8 de julho de 2019

Central Park - Nova York ao ar livre

Bethesda Terrace, Central Park, Nova York
Bethesda Terrace, um dos cartões postais mais famosos do Central Park
O Central Park, em Nova York, é provavelmente a área verde mais famosa do planeta. Seus 3,4 km² de área concentram alguns dos cartões postais mais fotografados da cidade — e olha que a concorrência na Big Apple não brinca em serviço.

Amado pelo cinema, pelos românticos, pelos esportistas, pelas crianças e por seres humanos em geral, o Central Park é um dos maiores sucessos de Nova York.

Pato em The Pond, lago no Central Park, Nova York
Os patinhos de The Pond são muito fotogênicos
Também, quem manda ser tão agradável? E tão fotogênico? O Central Park concentra tantos recantos bacanas e oferece tantas atividades divertidas que ele chega a ser praticamente inesgotável. 

Não importa se é a sua primeira ou milésima visita a Nova York: tenho certeza que você vai dar um passeio por lá. Como fazem os novaiorquinos, aliás, que dão uma boa contribuição para que o Central Park atinja a impressionante marca anual de quase 40 milhões de visitas.

Pessoas se exercitando no Central Park, Nova York
Academia pra quê? quem mora em Manhattan pode se exercitar no Central Park 
Seja qual for a estação do ano, sempre se encontra um bom motivo para passear no Central Parque e ver como Nova York é gostosa ao ar livre.

Neste post, listei alguns dos meus recantos favoritos no Central Park e as dicas práticas pra você aproveitar esse jardim/quintal dos novaiorquinos.

Central Park, Nova York
A arquitetura de Nova York é a moldura do Central Park

Como chegar ao Central Park
O Central Park fica bem no coração da Ilha de Manhattan. Seu imenso retângulo com (repito) 3,4 km² está delimitado, a Leste, pela 5ª Avenida, e a Oeste, pela 8ª Avenida (que nas margens do parque se chama Central Park West).

O limite Sul do Central Park é a Rua 59 (que nesse trecho se chama Central Park South), e o extremo Norte do parque alcança a Rua 110 (aí chamda de Central Park North).

Eu adoro caminhar em Nova York e geralmente é desse jeito que eu chego ao Central Park. Mas ele também é muito bem servido pelo transporte público, com várias linhas de ônibus margeando seus limites.

Monumento a Simon Bolívar, em Central Park South
Monumento a Simon Bolívar, em Central Park South
➡️Metrô para o Central Park

O Metrô de Nova York também tem várias estações no entorno do Central Park. Veja quais são elas:

➡️ Central Park South, lado Oeste
Estação 59th St - Columbus Circle (linhas 1, 2, A, B, C e D)

➡️ Central Park South, Lado Leste
5th Avenue Station (Linhas N, R e W)

➡️Central Park North, Lado Oeste
110 St-Cathedral Pkwy Station (linhas A, B e C)

➡️Central Park North, Lado Leste
110 Street Station - Central Park North (linhas 2 e 3)


Estação de metrô da Rua 72, no Lado Oeste do Central Park
Estação de metrô da Rua 72, no Lado Oeste do Central Park
➡️ Central Park West
96th St (Linhas A, B e C)
103 St Station (linhas A, B e C)
81 Street-Museum of Natural History Station (linhas A, B e C)
72 Street Station (A, B e C)

➡️Do lado da 5ª Avenida não há estações coladinhas no parque. As linhas mais próximas são as que correm sob a Avenida Lexington (linhas 4, 5, 6, F, Q, R).



Curte passeios ao ar livre? Experimente: High Line, Nova York: o parque-mirante

O que ver no Central Park
Clique no mapa acima para localizar as atrações do Central Park citadas aqui

The Pond e a Gapstow Bridge no Central Park, Nova York
The Pond e a Gapstow Bridge: um cantinho sossegado do parque

🌳 The Pond (“A Lagoa”)
O Central Park tem nada menos do que sete espaços aquáticos. The Pond é o mais fácil de chegar, porque fica na pontinha Sudoeste do parque. 

Apesar de ficar quase encostado na 5a Avenida, é surpreendente como essa lagoinha consegue ser sossegado. 

Patos e tartarugas na lagoa do Central Park, Nova York
Patos e tartarugas fazem a festa em The Pond
Eu gosto muito de parar às margens de The Pond pra ver as tartarugas, patinhos e outras aves aquáticas que brincam em suas águas. 

A Gapstow Bridge, em uma das pontas da lagoa, dá um toque bem romântico a esse pedacinho do Central Park. Ela foi construída em 1896.

Wollman Rink, rinque de patinação no gelo do Central Park, Nova York
Acesso ao Wollman Rink 
🌳 Wollman Rink
Graças ao cinema, essa pista de patinação no gelo do Central Park é uma das imagens mais conhecidas de Nova York. O Wollman Rink funciona de meados de outubro a março (nesta visita eu cheguei logo depois dele entrar em recesso) e faz muito sucesso como atração de inverno na cidade.

