quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Santuário de Fátima:
Guia para descrentes

Não imaginava que os portugueses fossem tão devotos de sua seleção nacional de futebol 😉
“Caramba, você consegue gostar do todos os lugares por onde passa?” O espanto de um amigo querido diante dos louvores que eu tecia a uma cidadezinha perdida no meio do nada, nos confins da Amazônia, define bem minha alma de viajante: acho que todos os destinos têm seus encantos.

Mas se tem um tipo de lugar aonde eu não tenho a menor vontade de ir são esses santuários grandiosos, impostados e opressivos, tipo Aparecida e... Fátima.


Religiosidade popular, OK. Acho Monte Santo, na Bahia, um destino superinteressante. Amei o Mosteiro de São Miguel de Panormiti, na Grécia, e até já fiz o Caminho de Santiago (meu ateísmo tem muita curiosidade antropológica).

O que eu não curto é o oficialesco. Mesmo assim, não escapei de dar uma passada em Fátima, nesta visita a Portugal, pois minha mãe e minhas tias pediram para incluir a cidade no roteiro, “já que a gente vai passar tão pertinho”.


Penitentes no Santuário de Fátima
Onde ficar


Dom Gonçalo Hotel e Spa: gratíssima surpresa

Nossa ida a Fátima foi decidida tão de última hora que chegamos sem reserva de hotel. Assim que chegamos a um pedaço da cidade lotado de hotéis, embiquei o carro no primeiro estacionamento (eu estava cansadíssima). E não é que esta mulher de pouca fé desembarcou no paraíso?

O Don Gonçalo Hotel e Spa era tudo que eu estava precisando para me refazer de um final de tarde e começo de noite extenuantes: bonito, confortabilíssimo e com um atendimento que só falta carregar o hóspede até o quarto.

As áreas comuns são elegantes. Tem até uma lareira

As áreas comuns são decoradas com extremo bom gosto, os sofás e poltronas são do tipo que abraçam a gente (colinho! colinho!) e a sala com lareira, muito aconchegante, foi o contraponto perfeito à temperatura de 4 graus que eu tinha que enfrentar, cada vez que saía para fumar.



O WiFi, rapidíssimo, gratuito, funcionava muito bem em todas as dependências (não testei na garagem...). Os apartamentos, imensos, com uma bancada de trabalho cheia de tomadas (parece besteira, mas como são econômicos em tomadas os outros hotéis desta viagem. Nessa noite, recarreguei o celular, o 3G, o notebook e as baterias da câmera ao mesmo tempo!!), cheio de mimos e detalhezinhos, roupões...

Quarto super confortável

Acabei não usando a jacuzzi e perdi a hora da massagem, mas o Don Gonçalo foi uma super pedida. A dica vale não só para quem vai a Fátima, mas para quem está passeando pela região e quer uma super hospedagem a preço de hotelzinho básico: pagamos €72 no apartamento duplo, que é a tarifa não reembolsável para reservas pela internet.

A visita ao Santuário de Fátima
O complexo religioso fica bem perto do bairro que concentra os hotéis, uma caminhada de, no máximo, dez minutos. Os horários das missas são divulgados nas recepções dos hotéis.


Acompanhei minha mãe e minhas tias até lá, dei uma rápida entradinha na igreja (depois de ver tantos templos lindos em Portugal, essa não me pareceu ter qualquer atrativo) e fiquei observando as pessoas que chegavam.

Muitas carregam velas enormes. Outras atravessam a imensa esplanada de joelhos. A maioria vai embora carregando sacolas de compras: garrafas de água benta, imagens, medalhinhas. É um fenômeno que não compreendo bem...

Como chegar
Fátima está a 126 km de Lisboa, pela Autoestrada A1, cerca de uma hora e meia de viagem. Se não quiser dirigir, também é fácil chegar de ônibus. A Rede Nacional de Expressos tem diversas partidas da capital portuguesa para lá, a partir das sete da manhã até as 19:30h. Os ônibus partem do Terminal de Sete Rios (Estação Jardim Zoológico do Metrô) e as passagens custam €11 (cada perna). O Terminal Rodoviário de Fátima fica a menos de 500 metros do Santuário.

