1 de maio de 2014

Andaluzia - Ronda, muito mais que um abismo

Vista do Desfiladeiro do Tajo, Ronda, Andaluzia
O Desfiladeiro do Tajo e a Ponte Nova, 
prodígio de engenharia do Século 18
Desde que comecei a planejar a viagem à Andaluzia, meu roteiro mudou um monte de vezes. Ronda era a única escala inegociável no percurso (e olha que a região tem maravilhas como Sevilha, Granada e Córdoba).

Meu fascínio por Ronda talvez tenha começado com Ernest Hemingway, que, sem citar a cidade, imortalizou-a em uma das cenas mais fortes de Por quem os sinos dobram, um livro que eu adoro.

Também pode ter sido “herança” do cineasta Orson Welles, que amou tanto Ronda que fez questão de que suas cinzas fossem levadas para lá, após sua morte, em 1985.

O fato é que de tanto namorar fotografias do célebre Tajo — o desfiladeiro que corta Ronda ao meio, que chega a 100 metros de profundidade — seria impossível abrir mão de ver de perto essa imagem que, há décadas, instigava minha imaginação.

Plaza de Toros de Ronda, Andaluzia
Ronda teve um papel fundamental na definição de um estilo de tauromaquia, mais contido e menos "barroco) e foi berço de de grandes toureiros, como Pedro Romero (Século 18) e Cayetano e Antonio Ordoñez, pai e filho. Esse último foi grande amigo de Hemingway e de Welles, fãs da "virilidade" das touradas. Com todo o respeito pelas tradições andaluzas, eu prefiro ver a Plaza de Toros de Ronda assim, como um playground para crianças
Minha expectativa em relação a Ronda era enorme — e isso é sempre um risco. Mas tenho uma grande notícia: quando você for a essa deslumbrante cidade da Andaluzia, pode levar um contêiner cheinho de expectativas, que ainda assim você vai se surpreender.

Primeiro, porque o Desfiladeiro do Tajo é realmente uma visão arrebatadora, daquelas que a gente quer pra a vida toda.

Segundo, porque Ronda é muito, mas muito mais que um abismo — mesmo que esse abismo seja uma das coisas mais bonitas que eu já vi na vida.

Veja coo foi minha visita a Ronda:


O que ver em Ronda
Antiga colônia grega e importante praça forte muçulmana, Ronda é um primor arquitetônico de muralhas, palácios, igrejas e ruelas medievais.

Ver o sol andaluz mudando a cor das montanhas que cercam a cidade, ao longo do dia, foi um dos espetáculos mais comoventes de todos os meus maravilhosos 20 dias de viagem pela Andaluzia.

Por tudo isso, eu faço uma enfática sugestão: não vá a Ronda de passagem (sei que muita gente visita a cidade em breves escalas, em roteiros de carro pelos Pueblos Blancos).

Reserve no mínimo dois dias inteiros para ver a cidade. 

A Alameda de Ronda ao cair da tarde
A Alameda ao cair da tarde
O horizonte de Ronda é um dos mais espetaculares que eu já vi na vida. A cidade está cercada por cinco cadeias de montanhas, entre elas a Serra de Grazalema.

No passado, essa situação geográfica de Ronda era a alegria de bandoleiros e contrabandistas que elegeram a região como refúgio, dado o difícil acesso.

Os fora da lei se foram, mas as escarpas ferozes dos arredores de Ronda continuam compondo a moldura exata para a beleza arrebatadora da cidade.

Alameda de Ronda
Nem precisa de legenda, né?
A Alameda de Ronda
O melhor lugar para admirar esse horizonte privilegiadíssimo de Ronda é na Alameda. 

Esse jardim, construído no Século 19, debruça sobre o penhasco sobre o qual se assenta a cidade e oferece vistas impressionantes para o vale aos pés de Ronda, para as serras ao longe e, é claro, para o famoso Desfiladeiro do Tajo.

Alguns mirantes da Alameda de Ronda se projetam com tanta ousadia sobre o abismo que é quase impossível domar a vertigem para chegar até a balaustrada. Mas a beleza do lugar não deixa a gente recuar, apesar do intenso frio na barriga.

Passeio Orson Welles, um dos caminhos que corta os jardins da Alameda de Ronda
Paseo de Orson Welles homenageia o diretor do Cidadão Kane, que adorava a cidade e cujas cinzas repousam em Ronda
Entre banquinhos, fontes e estátuas, diversos caminhos cortam a Alameda, os paseos, cada um deles dedicado a um artista ligado à história de Ronda.

Hemingway e Orson Welles também são homenageados, cada um com seu paseo.

A Alameda de Ronda rende caminhadas gostosas, com um certo tom nostálgico, sempre com uma paisagem deslumbrante. O lugar é lindo a qualquer hora, mas ao cair da tarde é de fazer até um coração de pedra levitar...


Trilha que leva à base do Desfiladeiro do Tajo, Ronda
A trilha que desce até a base do Desfiladeiro do Tajo 
oferece uma vista espetacular para Ronda e o vale
A trilha para a base do Desfiladeiro do Tajo
Depois de ver o Desfiladeiro do Tajo do alto, complemente seu deslumbramento descendo até sua base (foi como eu fiz a foto de abertura deste post).

