sábado, 5 de julho de 2014

Granada: passeio guiado pelo Albaicín

O Albaicín visto da Alhambra...
... e a Alhambra vista do Albaicín
Plantado no topo de um morro bem em frente à Alhambra, o antigo bairro mouro do Albaicín é um dos grandes encantos de Granada. Era lá que vivia o povo da cidade, na época do domínio árabe, enquanto a realeza ocupava a "cidadela vermelha". Subir e descer as ladeiras tortuosas do Albaicín é mergulhar em uma atmosfera cheia de história e tradição, descobrindo os encantos de velhas fachadas e jardins para, de repente, desembocar no mirante mais bonito da cidade.

Para ser "apresentada" ao bairro, recorri a um passeio guiado que foi bem útil como introdução aos segredos do lugar.  depois, voltei várias vezes para explorar o bairro no meu ritmo. Aposto que você também vai gostar da experiência.


Um pouquinho de história
Da varanda do Palácio Nazarí: 
a primeira vez que prestei atenção no Albaicín
Quando os reis Católicos decidiram lançar a ofensiva final sobre o reino mouro de Granada, no finalzinho do Século 15, adotaram a estratégia de ocupar as planuras a Oeste de dois morros, a Sabica, onde se assentava a cidadela amuralhada (onde está a Alhambra, antiga morada dos governantes), e o Albaicín, o arrabalde mouro.

Quem olha a Granada de hoje tem a sensação de que a lógica dessa distribuição territorial foi deliberadamente perpetuada ao longo do tempo, de tanto que ela ainda é visível, mais de cinco séculos depois de o cerco cristão ter levado Boabdil, último soberano Násrida, à rendição.

Porta de las Pesas, uma das antigas entradas do Alcaicín
A “cidade baixa” de Granada, a área plana aos pés das duas montanhas, é claramente “cristã” em seus belíssimos monumentos barrocos e renascentistas, como o Mosteiro de San Jerónimo, a Catedral e a Capela Real (deslumbrante!).

A Alhambra, felizmente continua sendo a Alhambra — com alguns acréscimos do Século 16, como o Palácio de Carlos V. E o velho Albaicín preservou suas feições, muito tempo depois de a intolerância pós-Reconquista ter mandado embora a maioria de seus moradores originais.

O passeio pelo Albaicín
As fachadas simples e floridas do Albaicín muitas vezes escondem jardins e pátios exuberantes
Tudo no Albaicín ainda evoca a povoação moura. O traçado das ruas (melhor dizer ladeiras) ainda leva o caminhante a minúsculas praças bem escondidas, ainda abriga as fontes que abasteciam os moradores com água potável (os aljibes) se cerca de belos Cármenes, os solares mouriscos escondidos do olhar dos passantes por muros altos e fachadas austeras, mas que explodem em exuberantes pátios floridos e jardins, em seu interior.

Os enfeites em azulejos são bem típicos do bairro, que faz até concurso entre suas fachadas 
Adivinhe qual foi a vencedora este ano :)
Eu caí de amores pelo Albaicín logo na primeira vez que o vi, lá do “outro lado”, de uma das varandas de um dos palácios nazaríes da Alhambra.

Fui lá quase todos os dias em que estive na cidade e acabei resolvendo fazer um passeio guiado pelo bairro, para descobrir um pouco mais de seus segredos. E foi uma das coisas mais bacanas que fiz em Granada.

O minarete da Mesquita Maior de Granada, a primeira construída na cidade (em 2003), desde a Reconquista, no final do Século 15
O passeio guiado começa na Plaza de Santa Ana, na “cabeceira” da Carrera del Darro, “a rua mais bonita do mundo”, que é onde as alturas do Albaicín desaguam na parte baixa da cidade (a rua é considerada parte do bairro).

Para poupar panturrilhas e fôlegos, a subida é feita de ônibus (a Linha 31 do transporte público passa pela Plaza Nueva, no Centro, e sobe a empinadíssima Cuesta del Chapiz até o Albaicín). Lá no alto, atravessamos a Puerta de las Pesas e estamos no coração do bairro.

Cenas do Albaicín
Igreja de San Nicolás, no Albaicín
O bairro já foi povoação romana e tem ocupação contínua desde o Século 11, mas uma das construções que mais chama a atenção por lá é novinha em folha. A Mesquita Maior de Granada foi inaugurada em 2003 e é o primeiro templo muçulmano erguido na cidade, desde a Reconquista dos Reis Católicos, em 1492.

A construção é novíssima, mas já profundamente impregnada de significado histórico — ou será que foi meu eterno otimismo que celebrou a tolerância quando viu as linhas sóbrias do minarete tão à vontade, na companhia dos campanários do bairro?

