sábado, 18 de maio de 2013

Cotopaxi: o primeiro vulcão
ativo a gente não esquece

Dá para chegar de carro até a base do vulcão,
a 4.500 metros de altitude
Um dos programas mais populares entre os turistas que passam por Quito é a visita ao Vulcão Cotopaxi, a segunda montanha mais alta do Equador (5.897 metros), a cerca de 30 quilômetros ao Sul da capital.

O Cotopaxi anda quietinho há cerca de um século, mas é um vulcão ativo, um dos mais altos do mundo. Em 2002, por exemplo, ele soltou uns rugidos, mas não chegou a morder. Sorte de quem mora perto (e nem tão perto): em 1877, a lava e a lama provenientes de sua erupção viajaram e causaram estragos a mais de 100 km de distância de sua cratera.

O acúmulo de sedimentos não deixa dúvida:
esse moço gosta de atividade
Para ver o Cotopaxi, engajei-me num tour. A programação é oferecida por praticamente todas as agências de Quito e o que achei mais interessante foi a possibilidade de descer boa parte da encosta do vulcão de bicicleta. A saída do passeio é bem cedinho, lá pelas 7 horas, com regresso no final da tarde.


A ideia era descer a encosta do vulcão de bicicleta, 
mas estava frio demais...
Estava animadíssima para ver o Cotopaxi — a primeira vez, cara a cara com um vulcão ativo, a gente não esquece — e nem dei bola para o fato de que iria chegar a 4.500 metros de altitude para, a partir daí, fazer uma caminhada de 1,2 km, encosta acima, até um refúgio usado por montanhistas. Minhas experiências com o soroche (o mal da altitude) sempre foram muito light. No máximo, um pouquinho de falta de ar, normal em fumantes, e que passa logo. Mas desde a subida da Ilha do Sol, no Lago Titicaca, eu já devia ter aprendido a não me meter a fazer escaladas nessas condições…


Desta vez, porém, eu fui salva pelo vento. As rajadas estavam tão fortes que pareciam ter afetado o meu labirinto. Era simplesmente impossível tentar andar sem parecer completamente bêbada. Desisti da caminhada e resolvi apenas contemplar o colossal Cotopaxi de sua base, repito, a 4.500 metros de altitude. E não me senti nem um pouquinho frustrada por isso: o explorador alemão Alexander Humboldt, muito mais Indiana Jones do que eu, também não passou desse estágio, quando tentou encarar o vulcão.

Uma caminhada de 1,2 km leva até um abrigo de onde os montanhistas saem de madrugada para alcançar o cume do Cotopaxi
Todos os grupos de excursionistas que entram no Parque Nacional do Cotopaxi têm que estar acompanhados de uma guia nativo. Isso é muito bacana, pois não é justo que as comunidades tradicionais sejam alijadas da indústria do turismo em suas terras. É uma forma de garantir que o impacto do turismo tenha alguma contrapartida.

A paisagem aos pés do vulcão. Repare que ele é meio tímido e gosta de se esconder entre as nuvens :)
Só mesmo na horinha que eu ia embora é que ele apareceu inteiro, pra se despedir
Para os visitantes também e uma super vantagem, pois os guias urbanos que os acompanham desde Quito estão muito mais focados na aventura do que nas tradições locais. Nossa guia, Rosário, que vive num vilarejo próximo, estava muito mais preparada para falar da fauna, da flora e das lendas que cercam o Cotopaxi, uma montanha sagrada para seus antepassados.

Os grupos independentes que vierem ver o Cotopaxi podem contratar guias locais no centro de apoio ao vistante, na entrada do parque.

O cume do Cotopaxi. Será que é falta de respeito ficar pensando em Oreo diante dessa imagem?
Uma coisa que já estava careca de saber, na teoria, mas acabei aprendendo pra valer, é que a 4.500 metros de altitude todo agasalho é pouco. Eu estava vestida com malha térmica para neve e corta vento e, mesmo assim, senti um frio do cão lá em cima. O vento gelado acabou fazendo com que todos os sete integrantes do meu grupo desistissem da descida com as bikes, e olha que tinha até uma polonesa entre nós, muito mais acostumada com baixas temperaturas.

O vento só ajudou numa coisa: limpou as nuvens que escondiam o cume do Cotopaxi, na hora que chegamos e permitiu que fizéssemos algumas fotos do bonitão.

A pousada com vista para Los Ilinizas 
serve de base de apoio para a visita ao Cotopaxi

Contra o soroche, 
balinhas, em vez de chá
Fui ao Cotopaxi com a Ecuador Treasures, que tem um escritório na rua Juan León de Mera, em La Mariscal, bem pertinho da Plaza Foch.

Eles cobram US$ 45 pelo passeio, com uma parada para o café da manhã (frugalzinho) na Pousada Chuquiragua, mantida pela agência na vila de Chaupi, no caminho para o vulcão. Na volta, há uma nova parada na pousada, para o almoço, que estava muito bom: bifinho, salada e um locro de papas (sopa de batata) delicioso.

No cômputo geral, gostei do passeio, mas a combinação de vento e altitude me deixou bem mareada, na volta para a cidade. Acredito que o grande erro foi ter ido ao vulcão logo no começo da viagem, quando ainda não estava aclimatada sequer aos 2.800 metros de Quito.

Senti falta, também, do mate de coca, tão consumido no Peru e na Bolívia e tão importante para domar o soroche. No Equador, não vi o chá ser oferecido em nenhum momento e desconfio que ele não seja muito popular por lá. Acabei aderindo às balinhas de coca, que são menos eficientes, mas bem gostosinhas.

Eu e o vulcão
O Equador na Fragata Surprise
Dicas práticas para planejar e curtir sua viagem
Quito, dona do maior conjunto arquitetônico colonial das Américas
Cotacaxi, bom lugar para comprar acessórios em couro
Otavalo – o mercado andino


Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

4 comentários:

  1. Ótimo post.
    Fiquei com vontade de conhecer :)
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  2. Nossa seus relatos são incríveis!! Amando! Vou ao equador em outubro e quero mundo conhecer alguns vulcões

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Debora, se você tiver mais tempo, experimente o trem que faz a "Avenida dos Vulcões" de Quito a Riobamba, com parada no Cotopaxi e no Nariz do Diabo. Eu não fiz essa viagem porque meu tempo no país foi contadinho, mas morro de vontade. Se fizer, depois me conta como foi :)

      Excluir