Veja mais cenários de filmes na cidade: Nova York no cinema - e o cinema em Nova York

O rinque de patinação foi inaugurado em 1950, construído na década de 50 sobre um trecho aterrado de The Pond.

Wollman Rink, rinque de patinação no gelo do Central Park, Nova York
Entre outubro e março, o Wollman Rink é uma das grandes atrações de Nova York
(Foto: Tomás Fano/ Wikimedia Commons)
De lá para cá, já serviu de cenário para filmes como Love Story, Sem Limites (Limitless, de 2011, com Bradley Cooper), Esqueceram de mim 2 A Outra (de Woody Allen). 

Atualmente, o Wollman Rink é administrado pelo conglomerado de empresas de Donald Trump (toc, toc, toc).

🌳 Umpire Rock
Essa afloração de rocha nua no canto Sudoeste do Central Park também é um cenário bem conhecido do parque. 

Umpire Rock, Central Park, Nova York
A Umpire Rock pode não ser um grande desafio atlético, mas faz um contraste interessante com a arquitetura ao redor
Tem sempre movimento de escaladores em Umpire Rock, geralmente crianças e adolescentes testando suas habilidades rumo ao topo da pedra que está a modestos 5 metros de altura.

Como desafio atlético, Umpire Rock não chega a impressionar, mas sempre rende uma fotinhas interessantes, no contraste entre sua superfície selvagem e a arquitetura requintada da 5ª Avenida, que lhe serve de moldura.

Cherry Hill, Central Park, Nova York
Cherry Hill e sua fonte
🌳 Cherry Hill
Tão pertinho da Bethesda Fountain, esse pedacinho super romântico do parque acaba ofuscado pela vizinha mais famosa, mas acho Cherry Hill, uma elevação suave do parque, e sua fonte de inspiração vitoriana um dos conjuntos  mais bonitos do Central Park. 

O nome do lugar vem das cerejeiras que embelezam a área na primavera, com sua florada.

Inaugurada na segunda metade do Século 19, a fonte de Cherry Hill originalmente era um bebedouro para os cavalos que puxavam as carruagens da época. A estrutura da fonte é de uma rara delicadeza, com seus lampiões e bicas d'água em desenho floral. 

Ela foi projetada pelo mesmo arquiteto responsável pelo projeto do Bethesda Terrace, Jacob Wrey Mould.

Bow Bridge, ponte sobre o Lago do Central Park, Nova York
A Bow Bridge: campeã em romantismo
🌳 Bow Bridge
Por falar em cenário romântico no Central Park, a Bow Bridge ganha qualquer campeonato desta categoria.

A ponte de ferro sobre o Lago do Central Park é responsável pelos 26 metros mais suspirantes que você vai atravessar por lá — e quando o dia está bonito, vai ser difícil driblar os casais fazendo fotos para a eternidade debruçados em sua balaustrada.

Esse romantismo não é acidental: a Bow Bridge foi construída no século 19, quando o estilo estava na crista da onda.

O resultado é que é quase impossível a ponte deixar de ser escalada no elenco de qualquer filme romântico rodado em Nova York, embora minha cena favorita com ela seja a de Highlander (1986, direção de Russell Mulcahy), quando os dois imortais que daí a pouco vão tentar decapitar um ao outro conversam fraternalmente, tendo a Bow Bridge como palco.

Lago do Central Park, Nova York
O lago do Central Park, cenário que me lembra um dos meus livros favoritos
🌳 The Lake ("O Lago")

“Para onde vão os patos do lago do Central Park no inverno?” Se você leu O Apanhador no Campo de Centeio (The Catcher in the Rye, de J.D.Sallinger, 1951), dificilmente deixará de repetir esta pergunta, cada vez que se encontrar diante de The Lake.

O lago, invariavelmente, congela no brabíssimo inverno novaiorquino desalojando os patos. Meu amor pelo livro de Sallinger, porém, não esfria nunca.

A cada década, mais ou menos, eu releio O Apanhador e ainda me encanto com as aventuras e, principalmente, as reflexões juvenis de Holden Caulfield. Expulso de um colégio interno chique da Pensilvânia, o adolescente foge pra Nova York e perambula pela cidade, bêbado e à toa.

O livro fez um imenso sucesso e virou meio ícone de uma rebeldia juvenil ainda sem causa — aquele estranhamento com o mundo adulto que todo mundo já sentiu um dia, mas infelizmente muita gente deixa passar.


