sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Nápoles - dicas práticas

Fachada no Centro Storico de Nápoles
Se tem uma coisa que eu não me conformo é ver tanta gente fazer de Nápoles apenas um ponto de passagem para ir a Capri, Pompeia ou à Costa Amalfitana. É verdade que desta vez eu fiz quase isso, ficando apenas 36 horas na cidade para ir a Pompeia e Herculano. E vocês não imaginam como doeu ficar tão pouco tempo em uma cidade que está entre os maiores amores da minha vida de viajante.

Recomendo enfaticamente que você experimente essa cidade espetacular (e bonita de quase arrancar lágrimas) pelo menos uma vez na vida. Estou preparando alguns posts contando o que fiz por lá, nesta curta passagem. Por enquanto, fique com essas informações básicas para ir organizando sua visita. Aposto que você vai se apaixonar perdidamente por Nápoles.

Como chegar 
Estação Garibaldi, a porta de entrada para quem vem de trem
De trem
Esse é o jeito mais prático. Da Estação Termini, em Roma, até a Estação Garibaldi, em Nápoles, os trens mais rápidos fazem o percurso em 1h10min. Mesmo os do tipo pinga-pinga dificilmente levarão mais de 1h40min no trajeto. A tarifa depende do horário e do tipo de trem, mas calcule gastar cerca de €30 por trecho, se comprar a passagem em cima da hora. Comprando com antecedência, o preço do bilhete do Frecciarosa (de alta velocidade) cai para  €19 cada trecho.

A  Garibaldi também tem estação de metrô e terminal de linhas de ônibus urbanos. Está sempre muito movimentada e é um dos lugares de Nápoles onde convém ficar atenta aos batedores de carteira
A Estação Garibaldi fica no centro de Nápoles e está conectada ao metrô, além de ser ponto final de uma série de linhas de ônibus. Do lado de fora, o movimento de gente é intenso e essa é uma das áreas de Nápoles onde todo o cuidado com a bolsa e os demais pertences é estritamente recomendável. Desta vez, porém, achei as cercanias da estação muito mais policiadas e menos mal encaradas.

O táxi da Estação Garibaldi ao centro custa entre €7 e €10, o que, convenhamos, não chega a ser um preço muito alto, pra a gente se livrar logo daquela muvuca.

De avião
A pista do Aeroporto de Capodichino
Nápoles é servida pelo Aeroporto Internacional de Capodichino, a cerca de 6 quilômetros do centro da cidade. O terminal é o mais movimentado do Sul da Itália e recebe voos de empresas low cost e convencionais.

Não há voos diretos do Brasil para lá, mas Nova York, Madri, Berlin, Londres, Paris, Atenas e Budapeste são algumas das grandes cidades conectadas a Nápoles por via aérea. Alguns desses voos são sazonais. Para ver todas as rotas, confira o site oficial do aeroporto de Capodichino. O terminal oferece WiFi gratuito por tempo ilimitado aos usuários 

Para ir do aeroporto ao centro
A opção mais barata é usar o Alibus, que custa €3 (ou €4, se você comprar o bilhete a bordo do ônibus) . Ele conecta o aeroporto à Estação Central Garibaldi (no centro, percurso de 20 minutos) e ao Mollo Beverello, (cerca de 40 minutos de viagem), de onde partem barcos para Capri, Ischia e outros destinos. O serviço funciona diariamente, das 6:30h às 23:50h (do aeroporto ao centro) e das 6h à meia noite, no sentido contrário. As partidas são a cada 20 ou 30 minutos. Consulte os horários no site da Unico Campania, a empresa que opera o Alibus.

Igreja dei Santi Cosma e Damiano (São Cosme e São Damião) ai Banchi Nuovi, do Século 17
Ao embarcar no Alibus, não esqueça de validar o tíquete na maquininha a bordo do ônibus. O bilhete continua válido para ser usado em toda a rede de transporte da cidade, até 90 minutos depois da autenticação. Quer dizer, se você for até a estação Garibaldi e de lá for prosseguir de metrô, não precisará de outro bilhete.

