quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Paris, Rouen e Carcassonne: atrações gratuitas pra economizar seus eurinhos

Place des Vosges, em Paris: e pensar que não se paga
 nadinha pra desfrutar dessa delícia de lugar
Pensou que a França ia ficar de fora? No post anterior, reuni atrações gratuitas bacanas em 19 cidades da Europa (na Itália, Espanha, Portugal, Inglaterra e Irlanda). Agora chegou a vez de Paris, Carcassonne e Rouen. São informações úteis para esses tempos de câmbio desfavorável para o nosso real, mas que valem para a vida toda. Afinal, ver coisas bonitas sem gastar nada não tem hora, né? Anote as dicas e divirta-se :)

Paris


Praças, jardins e as margens do Sena
Place des Vosges, Quai de La Tournelle, Ponte Alexandre III e Jardins de Luxemburgo
Já é um clichê, mas não dá pra escapar de dizer que o melhor de Paris está em suas praças, jardins e as margens do Sena, de graça, ao alcance do olhar e dos nossos pezinhos loucos para caminhar em cenários de cinema. A Place des Vosges, o Jardim de Luxemburgo e o Quai de la Tournelle estão entre os meus preferidos, mas a lista é infinita. Está procurando inspiração? Confira este post: Paris ao ar livre: 4 maneiras deliciosas de "respirar" a cidade

Jardim de Cluny

Luxemburgo e as Tulherias batem um bolão. O jardim do Palais Royal é cercado de uma aura chique. Mas se eu tivesse que escolher uma única área verde em Paris, seria o jardim da antiga abadia cisterciense de Cluny, no Quartier Latin. A abadia abriga o Museu da Idade Média (que é pago, mas recomendo muito que você o visite). O jardim, porém, tem entrada independente e acesso gratuito. O lugar é de uma beleza e de um sossego celestiais, recriando em seu paisagismo as feições medievais.

Fica na esquina dos bulevares de Saint-Michel e Saint-Germain — uma espécie de Ipiranga com São João existencialista (risos). O horário de abertura varia de acordo com a época, das 9h às 17:45, no inverno, e das 8h às 21:30h no verão. Como também tem um horário de meia estação, é bom você checar, antes de ir. Para saber mais sobre Cluny, confira este post: Um passeio pela história da França em quatro museus de Paris

Montmartre, bairro de artistas

Não é qualquer bairro do mundo que pode dizer que serviu de berçário para pelo menos duas escolas artísticas que essenciais. Foi em Montmartre que Renoir traçou as linhas encantadoras de Bal du Moulin de la Galette (O Baile no Moinho da Galette), quadro de 1876 considerado o marco inicial do Impressionismo. Trinta e um anos depois, foi a vez de Picasso, morador do pedaço, pintar Les demoiselles d'Avignon (As senhoritas de Avinhão), obra fundadora do Cubismo.

Caminhando por Montmartre, a gente encontra a mesma luz e muitos dos cenários que inspiraram esses pintores e colegas do calibre de Van Gogh, Gauguin e Modigliani, inclusive o moinho de Renoir e a casa/ateliê de Picasso. É uma delícia e é tudo grátis. Bora? Paris: um passeio em Montmartre

Catedral de Notre Dame

Sorry, Torre Eiffel, mas eu ainda acho que esta veneranda senhora é o símbolo maior de Paris. E admirar seus vitrais, entortar o pescoço acompanhando suas colunas que sobem em direção às nuvens e percorrer a vasta nave desta igreja não custa nadinha — mas leve um mapa explicativo, para economizar o aluguel do audioguia e, ainda assim, acompanhar a verdadeira aula de história que você terá. Aberta a visitação todos os dias do ano, das 8h às 18:45h. Aos sábados e domingos, até às 19:15h.

Jardins do Palais Royal e das Tulherias (do ladinho do Louvre, não esqueça deles!), o Hôtel de Sully e o Museu Carnavalet, ambos no Marais
Museu Carnavalet
Instalado em dois belos palacetes do bairro do Marais — o Hôtel Carnavalet, do Século 16, e o Hôtel Le Peletier de Saint-Fargeau, do Século 17 —, o Carnavalet é um museu muito do simpático, além de permanentemente gratuito.