Lago do Central Park e Bow Bridge, Nova York
Tentei entrevistar os patinhos pra descobrir onde eles passaram o inverno, mas eles não me deram bola 😊
Um dado muito triste sobre O Apanhador é a conexão entre a obra e o demente que matou John Lennon: o cara (eu nunca escrevo o nome dele, porque isso era o que ele queria) tinha um exemplar consigo quando foi preso, associando pra sempre a obra à sua imbecilidade. 

Mas nem J.D. Sallinger, que escrevia divinamente, nem seu adorável Holden têm nada com isso.

Nem o Lago do Central Park, onde já passei muitos momentos agradabilíssimos remando nos barquinhos alugados ali na margem, na Boathouse.

Esse, por sinal, é o grande programa no Lago do Central Park  — além de lembrar do prazer que foi ler um dos meus livros favoritos, ainda hoje.

Strawberry Field, recanto dedicado à memória de John Lennon no Central Park, Nova York
A placa no acesso a Strawberry Fields avisa que esta é uma quiet zone (área de silêncio), mas a moçada nem sempre respeita
🌳 Strawberry Fields
Se você é leitora assídua da Fragata, aposto que já começou a ler este post esperando eu falar de Strawberry Fields — afinal, espelho, espelho meu, haverá blog de viagens mais beatlemaníaco do que o meu? 😊

Strawberry Fields,  recanto do Central Parque dedicado à memória de John Lennon, foi uma doação de Yoko Ono à Cidade de Nova York inaugurada em 1981.

A ideia era oferecer um local de silêncio e meditação, adornado por um singelo mosaico em pedrinhas pretas e brancas formando a palavra Imagine — título da canção mais famosa de John.

Strawberry Field, recanto dedicado à memória de John Lennon no Central Park, Nova York
Tenha um pouco de paciência em Strawberry Fields, pois em algum momento a multidão vai embora e o lugar fica sossegadinho assim
O frenesi dos tiradores de selfies está tornando o sossego e a meditação em Strawberry Fields estão cada vez mais utópicos — talvez para combinar com o mundo sem fronteiras e todas as pessoas vivendo em paz, utopias que Lennon pedia que a gente imaginasse e que parecem cada vez mais distantes.

Mas eu não abro mão de dar ao menos uma passada por lá, cada vez que vou a Nova York. 

Strawberry Fields Forever é o título da uma canção onírica-autobiográfica que os Beatles gravaram em fevereiro de 1967, batizada com o nome do orfanato que ficava atrás da casa de John Lennon, em Liverpool, e cujas festas ele costumava frequentar, na infância.

Strawberry Field fica em frente ao Edifício Dakota, na esquina de Central Park West com a Rua 72, residência de John e Yoko moravam e onde ele foi assassinado, no fatídico 8 de dezembro de 1980.

Veja mais cenários ligados à vida de John na cidade: A Nova York de John Lennon

Bethesda Terrace, Central Park, Nova York
O Bethesda Terrace é escandalosamente fotogênico
🌳 Terraço e Fonte Bethesda

Acho que se fizerem uma eleição para apontar a imagem mais reconhecível do Central Park — será que não já fizeram? — o imponente Bethesda Terrace e sua linda Bethesda Fountain ganham de lavada.

O Terraço e a Fonte Bethesda já constavam dos projetos originais do Central Park, foram construídos durante a Guerra de Secessão Americana e concluídos em 1867.

Carruagem no Central Park, Nova York
As carruagens fazem parte da paisagem do Central Park. Esta estava chegando ao Bethesda Terrace
O conjunto é uma espécie de ponto culminante de The Mall, uma alameda que se estende por quase 500 metros, idealizada para que os nova-iorquinos do Século 19 pudessem desfilar e trocar cumprimentos, a pé ou de carruagem, prática social elegante e muito exercitada na Europa.

O conjunto Bethesda é escandalosamente fotogênico — e o cinema usa e abusa dele como locação. 

O Bethesda Terrace tem dois níveis ligados por escadarias, decoração requintadíssima e um clima definitivamente marcado pelo romantismo do Século 19. 

A Fonte Bethesda e a escultura "O Anjo das Águas", no Central Park, Nova York
A Fonte Bethesda e o Anjo das Águas. Ao fundo, a Loeb Boathouse e o Lago

A Bethesda Fountain, com sua estátua “Anjo das Águas”, é um cartão postal que todo mundo quer trazer pra casa, na câmera e na memória, depois de uma temporada em Nova York.

Uma curiosidade: Bethesda se refere ao Tanque de Betzada, próximo a Jerusalém. Citado no Antigo Testamento e em franco funcionamento na Antiguidade, esse tanque era famoso por suas águas às quais se atribuía poderes de cura.

Sheep Meadow, Central Park, Nova York
Clássica cena de verão no Sheep Meadow
🌳 Sheep Meadow (“Prado dos Carneiros”)

Morri de pena de encontrar o Sheep Meadow fechado ao público, na minha visita mais recente a Nova York — também, quem manda ir visitar a cidade na friaca do final de março/começo de abril, quando calha de ser o meu aniversário?

