25 de março de 2017

Bate e volta a Ravena - história e mosaicos

Mosaicos bizantinos na Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália
Basílica de San Vitale, o monumento mais famoso de Ravena
Uma cidade italiana que sempre rondou a minha lista é Ravena, última capital do Império Romano do Ocidente e dona do acervo de mosaicos bizantinos mais famoso da Península.

Como ela fica bem pertinho de Bolonha (86 km), uma das minhas bases na viagem de janeiro, finalmente pude fazer um bate e volta a Ravena para ver de perto seus maravilhosos mosaicos bizantinos. Acabei descobrindo uma cidade adorável.

Detalhes das casas de Ravena, Itália
Além dos monumentos grandiosos, os pequenos detalhes de Ravena também são encantadores
Coube a Ravena a ingrata tarefa de personificar um ocaso. Quando as tribos bárbaras estavam tocando o terror na Europa Ocidental, lá pelo Século 5 da nossa era, a cidade abrigava a corte de um cada vez mais combalido Império Romano, na condição de sua última capital.

A queda de Ravena diante das hostes do godo Odoacro, no ano 476, marca o que se convencionou como o fim da Antiguidade e início da Idade Média.

Mosaico em uma rua de Ravena, Itália
"Ravena, cidade amiga das mulheres". A tradição dos mosaicos está por toda parte no "berço da Idade Média"
Só esse marco histórico já justificaria a visita, mas o conjunto de monumentos paleocristãos e bizantinos de Ravena são realmente de deixar a gente de queixo caído. Taí uma escala recomendadíssima para quem vai explorar a Emília-Romanha.

Veja neste post os da cidade onde começou a Idade Média e todas as dicas pra organizar um bate e volta a Ravena.

Bate e volta a Ravena - meu roteiro
Clique nos ícones para ver detalhes



Mosaicos bizantinos de Ravena no Batistério Neoniano e na Basílica de San Vitale
Teto do Batistério Neoniano de Ravena (esq) e um detalhe da Basílica de San Vitale
➡️ Rota dos Mosaicos Bizantinos em Ravena

Os mosaicos bizantinos mais famosos de Ravena estão em cinco edifícios religiosos administrados pela Arquidiocese local — a Basílica de San Vitale, o Mausoléu de Gala Placídia, a Basílica de Sant'Apollinare Nuovo, o Batistério Neoniano e a Capela de San Andrea.

Um bilhete único para essas atrações custa € 9,50. 


Mosaicos bizantinos na Basílica de Sant'Apollinare Nuovo, em Ravena, Itália
Dizem que um papa mandou escurecer os mosaicos de Sant'Apollinare para que os fiéis não se distraíssem durante as orações
Os edifícios estão próximos uns dos outros e dá para chegar a eles a pé, a partir da Estação Ferroviária de Ravena (veja no mapa). Eles podem ser visitados todos os dias (exceto 25 de dezembro), das 10h às 17 horas.

O bilhete combinado para ver os mosaicos bizantinos de Ravena pode ser comprado em qualquer uma das atrações.

O palácio do Imperador Teodorico representado nos mosaicos da Basílica de Sant'Apollinare Nuovo, em Ravena, Itália
O palácio do Imperador Teodorico representado nos mosaicos da Basílica de Sant'Apollinare Nuovo
O ingresso tem validade de sete dias e só dá direito a uma visita a cada monumento. Essa é a única modalidade de ingresso, quer dizer, não existem bilhetes específicos para uma única atração.

⭐ Basílica de Sant'Apollinare Nuovo
Via di Roma, 53

Saindo da Estação Ferroviária de Ravena, uma caminhada de apenas 600 metros me levou à Basílica de Sant'Apollinare Nuvo, do Século 6º.

Mosaico em Ravena, na Basílica de Sant'Apollinare Nuovo, representa Cristo em trono no céu, ladeado por anjos
Mosaico representa Cristo em seu trono no céu, ladeado por anjos
Essa basílica foi construída durante o reinado do ostrogodo Teodorico, sucessor de Odoacro e funcionou como  local de culto de sua corte.

A ampla nave da Basílica de Sant'Apollinare, totalmente recoberta por mosaicos bizantinos da gema, é um espanto.