Dica preciosa
Quase em frente uma das entradas do Santuário, na Rua João Paulo II, a loja de doces que funciona no térreo do Hotel Três Pastorinhos é visita obrigatória. Foi lá que encontrei o melhor biscoito de limão que já comi em toda a minha pecadora existência (desbancou os que comi em Roma, na feira de Campo dei Fiori, em Roma). À primeira vista, parecia broa de milho. Na primeira mordida, era uma epifania. De quebra, ainda comprei uns biscoitinhos de gema simplesmente celestiais.

Portugal na Fragata Surprise
Roteiros
20 dias em Portugal - roteiro de carro
Roteiro de carro redondinho: de Lisboa a Santiago de Compostela

Dicas gerais
De carro em Portugal: como organizar sua viagem
Portugal: 8 razões pra voltar (sempre e muito)
Dicas práticas: de carro entre Lisboa e Santiago de Compostela
Os viajantes, as crises e a vida real
Perdida na tradução: o Português de Portugal

Comer/beber/petiscar
Muito além do Bacalhau: o que comer - e onde comer - em Portugal
A mesa portuguesa ou Pantagruela rides again
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Doces portugueses: tentações com origem divina
Surpresa: hambúrguer português bate um bolão. Três lugares para praticar o sacrilégio
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Hospedagem

Onde me hospedei em Portugal (Aveiro, Porto, Coimbra, Évora e Lisboa)
Amarante: o charme da hospedagem rural
Hospedagem em Alcobaça: Solar Cerca do Mosteiro
Lisboa: duas dicas de hospedagem
Hospedagem na Cidade do Porto: Hotel Aliados

Destinos
Lisboa

Fim de ano na Europa: vale a pena? Como foi meu Natal em Lisboa
Museu Nacional de Arqueologia: bom passeio em Belém
Mirantes de Lisboa: 7 lugares pra ver a cidade do alto e se apaixonar
Tesouro de Portugal: o Convento do Carmo, em Lisboa
Lisboa: como aproveitar uma conexão (dicas práticas e passeios)
Minhas melhores memórias de Lisboa
A fantástica fábrica de pastéis de Belém
Lisboa: Mercado da Ribeira - reunião de delícias portuguesas
Bertrand, a livraria mais antiga do planeta


Alcobaça
O que ver no Mosteiro de Alcobaça

Hospedagem impecável: Solar Cerca do Mosteiro


Aveiro

Batalha
O que ver no Mosteiro da Batalha

Braga
O que ver em Braga em um bate e volta a partir do Porto

Coimbra 
Coimbra: simpatia prévia e encanto para toda a vida
Onde ouvir o Fado de Coimbra
Coimbra: dicas práticas
Uma visita à Universidade de Coimbra
O Convento de Santa Clara
Museu Nacional Machado de Castro: lindo, surpreendente, imperdível

Évora
O que fazer em Évora
Évora - dicas práticas
Como organizar um bate e volta a Évora a partir de Lisboa
Passeio lindo nos arredores de Évora: o Castelo de Montemor-o-Novo

Óbidos
Paixão instantânea

Peso da Régua 

Um passeio pelo Rio Douro

Porto

Dicas práticas
O que fazer no Porto
Lello, a livraria mais bonita do mundo
Cidade do Porto: aos pouquinhos, eu vou ficando...
Como aproveitar uma conexão: 8 horas na Cidade do Porto
Cidade do Porto, terra de navegadores
Mercado do Bolhão, no Porto, pra viajar com os cinco sentidos
Porto: café com estilo no Majestic e Guarany

Serra da Estrela
Um passeio por Seia, Piódão e outros encantos

Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

2 comentários:

  1. Embora esteja mais para um cético, uma das viagens mais interessantes que fiz na minha vida foi, em 2006, a Juazeiro do Norte. A religiosidade popular nordestina é muito forte e, frequentemente, emocionante. Minhas fotos da época estão no flickr

    ResponderExcluir
  2. Adoro ir à Igreja do Bonfim, em Salvador, numa primeira sexta-feira do mês. Quando era criança, ficava horas vendo os ex-votos. Taí, vc, me deu uma boa ideia: vou programar uma viagem a Juazeiro do Norte:)

    ResponderExcluir