quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Itália e Espanha:
Roteiro por Roma, Florença, Bolonha e Madri

A Ponte Sisto sobre o Rio Tibre, em Roma, o Duomo e o Batistério de Florença, o claustro do Mosteiro de San Domenico, em Bolonha, e a Plaza Mayor, em Madri
Este janeiro foi de grandes descobertas e belos reencontros. Passei minhas três semanas de férias entre a Itália e a Espanha, revendo lugares que adoro e explorando novos (e igualmente apaixonantes) cenários. Em um roteiro sem pressa, estive em Roma, Florença (com um bate e volta a Luca), Bolonha (com um pulinho a Ravena) e Madri (com esticadinhas a Toledo e Segóvia).

Optei por essas quatro cidades-base (Roma, Florença, Bolonha e Madri) exatamente pelas muitas possibilidades de passeios pelos arredores.  

Meu ponto de partida no Brasil foi Salvador, de onde voei para Roma, com conexão em Madri (pela Air Europa). Os trechos europeus foram todos feitos de trem, à exceção da viagem Roma-Madri, que já estava incluída no bilhete aéreo transatlântico — a parada na capital espanhola contou como um stop-over.

Toledo está a confortáveis 30 minutos de trem de Madri e rende um bate e volta redondinho. Na imagem, o Alcázar, que já foi fortaleza romana, visigótica e moura
Tive 22 dias “líquidos” de viagem, sem contar os voos de ida e volta à Europa. É claro que esse período permitiria acrescentar mais alguns destinos — assim como o meu roteiro exato poderia ter sido feito num intervalo menor de tempo. Mas eu curto viajar sem pressa e sem ansiedade e achei que a programação ficou redondinha.

Adorei todas as minhas escolhas de hospedagem, tanto os hotéis quanto os bairros. O Testaccio (Roma), a vizinhança de Santa Maria Novella (Florença), o antigo Bairro Judeu (Bolonha) e Chueca (Madri) são regiões seguras, muito bem servidas de transporte público, com ótimo comércio e opções de restaurantes.

Veja a seguir como ficou meu roteiro de três semanas entre Itália e Espanha e pode se inspirar e adaptar à vontade, que eu garanto que rende uma viagem deliciosa.

Roma - quatro noites


A basílica papal de São Paulo Fora das Muralhas, em Roma
A capital italiana (assim como Madri) é uma paixão  — sabe quando uma cidade é pra casar? É sempre maravilhoso voltar a Roma saboreando a alegria de andar pela rua tropeçando em todas aquelas belezas e desfrutando do ótimo astral de uma cidade espetacular. Minha última visita a Roma tinha sido em janeiro de 2015, uma passadinha, no final da viagem à Sicília, e eu não via a hora de voltar com um pouquinho mais de tempo.

Desta vez, fiquei hospedada no Testaccio Village Guesthouse, um Bed&Breakfast muito charmoso em um bairro muito interessante, descolado e com uma pegada ainda residencial. O intervalo da estada assim como a escolha do Testaccio, menos trepidante em termos turísticos, combinaram muito bem com o que eu queria dessa temporadinha em Roma, cidade que já visitei diversas vezes e onde já pude explorar as grandes atrações.

Uma fachada do bairro de Testaccio
Para quem vai pela primeira vez, quatro noites (três dias líquidos) na capital italiana é pouco tempo — eu recomendaria pelo menos cinco dias inteiros. 

O Testaccio não é longe das grandes atrações e é bem servido de transporte público, com a vantagem de ter preços muito mais em conta, tanto para hospedagem quanto nos (bons) restaurantes. Na sua primeira vez em Roma, porém, pode ser mais cômodo ficar mais perto das grandes atrações, em um bairro como Monti ou mesmo nas proximidades da Estação de Termini, que já foi bem caída, mas está ficando cada vez mais interessante (e continua barata).

Caminhando do meu hotel, no Testaccio, até a Estação Pirâmide do metrô eu passava por esse trecho remanescente da antiga muralha de Roma (ao centro)
Eu me hospedei a 200 metros de Termini, no retorno de Bolonha, e aprovei. Foi só uma noite, no Cote Rome Colosseo, mais um Bed&Breakfast bem bonitinho e simpático.