De táxi
Se você estiver viajando com muita bagagem ou em grupo, considere pegar um táxi. A corrida entre o Aeroporto e o Centro Storico custa €20.

Como circular na cidade
Estação do Funicular Central, no Vomero

Nas partes planas do Centro Storico e na região de Santa Lucia e Partenope, o ideal é andar a pé, mas o relevo de Nápoles exige que a gente recorra ao transporte público para escalar as escarpas que levam à parte alta da cidade.

Se é divertido descer do Vomero a pé, atravessando os Quartieri Sapgnoli, fazer o caminho inverso é uma penitência. Mas não se preocupe: os funiculares estão lá para isso.

O bondinho que liga
 a Via Toledo ao Vomero
Esses bondinhos são o jeito mais napolitano de subir e descer, tão charmosos e pitorescos que a gente esquece que eles têm uma dimensão funcional, transportando centenas de milhares de pessoas por dia para o trabalho e outros afazeres. 

Para o visitante sem pressa, percorrer os trilhos em plano inclinado nos funiculares é pura diversão com gostinho vintage, enquanto a gente viaja rumo às alturas.

O fôlego poupado nas rápidas viagens a gente perde diante do estonteante panorama da Baía de Nápoles e do Vesúvio, vistos do Vomero e do cabo Posilipo

São quatro linhas de funicular. Os mais usados pelos turistas são o Centrale e o Montesanti, cujas paradas finais, no alto do Vomero, ficam pertinho do Castel Sant'Elmo. O bilhete para os funiculares é o UnicoNapoli, que custa €1,30 e tem validade para 90 minutos (não esqueça de autenticar nas maquininhas, quando for começar a usar!!) em toda a rede de transporte público da cidade. 


Funicolare Centrale - entre a Piazzetta Augusteo, na Via Toledo (a rua de comércio mais movimentada do Centro Storico) à Piazza Fuga, no Vomero. Segundas e terças, das 6:30h às 22h. No resto da semana, funciona até a meia noite e meia.

Funicolare di Montesanti - entre o popularíssimo mercado de Pignasecca e o Vomero. Diariamente, das 7h às 22h.

A cara meio futurista das estações de metrô Garibaldi (à esquerda) e Toledo
Para cobrir distâncias mais longas na parte baixa da cidade, experimente o Metrô, que ainda tem uma malha bem limitada, mas quebra o galho, quando é preciso vencer distâncias maiores sem ficar presa no trânsito. Além das utilíssimas estações da Via Toledo e Garibaldi, conectada à estação ferroviária, é bom saber que a Estação Museo fica bem em frente ao Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, que guarda alguns tesouros escavados em Pompeia. 

Onde ficar 
O balcão do meu quarto no M99 Design Rooms
Já me hospedei em Santa Lucia e adorei a proximidade com a beira mar (onde Ulisses teria fundado a cidade <3). Desta vez, porém, fiquei no Centro Storico, do lado da Universidade, e gostei muito do astral da região, movimentada até tarde, mesmo no frio inclemente que estava fazendo, no finalzinho de dezembro.

Meu quarto era beeem grande
Minha casa em Nápoles foi o M99 Design Rooms, que reúne o despojamento dos hostels à privacidade dos hotéis. Fica no primeiro andar de um edifício antigo e recebeu uma reforma de bom gosto. Tem apenas cinco quartos (o meu era beeeem grande), cada um decorado em um estilo e equipados com todos os confortinhos básicos (amei a poltrona de leitura, com um senhor holofote para iluminar o meu livrinho, e a mesa de trabalho). O banheiro, super novinho, tem um boxe amplo, secador de cabelos e de toalhas.