Mosaico bizantino representa santos e mártires na Basílica de Sant'Apollinare Nuovo, em Ravena, Itália
Este mosaico representa santos e mártires 
A fachada da Basílica de Sant'Apollinare, em Ravena, Itália, e a sacristia da igreja
A fachada muito austera da Basílica de Sant'Apollinare e a sacristia da igreja
Altares da Basílica de Sant'Apollinare Nuovo, Ravena, Itália
Além de babar com os mosaicos da nave principal de Sant'Apollinare, preste atenção aos afrescos e imagens que estão nas capelas laterais 
Os mosaicos da Basílica de Sant’Apollinare Nuovo representam milagres atribuídos a Jesus Cristo, cenas de parábolas, e a Ressurreição. Em diversos momentos, Cristo é representado em vestes de imperador romano.

Símbolos do poder ostrogodo sobre Ravena e o que restava do Império Romano do Ocidente também ocupam lugar de destaque nos mosaicos, como o imenso palácio do Imperador Teodorico, que ocupa uma das laterais da nave da igreja.

A Basílica de Sant’Apollinare Nuovo é considerada uma das construções mais importantes de sua época.

O batismo de Jesus representando em um mosaico bizantino no teto do Batistério Neoniano de Ravena, Itália
Teto do Batistério de Ravena: prepare-se para ficar com o pescoço torto e o queixo caído. A imagem central representa o batismo de Cristo por João Batista
⭐ Batistério Neoniano
Piazza Duomo, 1

Prepare-se para cair de costas. O exterior em tijolos rústicos do Batistério Neoniano de Ravena é uma senhora pegadinha. Quando a gente dá de cara com seu interior, o esplendor da decoração deixa qualquer uma muda.

Mosaicos bizantinos no Batistério Neoniano de Ravena, Itália
Decoração do interior do Batistério de Ravena e a grande pia batismal
Esse é um recurso recorrente nas construções dos primórdios do Cristianismo oficializado — a religião já não mais perseguida pelo Estado e abraçada por reis e imperadores.

O exterior quase tosco e sem adornos do edifício dedicado ao culto religioso, em contraste com a magnificência de seu interior simboliza a elevação espiritual que se obtém ao deixar o mundo das coisas terrenas e adentrar o espaço religioso.

Mosaicos bizantinos no Batistério Neoniano de Ravena, Itália
O Batistério é suavemente iluminado por janelas que ficam na base de sua cúpula
O Baptistério Neoniano é do final do Século 4º, uma das construção mais antigas ainda de pé em Ravena e o mais velho dos monumentos na rota dos mosaicos bizantinos da cidade.

Quando consagrou o Batistério de Ravena como Patrimônio da Humanidade, em 1996, a Unesco declarou que este era "o melhor e mais completo exemplo sobrevivente de um batistério dos primeiros tempos do Cristianismo".

O nome “Neoniano” é referência ao bispo Neon, responsável por administrar as últimas etapas da obra, exatamente a execução dos extasiantes mosaicos que você verá lá dentro.

Mosaicos bizantinos no Batistério Neoniano de Ravena, Itália
Detalhes da decoração do Batistério de Ravena e uma pia batismal com vários séculos de idade
Nos primeiros tempos do Cristianismo como religião oficial, os batistérios eram estruturas importantíssimas — o espaço dedicado ao batismo dos novos adeptos da religião expressava a força crescente que vinha dessas adesões.

A planta octogonal do Batistério de Ravena não é mera decisão estética. Os oito lados representam os dias da semana e mais o dia da Ressurreição prometida pelo batismo — se você já visitou o Batistério de Florença, muito mais famoso, deve ter ouvido essa explicação.

Fachada do Batistério Neoniano de Ravena, Itália
A fachada do Batistério é bem rústica, em contraste com seu interior
Também conhecido como Batistério dos Ortodoxos (degli Ortodossi), o edifício é uma parada essencial no roteiro dos mosaicos bizantinos de Ravena. É bem pequeninho, mas exige tempo para que o visitante esquadrinhe toda a riqueza da decoração preciosa em estuque e mármores multicores que recobrem cada pedacinho de parede em seu inteior

A decoração do teto do Batistério é deslumbrante e famosíssima, um lindíssimo mosaico em tons predominantemente azuis e dourados, representando o batismo de Cristo por São João, em estilo greco-romano.

