sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Pirenópolis:
Encanto colonial no coração de Goiás

Matriz do Rosário, do Século 18
O Século 18 é meio recente  para o meu gosto, mas tenho que me curvar ao talento da época para a produção de cidades mágicas. Voltar a morar em Brasília me deu de presente a vizinhança com a adorável Pirenópolis, essa perolazinha de 20 mil habitantes na Serra dos Pirineus, em Goiás.

Pirenópolis é uma escapada fácil para quem está na capital federal ou em Goiânia e foi lá que passei o último fim de semana. A jornada foi uma joint venture da Fragata Surprise com o Sopão do Tião, blog muito bacana do meu amigo Tião Vicente, do qual sou leitora assídua. O Sopão foi com o time completo: Tião, Rejane, os fofos Bernardo e Cecília e a fiel escudeira Ivone. A Fragata levou o bloquinho e a nova câmera fotográfica, substituta da saudosa Pentax, desaparecida na última mudança.
Se você gosta de janelas coloniais, prepare-se para passar horas fotografando Pirenópolis
O engarrafamento na saída de Brasília — a Via Estrutural, que vai do Plano Piloto a Taguatinga e Ceilândia, é infernal nos finais de tarde — nos atrasou um bocado, mas acabou fazendo parte da mágica. Adoro chegar a cidades antigas depois que escurece, pois a noite parece diluir a passagem do tempo.

Pirenópolis — “Piri”, para os íntimos — completou 284 anos no início deste outubro. No sossego da noite de sexta-feira, as janelas que nos vêem passar têm os olhos das Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte, como foi batizada a cidade nascida em 1727, em pleno Ciclo do Ouro.

A noite, à luz dos lampiões, Piri fica ainda mais mágica
Na luz meio reticente dos lampiões, caminhar pelo calçamento de pedras irregulares do Centro Histórico de Piri tem o gosto daquelas vizinhanças onde se presenteava o morador do lado com bolo de fubá — e o prato nunca era devolvido sem trazer uma provinha de compota de caju ou de doce de banana em rodelas. E não é qualquer cidade que pode receber seus visitantes com a lua cheia se derramando na simplicidade majestosa dos traços da Matriz do Rosário.

A riqueza oriunda do garimpo encheu a cidade de belezas. Além da Igreja do Rosário (1732), considerada o edifício mais importante do período colonial em Goiás, Piri tem uma Igreja do Bonfim (1754), nos mesmos traços sóbrios da Matriz e postada sobre uma colina, como sua homônima mais famosa, a de Salvador. As linhas despojadas também se repetiam na Casa de Câmara e Cadeia (1733), como atesta sua réplica, construída em 1919 e que, hoje, abriga o Museu das Cavalhadas.

A escadinha com gradil (esquerda) na entrada das casa é típica de Pirenópolis

A cidade mudou de nome no final do Século 19, mas Meia Ponte ainda ecoa nos traços recatados das fachadas. Os poucos adornos são os gradis das escadinhas de acesso às casas centenárias (a cara de Piri!), os delicados lambrequins que arrematam os telhados. Aqui e ali, uma porta listrada...

Pensando bem, Piri lembra Marina, a morena de Caymmi, que não precisa de maquiagem, porque “já é bonita com o que Deus lhe deu”.

O que ver no Centro Histórico de Pirenópolis
Matriz do Rosário, a igreja mais antiga de Goiás
Matriz de Nossa Senhora do Rosário
A qualquer hora do dia o sol ilumina a fachada da Matriz
A igreja mais antiga do estado de Goiás é um dos orgulhos da cidade, um legado do Ciclo do Ouro. A Matriz, inaugurada no começo do Século 18, tem paredes em taipa de pilão, uma técnica muito difundida na época da Colônia. O interior do templo tinha uma rica decoração, completamente perdida no incêndio de 2002 que quase custou a Pirenópolis o seu edifício mais precioso.

Um detalhe curioso é que a igreja foi posicionada de tal forma que o sol ilumine sua fachada a qualquer hora do dia.

Igreja do Bonfim
O cruzeiro do Bonfim
Como sua homônima mais famosa, a Igreja do Bonfim de Piri também fica no topo de uma colina
A bela igrejinha de taipa e linhas sóbrias tem muito mais em comum com a Igreja do Bonfim de Salvador do que o nome e a localização no topo de uma colina. A imagem do Senhor do Bonfim no interior do templo foi trazida da Bahia para Pirenópolis, por um grande grupo de tropeiros, irmanando as duas cidades em uma devoção herdada de Setúbal, em Portugal. As duas igrejas foram inauguradas no mesmo ano, 1754.

Cavalhadas
Edifício reconstruído da antiga Casa de Câmara e Cadeia, que hoje abriga o Museu das Cavalhadas
A tradicional encenação das batalhas entre mouros e cristãos é o grande acontecimento da cidade, realizada durante os festejos de Pentecostes (data móvel, 50 dias depois da Páscoa), quando Piri fica abarrotada de visitantes. Mascarados e cavaleiros paramentados com muita pompa se enfrentam pelas ruas da cidade durante três dias, mobilizando toda a população.

Vestimentas e adornos típicos das Cavalhadas de Pirenópolis
Casario colonial
Casinhas brancas e detalhes de todas as cores

O Centro Histórico de Pirenópolis é um encanto. Pra qualquer lado que a gente caminhe, é difícil não parar em frente a cada uma das casinhas coloniais, geralmente pintadas de branco, com portas e janelas de todas as cores e pequenos detalhes que fazem a festa para o olhar. 

Repare nos lambrequins que adornam os telhados, as portas listradas, as escadinhas com gradil colorido que dão acesso a muitas casa (para compensar o relevo irregular da cidade). 

Rua Direita
De vez em quando o Século 21 se manifesta em alguma fachada :)
O conjunto arquitetônico do Século 18 é tombado pelo patrimônio histórico e merece ser explorado com muita calma, no sobe e desce das ladeiras e no entra a sai de ruazinhas sossegadas, algumas ainda com o calçamento irregular de pedras sem polimento. 

Se você tiver pouco tempo na cidade, concentre o passeio nas ruas Direita, Aurora e do Bonfim e no entorno da Praça da Matriz.

Nem tudo é arquitetura colonial em Piri. O Cine Pireneus, na Rua Direita, e essa casinha com símbolos maçônicos são ilustres representantes do estilo art-déco
Mais sobre Pirenópolis
Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Ufa! Que banquete, quantas delíicias! Você escreve e fotografa muito bem, Cyntia, na apresentação dos lugares e tempos. Por isso, acho que não vou mais comentar, porque ficaria repetitiva. Mas vou continuar lendo, sim. Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, comenta, Suzana, eu adoro!!!
      Beijo e obrigada pelos elogios :)

      Excluir