Dedicado à história de Paris, seu acervo tem peças que remontam à pré-história e ao período galo-romano. Também abriga exposições temporárias — eu vi uma bacanérrima, sobre Picasso e Dora Mars, a fotógrafa que pintou alguns pedacinhos da Guernica e foi uma das mulheres do artista. Fica na Rue des Francs-Bourgeois, nº 16. Abre de terça a domingo, das 10h às 18h.

Hôtel de Sully
Se você quer se sentir em uma cena dos Três Mosqueteiros, precisa dar uma passadinha no Hôtel de Sully, que, aliás, fica ao lado da Place des Vosges, onde a estátua do Rei Luís XIII (o “chefe” de D’Artagnan e seus companheiros) observa os frequentadores com ar blasé do alto de seu cavalo. O Hôtel mesmo não está aberto ao público (é sede do Centro dos Monumentos Nacionais, o Patrimônio Histórico Francês), mas o pátio (cour) e os jardins têm acesso livre, das 9h às 17h. Fica Na Rue de Saint Antoine nº 62, no Marais.

Em outros blogs
18 atrações gratuitas de Paris – por Rafael Sette Câmara, do 360 Meridianos

Carcassonne

O fosso (à esquerda), a Basílica de Saint-Nazarre
e as ruas da cidadela medieval de Carcassonne  
Nesta linda cidade do Sul da França, é preciso pagar entrada para visitar o interior do castelo (Chateau Comtal) e o cinturão interno das muralhas. O gasto vale a pena, ainda mais que todas as outras grandes atrações de Carcassonne são gratuitas: você pode virar do avesso as ruas da cidade medieval murada, pode passear pelo cinturão externo das muralhas, fazer piquenique no antigo fosso (não, não tem crocodilos. O lugar hoje é um plácido gramado), visitar a Basílica de Sainte-Nazaire, explorar a parte “nova”, a Bastide, do Século 14, explorar as margens do Canal du Midi.

E quando a noite cair e a velha cidadela do Século 12 se iluminar, pairando sobre a paisagem, você vai entender que a felicidade, às vezes, não custa dada, mesmo :)

Mais sobre Carcassonne:
Um passeio na Citè

Século 12 ao vivo
Dicas práticas

Rouen

A catedral de Monet

A Catedral de Rouen é um compêndio da arte gótica. Sua construção foi iniciada no Século 12, mas, como era comum na época, a obra estendeu-se até o comecinho do Século 16, incorporando elementos em voga em cada período. Local de sepultamento dos duques da Normandia, a igreja guarda o coração de Ricardo Coração de Leão, rei da Inglaterra que considerava Rouen seu lar. Hoje a catedral é mais conhecida pela série de telas de Monet que a tomou como modelo, brincando de registrar a luz em sua fachada em diferentes horas do dia e estações do ano. A cripta da igreja é remanescente de um templo anterior, do Século 11.

Catedral de Notre Dame de Rouen – Rue Saint-Romain nº 3. Aberta diariamente. Às segundas, das 14h às 19h. De terça a sábado, das 9h às 19h. Aos domingos, das 8h às 18.

Aître Saint-Maclou
O antigo cemitério do Século 14, destinado a receber o grande número de mortos da epidemia de peste hoje faz parte das instalações da Escola de Belas Artes local. O átrio arborizado está cercado pelas construções em enxaimel (com caverinhas entalhadas nas traves de madeira) que abrigavam os ossuários.

Aître Saint-Maclou - Rue Martainville nº 188. Aberto diariamente, das 9h às 18h.

Casinhas de Enxaimel
A atração mais encantadora de Rouen é a típica arquitetura normanda, com suas casinhas de enxaimel multicoloridas, que parecem brinquedo de armar. É totalmente grátis e delicioso explorar o centro antigo da cidade, entortando o pescoço para encontrar um ângulo decente para fotografá-las nas ruas estreitas (se você conseguir sem deitar no chão, parabéns!).

Mais sobre Rouen neste post: A terra do Coração de Leão

 (na Itália, Espanha, Inglaterra, Irlanda e Portugal)

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Acompanhe a Fragata Surprise 
                           Twitter     Instagram    Facebook    Google+


Nenhum comentário:

Postar um comentário