terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Ilhas gregas: Sými

Sými é um mosaico de casinhas coloridas, 
com uma praia deliciosa e bons restaurantes de frutos do mar
Uma das grandes vantagens de estar em Rodes (além da beleza, das praias espetaculares e do patrimônio histórico de rasgar a roupa) é que a maior ilha do Dodecaneso oferece uma infinidade de conexões para outros pontos do arquipélago.

Lanchas rápidas, ferry boats, veleiros... Você escolhe: basta um passeio pelo lindo porto de Mandráki para a gente ficar tonta de tantas opções de passeios a ilhas maravilhosas, como Chálki e Kastelorizo, ou a cidades da costa turca, como Marmaris e Datça.


Sem querer maltratar corações, 
é preciso que eu lhe diga, caro leitor, 
que passei um bom tempo mergulhada nessas águas...
Escolhi ir a Sými, uma das ilhas mais próximas a Rodes, pela facilidade de chegar lá e pelas referências que encontrei nas infinitas pesquisas sobre o arquipélago. Quer saber? Nem toda a tonelada de leituras que fiz antes da viagem conseguiram me preparar para a beleza dessa perolazinha do Egeu.

O encantamento, aliás, começa muito antes da chegada a Sými. Se a cidade de Rodes é linda vista de pertinho, fica ainda mais espetacular vista do mar, enquanto o ferry boat vai se afastando do cais e o olhar começa a enquadrar, juntas, as muralhas dos cruzados, as cúpulas otomanas, as linhas "venezianas" da Cidade Nova e as colunas do Templo de Apolo.

O encanto começa com Rodes vista do mar. Repare lá no cantinho esquerdo, no alto, os vestígios do Templo de Apolo
A cidadela dos Cruzados vista do mar

Depois, a brincadeira é contar os milhares de tons de azul do Mar Egeu — e perder a conta, e começar de novo, cada vez mais extasiada com tamanha beleza.

O ferry que faz a rota para Sými, o Panagia Skiadeni, da Dodekanisos Seaways, é novinho em folha e muito confortável. Mas poucos passageiros aproveitam o salão com sofás e poltronas fofinhos, ar condicionado tinindo, mesinhas para carteado e lanchonete sortida: fica todo mundo apinhado na balaustrada, namorando as rochas escarpadas e áridas que brotam das águas sem aviso prévio — nem uma prainha como mediação — num contraste desconcertante com aquelas águas hipnóticas.

A embarcação tem salão com ar condicionado, mesinhas à sombra do lado de fora...
... mas os passageiros querem mesmo é ver a paisagem do Egeu, no convés superior
Após 1h30min de navegação, a primeira escala do Panagia é no Mosteiro do Arcanjo Miguel, em Panormiti (clique no link pra ler o post), no sul da Ilha de Sými. É uma paradinha de uma hora, antes antes do ferry seguir para o melhor da festa.

Sými é tudo que a gente imagina de uma vila pesqueira grega, com casinhas coloridas salpicadas à beira d'água e serpenteando pela montanha e barquinhos multicores que parecem suspensos no ar, de tão límpido que é o mar.

Gialós, "a cidade baixa", onde fica o porto...
... e Chorio, a "cidade alta
A "vila de Sými", na verdade, são duas: Gialós, na área do porto, e Chorio, no alto da montanha. Entre as duas, uma escadaria que parece pirraça, debaixo do sol de 35 graus. Para compensar, a praia é de matar de deliciosa.

Sými é uma ilha de marinheiros, com devoções de marinheiros por toda a parte, como atestam o mastro de barco e as bandeirinhas de sinalização no adro da igrejinha de Chorio. Eu mesma, só de olhar para aquele mar, descobri uma fé novinha e até inventei uma oração: a cada cinco minutos, eu repetia: "Poseidon, você é o cara!".

Uma ilha de marinheiros, com devoções de marinheiros. A igrejinha de Chorio tem um mastro de barco e bandeirinhas de sinalização naval como adornos
Como chegar
Como eu disse lá no começo, são muitas as opções para chegar à Ilha de Sými. Pela Dodekanisos Seaways,  há embarcações  partindo de Rodes diariamente, exceto às quartas-feiras. A melhor opção é com o Panagia Skiadeni: o passeio de um dia, com parada em Panormiti e retorno a Rodes no final da tarde, custa €15, se a passagem for comprada no quiosquinho do Porto de Mandráki (as agências oferecem o mesmo passeio por €22).