Piazza Arcivescovado, Ravena, Itália
Na Piazza Arcivescovado estão o Batistério Neoniano, a Capela de San Andrea e a Catedral (à esquerda)
⭐ Capela de San Andrea
Piazza Duomo, 1



A Capela de San Andrea é o único monumento do roteiro dos mosaicos bizantinos de Ravena que não pode ser fotografado. Uma pena, porque a bichinha é magnífica.

Pequenina e belíssima, a capelinha fica no interior do Museu Arquiepiscopal (cuja entrada também está incluída no bilhete combinado) e data também do reinado de Teodorico.

O teto da Capela de San Andrea, com a representação de 99 espécies de pássaros, é simplesmente celestial.

Mosaicos bizantinos na Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália
Basílica de San Vitale: simplesmente acachapante
⭐ Basílica de San Vitale
Via San Vitale, 17

A Basílica de San Vitale é, com certeza, a mais imponente (acachapante é a palavra mais exata) das construções que vi em Ravena. Monumental, espetacular e completamente recoberta de mosaicos belíssimos.

Ela foi construída no final do Século 6º, quando Ravena já havia passado de mãos ostrogodas para o Império Bizantino.

Mosaicos bizantinos na Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália

A estética da Basílica de San Vitale reflete bem isso, muito mais oriental, ainda que incorpore elementos romanos — com todas as diferenças, é impossível não lembrar da Basílica de Santa Sofia, em Istambul.

A decoração da Basílica de San Vitale reúne o maior conjunto de mosaicos bizantinos do mundo, fora de Constantinopla (Istambul).

Ela é contemporânea do reinado do imperador Justiniano (do ano 527 a 565), que está representado em um precioso mosaico, cercado por uma corte de sacerdotes e guerreiros. Sua consorte, a imperatriz Teodora, também é retratada em um mosaico.

Mosaicos bizantinos na Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália
A Basílica de San Vitale conjuga elementos romanos e bizantinos
O reinado de Justiniano foi marcado pela obstinação em reunir as porções oriental e ocidental do Império Romano e restauração da grandeza perdida a partir da ascensão das tribos bárbaras na Europa.

Uma obra como Basílica de San Vitale tinha também a função de atuar como grandiosa peça de propaganda dessa ambição do imperador — se a decoração suntuosa da basílica não estivesse toda em seu interior, daria para descrever San Vitale como “um dos mais belos out-doors já executados pelo engenho humano”

Mosaicos bizantinos na Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália

Os mosaicos da Basílica de San Vitale representam cenas do Antigo Testamento, destacando passagens relativas a patriarcas como Abrão (o sacrifício de Isaac) e Moisés.

Também estão representados os Evangelistas, as cidades de Belém e Jerusalém e cenas do Novo Testamento som imagens de Cristo e seus 12 apóstolos.

Mosaico bizantino representa o Sacrifício de Isaac, Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália
O sacrifício de Isaac, passagem do Antigo Testamento

Fachada da Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália
A fachada da Basílica de San Vitale repete a austeridade típica do exterior das construções dos primórdios do Cristianismo
Diz a lenda que a basílica foi construída no mesmo local onde Vital de Milão foi martirizado na fogueira, nos primórdios do Cristianismo. Ele e seus filhos, os também canonizados São Gervásio e São Protásio, estão representados nos mosaicos da igreja.

A arquitetura brilhante de San Vitale serviu de inspiração para o projeto concebido por Brunelleschi para a cúpula do Duomo de Florença.

Mosaicos bizantinos no Mausoléu de Gala Placídia em Ravena, Itália
O interior do Mausoléu de Gala Placídia: dá a impressão que a gente morreu e chegou ao céu
⭐ Mausoléu de Gala Placídia
Via Giuliano Argentario, 17

Ao lado da Basílica de San Vitale, esse edifício de exterior modesto, em tijolos nus, é outro momento arrebatador da visita a Ravena — pra mim, os mosaicos mais belos da cidade estão aqui.

Eles são também os mais antigos, datados do Século 5º, quando a cidade ainda era a capital do Império Romano do Ocidente.

