quarta-feira, 25 de maio de 2016

CCBB-Brasília:
Mondrian e o Movimento De Stijl





Brasília está sediando três exposições de artes plásticas maravilhosas, Frida Kahlo, Marianne Perreti e Mondrian e o Movimento De Stijl, esta em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil até 4 de julho. Posso garantir que esse é mais um motivo pra uma visitinha à cidade.

Se você se apressar, ainda pega as mostras de Marianne Peretti (artista francesa, autora dos vitrais da Catedral) e de Frida Kahlo e suas companheiras surrealistas (e feministas e socialistas), que é um espetáculo e já ganhou post aqui no blog. Essas duas exposições ficam até 5 de junho.

Veja o que você vai encontrar no CCBB, na mostra sobre Mondrian:


Duas coisas liiiiiindas: Pintura nº 4 (1913) e Composição com figura oval (1914)
Tá, minha opinião pode ser bem parcial, porque sou fanzíssima do holandês Piet Mondrian, mas a exposição Mondrian e o Movimento De Stijl está imperdível. Organizada, principalmente, com obras do acervo do Gemeertenmuseum (Museu Municipal) de Haia, Holanda, a mostra é um passeio tão bonito pela trajetória do pintor que a gente nem percebe o quanto ela é didática e elucidativa.

Eu já tinha visto uma mostra gigante de Mondrian no MoMa de Nova York, em 1995, mas nem lá eu tinha conseguido seguir os passos do artista desde a formação acadêmica clássica até o laconismo eloquente de suas linhas retas e cores primárias que, pra mim, levaram a arte a um novo patamar.
O Mondrian que a gente espera, nas composições abstratas, e o que a gente não espera (abaixo), nas telas figurativas do início da carreira

Aluno da Academia Real de Artes Visuais de Amsterdã, Mondrian recebeu diversos prêmios no início da carreira. Van Gogh e outros pós-impressionistas acabaram tendo uma forte influência sobre suas obras, a partir da virada do Século 20—dá para reconhecer os traços de seu compatriota mais famoso em várias telas.

Aos poucos, ele foi se aproximando do Cubismo e acabou por levar um dos fundamentos dessa escola—o reconhecimento das linhas geométricas puras nas formas orgânicas presentes na vida real—às últimas consequências, como a gente vê em suas famosas composições geométricas. 

A influência do Pós-Impressionismo em Casa à luz do sol, de 1909 - fala se não tem um quêzinho de Van Gogh na tela? - e a caminhada para o Cubismo que já aparece no Autorretrato, de 1918
O roteiro da mostra e a seleção de trabalhos têm o condão de traduzir isso muito claramente para o visitante. A gente o figurativismo se esvaindo a cada tela, até chegar à estética que celebrizou o artista e acabou inspirando toda uma escola de arte, o Movimento De Stijl (O Estilo), a arquitetura e o design — além de ser apropriada pela indústria cultural e de consumo, reproduzida em larga escala nos mais variados objetos de uso cotidiano, dos descansos de copo às T-Shirts.

A gente o figurativismo indo embora... Acima, Campanário em Zeeland (1911) e Igreja em Ostkapelle (1909). Abaixo, Farol em Westkapelle (1908) e Moinho à noite (1917)


Obras da pintora holandesa Jacoba van Heemskerck, amiga e interlocutora de Mondrian 

Influências: o Movimento De Stijl levou para a arquitetura e o design a pureza de linhas do abstracionismo de Mondrian
O designer Gerrit Rietveld foi um dos mais destacados "devotos" de Mondrian. Suas peças de mobiliário fazem parte dos principais museus de arte moderna do mundo. À esquerda, a Cadeira Vermelho Azul, também chamada de "Cadeira Mondrian"
A galera que seguiu os passos de Mondrian também está bem representada na exposição. O designer holandês Gerrit Rietveld é uma das estrelas, autor do hit Cadeira Vermelha Azul (popularmente chamada de “Cadeira Mondrian”) e um dos responsáveis por levar os traços do mestre para a arquitetura. 

O pintor e designer holandês Thijs Rinsema está representado com uma divertida e instigante coleção de peças de mobiliário, enquanto o húngaro Vilmos Huszár comparece com telas, objetos e um dormitório interessantíssimo.

Mobiliário criado pelo pintor e designer Thijs Rinsema, expoente do Movimento De Stijl
Conjunto de chá e dormitório à moda De Stijl
A mostra também apresenta obras de Chris Beeckman, Bart van der Leck, Marlow Moss (britânico, talvez o pintor que mais se aproxime dos traços de Mondrian) e Cesar Domela. Duas telas expostas são de Jacoba van Heemskerck, amiga de Mondrian e sua grande interlocutora nos debates sobre a arte, seus rumos e a filosofia (os dois eram adeptos da teosofia).

Se você tiver alguma chance de ir ver essa mostra de Mondrian e sua turma, não perca por nada. As crianças também se divertem um bocado na exposição: além da obra do artista ser atraente para os olhinhos dos pequenos, há um espaço para elas brincarem e fazerem arte à moda desse revolucionário do Século 20.
Mondrian é um queridinho do design. Seus traços estão nos mais variados objetos de decoração
Os artistas do Movimento De Stijl rendem seu tributo ao mestre inspirador
O CCBB Brasília
O CCBB tem um jardim gostoso e sossegado, pontuado por obras de arte
Ontem ouvi de uma colega uma frase que define tudo: "O CCBB é tão legal que toda vez que vou lá eu lamento não ir com mais frequência". É a pura verdade. O lugar é bonito, tem um jardim super agradável, pontuado por obras de arte e com uma senhora vista para a Ponte JK — cuja arquitetura audaciosa parece complementa a cena à perfeição.



E tem, claro, uma programação cultural sempre interessante. Teatro, cinema (filmes que geralmente você não verá no circuito comercial), atividades para crianças, no espaço Colmeia, uma livraria, a Dom Quixote, muito bem fornida de títulos bacanas, com ênfase em livros de arte.

Um programinha que faço de vez em quando — muito menos do que gostaria e mereço — é almoçar no Bistrô Bom Demais, que funciona no agradável e ventilado vão livre do CCBB, com vista ilimitada para o verde que cerca o edifício. A comida é ótima e os preços são inacreditáveis, no universo de Brasília.



Ontem, por exemplo, pedi peito de frango ao molho de cerveja, acompanhado por purê de batatas e alho poró, e estava tudo delicioso. Com refri e um escandaloso picolé de graviola da Delícias do Cerrado (uma sorveteria que faz morar em Brasília valer a pena) de sobremesa, minha conta deu exatamente R$ 30.

Mondrian e o Movimento De Stijl




Centro Cultural Banco do Brasil Brasília - SCES, Trecho 02, lote 22. De quarta a segunda, das 9h às 21h, entrada franca. O CCBB fecha às terças-feiras. Amostra está em cartaz até 4 de julho.


Como chegarO CCBB Brasília oferece ônibus gratuito, que passa a cada hora e tem paradas na Galeria dos Estados, Biblioteca Nacional, Universidade de Brasília e Teatro Nacional. Consulte horários e detalhes aqui. Se o itinerário do ônibus não for conveniente, um táxi das imediações do Congresso Nacional até lá vai custar R$ 20. 

O ônibus gratuito do CCBB foi decorado em homenagem a Mondrian
Brasília na Fragata Surprise

+
+
Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

Nenhum comentário:

Postar um comentário