A paisagem durante a navegação

O que fazer em Sými
Simpatia à moda de Sými
Comece com um passeio por Gialós, para admirar as belas fachadas neoclássicas, de colorido exuberante, fuçar as lojinhas de artesanato e os tabuleiros das peixarias cheios de tentações recém saídas do mar.

Um passeio por Gialos

Uma curta caminhada leva até à Praia de Nos, de solo pedregoso (santas sapatilhas de hidrobyke, que comprei em Rodes...) e águas inacreditáveis. Lá funcionam pequenos restaurantes que ficam lotados durante as escalas dos barcos de turistas. Se decidir subir até Chorio, prepare-se para encarar 375 degraus. A vista vale a pena.

A praia de Nos — sério, gente, isso existe...
Essas sapatilhas, compradas em um mercadinho de Rodes,
foram providenciais no piso pedregoso das praias gregas 

só não perguntem por que eu ainda estava tão branquela, depois de quase duas semanas de Grécia :)
Hospedagem
Há muitas opções em Gialós e Chorio. Consulte o site oficial de turismo da ilha.

O Porto de Gialos tem muitas ofertas de pequenos restaurantes que servem frutos do mar fresquinhos
Onde comer
A vista da minha mesa no Restaurante La Vaporetta
Para fugir da lotação esgotada dos restaurantes da Praia de Nos, preferi escolher uma mesinha à beira d'água, no cais de Gialós. O restaurante La Vaporetta, como quase todos da área, tem uma escadinha direto para o mar transparente e cadeiras com almofadas impermeáveis para clientes que intercalam garfadas e mergulhos. Meu prato de lulas estava de gritar, de tão bom. Com tacinha de vinho e créme brulée de sobremesa, paguei  €22, com direito a essa vista aí da foto acima...

Até hoje eu sonho com essas lulas...

Dicas para organizar uma viagem à Grécia

A Grécia na Fragata Surprise
Um livrinho e esse mar. Precisa mais?
Atenas



Curtiu este post? Deixe seu comentário na caixinha abaixo. Sua participação ajuda a melhorar e a dar vida ao blog. Se tiver alguma dúvida, eu respondo rapidinho. Por favor, não poste propaganda ou links, pois esse tipo de publicação vai direto para a caixa de spam.
Navegue com a Fragata Surprise 
Twitter     Instagram    Facebook    Google+

7 comentários:

  1. Muito obrigada! Adorei suas dicas
    Semana que vem irei ficar uma semana em Rhodos e já anotei tudinho
    Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Beatriz, vc agora me deixou com saudade de Rodes. Curta muito sua viagem e depois me conte o que achou. Bjo

      Excluir
  2. Muito legal seu blog, um amigo grego-brasileiro que não tinha notícias há 26 anos acabou de me achar no FB. Morava em Atenas e agora está em Rhodes. Entrei na net pra ver sobre Rhodes e li sobre a Ilha de Symi e achei seu Blog. Muito legal sua descrição do passeio. Certamente se for a Rhodes, irei visitar Symi. Valeu a dica! Abraço. Nelson.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nelson que legal! Um dos meus planos de viagem é dedicar mais tempo ao Dodecaneso, fazer Rodes de base e explorar várias ilhas lindas do arquipélago. Morri de vontade de ficar uma temporadinha em Sými. Se vc tiver a oportunidade, não perca :)
      Abs

      Excluir
  3. Oi, Cynthia
    Pretendo visitar Rodes em Junho 2017 e pergunto se vale a pena ficar 1 ou 2 dias em Simi ou se o bata e volta a partir de Rodes é suficiente.
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc tiver tempo pra ficar em Sými, não pense duas vezes. Curtir aquelas praias sem pressa virou meu sonho de consumo :)

      Excluir
  4. Olá Cyntia, falta-me apenas um mês para ir à Grécia e estou encantada com tudo o que descreve desse país azul, vou a Athenas e depois Rhodes, como não vou ficar muitos dias serão apenas três vou ver esta magnifica ilha, Lindos também faz parte do meu programinha, beijinho e obrigada

    ResponderExcluir