quarta-feira, 5 de junho de 2013

Balu, o meu guru
(ou coisas que aprendi viajando
e mudaram minha vida)


De carro, eu nunca veria a Paulista assim
(São Paulo, setembro de 2012)
Hoje faz quatro anos que vendi meu último automóvel. Já escrevi um post inteirinho, aqui na Fragata, sobre a alegria de interagir com as minhas cidades, desde que tomei a sábia decisão de virar pedestre e usuária de transporte público. Sem contar é claro, a economia de estresse por não ter que enfrentar o inferno do trânsito e a falta de educação de muitos motoristas. Além disso, não ter carro paga uma viagem grande por ano, com o dinheiro que deixo de gastar.

O prazer de ver as cidades cara a cara foi uma das melhores coisas que aprendi viajando. Andando a pé e de transporte público, acabava sabendo muito mais sobre as cercanias de um hotel onde me hospedasse por alguns dias — aquela lojinha fofa, a padaria simpática ou o buraco na calçada — do que sobre a minha própria vizinhança. E via as pessoas, a expressão que traziam nos olhos, ouvia seus sotaques, bisbilhotava suas leituras no metrô. Não é estranho que passasse a querer isso na vida, não só nas férias.

Meu caminho para o trabalho
(Brasília, 410 Norte)
Viajar também me ensinou a viver leve. De tanto carregar mochila e arrastar mala por aí, era inevitável constatar como a vida melhora quando a gente simplifica. Virei suma sacerdotisa do culto a Balu, o urso que usa “o necessário, somente o necessário” e se diverte muito mais do que a maioria das pessoas que eu conheço.

Viver leve é um perigo. Como diz aquela vizinha coroca, começa com uma droguinha inofensiva, tipo malinha de mão. Quando a gente vê, o vício já tomou conta dos armários, detonou os baús e passou um super filtro nas relações sociais  — essa regra só não vale para os livros, tá?

Balu: "Eu uso o necessário"
Outra dádiva das viagens é aprender a dialogar com o tempo. É tão bom rabiscar roteiros, pesquisar lugares e contextos que desejar e planejar viram partes essenciais da festa. E aí, nada mais precisa ser pra ontem, porque descobri que a vida também acontece nas muitas horas transcorridas entre dois dias memoráveis.

Como nada é pra ontem, viajar também me ensinou a deixar coisas para amanhã. Descobri como é bom descumprir as tarefas da gincana e fazer o que contenta meu coração, mesmo que eu não suba a Torre Eiffel, passe longe de um museu "obrigatório" e belisque bobagem em vez de ir a um restaurante "para o currículo". Se nenhuma dessas coisas vai sair correndo, muito menos eu vou me despencar atrás delas. Que fiquem como uma razão para eu voltar.

Antigamente, acreditava-se que “pessoas viajadas” eram mais “cultas”. Tenho a maior birra desta palavra, que associo àquele conhecimento ornamental e enciclopédico destinado a preencher conversa pedante. As coisas que aprendi viajando não me qualificaram para entreter ninguém, mas algumas delas mudaram minha vida — e têm me feito um bem danado.

Atualização (em 30/09/2013): se você curtiu essa postagem, acompanhe o registro fotográfico das minhas andanças cotidianas no Facebook e no Instagram, pela hashtag #vidadepedestre

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

8 comentários:

  1. Ótimo texto, parabéns! Também sou adepto dos sem carro e adoro!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rafael.
      Fico surpresa com a quantidade de gente que está fazendo a mesma opção que a gente. Quem sabe nossas cidades ainda podem ter salvação. #torcendo :)

      Excluir
  2. Cyntia, você tem um dos melhores textos da internet brasileira, falando de viagem, então, é insuperável! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Pô, Vitor, não exagera que eu fico sem graça xD

    ResponderExcluir
  4. Olá Cyntia
    Acabo de conhecer teu blog por conta do nosso grupo no Facebook. Voltarei para ver suas outras viagens. Me identifiquei totalmente com o penúltimo parágafo deste post, penso da mesma forma. Chego a ficar cansado quando escuto relatos de algumas pessoas que num único dia estiveram em 50 lugares, como se fosse uma gincana "quem conhece mais".
    Grande abraço e prazer ter conhecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que fazer gincana em viagem Jorge, é fazer gincana na vida. Fruir é tão melhor que acumular, né?
      Obrigada por navegar na Fragata Surprise :)

      Excluir
  5. Cyntia, tb tenho descoberto essas coisas. Fui agora pro Peru com Ciro. Vish, foi tão bom ....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Peru é um barato, né, Mary? Já fui três vezes e quero voltar muitas outras. Tem tanto pra ver...

      Excluir