terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Litoral Norte da Bahia:
Os encantos do Lado B


Banho de Rio na Barra do Itariri, no Litoral Norte da Bahia: simples e perfeito

Alguns hábitos, expressões e manias são danados para denunciar a idade. Se você sabe o que é um Sputnik, prefere a gravação original de Vapor Barato (a de Gal, no disco Fatal, de 1971) e diz que uma coisa legal é “massa”, não vai adiantar nada dormir no formol: sua data de nascimento, encravada lá nos meados do século passado, vai aparecer mais que letreiro de neon.

Este é exatamente o meu caso, agravado por uma eterna nostalgia dos longos dias preguiçosos em frente ao mar de Arembepe — só de biquíni e sandália havaiana até altas horas da noite, jantar no Mar Aberto e o sono embalado pelo barulho das ondas.

Van Gogh teria adorado este cenário entre 
o Conde e o Sítio do Conde
Não alcancei o apogeu do lugar, o paraíso hippie dos anos 70, mas, ao longo da Década de 80 e do comecinho da de 90, curti muito Arembepe, hoje destruída por construções horrendas, lixo e turismo predatório.

O Litoral Norte da Bahia agora é conhecido por lugares mais sofisticados, como a Praia do Forte e Guarajuba, ou por aquele espaço cenográfico chamado Costa do Sauípe. A região, porém, ainda tem muitos cantinhos despojados, totalmente pé na areia. Foi em busca desse Lado B do Litoral Norte que eu peguei a Linha Verde, ou Rodovia BA-099, no recesso entre Natal e Ano Novo. E é essa viagem por Imbassaí, Vila do Diogo e Barra do Itariri que eu vou contar nos próximos posts.



Imbassaí: de noite é chique. De dia, totalmente Lado B
(Em tempo: essa ideia de "Lado B" também é mais bandeirosa que teste de Carbono 14, mas fazer o quê? Sou do tempo do disco de vinil...).

Informações 
Chamamos de Litoral Norte da Bahia toda a extensão de praias entre Salvador e Mangue Seco, na divisa com Sergipe. A Rodovia BA-099 começa no município de Lauro de Freitas, coladinho ao Aeroporto Dois de Julho (mudou de nome, eu sei, mas me recuso a incorporar: já disse que sou do tempo do vinil...), como Estrada do Coco, denominação que ela vai conservar até a Praia do Forte, quando passa a se chamar Linha Verde. São cerca de 200 quilômetros à beira mar, margeando destinos de praia para todos os gostos.

A minha velha e querida Arembepe é hoje praticamente uma cidade, cada dia mais caótica e muvucada. Fica a 50 Km de Salvador e dá para chegar lá de transporte coletivo: saem ônibus da Rodoviária e da Estação da Lapa, no Centro (R$ 3,50). Para ter uma ideia do paraíso que já foi o lugar-- sede de uma mitológica temporada de verão de Janis Joplin, em 1971-- vale visitar a "Aldeia Hippie", com suas casas cobertas de palha de coqueiro, sem energia elétrica e, reza a lenda, tombada pelo patrimônio histórico estadual.

O Litoral Norte na Fragata Surprise
A sossegada Barra do Itariri, presente de Oxum
O charme despojado da Vila do Diogo, um lugar pra esquecer do mundo
Imbassaí tem sossego e badalação
Castelo da Praia do Forte: Idade Média nos Trópicos
Mangue Seco, um paraíso resgatado

Onde comer bem
Três restaurantes que valem a viagem
Do lado da Praia do Forte, um restaurante escondido e delicioso
Banquete pé-na-areia em Mangue Seco

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

4 comentários:

  1. Palavra de urbanóide inveterado: chega-se àquele banho de rio em Itariri em rodovia asfaltada ou tem algum trecho em terra?

    ResponderExcluir
  2. Beleza, Cyntia! O Litoral Norte tem mesmo muita coisa linda pra se ver fora do roteiro 5 estrelas, como a vila de Diogo. Um paraíso, que se vc não conheceu vale à pena conhecer. A travessia para chegar à praia é uma delícia, inclui ponte sobre o rio (antes era a famosa pinguela) e vencer as dunas. Antes ou depois da travessia, abastecer no restaurante de Ivan e Sandra é de lei. Comida maravilhosa e barata, cervejinha gelada, ambiente rústico e papo agradável. Imperdível pra quem vai pra Linha Verde.

    ResponderExcluir
  3. Monica,o almoço no restaurante de Sandra e Ivan foi um dos highlights da viagem. Vou contar nos próximos posts. Aliás, tem umas dicas massa sobre a Vila do Diogo, que eu conheço há bastante tempo e adoro. Não perca os próximos capítulos da Fragata, rsss. Bj

    ResponderExcluir
  4. Tony, para chegar à Barra do Itariri, vc pega 6 km de estrada de terra, mas nada que assuste. Na semana passada, estavam passando um trator por lá e deve estar melhor agora. Nos próximos capítulos da Fragata, contarei a história toda.

    ResponderExcluir