. Além disso, os ingressos com hora marcada vão lhe poupar da fila

Terraço de La Pedrera, em Barcelona


Mas lembre-se que 1 milhão de pessoas visitam La Pedrera todos os anos. Para efeito de comparação, a imensidão da Alhambra de Granada recebe 2,5 milhões de visitas anualmente.

Na média, são 2,7 mil visitantes por dia em La Pedrera — digo isso pra você ter uma expectativa da "concorrência" por aquele cantinho perfeito para uma selfie.

No site oficial da casa, há diversas modalidades de ingresso para La Pedrera. A visita básica (La Pedrera Essencialdá direito a hora marcada (entrada sem fila) e audioguia, para você percorrer a obra de Gaudí no seu ritmo.

Terraço de La Pedrera, em Barcelona
Olha a Sagrada Família lá longe (na foto da direita)

Essa modalidade básica de ingresso custa € 22, comprada pelo site, e € 25 na bilheteria física. Saiba mais sobre ela e sobre as demais opções no site de La Pedrera.

➡️Como é a visita a La Pedrera
O percurso pela Casa Milà começa no sótão, desconcertantemente... gótico. A sensação que tive de estar sendo seguida (pelo Século 13 do Bairro Gótico 😀) foi culpa da estrutura em arcos, da penumbra e dos espaços meio tortuosos do sótão.

Interior de La Pedrera, obra de Gaudi em Barcelona
A construção se enrosca em torno de um pátio interno e uma profusão de janelas, voltadas para ele e para a rua, garantem ambientes cheios de luz

É simplesmente encantador vagar por ali, vendo as "costelas" de La Pedrera: pelo avesso, a obra de Gaudí é tão interessante quanto seu exterior.

Os arcos do sótão de La Pedrera sustentam o terraço da construção, um dos lugares mais fotografados de Barcelona.

Interior de La Pedrera, Barcelona


As chaminés e dutos de ventilação no terraço da Casa Milà explicam direitinho onde George Lucas encontrou a inspiração para o visual de seus spacetroopers, os soldados das tropas do Império, em Star Wars.

No terraço tomado pelos "guerreiros", o percurso é cheio de degraus e pequenas rampas, até que a gente atravessa uma arcada e dá de cara com a outra estrela do portfólio de Gaudí, a Basílica da Sagrada Família, lá no horizonte.

O mais delicioso da visita a La Pedrera, porém, é adivinhar uma vida cotidiana no interior da obra de arte.

Interior de La Pedrera, Barcelona


Depois do sótão e do terraço, a visita à Casa Milà prossegue em um dos apartamentos do edifício, transformado em museu.

É a sua chance de ver a estética do Modernismo Catalão aplicada ao que há de mais prosaico na vida.

Os móveis e utensílios (belíssimos) organizados nos diversos ambientes sugerem uma rotina doméstica, do monte de roupas para passar a ferro à máquina de costura e a banheira. A gente até se imagina lendo um livrinho numa das sacadas do apartamento, com vista para a elegante alameda, o Passeig de Gràcia, lá em baixo.

Banheiro e varanda de um apartamento de La Pedrera, em Barcelona
O detalhe da banheira de louça no banheiro do quarto principal (à esquerda) e uma sacada voltada para o burburinho do Passeig de Gràcia. A cortina diáfana casa muito bem com a aspereza do gradil de ferro

Morar na obra de Gaudí talvez desse um pouco de aflição. Não deve ser fácil passar a vida cercada de tanto atrevimento de formas  La Pedrera parece não ter uma única linha reta  e texturas. 

Mas é tudo tão bonito e harmonioso que dá vontade de ir ficando.

Em contraste com a fachada meio "árida", o interior de La Pedrera tem cores aconchegantes, cortinas diáfanas, um contraponto à aspereza das esculturas de ferro dos peitoris das sacadas, uma ousadia delicada e sedutora.

Sala de jantar de um apartamento de La Padrera, Barcelona
A sala de jantar

A partir da reforma urbanística que criou o Eixample, o Paseig de Gràcia — antes o caminho que ligava Barcelona à vila de Gràcia — foi transformado no grande bulevar de Barcelona, a passarela da elegância e local de moradia das grandes fortunas da época. E todas queriam um projeto modernista para sua futura residência.

La Pedrera foi inaugurada em 1910, concebida por Antoni Gaudí por encomenda do industrial Pedro Milá y Camps e sua mulher, a milionária Roser Segimon. Conta a lenda que os donos não ficaram muito felizes com a construção.

Dormitório de um apartamento de La Pedrera
O dormitório principal

Gaudi teve sérias “divergências criativas” com Milà, que inclusive tentou passar o calote no arquiteto por estar insatisfeito com suas “liberdades artísticas” e também com as sucessivas alterações no projeto, que acarretavam multas por descumprimento do código de edificações da época. 

O fato, porém é que o casal morou bastante tempo no apartamento principal de La Pedrera, o que mostra que eles não estavam tão descontentes com o resultado.

sala de jantar de La Pedrera, Barcelona
Detalhes da sala de jantar

Apesar do olhar cáustico que a batizou de La Pedrera, ela é considerada (ao lado da Sagrada Família), como a obra-prima de Gaudi, um trabalho onde ele exercitou sua criatividade e ousadia sem qualquer timidez.

La Pedrera tem seis andares e dois pátios internos. O edifício, com 30 metros de altura.
Casa Millà/La Pedrera
Passeig de Gràcia n° 92

➡️Horários 
De março a outubro, das 9h às 20:30h. Visitas noturnas das 21h às 23h.
De novembro a fevereiro, das 9h às 18:30h. Visita noturna das 19h às 21h
No período de Natal e ano Novo (26/12 a 3/1) os horários de abertura e encerramento seguem o calendário do verão.

lustre e a prataria especialmente desenhados para a Casa Milà, em Barcelona
O lustre e a prataria foram especialmente desenhados para a Casa Milà

Ingressos a partir de € 22.

➡️Faça o possível para visitar a Casa Milà no final da tarde. O sol poente é personagem obrigatório no passeio ao terraço.

Para ver mais sobre o Modernismo Catalão, visite o site Ruta de Modernisme, organizado pela prefeitura de Barcelona.


Roteiros por Barcelona

Mais passeios e atrações em Barcelona


Gastronomia em Barcelona

Hospedagem em Barcelona - Gràcia e Eixample
Transporte em Barcelona: como chegar e como circular pela cidade

A Espanha na Fragata Surprise
A Europa na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 

Nenhum comentário:

Postar um comentário