A descida é feita por um caminho pavimentado com pedras, nem  sempre muito regular, que parte da Plaza Maria Auxiliadora, um simpático larguinho arborizado, no final da Calle Tenório.

Eu fui só até a metade do caminho, onde um dente de rocha nos coloca cara a cara com o espetáculo do Tajo, mas é possível ir bem mais baixo, onde há algumas ruínas de construções e velhos muros.

O mirante onde parei é improvisado e é preciso muita atenção para não escorregar e (toc, toc, toc) cair no abismo.

A paisagem na base do Desfiladeiro do Tajo, porém, vale qualquer risco (e o esforço da subida, na volta).

Para pegar o melhor ângulo do sol, deixe para fazer esse passeio a partir do meio da tarde, mas cuidado para não perder a hora. Não aconselho ver o pôr do sol lá em baixo, pois a subida no escuro deve ser pra lá de radical.

Porta de Almocábar, nas muralhas de Ronda, principal acesso à cidade durante o domínio mouro
A Porta de Almocábar (de “Al-maqabir”, "cemitério" em árabe) era o principal acesso à cidade durante o domínio mouro. Ao fundo, à direita, a Igreja do Espírito Santo
As muralhas de Ronda
Ronda começou a ser fortificada pelos romanos, no Século 2, logo após a expulsão dos cartagineses da Península Ibérica.

Foram os mouros, porém, que melhor aproveitaram o relevo temperamental da cidade e converteram Ronda em um baluarte quase inexpugnável, a partir do Século 8, para guardar a rota que ligava Córdoba a Gibraltar e, de lá, para a África.

Parte das fortificações de Ronda ainda estão de pé, como o trecho de muralhas no bairro do Espírito Santo, onde se destaca a Porta de Almocábar, principal acesso à cidade na época moura.

Porta de La Xijara, nas muralhas de Ronda
As muralhas e a Porta de la Xijara
A Porta de Almocábar fica na parte baixa de Ronda. Se as suas panturrilhas estiverem em forma, experimente começar lá uma caminhada ladeira acima, acompanhando o contorno da muralha.

É um passeio delicioso (apesar de muito íngreme), com belos edifícios de um lado e a vista para o vale ficando cada vez mais bonita.

Logo no começo da subida está a Igreja do Espírito Santo, do Século 15, uma das mais antigas de Ronda.

Mais adiante está o Museu do Bandoleiro, dedicado à história e ao mito romântico que envolve esse personagem tão característico das áridas serranias espanholas no Século 18, e o Minarete de San Sebastián, parte de uma mesquita do Século 14, que não existe mais.

Igreja dos Espírito Santo, uma das mais antigas de Ronda
A Igreja do Espírito Santo
Na parte alta de Ronda há mais fortificações. São as muralhas e a Porta de la Xijara, outro lugar que acelera a pulsação da gente, com uma vista espetacular para o vale que se derrama a Leste da cidade.

Pertinho daí está a Porta de Felipe V, do Século 18, que controlava a travessia da mais antiga ponte sobre o Rio Guadalevín, e o acesso ao coração de Ronda.

Há controvérsias sobre a origem de Puente Viejo ("Ponte Velha" em espanhol): alguns historiadores afirmam que ela teria sido construída pelos romanos. O certo é que foram os mouros que construíram sua estrutura atual.

Até agora, só citei três razões pra você gostar de Ronda e o post já ficou enorme, por causa das fotos. Então, vamos combinar uma coisa? Comece a se apaixonar pela cidade e eu volto rapidinho com mais informações, tá? Nos encontramos nos próximos posts :)

A Espanha na Fragata Surprise - post-índice


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter  |  Instagram  | Facebook

8 comentários:

  1. Puxa! Que lacuna na minha ronda por Andaluzia... Mas é um bom motivo para voltar. Rose Spina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose, tem coisa melhor do que ter uma desculpa para voltar à Andaluzia? A minha é que eu não fui a Málaga, nem fiz a Rota dos Pueblos Blancos (só passei de ônibus, entre Cádis e Ronda). Beijo

      Excluir
  2. Oi, Cyntia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie - Boia

    ResponderExcluir
  3. Olá!!!

    Tenho visto muitas coisas legais no seu site!!!

    Vou fazer Espanha & Portugal de carro com minha Esposa, Tio e Tia, em Maio/Junho.

    Pura Surprise! :-)

    Parabéns e Obrigado,
    Vladimir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada a você, Vladimir. E aproveite muito a sua viagem. Portugal e Espanha são dois países encantadores.
      Abs

      Excluir
  4. Oi Cyntia, como experimentado navegante desta fragata, nestes últimos dias passamos a adotá-la como bússola. É que em agosto, sol escaldante, dedicaremos nove dias a Andaluzia. No roteiro, três dias em Sevilha; um bate-volta a Córdoba, desde Sevilha. Daí em diante, motorizados, serão dois dias entre Arcos, Serra da Grazalema e Ronda, dois em Marbella, a pedido da patroa, e fechando o périplo com Alhambra, de Granada. Beijo grande. Adriano Corrêa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Adriano, queria ir junto. Morro de vontade de voltar à Andaluzia. Aproveite muito a viagem e não esqueça de passar por aqui para contar como foi:). Fico feliz de saber que a Fragata está sendo útil no seu planejamento.

      Excluir