Os posts sobre esta etapa da viagem estão aqui:
Onde se hospedar em Roma -Testaccio: gostoso, barato e perto de tudo

Hospedagem em Roma: vale a pena ficar perto da Estação de Termini

Comer em Roma - sempre uma festa
As delícias do Mercado Central de Termini

Roteiro pela Roma Antiga: Coliseu, Fórum, Palatino, Campo Marzio e Fórum Boário

E tem mais todas essas dicas sobre minhas visitas anteriores à cidade:
Atrações gratuitas na cidade
Via Giulia, a rua mais bonita de Roma
A Boca da Verdade
Da Piazza Venezia ao Vaticano Roteiro para um passeio a pé por Roma
Cada igreja é um museu - com entrada grátis
Receita de paixão: algumas atrações que arrebatam o coração
Trastevere, minha casa em Roma
Roma em chamas - quando o futebol descamba para o tumulto


Florença - seis noites

Florença vista da Basílica de San Miniato al Monte
Florença é Florença, né? Aquele colosso consagrado pela unanimidade — merecidamente. Minha última viagem pra lá tinha sido em 2007, uma temporada de cinco dias que sugeria a possibilidade de ter esgotado suas principais atrações.

Minha ideia ao programar seis noites em Florença, portanto, era fazer base na cidade e explorar destinos próximos. Ai, como eu sou boba... Foi só chegar pra me enroscar no encanto florentino e esquecer esses planos. Com muito esforço, roubei um dia para visitar Luca — uma cooooisa de linda.

Veja como foi essa escapada adorável: Bate e volta a Luca


A muralha medieval de Luca ao cair da tarde
Se você vai pela primeira vez a Florença, pense em uma estada de pelo menos quatro noites. Ou um pouquinho mais comprida, para fazer passeios de um dia a cidades como Luca (80 km) Pisa (83 km), Arezzo (77 km)... (Não vou citar Siena aqui, porque esta cidade lindíssima merece muito mais que só um bate e volta, além de servir muito bem como base para explorar a região mais ao Sul da Toscana).

Jardim na área de Oltrarno ("o outro lado do Arno"), em Florença

Como a ideia em Florença era fazer muitos bate e volta, escolhi um hotel bem em frente à Estação Ferroviária de Santa Maria Novella, o C-Diplomat, muito feio por fora, mas excelente por dentro.

Ainda que eu não tenha aproveitado muito a vantagem da proximidade com a estação para meus passeios, acabou sendo uma ótima escolha. Afinal, eu estava no Centro Histórico, a poucos passos de todas as atrações, pagando diárias mais módicas do que as cobradas nas proximidades do Duomo e outros monumentos célebres.

Leia os posts desta etapa:
Onde se hospedar em Florença
Onde comer - e o que comer - em Florença

Os afrescos de Fra Angelico no Museu de San Marco
Miniguia para facilitar sua visita à galeria degli Uffizi eà Accademia, os dois museus mais espetaculares de Florença
3 igrejas lindas com entrada grátis
O Duomo (Catedral) e o Batistério
Florença ao ar livre - passeios gratuitos
A igrejas de Santa Croce e Santa Maria Novella


E as dicas de visitas anteriores
O que fazer em Florença
A igreja de Dante e Beatrice

Bolonha – quatro noites


A Piazza Verdi, cercada de prédios da Universidade de Bolonha, que está prestes a completar um milênio de funcionamento. A cidade tem uma longa tradição de produção de conhecimento e de efervescência política
Que grande surpresa é essa cidade, muito mais lembrada pela culinária do que pelas atrações turísticas. Capital da Emília-Romanha, sede da universidade mais antiga do Ocidente, Bolonha foi um caso de amor instantâneo, pra mim. Ela me conquistou pela beleza de seu patrimônio histórico e seu astral de cidade viva, vibrante e sem afetação.

Em Bolonha fiquei hospedada no coração do Centro Histórico, em uma rua do antigo Bairro Judeu, a dois passos das famosas Due Torri ("duas torres") e muito pertinho da área da Universidade.

 O Hotel Corona d'Oro, instalado em um edifício histórico e muito elegante, é maravilhoso e cobra diárias inacreditavelmente pagáveis (taí mais um encanto de Bolonha: os preços).

As dicas da cidade
Onde se hospedar em Bolonha
Onde comer - e o que comer - em Bolonha


E bastava sair do hotel para cair em um mundo de opções de restaurantes, cada um mais tentador que o outro.

Uma coisa que você com certeza vai fazer em Bolonha: parar pra admirar as Duas Torres (a Asinelli, inclinada, em primeiro plano, e a Garisenda), estruturas medievais que são a logomarca não oficial da cidade
Achei o período que reservei para a cidade bem redondinho: três dias para descobrir os encantos (e sabores, claro) bolonheses e um dia para uma escapada bate e volta a Ravena, onde fui ver os deslumbrantes mosaicos bizantinos que adornam a última capital do Império Romano.