Morri de pena porque o Sheep Meadow é o cenário de uma das minhas saudades mais incuráveis: a sensação de absoluta felicidade e despreocupação que era desabar naquele gramado, depois de pedalar para cima e para baixo pelo Central Parque, nas minhas temporadas juvenis em Nova York.

O gramadão do Sheep Meadow é o maior espaço aberto do Central Park e também foi concebido já no projeto original do parque. Ele já não tem os carneirinhos sugeridos em seu nome — até 1934, cerca de 200 deles pastavam por ali —, mas tem um aconchego bucólico especial.

É o point preferido para os piqueniques no Central Park e o lugar preferido por nove entre dez mocinhas de comédias românticas para esticar a canga com um livrinho. 

Além de ser recorrente em cenas de cinema, nos meses mais quentes do ano o Sheep Meadow costumava ser anfitrião de exibições de filmes ao ar livre e de grandes eventos culturais. 

Lago artificial Conservatory Water e a Kerbs Memorial Boathouse, no Central Park, Nova York
O lago artificial Conservatory Water. Para alugar um barquinho, vá até a Kerbs Memorial Boathouse (ao fundo)

🌳 Conservatory Water
Aluguel de barcos (na Kerbs Memorial Boathouse): de abril a outubro. De segunda a quinta, das11h às 17h. Sextas, das 11h às 19h. Sábados, das 13h às 19h. Domingos, das 10h às 18h. Preço: US$ 11 por 30 minutos

O Conservatory Water um lago artificial calcado na Grand Bassin dos Jardins de Luxemburgo e, como em sua inspiradora parisiense, o grande barato aqui é alugar um barquinho-modelo e “navegar” remotamente.

As crianças amam — e os não tão crianças também. Além de “navegar” as plácidas águas do Conservatory Water, também é possível participar de “regatas” bem concorridas, aos sábados.

Se bater uma fominha, a Kerbs Memorial Boathouse tem um café (que agora é explorado pela rede Le Pain Quotidien).

Do Conservatory Water, vale esticar a caminhada até as famosas estátuas de Alice no País das Maravilhas (um point concorridíssimo para fotos) e do escritor Hans Christian Andersen, que ficam bem perto (veja no mapa).

Museu Guggenheim, Milha dos Museus, Nova York
A apaixonante arquitetura do Museu Guggenheim, de cara para o Central Park
Milha dos Museus
Entre as ruas 82 e 110, a fronteira Leste do Central Park é uma fantástica passarela pra quem gosta de conhecimento e memória, a Museum Mile.

Os 2,23 km km da 5ª Avenida, entre essas duas ruas, são a chamada Milha dos Museus (que agora tem 1,4 milha, pra respeitar a precisão jornalística), um corredor que passa por nove museus bacanérrimos de Nova York, começando pelo Metropolitan Museum (na Rua 82) e terminando no Museu de Arte Africana (na Rua 110, limite Norte do Central Park).

O Central Park visto de uma janela do Museu Guggenheim
O Central Park visto de uma janela do Museu Guggenheim

No caminho, você vai encontrar Neue Galerie (na altura da Rua 86), o Guggenheim (Rua 88), o Museu da Academia Nacional de Belas Artes (Rua 89), o Museu Nacional do Design Cooper-Hewitt (Rua 91), o Museu Judaico (Rua 92), o Museu da Cidade de Nova York (Rua 103) e El Museo del Barrio (dedicado à comunidade latino-americana, na Rua 105).

Museu Metropolitan, Milha dos Museus de Nova York
Templo de Debod, no Metropolitan Museum: por trás daquela vidraça à direita está o Central Park

O Central Park visto das vidraças do Metropolitan Museum
O Central Park visto das vidraças do Metropolitan Museum, ao lado do Templo de Debod
Embora apenas o Metropolitan Museum fique dentro do Central Park (e este post seja sobre Nova York ao ar livre), vale muito a pena combinar os passeios no parque com uma visita a esses museus.

Saiba mais sobre a Milha dos Museus e alguns museus bárbaros de Nova York seguindo o link.



 

Mais sobre Nova York
Dicas práticas
Roteiro em Nova York – seis dias
Hospedagem em Nova York - hotel Pod 39
Onde comer - e o que comer - em Nova York
Nova York - dicas práticas

Atrações
Nova York no cinema - e o cinema em Nova York
A Nova York de John Lennon
Chelsea Hotel, Nova York - templo da boemia
Bar do Hotel Algonquin, Nova York - um drinque na Round Table
Jornadas sentimentais: roteiros literários e cinematográficos
Viagens e Cinema: combinação deliciosa

Inspiração
Trilha sonora para Nova York


Os Estados Unidos na Fragata Surprise

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook 

Nenhum comentário:

Postar um comentário