sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O lado verde de Pirenópolis

A Ponte Velha, sobre o Rio das Almas
Eu vim a Piri namorar as fachadas da velha Meia Ponte, mas devo ser minoria. A cidade hoje é muito mais procurada para o turismo de aventura e o ecoturismo do que para a contemplação vagarosa que tanto me encanta. Ainda bem que tem lugar para todo mundo — e vamos combinar que quem vem atrás das cachoeiras tem mais juízo do que eu, que me deixo hipnotizar por fachadas coloniais nesse sol de matar camelo.

Nem a chuva refrescou Pirenópolis. Bastou estiar e o calor inclemente, seco e sufocante começa a me lembrar que a cidade é cercada de rios, riachos e quedas d’água. Como se precisasse. Por toda parte, agências de turismo da cidade oferecem roteiros de trekking, arvorismo, tirolesa, moutain biking... Todos coroados pela possibilidade de um banho de cachoeira, no final.
A paisagem é tentadora: no limite entre o Planalto Central e a Serra dos Pirineus, Pirenópolis tem um horizonte dos mais sedutores, com o recorte das montanhas cobertas pela vegetação do cerrado.

O riacho do Restaurante Prdreiras: só com repelente
OK, mas eu fiquei mesmo com as fachadas — na verdade, minha única experiência rural em Piri foi molhar os pés nos riozinho que passa ao lado do Restaurante Pedreiras, onde uma prainha de areia branca me deixou mais para Caymmi que para Indiana Jones. Os mosquitos, porém, não quiseram saber: com repelente e tudo, aproveitaram esse meu pequeno interregno junto à natureza para me degustar, sem nenhuma cerimônia.

Minha dica de ecoturismo em Pirenópolis vem de meus amigos Tião e Rejane. É o Santuário da Vida Silvestre Vagafogo,  uma Reserva Particular do Patrimônio Natural a cinco quilômetros do centro de Pirenópolis. As atrações são as trilhas na mata preservada, arvorismo, rapel e outros programinhas bem bacanas.

Além disso, a Vagafogo serve um famosíssimo brunch, perfeito para repor as energias depois das aventuras.

Mais sobre Pirenópolis
Onde comer

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Oi Cyntia..estou por aqui, de novo, namorando Pirenópolis. O que você de uma ida até lá em junho, segunda quinzena.
    Saindo do Rio de Janeiro, é melhor ir por Brasília ou Goiânia?
    Obrigada, bj.
    Ana Silvia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, em junho costuma estar mais fresquinho em Piri. De Brasília até lá são 155 km. De Goiânia, a distância é um pouquinho menor 120 km. O que você precisa ver é onde fica mais fácil e mais barato chegar de avião aí do Rio. Eu desconfio que o trecho Rio-Brasília-Rio tem mais opções de horários e preços melhores. As distâncias entre os aeroportos de Goiânia e de Brasília e as respectivas estações rodoviárias são similares, mas não conheço o transporte na capital goiana. Se você for alugar um carro e tiver mais tempo, considere fazer Goiânia- Piri - Goiás Velho (terra de cora Coralina, primeira capital do estado) - Goiânia.
      Bjo

      Excluir