Mosaicos bizantinos no Mausoléu de Gala Placídia em Ravena, Itália

Mosaicos bizantinos no Mausoléu de Gala Placídia em Ravena, Itália

Fachada do Mausoléu de Gala Placídia em Ravena, Itália
Aspecto externo do Mausoléu de Gala Placídia
Gala Placídia foi filha, irmã e esposa de monarcas. Seu pai, Teodósio, reinou em Constantinopla, no trono do Império Romano do Oriente. Seu primeiro marido, o visigodo Ataulfo, reinou na Península Ibérica. O segundo, Constâncio, assim como dois de seus irmãos, reinaram em Ravena.

Cercada de tantas majestades e profundamente religiosa, ela tinha cacife para encomendar esse mausoléu impressionante, mas não chegou a ser sepultada nele, já que morreu em Roma.

Túmulo de Dante Alighieri em Ravena, Itália
Sepultura de Dante em Ravena. Florença fez um túmulo mais bonito para seu poeta, mas ele continua no exílio
Outras atrações em Ravena
Como tive apenas um dia para ver Ravena, fui obrigada a deixar de fora do meu roteiro algumas atrações, como a Tumba de Teodorico, que fica logo atrás da estação ferroviária, e a Basílica de San Apollinare in Classe, que é bem afastada do centro.

No meu roteiro pelos mosaicos de Ravena, fiz alguns desvios para ver edifícios importantes, como a Catedral, a Igreja e o Claustro do Convento de São Francisco.

Dessas digressões (risos), recomendo especialmente uma paradinha no Túmulo de Dante e na Basílica de San Giovanni Evangelista. 

Claustro do Convento de São Francisco, em Ravena, Itália
O claustro do Convento de São Francisco
⭐ Túmulo de Dante Alighieri
Via Dante Alighieri, 9

Ravena também foi o último pouso de Dante Alighieri. O poeta florentino, considerado pai da língua italiana, amargou na cidade a derradeira etapa de dolorosos 20 anos de exílio, provando como é carente de sal o pão dos outros, como lastimou em A Divina Comédia.

Rua do Centro Histórico de Ravena, Itália
As ruas de Ravena são meio misteriosas e encantadoras
Dante morreu em Ravena, sempre sonhando em voltar para casa, e foi enterrado na cidade dos mosaicos, ao lado do Convento de São Francisco.

Seu mausoléu foi sendo ampliado e embelezado ao longo dos séculos, embora não tenha como concorrer com a bela sepultura que sua querida Florença lhe dedicou na Basílica de Santa Croce, no Século 19 — e que permanece vazia.

Eu, que me comovo além da conta a cada visita ao suposto túmulo da amada de Dante, Beatrice Portinari, na pequenina igreja florentina de SantaMargherita dei Cerchi — nível mico, mesmo — não poderia deixar de dar uma paradinha para prestar meus respeitos ao poeta.

Mosaicos na Basílica de São João Evangelista, em Ravena, Itália
Mosaicos recuperados na restauração
⭐ Basílica de São João Evangelista
Piazzale Anita Garibaldi

No caminho de volta à Estação Ferroviária, no centro de um jardim público, fica essa igreja muito antiga, também encomendada por Gala Placídia, no Século 5º, para pagar uma promessa — ela pediu ao santo que a salvasse dos perigos do mar.

Basílica de São João Evangelista, em Ravena, Itália
A igreja fica no centro de um jardim público

Madonna bizantina na Basílica de São João Evangelista, em Ravena, Itália
Uma madonna bizantina
Apesar de todas as reformas que foram feitas neste templo, ao longo de seus 1.600 anos de vida, ainda é possível perceber suas feições paleocristãs, em seu interior.

Um bombardeio aliado, durante a 2ª Guerra, danificou seriamente o edifício, mas os trabalhos arqueológicos realizados durante o processo de restauração identificaram uma série de fragmentos de mosaicos, que hoje estão expostos na lateral da nave da igreja. 

Estação Ferroviária de Ravena, Itália
A Estação Ferroviária de Ravena fica a uma distância bem confortável das atrações da cidade
Como chegar a Ravena
Ravena fica praticamente à beira do Mar Adriático, à qual está ligada por um canal. A cidade está a 350 km de Roma e a 86 km de Bolonha.

➡️ É bem fácil ir de Bolonha a Ravena de trem. Da Estação Central, a Trenitalia tem várias partidas diárias (procure pelas estações “Bologna Centrale” e “Ravenna” no site da companhia para ver os horários).