Veja como foi esse bate e volta: Ravena - história e mosaicos


Mosaicos bizantinos na Basílica de Santo Apolinário, em Ravena
(De Bolonha eu voltei a Roma apenas para um pernoite — e um ótimo jantar no Mercado Central de Termini  —  antes de embarcar para Madri no Aeroporto Leonardo da Vinci. Como meu voo saiu às 10:30h da manhã, talvez fizesse mais sentido ter dormido em Fiumicino, onde fica o aeroporto. Mas quem abre mão de uma última noite na capital italiana? Eu é que não. Como fiquei hospedada do ladinho da Estação do Termini, a ida para o aeroporto foi tranquila e sem atropelos).

Madri - sete noites


O templo egípcio de Debod, apenas um dos incontáveis encantos de Madri
Eu sou arriada dos quatro pneus por Madri, uma das cidades mais animadas e alto astral que já visitei (e linda, também!). A capital espanhola simplesmente me contagia com uma alegria que eu não consigo e nem preciso explicar — só desfrutar.

Minha última passagem por Madri (curtinha) tinha sido em janeiro de 2014, voltando da viagem à Andaluzia. Desta vez eu programei uma semaninha inteira para rever meus lugares favoritos e explorar novas áreas, além de dar algumas escapadas para cidades próximas, como Toledo, que eu já conhecia, e Segóvia, simplesmente maravilhosa.

Veja os posts:

Logo na chegada à maravilhosa Segóvia, a meia hora de trem de Madri, o visitante se depara com seu famoso aqueduto
Para quem vai a Madri pela primeira vez, eu recomendo um mínimo de cinco dias para explorar tudo que a cidade tem de bom. (Só os museus do Prado, Reina Sofia e o Thyssen-Bornemisza já valeriam três dias de roteiro).

Na saída da Estação Tribunal do Metrô, em Chueca, eu já dava de cara com o belo edifício do Museu de História de Madri
Fiquei hospedada na fronteira entre os animadíssimos bairro de Chueca e Malasaña. A região é excelente para quem curte noite, compras (convencionais e alternativas) e gastronomia.

Pertinho do Centro Histórico (eu ia a pé para a Gran Via e Puerta del Sol), o Hotel Sidorme Fuencarral 52 é moderninho, muito confortável e tem preços bem convidativos.

As dicas que eu trouxe desta passagem pela capital espanhola
Atrações
Um passeio pelo Barrio de las Letras

Madri desencanada: os bairros de Chueca e Malasaña
Domingo em Madri: o Rastro e o Retiro
Roteiro a pé: da Praça de Espanha ao Palácio Real
Dicas práticas
Hospedagem em Madri – o animado bairro de Chueca
Comer em Madri - a sedução dos mercados
Comer e beber em Madri


E as dicas de viagens anteriores:
Hospedagem próxima ao aeroporto de Barajas
Como aproveitar uma conexão em Madri
Excelente destino pra quem viaja sozinha
O Mercado de San Miguel e outros lugares para comer bem no Centro Histórico
Comida madrilenha: callos e outras delícias
A noite de Madri: farra para todas as idades
Um passeio pelo Século de Ouro (e todas as atrações são grátis!)
Roteiros literários: a Madri dos Áustrias 
Três museus que valem a viagem
Do Natal à Festa de Reis: o animadíssimo fim de ano em Madri
Ano Novo em Madri: como é a festa na Porta do Sol

Aos pouquinhos eu vou contando em detalhes cada etapa desta viagem adorável. à medida que os posts forem ficando prontos, coloco os links aqui.

A Itália na Fragata Surprise
Roma
Campânia: HerculanoNápoles e Pompeia
Costa Amalfitana: AmalfiRavello e Sorrento
Emília-Romanha: Bolonha e Ravena
Sicília: AgrigentoCastelmolaPalermo e Taormina
Vêneto: Burano e Veneza

A Espanha na Fragata Surprise
Andaluzia: Cádis, Córdoba, Granada, Ronda e Sevilha
Castela e La Mancha: Toledo
Castela e Leão: Segóvia

Catalunha: Barcelona, Girona e Tarragona
Galícia: Santiago de Compostela, Caminho de Santiago e cidades da rota




Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Que post delicioso, Cyntia! Vai ter mais histórias de Bologna? Hehe ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, Bolonha vai ter lugar especial nesta nova série de posts aqui na Fragata :)

      Excluir