Detalhe do quarto e o banheiro
A cama era confortável, mas eu não curti muito os travesseiros (eu implico com aqueles travesseiros italianos compridos, que parecem um salame atropelado, muito baixinhos e pouco fofos). Adorei o meu balcão com vista para a rua, mas a alegria da estudantada na rua, durante a madrugada, perturbou um pouco o meu sono, já que a porta da varanda não era a prova de ruído;

O café da manhã, incluído na diária, é preparado pelo próprio hóspede, que tem acesso à cozinha na área comum. Estão disponíveis pães, geleias, sucos e, claro, café, que a gente faz no fogão, na cafeteira italiana.

M99 Design Rooms - Via Mezzocannone 99, Centro Storico, a 450 metros da Estação de Metrô Universitá. Diária para uma ou duas pessoas, em dezembro de 2014, a €60. Ao fazer o checkin, o hóspede recebe as chaves do casarão e do apartamento, não há recepção no hostel. Mesmo assim, Giulia, a dona, é bem acessível por email e foi assim que pedi (e ela atendeu prontamente) que me providenciasse um táxi para sair de manhã cedinho para o aeroporto. No cômputo geral, gostei da estada e recomendo.

Hospedagem comentada - índice com todos os hotéis citados no blog

Mais sobre Nápoles
10 razões para amar Nápoles
Não conhecer Nápoles é desperdiçar a vida
Uma aventura neo-realista nos Quartieri Spagnoli

A Itália na Fragata Surprise
Campânia: HerculanoNápoles e Pompeia
Costa Amalfitana: AmalfiRavello e Sorrento
Emília-Romanha: Bolonha e Ravena
Sicília: AgrigentoCastelmolaPalermo e Taormina
Toscana: FiésoleFlorençaLucaSan Gimignano e Siena
Vêneto: Burano e Veneza


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

6 comentários:

  1. Oi, Cyntia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    ResponderExcluir
  2. Adorei as dicas! Tentei fazer a reserva desse hotel agora, mas não tinham mais quartos disponíveis ��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Gabi. Pena que não tem vaga, pq o lugar é bem bacaninha. Aproveite a minha querida Nápoles. Diga quexestou com saudades e vou voltar :)

      Excluir
  3. Olá Cyntia!
    Estou começando a planejar a viagem de férias da minha familia (2 adultos, 2 meninas) para Julho/2017.
    Acabei de me deparar com teu blog e estou adorando! Parabéns!!!
    Me diga, quantos dias pra conhecer Nápoles bem? 3,4...
    Faremos day trips para Pompéia e Herculano, com base na cidade.
    Depois pretendemos alugar um carro para ir para Costa Amalfitana. Imagino que dê para fazer tudo de trem/ônibus mas com 4 pessoas e malas...acho que um carro será mais confortável.
    Enfim, estou mamando tuas dicas!
    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Malu, a resposta depende de quantos dias você terá para o total da viagem. Eu passaria uma semana em Nápoles tranquilamente, mas eu sou suspeita, porque amo a cidade, rsss.

      Com dois dias inteiros e disposição pra bater muita perna eu arrisco dizer que dá pra ver o essencial (Vá ao Museu Arqueológico antes de ir a Pompeia e Herculano, porque a maioria dos achados das escavações estão lá).

      Com três dias eu acho que você faz um roteiro mais confortável, sem muita correria.

      Julho é bacana porque é verão, com dias longos pra você aproveitar todas as vistas maravilhosas que a cidade oferece. Por outro lado, suspeito que vai estar um calor brutal, então, sempre é bom reservar um tempo para relaxar...

      Pense em dar uma escapada também a Capri ou a Ischia.

      Realmente, quatro pessoas com mala talvez viagem melhor de carro pela Costiera. Eu fui de ônibus e circulei bastante por lá. A vantagem é a altura dos ônibus, que deixa você enxergar o mar e os precipícios por cima do guard-rail. Tem um post aqui com as dicas práticas deste trecho > http://www.fragatasurprise.com/2007/11/costa-amalfitana-dicas-praticas.html

      Obrigada por estar curtindo a Fragatinha

      bjo

      Excluir