Prepare-se para subir e descer muitas ladeiras
O Generalife (palácio de verão da Alhambra, à esquerda) e a Sierra Nevada vistos do Mirador San Nicolás
O passeio guiado vai até o bairro do Sacromonte, antigo reduto cigano da cidade, sobre uma morro contíguo e ainda mais alto que o Albaicín. A passadinha por lá é rápida, mas dá para ver algumas das cuevas (grutas) transformadas em casas pelos habitantes da área.

Muitas dessas grutas foram escavadas para ampliar o espaço. O que se vê, do lado de fora, são casinhas brancas, baixinhas, sempre com chaminés.

Cenas do bairro cigano de Sacromonte: a Cueva de Chorrohumo, usada como habitação desde o Século 15, foi a morada de um patriarca cigano, o ferreiro Chorrohumo. Hoje é um museu. À direita, a Fonte da Amapola, que ainda oferece água potável. A inscrição no azulejo diz "Como eu gostaria de ser a fonte do meu bairro para que, quando passes e bebas, sentir a proximidade de seus lábios"
Mirador dr San Nicolás: é lá que você vai querer estar quando a tarde estiver caindo em Granada
Além de ser fascinante, o Albaicín tem um apelo inescapável para os visitantes, que é a vista escandalosa para a Alhambra e para a parte baixa de Granada.

O Mirador de San Nicolás, em frente à igrejinha dedicada ao santo, é o ponto mais cobiçado, principalmente ao cair da tarde, quando o ângulo do sol está perfeito para contemplar a antiga cidadela moura, com suas torres meio douradas e meio avermelhadas, com os picos branquinhos da Sierra Nevada servindo de moldura, lá atrás. É uma imagem arrebatadora, mesmo. Sozinha, justifica o passeio.

Sabe o que eu acho mais fascinante? É ver a vida cotidiana acontecendo em um cenário desses...
As cuevas de Sacromonte: essas casas foram escavadas na montanha, aproveitando gritas naturais
Informações práticas
Com um bom mapa e um guia das principais atrações, você pode descobrir sozinha os recantos mais bonitos do Albaicín. O maior prazer de andar pelo bairro é se perder pelas ruazinhas tortuosas. O melhor jeito de chegar lá é caminhando bem devagarzinho, pois a subida é muito íngreme. Escolha qualquer uma das ruelas que começam na margem Oeste da Carrera del Darro e pronto.

Se preferir poupar o fôlego, suba com o ônibus 31, que tem uma parada na Plaza Nueva, próxima à Real Chancillería.

O Albaicín está ligado ao centro de Granada por muitas ladeiras e escadarias
Fiz o passeio guiado pelo Albaicín com uma agência chamada Play Granada, que tem ênfase em tours de segway pela cidade, mas também oferece passeios a pé e em bicicleta elétrica. Gostei muito da guia que acompanhou meu grupo (seis pessoas), que pareceu ter bastante conhecimento histórico sobre o Albaicín.

O escritório deles fica na Calle Santa Ana nº 2, que é mais uma escadaria do que uma rua, iniciada na Plaza de Santa Ana. Por essa caminhada de duas horas pelo Albaicín e Sacromente eles cobram € 25 por pessoa.


A Espanha na Fragata Surprise - post-índice




A Europa na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

3 comentários:

  1. Oi, Cyntia! Adorei o seu post, parabéns!
    Estou programando uma ida à Granada com a minha mãe em março do ano que vem e gostaria de saber se seria perigoso circularmos sozinhas pelas ruas do Albaicín. Tenho boa noção de direção e já fiz até um mapa com o nosso itinerário, destacando os principais pontos. Mas olhando o street view, achei as ruas estreitas e meio desertas.
    Isso procede? Ou há bastante movimento de pessoas nessas vielas estreitas?
    Abs
    Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fernanda,obrigada :)

      Olha, eu andei pelo Albaicín de dia e de noite, sozinha, sem problemas. As ruas são estreitinhas, mesmo, mas o bairro tem movimento de turistas e moradores (e olha que eu fui no inverno, quando costuma ter menos gente nas ruas).

      Tome os cuidados que você tomaria em qualquer cidade, confie no seu instinto diante de situações suspeitas (que acontecem em qualquer lugar) e aproveite o passeio.

      abs

      Excluir
    2. Muito obrigada pelo retorno rápido, Cyntia!
      Fico mais tranquila de saber que há certo movimento. Mas ficarei de olho por precaução.
      Valeu pela dica! :)
      Abs

      Excluir