quarta-feira, 28 de maio de 2014

Granada além da Alhambra:
O esplendor de San Jerónimo

Igreja de San Jerónimo: linda de fazer o coração parar
- Você tem que ir ver San Jerónimo! A dica — quase uma intimação — veio de uma senhora que encontrei em café do centro de Granada, numa daquelas paradas estratégicas para recuperar um pouco do calor que o vento gelado, eco da Sierra Nevada, insistia em espantar de mim, naquela manhã cinzenta de janeiro.

Ela sacou de cara a minha condição de turista, atrapalhada com um mapa da cidade (já tentou dobrar um, bem direitinho, com os dedos amortecidos pelo frio?) e veio direto falar comigo. Confesso que meu projeto era voltar para o hotel e tomar um banho quente, mas como o mosteiro ficava pertinho, resolvi ir até lá.

A elegância vista da rua
A alameda da entrada
Pois aquela santa senhorinha, de quem não perguntei o nome, me deu um presente inesquecível. O Mosteiro de San Jerónimo, construído no Século 15, é de uma beleza tão impactante que, mesmo que não existisse a Alhambra, acho que ele colocaria Granada no mapa de cidades imperdíveis da Espanha. E, shame on me, eu não tinha a menor ideia de sua existência, até parar para aquele abençoado café.


Um dos claustros mais lindos que já vi...
Logo na chegada, o edifício já impressiona, com sua fachada em pedra cor de caramelo desdobrando-se em gomos elegantes. A entrada é por uma bela alameda ajardinada, onde estudantes da Universidade de Granada, que tem várias faculdades na vizinhança, aproveitavam um pouquinho do sol que conseguia se filtrar entre as nuvens.

Transposta a entrada, dei de cara com um dos claustros mais bonitos que já vi na vida (e olha que se os claustros tivessem um programa de milhagem, meu cartão já seria platinum-ultra-plus, rsss).

O campanário de San Jerónimo e a rica decoração
dos portais voltados para o claustro


Dominado pelo campanário de linhas sóbrias, o claustro de arcadas elegantes é perfumado pelas onipresentes laranjeiras andaluzas que, mesmo em Granada, a poucos quilômetros dos picos nevados que emolduram a cidade, ignoram solenemente o inverno e continuam a produzir seus frutos dourados.

As várias salas que se comunicam com o claustro exibem telas, imagens sacras e móveis com muitos entalhes e douramentos, um pequeno museu que já valeria a visita. A essa altura, eu já queria voltar ao café e cobrir a minha “guia turística” de beijos, mas eu ainda não tinha visto nada.



Quando eu já havia contornado quase toda a galeria, vi a plaquinha despretensiosa: “Iglesia”. Abri a porta imaginando que ia ver uma capelinha e quase caí pra trás: que coisa linda é a Igreja de San Jerónimo!!

Um tesouro renascentista cuja construção foi determinada pelos Reis Católicos logo após a Reconquista cristã de Granada. Com cada pedacinho de seu interior coberto de obras de arte, o destaque é o retábulo maneirista que recobre o altar mor, considerado um marco da escultura andaluza.

Fala se não é de cair pra trás

O templo foi patrocinado pela família de Gonzalo Fernández de Córdoba y Enríquez de Aguilar, o Gran Capitán,um dos heróis da Reconquista cristã sob o comando dos reis católicos, famoso por ter capturado Boabdil, último rei da Dinastia Násrida (Nazari) em Granada. O comandante militar está sepultado em San Jerónimo.

E o terrível é pensar que todo esse esplendor foi duramente vandalizado pelas tropas napoleônicas, durante a ocupação francesa de Granada (1810-1912). Para nossa sorte, existe a arte do restauro e San Jerónimo está lá, linda e pronta para nocautear visitantes distraídas como eu, que passei mais de meio século sem suspeitar de sua existência.


Se você também não tinha ouvido falar dessa maravilha, peço desculpas por ter lhe roubado a chance de ter uma surpresa tão arrebatadora quanto a minha. Mas aposto que se você for a San Jerónimo por causa deste post, vai ter a mesma vontade de me cobrir de beijos que eu senti em relação à senhorinha do café


Mosteiro e Igreja de San Jerónimo 
Calle Rector López Argueta nº 9, esquina com a Calle Gran Capitán, Centro
Aberto diariamente. De março a outubro, as visitas ocorrem das 10h às 13:30 e das 16h às 19h, de segunda a sexta. Aos sábados, domingo e feriados, das 10h às 14:30h e das 16h às 19h.

O horário de inverno (de outubro a março) é um pouquinho mais curto: das 10h às 13:30h e das 15h às 18:30h, de segunda a sexta e das 10h às 14:30h e das 15h às 18:30h aos sábados, domingos e feriados. A entrada custa €4.

O Caminho de Santiago passa por San Jerónimo
A Espanha na Fragata Surprise - post-índice




A Europa na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Cynthia,

    Que post lindo! Eu me senti fazendo um tour!
    Existem lugares que me fazem lembrar de minha mãe, das preferencias de viagem dela.

    Bjs
    Sissym
    Blogzoom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma das muitas surpresas que Granada me fez, Sissym. Cidade inesquecível :)

      Excluir