Mosaicos nas ruas de Ravena, Itália
Mosaicos por toda parte: nas fachadas, placas de ruas, vitrines...

Mosaicos bizantinos no piso da Basílica de San Vitale, em Ravena, Itália
Mosaicos no piso da Basílica de San Vitale
Os trens mais rápidos e com menos paradas fazem o percurso em 59 minutos, outros levam até 2 horas. Preste atenção na hora de comprar o bilhete para não perder tempo desnecessário no trajeto. Os bilhetes custam a partir de € 7,35 (o lento) e € 9,85 — a economia de viajar no pinga-pinga não se justifica.

Rua do Centro Histórico de Ravena, Itália
O Centro Histórico da cidade, muito plano e compacto, é perfeito para ser explorado a pé ou de bicicleta

➡️ Como circular em Ravena
A estação ferroviária de Ravena fica ao lado do Centro Histórico e dá para ir aos principais monumentos a pé.

São 600 metros até a Basílica de San Apollinare Nuovo e 1,2 km) até a Basílica de San Vitale e Mausoléu de Gala Placídia, por exemplo.

Comer em Ravena - Casa Spadoni
Casa Spadoni: ótima opção ao lado da Basílica de San Vitale
Onde comer em Ravena

⭐Casa Spadoni
Via San Vitale, 34

Gostei demais do ambiente acolhedor e dos pratos deliciosos que provei na Casa Spadoni, que fica de cara para a Basílica de San Vitale e o Mausoléu de Gala Placídia.

A Casa Spadoni foi inaugurada em 2014, mas os negócios da família no ramo da alimentação vêm desde o Século 15, com um moinho de trigo que garante a fabricação de pães, pasta e piadinas fresquinhos e saborosos.

Comer em Ravena - Casa Spadoni

A Spadoni serve a autêntica culinária da Romanha com toques contemporâneos. Além de provar as gostosuras do cardápio, é possível comprar queijos — como o típico e saboroso squacquerone, uma ótima descoberta — e salames da famosa mora romagnola, uma raça de porcos típicos da região. Tudo feito em casa.

Comer em Ravena - piadina e lasanha servidas na Casa Spadoni
Piadina e lasanha: frio é bom porque dá uma fooooomee 😋
Nos quatro graus negativos que peguei em Ravena, é claro que eu abri a refeição com um belo copo de vin brulé, vinho quente, adoçado com calda de açúcar e temperado com raspas de casca de limão e especiarias. Além do frio, a fome.

Daquelas de não ter o mínimo constrangimento de pedir uma copiosa piadinha de queijo squacquerone e rúcula fresquíssima e muito saborosa e arrematar a farra com lasanha al ragu de mora romagnola.

Uma grande refeição para fechar um dia perfeito — apesar do tempo gelado e do céu carrancudo.

Placa de rua em mosaico, Ravena, Itália
O banqueiro Giuliano Argentario, que viveu no Século 6º, financiou a construção de San Vitale e de Sant'Apollinare Nuovo. Virou nome de rua na cidade dos mosaicos

Mapa-índice de destinos na Itália - Dicas de atrações, roteiros, hospedagem, restaurantes e transporte. Clique nos ícones para acessar os links


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.

Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter  |  Instagram  |  Facebook

6 comentários:

  1. A Basilica San Vitale é, de facto, magnifica. E as semelhanças com a S. Sofia são muitas. No entanto o interior da Capela Palatina da Catedral de Aachen ( Alemanha) é quase uma copia exacta. Mas San Vitale será sempre San Vitale

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você foi um dos responsáveis por eu ter ido a Ravena. Não fosse a sua dica, eu não sei se teria coragem de enfrentar o frio congelante pra ir até lá :)

      Excluir
  2. Oi, Cyntia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    ResponderExcluir
  3. Oi, gostei muito da viagem a Ravena, bem contada em teu blog. Foi como se eu estivesse lá e te parabenizo. Moro em São Leopoldo, Rio Grande do Sul e nunca saí do Brasil.

    ResponderExcluir
  4. Até pensei em montar imagens de mosaicos de Ravena, impressos em vinil transparente, para ficarem como vitrôs, em tamanho pequeno. Mas, para isso, eu precisaria ir a Ravena para tirar fotos bem de perto. Teria que ter uma câmera bem boa, com zoom. Acho que não vai dar este projeto...

    ResponderExcluir